quinta-feira, 2 de junho de 2022

Homilética: Vigília de Pentecostes: "Fomos batizados num único Espírito para formarmos um só Corpo" (1Cor 12, 13).



Jesus tinha falado demoradamente aos Apóstolos durante a Última Ceia. Mandar-lhes-ia o Espírito Santo para estar com eles, para os confortar, para os guiar na verdade. 

Ao aparecer-lhes no Cenáculo, no domingo da Ressurreição, dá-lhes o poder de perdoar os pecados e diz-lhes: «Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoares os pecados ser-lhes-ão perdoados. Aqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos» (Ev.) 

É o Espírito Santo que atua através das mãos que absolvem em nome de Jesus. O Paráclito age na Igreja através dos sacramentos. Através deles derrama as graças que Jesus nos ganhou no Calvário. O próprio Espírito é enviado porque Jesus morreu na cruz. «Se Eu não for o Paráclito não virá a vós» (Jo 16, 7). 

No Batismo renascemos para uma vida nova pela água e pelo Espírito Santo (cfr. Jo 3, 5). «Fomos batizados num só Espírito para constituirmos um só Corpo» (2.ª leit.). É o Paráclito que edifica a Igreja, que lhe dá a unidade, que a vivifica. 

Na confirmação «a todos nós foi dado a beber um único Espírito» (2.ª leit.) 

Cada ano a Igreja nos convida a crescer na devoção ao Divino Consolador, à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. Ele é tantas vezes o grande desconhecido ou, pelo menos, o grande esquecido. E sem Ele não podemos fazer o mais pequeno ato bom: «Ninguém pode dizer Senhor Jesus a não ser pela ação do Espírito Santo» (2.ª leit.). 

Avivemos, neste dia, o nosso desejo de O conhecer e de lembrá-Lo mais vezes. Peçamos que renove o nosso coração e transforme a face da terra, para que em toda a parte se viva o Evangelho de Cristo, que traz a paz e a alegria. 

No dia de Pentecostes o Espírito Santo desceu sobre os Apóstolos em forma de línguas de fogo, que encheram os seus corações e os levaram a sair da segurança do cenáculo, para irem por toda a terra a falar de Jesus. Com uma sabedoria e fortaleza que não tinham explicação humana. 

Ele é o fogo do Amor de Deus, que jorra na Trindade e une o Pai e o Verbo, que o Pai gera ao conhecer-se a Si Mesmo desde toda a eternidade. E assim como essa Palavra viva, que exprime a sabedoria infinita de Deus, é uma outra Pessoa na unidade de Deus, também o Espírito Santo, amor infinito, é uma outra pessoa, dentro da unidade da natureza divina. 

Por isso dizemos no Credo «que precede do Pai e do Filho e com o Pai e o Filho recebe a mesma adoração.» 

Peçamos ao Divino Consolador que nos ajude a penetrar no mistério infinito da Trindade. Só guiados pelo amor o poderemos conseguir.   

quarta-feira, 1 de junho de 2022

Entenda o conflito entre Israel e a Palestina: sionismo, antissemitismo e a relação da Igreja com o Estado de Israel.


CONFLITO ISRAEL X PALESTINA

Israel e Palestina ocupam a mesma área geográfica, localizada entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo, sendo esta a principal causa de seu conflito.

Israel é o único Estado Judeu no mundo, tendo sido estabelecido por um grupo político sionista europeu e reconhecido pela ONU em 1948. Após um processo de migração e guerras, ocupa grande parte da área que pertenceria à Palestina.

A sua declaração de independência foi firmada pela Organização para a Libertação da Palestina em 1988. Porém, o Estado da Palestina ainda não tem reconhecimento de todos os países.

Israel é o único Estado Judeu do mundo, criado em 1947 sob uma decisão das Nações Unidas.

