terça-feira, 11 de setembro de 2018

Homossexualidade e Abuso Sexual


A sabedoria convencional afirma que existe uma crise de pedofilia na Igreja Católica. Apesar dessa posição ser popular, está empiricamente errado: os dados mostram que tem sido uma crise homossexual desde o início. A evidência não é ambígua, embora haja uma relutância em deixar os dados conduzirem à conclusão. Mas isso é uma função da política, não da escolaridade.

Alfred Kinsey foi o primeiro a identificar uma correlação entre a homossexualidade e o abuso sexual de menores. Em 1948, ele descobriu que 37% de todos os homossexuais masculinos admitiram ter relações sexuais com crianças menores de 17 anos. Mais recentemente, em órgãos como os  Arquivos de Comportamento Sexual, o Journal of Sex Research, o Journal of Sex and Marital Therapy, e Pediatrics, foi estabelecido que os homossexuais são desproporcionalmente representados entre molestadores de crianças.

Correlação não é causação; é uma associação. Portanto, dizer que há uma correlação entre a orientação homossexual e o abuso sexual de menores não significa dizer que ser homossexual faz de alguém um molestador. Por outro lado, não faz sentido fingir que não há relação entre a homossexualidade e o abuso sexual de menores.

Pense desta maneira. Sabemos que há uma correlação entre ser irlandês e ser alcoólatra, mas isso não significa que todos os irlandeses sejam ou se tornem alcoólatras. Mas isso significa que eles têm um problema especial nessa área.

Depois que o  Boston Globe  divulgou a história sobre abuso sexual de padres em 2002, os bispos americanos estabeleceram um painel independente para estudar essa questão. Quando o National Review Board divulgou suas conclusões em 2004, observou Robert S. Bennett, advogado de Washington que liderou o estudo, disse: “Não há dúvidas de que muitos padres de orientação homossexual vivem vidas castas e celibatárias, mas qualquer avaliação as causas e o contexto da crise atual devem ser conscientes do fato de que mais de 80% dos abusos em questão eram de natureza homossexual ”.

Além disso, o painel disse explicitamente que “devemos chamar a atenção para o comportamento homossexual que caracterizou a grande maioria dos casos de abuso observados nas últimas décadas”.

Um dos que serviram no National Review Board, o Dr. Paul McHugh, é ex-psiquiatra-chefe da Johns Hopkins. Ele está no registro dizendo: “Este comportamento foi predação homossexual sobre a juventude católica americana, mas não está sendo discutido.” Mais recentemente, o  New York Times  publicou uma história sobre Leslie Lothstein, outro psicólogo que tratou de padres abusivos. Ele concluiu que “apenas uma pequena minoria eram verdadeiros pedófilos”.

Roderick MacLeish Jr. foi o advogado de Boston que pressionou o caso contra a Arquidiocese de Boston; ele examinou todos os arquivos sobre este assunto. Como relatado por Michael Paulson no  Boston Globe , MacLeish concluiu que “90% das quase 400 vítimas de abuso sexual que ele representou são meninos, e três quartos deles são pós-púberes”. Mais uma vez, a questão é homossexualidade, não pedofilia .

Dr. Richard Fitzgibbons é um psiquiatra que passou anos tratando padres sexualmente abusivos. “Muitos psicólogos e psiquiatras mostraram que não há ligação entre o celibato e a pedofilia”, disse ele no início deste ano. Em vez disso, eles encontraram uma “relação entre homossexualidade e pedofilia”. Fitzgibbons vai além, dizendo: “Todo padre que eu tratei e que estava envolvido com crianças sexualmente havia se envolvido anteriormente em relacionamentos homossexuais adultos.” Observe que ele não disse alguns  padres. .

Precisa de mais provas? Quando a Faculdade John Jay de Justiça Criminal divulgou suas descobertas, o  Boston Globe , vencedor do Prêmio Pulitzer por sua investigação, comentou que “mais de três quartos das vítimas eram pós-púberes, o que significa que o abuso não atendeu à definição clínica de vítimas. pedofilia. ”Assim, se o estudo definitivo, que abrangeu os anos 1950-2002, conclui que a pedofilia nunca foi o problema, por que a opinião da elite insiste que existe uma“ crise de pedofilia ”na Igreja Católica?

Se a maioria dos danos foi feita por padres gays, levanta-se a questão de se teria havido algum escândalo se os homossexuais tivessem sido barrados do sacerdócio. Embora a conclusão – sem gays, sem escândalo – seja simplista, revela, no entanto, mais do que oculta. É simplista demais porque não leva em conta o fato de que nos anos 70 (no auge do escândalo), os Estados Unidos estavam sofrendo uma revolução sexual, que atingiu todas as instituições da sociedade, inclusive a Igreja Católica; independentemente da composição do sacerdócio, alguns problemas estavam no horizonte, dada a turbulência cultural desse período.

Tendo dito isso, deveria ser óbvio que, se oito em dez dos molestadores nunca tivessem sido autorizados a se tornar padres, o escândalo  como o conhecemos  teria sido evitado.

Isso é um pedido para barrar homossexuais do sacerdócio? Não. Existem muitos bons padres homossexuais, e a maioria serviu bem à Igreja. O que o Vaticano fez foi selecionar cuidadosamente os homossexuais sexualmente ativos, sem impor uma proibição absoluta. Isso faz sentido, e é um dos motivos pelos quais esse problema está diminuindo.
______________________________
Catholic League/ Logos Apologética Cristã