sábado, 31 de dezembro de 2022

A Igreja em luto: morre aos 95 anos o Papa Emérito Bento XVI

A Santa Sé comunicou, com profundo pesar, neste sábado, 31 de dezembro, o falecimento do Papa emérito Bento XVI, aos 95 anos de idade, no Mosteiro Mater Ecclesiae, onde ele vivia desde a renúncia ao pontificado, em fevereiro de 2013.

“Com pesar informo que o Papa Emérito Bento XVI faleceu hoje às 9,34, no Mosteiro Mater Ecclesiae, no Vaticano. Assim que possível, serão enviadas novas informações”, consta no comunicado do diretor da Sala de Imprensa da Sala de Imprensa da Santa Sé.

Desde 28 de dezembro, cresceu a preocupação sobre o estado de saúde de Bento XVI após o Papa Francisco ter pedido aos fiéis, ao final da audiência geral, que fizessem “uma oração especial pelo Papa emérito Bento XVI, que no silêncio está sustentando a Igreja”. E prosseguiu: “Recordemos que ele está muito doente, pedindo ao Senhor que o console e o sustente neste testemunho de amor à Igreja até o fim”.

Joseph Ratzinger, que foi eleito papa em 19 de abril de 2005, sucedeu a São João Paulo II. Ainda não há detalhes sobre os funerais de Bento XVI.

Fonte: O São Paulo

terça-feira, 15 de novembro de 2022

Advento um novo começo


Muito em breve encerraremos o Ano Litúrgico para, mais uma vez, iniciar um novo. Essa renovação no calendário civil acontece somente no último dia de dezembro, com a conhecida ‘festa da virada’. No entanto, a Igreja deseja recordar que a vida cristã é, antes de tudo, um dom do amor de Deus. Por isso, somente a Ele confiamos o princípio, o meio e o fim de todas as coisas.

Com o Advento – o tempo da alegre espera – começamos sempre de novo a grande preparação para celebrar a Natividade de Nosso Senhor Jesus Cristo. Nós que formamos a ACN temos ainda um vínculo todo especial com essa data, pois é também o marco inicial da nossa obra: no Natal de 1947 foi publicada a grande mensagem, intitulada “Sem lugar na hospedaria”.

sábado, 29 de outubro de 2022

Bolsonaro: “Se for da vontade de Deus, estou pronto pra reeleição”


Ao fazer suas considerações finais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) agradeceu a Deus por sua vida, se referindo ao atentado que sofreu em 2018 quando foi esfaqueado por Adélio Bispo na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Em seguida, o candidato à reeleição se mostrou temente a Deus a falar sobre se manter no cargo.

–Se esta for a Sua vontade, estarei pronto para ser novamente o presidente da República – declarou.

Brasileiros que votarem contra o PT serão heróis da resistência



O momento mais importante da República Federativa do Brasil se aproxima. Portanto, a história ensina-nos que heróis nascem em tempos de guerra. Nessa arena política efervescente, cada brasileiro que votar contra o PT será um herói da resistência contra a esquerda tirânica – aparelhada pelo ativismo do STF e/TSE, velha mídia, instituto de pesquisas, terroristas internacionais, narcoestado, ditaduras pelo mundo, jornalistas, intelectuais, ex-presidentes e agrupamentos em universidades e escolas em todo país.

Esta guerra contra a democracia começou com a anulação da sentença do ex-presidiário Lula, condenado em três instâncias da Justiça a 25 anos de prisão, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Continuou a fraude com a permissão para que o descondenado se tornasse candidato ao mais alto cargo do país, por um partido que desviou bilhões de dinheiro dos pagadores de impostos.

Resistência contra um partido tirano, do caso Celso Daniel, mensalão, petrolão, escândalo dos fundos de pensão, pedaladas da Dilma, e por último, o “radiolão” – o maior esquema de corrupção na história do Brasil.

Manifesto anticomunista do padre Cícero

 


“Caríssimos fiéis: que a fé vos salve!

A horda vermelha ameaça, com suas garras de abutre, destruir a nossa felicidade, perturbando a paz do Brasil em seus fundamentos seculares – a própria organização da família, célula-mater da sociedade cristã. A Igreja de Jesus Cristo, que tem sido em todos os tempos visada com ódio e rancor pelos pregadores de ideias subversivas, é, nesta hora de graves apreensões para a grande pátria do Cruzeiro, o alvo predileto dos emissários de Satanás.