Uma das causas da criação do Estado de Israel foi a perseguição de judeus na Europa. Desde o século XIX, vários judeus sonhavam com a possibilidade de ter um país próprio e o local ideal seria a região da Palestina.

Por isso, muitos judeus começaram a migrar para o território de Palestina, que era considerada sua “terra prometida”, segundo o relato bíblico.

Porém, este território já era ocupado por árabes e muçulmanos, que também o considerava território sagrado, de acordo com os mandamentos do Corão.

Eles resistiram à ocupação israelense, dando origem aos conflitos entre Israel e Palestina, que perduram até os dias atuais.

Atualmente, a capital e cidade mais populosa de Israel é Jerusalém, enquanto seu centro financeiro é Tel Aviv. Sua língua principal é o hebraico e o Judaísmo é a religião predominante, correspondendo a quase 82% da população.

Importante frisar que a maioria dos países não reconhece Jerusalém como capital de Israel e prefere manter suas representações diplomáticas em Tel Aviv.

Palestina é o nome do território localizado entre o Rio Jordão e o Mediterrâneo.

A independência foi declarada em 15 de novembro de 1988 pela Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Mas a maioria de suas áreas reivindicadas estão sobre controle de Israel desde 1967, depois da chamada Guerra dos Seis Dias.

Hoje, a Palestina se concentra em dois territórios: a Faixa de Gaza e a Cisjordânia.

Apesar de a Cisjordânia estar sob ocupação israelense, é nominalmente controlada pela Autoridade Palestina.

Já a Faixa de Gaza é uma área povoada quase exclusivamente por palestinos, porém cercada e bloqueada por Israel. Hoje, está sob controle do grupo radical Hamas.

O Estado da Palestina declara Jerusalém Oriental como capital. Sua população atual é de 4,817 milhões (2016), e seu território é de 6 220 km².

Porém, estima-se que existam mais de 9,6 milhões de palestinos, considerando os refugiados em vários países da Europa, África e Oriente Médio.

A principal língua falada pelos palestinos é o árabe. A religião predominante é o islamismo sunita.


SIONISMO é a ideologia nacional de Israel a qual defende o judaísmo como uma religião e também uma nacionalidade. A partir dessa definição, é importante esclarecer que, quando surgiu, o sionismo não tinha apenas um caráter nacionalista, mas era um movimento que visava colonizar definitivamente a Palestina.

O sionismo político surgiu na Europa no final do século XIX, em um contexto de crescimento do antissemitismo (ódio aos judeus) no continente. Esse movimento surgiu a partir das ações do jornalista húngaro Theodor Herzl, que foi o grande responsável pelo surgimento de uma organização internacional para defender a ideia de constituição de um Estado Nacional para os judeus na Palestina.

Como a receptividade da ideia proposta por Herzl foi grande, o jornalista organizou o primeiro Congresso Sionista Mundial. Esse congresso reuniu-se na Basileia (Suíça) em 1897 e debateu questões relacionadas à viabilização do projeto de fundação de um Estado judeu na Palestina.

Nesse congresso, determinou-se o envio de uma comissão para a Palestina para que fosse analisada a viabilidade de ocupação da terra. De toda forma, ficou preestabelecido que esse Estado judeu deveria ser fundado na terra da qual os judeus haviam fugido no século III d.C. Determinou-se ainda que uma das melhores formas de se concretizar esse processo era realizar a compra de terras para serem ocupadas exclusivamente por judeus.

É importante esclarecer que o I Congresso Sionista não inaugurou a imigração de judeus para a Palestina (essa imigração já existia desde 1882), apenas organizou as bases para que ela acontecesse em maior escala.

À medida que crescia a presença judaica na Palestina, os desgastes entre judeus e árabes intensificavam-se. O sionismo, inclusive, é alvo de críticas atualmente, pois muitos afirmam que é uma ideologia que defende o isolamento da comunidade árabe nos territórios dominados por Israel.

