sábado, 29 de setembro de 2018

Você vota em valores ou em figuras políticas? Uma reflexão sobre consciência e alienação



A idolatria política é fruto da alienação ideológica, que por sua vez é resultado de duas coisas: carência existencial e ignorância intelectual. O autor de "Visões e Ilusões Políticas", David Koyzis, respalda bem esse conceito.

O sábio ideologicamente carente se torna tão ignorante quanto um analfabeto, enquanto o analfabeto existencialmente resolvido se torna mais sábio do que um doutor. No estágio da alienação, no entanto, ambos se tornam iguais em capacidades de julgamento moral.

Quem não entende isso e não consegue avaliar a si mesmo diante das ideologias humanas, possui 99% de chance de se alienar, e consequentemente se tornar ignorante.

A ênfase da alienação na política está no discurso sobre pessoas, mas não sobre projetos. No partido, seus aliados e conchavos, mas não no que eles representam quando analisados separadamente.

O alienado endeusa o candidato, por isso o seu discurso quando analisado e espremido só pinga eferências ao ídolo, mas não ao que ele representa. Ideias deixam de existir para o louvor da imagem.

Mas, quem por outro lado entende isso, caminha com ideias. Defende valores e luta por propostas que são alinhadas com o que acredita. Pouco importa a figura do seu candidato, pois o importante está no que ele representa e corresponde.
Quem entende isso não trata a política como torcida de futebol. Essa pessoa não possui "times", muito menos técnicos preferidos, até porque nem no futebol os técnicos são vitalícios. Se errar, é demitido e ponto final.

Quem entende isso segue seus valores e filtra tudo o que vem "de fora", de modo a reter o que é bom e descartar o que é ruim.

No final das contas, essa pessoa ergue a sua balança moral e deposita nela seus prós e contras, escolhendo o lado que de forma objetiva e irrefutável pesa mais do que o outro.

Simples assim.



Will R. Filho
______________________________
Opinião Crítica