Acenando com a falsa bandeira do liberalismo, a besta fera do apocalipse atira suas patas de fogo contra a estabilidade de nossas instituições! Ai daqueles que prestarem seu auxílio aos inimigos de Deus. As lavas ardentes do vulcão bolchevista lamberão a face da terra, e, sob os escombros da fé, calcinada pelas labaredas do Anticristo, ressurgirão Sodoma e Gomorra.

De pé, cristãos do Brasil. Guerra de morte aos que empunharem a bandeira vermelha do liberalismo, para estancar em nossas almas a fonte perene de fé e entregá-la inerme nos braços de Satanás. Cegos serão todos aqueles que cerrarem os olhos à evidência da verdade!


Juazeiro, fevereiro de 1930.
Ass. Padre Cícero Romão Batista”.

Católico não pode votar em um candidato comunista!



Minha condição de sacerdote obriga hoje uma mudança de atitude na comunicação com meus estimados leitores. Da habitual reflexão calma e ponderada, que visa ilustrar mentes e elevar corações, a partir da observação desses borrascosos dias em nossa pátria, venho trazer um brado aflito e ao mesmo tempo confiante. Há uma ameaça grave que precisa ser enfrentada com sabedoria e firmeza.

É notório, as eleições deste domingo definirão o futuro do Brasil. Há duas direções absolutamente incompatíveis, a do comunismo esquerdista, corrupto e escancarado pretendendo voltar, como se tem dito, “à cena do crime”, por um lado. E uma imensa onda indignada, a opinião da alma profunda dos brasileiros, felizes com os rumos renovados de nosso país, que começa a voltar às suas tradições cristãs e civilizadas.

Estávamos bastante confiantes na inexorável vitória da luz sobre as trevas, nessa hora que se aproxima. Até que um fator “novo” se levantou, e nos empurra fortemente à frente de batalha pelas almas. Chamei de novo entre aspas, porque nada há de novo nele. Reaparece a voz da famigerada esquerda católica, que andava silente, em ilusória certeza de vitória, que os ímpios alimentavam em sua insensatez.

Inspirada na teologia da libertação marxista, infiltrada no clero e em parte da Hierarquia eclesiástica nos últimos 60 anos, a rejeição que causava no povo miúdo de Deus era tanta, considero eu, que por isso se calava. Agora bateu o pânico, e se puseram a falar alguns de seus arautos, sempre daquele modo dúbio, tanto ao gosto do demônio, que adora águas turvas.

Refiro-me a inúmeras manifestações de sacerdotes, mas sobretudo à nota emitida pela CNBB, verdadeiro sindicato que se apresenta como se tivesse autoridade, que na realidade não tem.

Para desqualificar a visita do candidato anticomunista e contrário ao aborto a Nossa Senhora Aparecida, foi divulgada, no dia 12 de outubro, nota claramente direcionada à política, como pode perceber qualquer leitor que se debruce sobre o texto.

Transcrevo trecho: “Ratificamos que a CNBB condena, veementemente, o uso da religião por todo e qualquer candidato como ferramenta de sua campanha eleitoral.” Nunca falaram isso quando comunistas ateus recebiam sacrilegamente a comunhão em períodos eleitorais. Não é difícil, tampouco, perceber a quem beneficia a matreira advertência… 

Ora, a boa doutrina católica indica que cada cristão deve sempre proclamar a Cristo, a confessar a fé! E um bispo responde somente ao Papa, que cumpre a tradição apostólica de continuar cumprindo a tarefa que Nosso Senhor deu a Pedro: apascenta minhas ovelhas.

Falei em águas turvas, indico onde estão: nas palavras pretensamente sensatas sugerindo que não se misture religião com política! Estavam calados enquanto se propunha abertamente as pautas comunistas de paganização do povo, via destruição da família – aborto, sexualização infantil, liberação do consumo de drogas. Abrem agora um feio bico de corvo, para dizer que religião nada tem a ver com política. Claríssimo, não?

Com a perspectiva de fragorosa derrota dessas pautas tão queridas, na reta final da campanha, mobilizam-se para tentar as almas menos fervorosas, os católicos acomodados. Visam também os homens de bem, que desenvolveram asco pelas manobras políticas, sem perceber que os tempos mudaram, como ficou claro na expressiva votação de jovens conservadores para os próximos parlamentos, no primeiro turno.