Ao longo das décadas de 1920, 1930 e 1940, o sionismo fortaleceu-se consideravelmente, e a perseguição aos judeus promovida pelos nazistas durante o Holocausto viabilizou politicamente o projeto de fundação do Estado judeu, criado por meio da Resolução 181 da ONU.


O ANTISSEMITISMO é um movimento extremista que prega o ódio aos judeus. O movimento foi mais forte na Alemanha, onde durante anos foi criado o sentimento de que os judeus eram os responsáveis pelos males ocorridos no país.

A ideologia teve seu ponto máximo no nazismo, que defendia que os judeus eram moral e fisicamente inferiores aos arianos.

Durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945), houve o extermínio de judeus pelos nazistas, o que causou a migração de famílias judias para fora da Europa. Grande parte delas foi para a Palestina, onde seria criado o Estado de Israel em 1948.

Palavra de Vida: “És tu o meu Senhor, fora de ti não tenho bem algum.”


A Palavra de Vida deste mês encontra-se no livro dos Salmos, que reúne as orações por excelência, inspiradas por Deus ao Rei Davi e a outros devotos, para nos ensinar como recorrer a Ele. Todos nós podemos nos reconhecer nos Salmos: eles tocam as cordas mais íntimas da alma, expressam os sentimentos humanos mais profundos e intensos: a dúvida, a dor, a raiva, a angústia, o desespero, a esperança, o louvor, a ação de graças, a alegria. É por isso que eles podem ser recitados por todos os homens e mulheres de todos os tempos e culturas, e em todos os momentos da vida.

“És tu o meu Senhor, 
fora de ti não tenho bem algum.”

O Salmo 16 era o favorito de muitos autores espirituais. Por exemplo, santa Teresa de Ávila comentava: Nada falta àqueles que possuem Deus: ter só Deus é o que lhes basta. O Padre Antonios Fikry Rofaeil, teólogo da Igreja Copta Ortodoxa, assinalava: Este é o salmo da ressurreição, por isso a Igreja o recita nas primeiras horas […], uma vez que Cristo ressuscitou na aurora. Este salmo nos dá esperança em nossa herança eterna, por isso ele foi intitulado “dourado”, ou seja, é uma palavra de ouro, uma joia da Sagrada Escritura. 

Tentemos repeti-lo, pensando em cada palavra.

Defesa da vida deveria ser bandeira de todos e não uma batalha ideológica



Diante de tanta gritaria de feministas, progressistas, abortistas por "meu corpo, minhas regras" é de se perguntar: é mesmo progresso permitir o assassinato de bebês no ventre das mães?

E mais: ter autorização para matar seus próprios filhos na fase mais indefesa da vida é mesmo uma causa pela qual mulheres deveriam lutar? Quem vai dizer para as feministas que não é "meu corpo, minhas regras", mas dois corpos que estão no jogo?

Quem falará que se elas, na condição de mães, não conseguem olhar para o próprio filho, a sociedade precisa entrar em campo para fazer a defesa da vida desde a concepção? Como é possível mulheres terem saído em festa às ruas da Argentina, Colômbia e tantos outros países quando o aborto foi legalizado?

Brasil é líder mundial em defesa da vida

Segunda Opinião parte da notícia de que o Brasil assumiu a liderança mundial pró-vida e contra o aborto no Consenso de Genebra, tratado lançado por Donald Trump, enquanto presidente dos EUA, que foi abandonado pelo abortista Joe Biden.

O atual governo dos EUA, aplaudido pela esquerda brasileira, cujos principais líderes apoiam abertamente o aborto, deu as costas para a defesa da vida. Ao desdenhar do Consenso de Genebra abriu caminho para o Brasil, como único remanescente das Américas entre os signatários, assumisse a liderança.

Escola coloca “meme” com Jesus em prova e ator registra BO por intolerância religiosa.


O ator Mário Gomes registrou boletim de ocorrência na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Rio de Janeiro e afirmou que o filho adolescente sofreu intolerância religiosa no colégio por ser católico. A origem da questão teria sido uma imagem com Jesus Cristo crucificado colocada em uma prova da escola do jovem com a inscrição “bandido bom é bandido morto”. A instituição de educação básica é pública, federal e ligada a uma universidade.

O enunciado da prova dizia que se tratava de um “meme”. “Este é um meme criado a partir da obra “Cristo Crucificado”, do pintor espanhol Diego Velásquez. Considerando o meme, identifique pelo menos um dos três tipos puros de dominação conceitualizados por Weber. Justifique-se, sempre em termos weberianos”, dizia o texto.

Mas esse não foi o entendimento do ator. Gomes divulgou um vídeo em suas redes sociais e afirmou que a forma como Jesus foi representado trata-se de um sacrilégio. Apesar de mencionar que o filho foi vítima de intolerância religiosa, o ator não deu detalhes do que teria ocorrido com o adolescente.

Papa Francisco nomeia três brasileiros para a Congregação para o Culto Divino


O papa Francisco nomeou novos membros da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, entre eles os brasileiros dom Orani João Tempesta, arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ), dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre (RS), e dom Edmar Perón, bispo de Paranaguá (PR).

Entre estas nomeações também estão dom Daniel Fernando Sturla Berhouet, arcebispo de Montevidéu, Uruguai; dom Celestino Aós Braco, arcebispo de Santiago do Chile; dom Jorge Carlos Patrón Wong, arcebispo de Jalapa, México; dom Mario Iceta Gavicagogeascoa, arcebispo de Burgos, Espanha.  

O papa Francisco também nomeou o cardeal Luis Antonio G. Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos; dom Charles Maung Bo, arcebispo de Yangon, Myanmar; dom Blase Joseph Cupich, arcebispo de Chicago, EUA; e dom Cristóbal López Romero, arcebispo de Rabat, Marrocos.

Ucrânia: uma fé inquebrantável



Desde o primeiro dia da guerra, a ACN recebeu relatórios dramáticos da Igreja na Ucrânia, descrevendo destruição e sofrimento, mas também muitas demonstrações de uma fé inquebrantável. Pois enquanto lá fora a guerra acontecia, dentro dos bunkers ou porões os fiéis se reuniam para a oração.

O Padre Mateusz, da paróquia de Santo Antônio em Kiev, definiu a adoração ao Santíssimo Sacramento, feita diariamente ao anoitecer, como “um pedacinho do Reino do Céu na terra”. Não era uma igreja ou capela o lugar em que ele perseverava junto ao Senhor com mais de trinta fiéis, mas era um abrigo antiaéreo. Em contraste com aquilo que ele tinha ouvido falar de outros bunkers e esconderijos onde as pessoas procuravam segurança durante os bombardeios, entre os seus fiéis não reina o desespero, nem ódio ou raiva. “Sentimos que Jesus nos acompanha.”

Nigéria: Violência anticristã e toque de recolher


Episódios de violência anticristã eclodiram em Sokoto, na Nigéria, no fim de semana, após o terrível assassinato de uma jovem estudante cristã acusada de blasfêmia.

Deborah Yakubu Samuel, membro da Igreja Evangélica Vencendo Todos, foi apedrejada e queimada até a morte quando voltou às aulas depois de um feriado. Um grupo de estudantes a atacou devido a mensagens supostamente blasfemas que ela é acusada de ter enviado no grupo de WhatsApp de um estudante.

Depois que duas pessoas foram presas por seu assassinato, grupos de desordeiros atacaram locais cristãos em diferentes lugares da capital do estado, de acordo com um comunicado divulgado pela diocese local.