Para aqueles lobos com pele de ovelha, agora se deve ignorar o imperativo religioso, de não pactuar com os crimes que governos comunistas promovem onde dominam. Poupo os leitores de maiores demonstrações do que acabo de afirmar, embora não possa me calar sobre a paixão da Igreja na Nicarágua, onde sopram agora os ventos mais fortes da perseguição…

sexta-feira, 28 de outubro de 2022

Sobre a carta de um grupo que se intitula “Bispos do Diálogo pelo Reino”


Bispos católicos se manifestam contra carta anônima de bispos comunistas, que critica o atual governo do presidente Bolsonaro.

Muitos estão perguntando sobre uma Carta divulgada por um grupo que se apresenta como “Bispos do diálogo pelo Reino”.

Um grupo de “bispos” lançou, na manhã desta segunda-feira (24), uma carta contra a reeleição de Jair Bolsonaro (PL) à Presidência da República, sem citar diretamente o presidente, mas se referindo ao governo atual.

Intitulado “Bispos do Diálogo pelo Reino”, se supõe que o coletivo reúne bispos da Igreja Católica de várias regiões do Brasil e, no documento, afirma que o segundo turno das eleições coloca a população brasileira “diante de um desafio dramático” que não permite a neutralidade.

Afirmam ainda que o atual governo supostamente “virou as costas para a população mais carente, principalmente no tempo da pandemia”, e que, junto de seus apoiadores, abusou “do nome de Deus para legitimar seus atos e ainda o usam para fins eleitorais”, condenando ainda a disseminação de fatos inverídicos.

Contrapondo essa carta, uma nova carta foi divulgada por um novo grupo de bispos fiéis ao Papa Francisco com o seguinte título: PAZ E HARMONIA EM ÉPOCA DE ELEIÇÕES – Sobre a carta de um grupo que se intitula “Bispos do Diálogo pelo Reino”. Leia na íntegra:

Rosário pelo Brasil


A iniciativa – que tem como evento principal o dia 29 de outubro – reúne fiéis católicos de todo território nacional, pedindo a intercessão de Nossa Senhora, para que livre o Brasil do Comunismo Ateu.

Em 1917, a Santíssima Virgem veio, em Fátima, denunciar as últimas etapas de uma revolta iniciada há quinhentos anos. Ela denunciava um movimento revolucionário crescente que não tinha outro fim senão estabelecer uma sociedade contrária àquela organizada segundo a lei de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Verbo Encarnado — sociedade em que um decreto de morte havia sido dado à sua Santa Igreja Católica, mãe e mestra da Verdade.

Uma dessas últimas etapas de revolta denunciadas por ela era justamente o materialismo ateu, preconizado sobretudo pelo comunismo. Esta ideologia, inimiga declarada de Deus, contraria todos os mandamentos de sua lei, apesar de poder disfarçar-se para conseguir seus fins, passando-se por tolerante e filantrópica. É suficiente olhar para as nações dominadas por ela: Coreia do Norte, China, Cuba, Nicarágua, Venezuela…

A Igreja condenou, categoricamente, como intrinsecamente mau o comunismo. Ninguém pode ser, sob nenhuma hipótese, verdadeiro católico e socialista ou comunista. (Papa Pio XI)

A expansão do comunismo e de suas consequências, sem dúvidas, contaria com as forças do Inferno, e, por isso, a Santíssima Virgem nos advertiu em Fátima: “Só Nossa Senhora do Rosário vos poderá valer”, e valer significa salvar.

Católicos do Brasil, devido a nossos pecados e infidelidades, vemo-nos, nessas eleições, novamente ameaçados. O futuro dos nossos filhos, de nossas famílias, a própria lei natural e, sobretudo, a nossa salvação eterna de nossas almas podem estar ameaçados de uma maneira toda particular.

Nossa Senhora havia profetizado a Segunda Guerra dizendo “se não pararem de ofender a Deus, virá uma guerra muito pior”. Por isso, é hora de agir: a ação católica Rosário pelo Brasil pretende reunir o maior número de católicos possível, todos os sábados, sobretudo no DIA 29 DE OUTUBRO, nas ruas e praças públicas, suplicando, pela oração dos quinze mistérios do Rosário, a intervenção daquela única que pode nos socorrer, a vitoriosa de todas as batalhas de Deus, suplicando a Ela, Nossa Senhora, a graça de uma sincera conversão, nossa e de todo o clero, e junto a isso a graça da derrota da ameaçadora ideologia comunista.

Queremos ver o Brasil voltar a ocupar o seu lugar, no pódio das nações, como o país mais católico do mundo.