Violência anticristã marca o ato ocorrido

“Durante o protesto, grupos de jovens liderados por alguns adultos ao fundo, atacaram a Catedral Católica da Sagrada Família em Bello Way. Eles, então, destruíram as janelas de vidro da igreja, as da Secretaria do Bispo Lawton e vandalizaram um ônibus comunitário estacionado no local. A Igreja Católica de St. Kevin também foi atacada e parcialmente incendiada. As janelas do novo complexo hospitalar em construção, nas mesmas instalações, ficaram estilhaçadas”, refere o comunicado. Ainda acrescenta que “os bandidos também atacaram o Centro Bakhita […], incendiando um carro dentro das instalações”.

De acordo com a mídia local, os manifestantes podem ter sido enganados ao pensar que os líderes católicos, como os bispos Matthew Kukah, foram os responsáveis pelas ações de Deborah Yakubu. No entanto, de acordo com o comunicado enviado à ACN, os rumores de que a residência do bispo também foi atacada são infundados e nenhuma vida foi perdida durante os protestos.

Em resposta a esses atos de violência, Dom Kukah “apela aos cristãos que permaneçam cumprindo a lei e rezem pelo retorno da normalidade”, e parabeniza as autoridades locais e a polícia por seu trabalho em dispersar a multidão “antes que possam causar mais danos”.

Nigéria: Estudante apedrejada e queimada até a morte por muçulmanos



A ACN está profundamente preocupada com o terrível assassinato de Deborah Yakubu, uma estudante cristã que foi apedrejada e depois queimada na Faculdade de Educação Shehu Shagari em Sokoto, norte da Nigéria.

“A ACN denuncia este mais recente ato de violência. Os níveis de extremismo e violência alcançados na Nigéria nos últimos anos são absolutamente assustadores. Dificilmente se passa uma semana sem notícias de sequestros e dezenas de mortes. Mas esse ato bárbaro nos deixa sem palavras”, diz o presidente executivo Thomas Heine-Geldern.

Deborah Yakubo supostamente enviou uma mensagem de WhatsApp durante o Ramadã, quando a escola faculdade fechada para férias, na qual ela blasfemou contra Maomé. Então, quando ela voltou para a aula, um grupo de alunos a esperava e a atacou, apedrejando-a e ateando fogo em seu corpo. A Faculdade de Educação Shehu Shagari de Sokoto foi fechada por ordem do governo do estado de Sokoto.

Uma estudante vítima do extremismo

“Nossos pensamentos e orações estão com a família da estudante Deborah e com a comunidade cristã de Sokoto neste momento. Também pedimos a todos os líderes políticos e religiosos na Nigéria que condenem firme e abertamente este caso de extremismo religioso”, diz Heine-Geldern.

“O extremismo religioso, com o qual nos familiarizamos com o Boko Haram, e que causou tantas vítimas inocentes, parece ter se espalhado e polarizado uma parte cada vez maior da sociedade. De fato há uma grave crise de liberdade religiosa, e não é apenas causada por terroristas. Assim o governo nigeriano deve refletir profundamente sobre onde essa violência está arrastando o país e como pode defender os direitos de todos os seus cidadãos”, acrescenta Heine-Geldern.

Desde 1999, doze estados no norte da Nigéria adotaram códigos legais baseados na Sharia que operam em paralelo com os tribunais seculares. Mas muitas dessas leis da Sharia incluem pesadas penalidades por blasfêmia, incluindo a morte. No entanto, pelo menos a Shariah garante uma forma de devido processo, sem recorrer ao linchamento e execução sumária, como aconteceu com este caso mais recente em Sokoto, que não é inédito.

terça-feira, 31 de maio de 2022

Arquidiocese de Olinda e Recife e Cáritas lançam campanha emergencial # SOS RECIFE E REGIÃO METROPOLITANA


Devido às fortes chuvas que atingem a região metropolitana do Recife nos últimos dias, com mais intensidade nesta sexta e sábado, em que cerca de 20 municípios já acumularam mais de 100mm de chuva em 24 horas, e como consequência o aumento no número de desabrigados , deslizamentos de barreiras, alagamentos e vítimas fatais a Arquidiocese de Olinda e Recife, Cáritas Arquidiocesana de Olinda e Recife , e Cáritas Brasileira Nordeste 2 lançam a campanha emergencial #SOS RECIFE E REGIÃO METROPOLITANA, Solidariedade que Transforma.

A ação busca arrecadar doações de alimentos não perecíveis, material de limpeza, produtos de higiene, colchões e lençóis que deverão ser entregues na Cúria Arquidiocesana localizada da Avenida Rui Barbosa, 409, Graças- Recife, das 8h às 16h, e nas Paróquias.

Para Dom Fernando Saburido, Arcebispo de Olinda e Recife o momento é de união, oração e solidariedade. “ Convocamos a todos a ajudar nossos irmãos mais necessitados neste momento de dor e desamparo. A arquidiocese e as paróquias estão de portas abertas para receber a sua solidariedade e doação. Invocamos as bênçãos Deus e a proteção materna de Maria a todos os pernambucanos que estão sendo atingidos com as chuvas em nosso estado”, declara.

As doações também podem ser feitas através de doações online via Chave PIX ou depósito em conta , em favor da Cáritas Arquidiocesana de Olinda e Recife.

A secretária executiva da Cáritas Brasileira NE2, Neilda Pereira, reforça que o momento é de solidariedade e união de todos para ajudar às milhares de vítimas atingidas com as fortes chuvas na região metropolitana do Recife. “ Estamos vivenciando uma situação humanitária emergencial. São milhares de vítimas desalojadas, pontos iminentes de mais desabamentos , além de vítimas fatais. Enquanto organismo da Igreja, a Cáritas tem o papel neste momento de ajudar os mais necessitados e em situação de vulnerabilidade”, comenta.

Serviço

Ação Emergencial # SOS RECIFE E REGIÃO METROPOLITANA – Solidariedade que Transforma
Doação: Avenida Rui Barbosa, 409, Graças- Recife, das 8h às 16h, e nas Paróquias
Chave PIX: 29420681000129 (CNPJ)
Conta: Banco do Brasil – Agência: 5740-1 – Conta Corrente: 60.691-0
CÁritas Arquidiocesana de Olinda e Recife

Papa Francisco concede indulgência plenária no Dia dos Avós


O papa Francisco concedeu indulgência plenária pelo segundo Dia Mundial dos Avós e do Idoso, que será celebrado em 24 de julho.

Em um decreto divulgado segunda-feira (30), foi informado que a Penitenciária Apostólica da Santa Sé, liderada pelo cardeal Mauro Piacenza, com a aprovação do papa, decidiu conceder indulgência plenária a quem participar da celebração.

O decreto diz que o dom da indulgência é concedido "aos avós, idosos e todos os fiéis que, motivados pelo verdadeiro espírito de penitência e caridade, participarão em 24 de julho próximo, da celebração solene que o papa Francisco presidirá na basílica de São Pedro, e de diferentes funções que serão celebradas em todo o mundo”.

A indulgência plenária também é concedida neste mesmo dia aos fiéis que dedicarem tempo adequado para visitar, pessoalmente ou virtualmente, através dos meios de comunicação, os irmãos idosos necessitados ou em dificuldade (doentes, abandonados ou inválidos).

Os “idosos doentes ou todos aqueles que, impossibilitados de saírem de suas casas por motivos graves, se unirão espiritualmente às funções sagradas do Dia Mundial, oferecendo ao Deus Misericordioso suas orações, dores e sofrimentos de suas vidas, especialmente enquanto as palavras do Pontífice e as várias celebrações serão transmitidas pelos meios de comunicação”.

A Penitenciária encoraja os padres a serem generosos e disponíveis para confessar os fiéis, pois para obter uma indulgência devem ser seguidas as condições usuais: Confissão Sacramental, Comunhão Eucarística e oração pelas intenções do papa.

O papa Francisco instituiu o Dia Mundial dos Avós e do Idoso em 2021, a ser celebrado no quarto domingo de julho, “próximo à comemoração de são Joaquim e santa Ana, os avós de Jesus”.

Francisco explicou então que o objetivo do dia é promover o encontro entre gerações, de netos com avós para “guardar as raízes e transmiti-las”.

Futuro cardeal, arcebispo de Brasília diz que papa quer igreja atenta à exclusão social, à pobreza e à ecologia



O arcebispo de Brasília, dom Paulo Cezar da Costa será criado cardeal pelo papa Francisco no próximo consistório. No domingo (29), após o anúncio de Francisco, dom Paulo Cezar falou com a imprensa e destacou que “o papa Francisco tem a preocupação de que a Igreja seja cada vez mais evangelizadora, missionária, próxima dos últimos, dos pobres, dos necessitados, do nosso povo, que seja atenta aos principais problemas da sociedade brasileira, da exclusão social, da pobreza que aumentou, da questão da ecologia”.

Dom Paulo Cezar da Costa foi nomeado bispo auxiliar do Rio de Janeiro em novembro de 2010. Em junho de 2016, assumiu a diocese de São Carlos (SP) e, em outubro de 2020, foi nomeado arcebispo de Brasília. Questionado sobre esta rápida “ascensão” na Igreja, com apenas 11 anos de bispo, disse ver como “bondade e misericórdia do Senhor”.

“Desde o início do meu ministério reflito muito sobre o papel do ministério como serviço, da Igreja como servidora. E o papa tem me chamado para servir. Eu servi como auxiliar do Rio de Janeiro, depois servi como bispo de São Carlos e, agora aqui em Brasília, como arcebispo. E o papa me pede para servir também no colégio cardinalício. Quero ser também um servidor do povo de Deus, gastar minha vida servindo como Jesus Cristo serviu, como Maria serviu”, disse.

Cardinalato é reconhecimento à Igreja ‘profundamente encarnada e inculturada’ na Amazônia, diz dom Steiner



O arcebispo de Manaus (AM), dom Leonardo Ullrich Steiner, será o primeiro cardeal da Amazônia brasileira. Para ele, esta nomeação representa um reconhecimento do papa Francisco à Igreja nesta região. “Uma igreja muito viva, das pequenas comunidades, das comunidades eclesiais de base, uma Igreja profundamente encarnada, profundamente inculturada, uma Igreja que possa realmente ouvir os povos indígenas e achar as suas expressões também celebrativas, as suas expressões teológicas de reflexão e de oração”, disse dom Steiner.

Ao final da oração do Regina Coeli ontem (29), o papa Francisco fez o anúncio de um consistório para a criação de 21 novos cardeais, que acontecerá em 27 de agosto. Entre os novos cardeais, estão os dois brasileiros. Na manhã de hoje (30), dom Steiner comentou sobre a nomeação em uma coletiva de imprensa. “É uma alegria para todos nós da Amazônia. A minha nomeação não diz respeito apenas à minha pessoa. Sambemos como o papa Francisco tem um carinho especial pela Amazônia e pela Igreja que está na Amazônia”, disse dom Steiner, que foi nomeado arcebispo de Manaus em novembro de 2019.

O arcebispo contou que após o anúncio do papa ontem, duas pessoas lhe disseram que “a nomeação é fruto do sínodo” para Amazônia, que aconteceu em outubro de 2019. “Talvez seja expressão do sínodo que celebramos. E, talvez mais, o papa esteja pedindo a nossas igrejas que assumam o sínodo, especialmente o texto Querida Amazônia e o documento final do sínodo dos bispos para a Amazônia”.

O documento final do sínodo da Amazônia foi publicado em 26 de outubro de 2019. Nele, os participantes se pronunciam sobre os temas que guiaram as discussões. Entre os assuntos abordados, havia três temas controversos: “ordenar sacerdotes a homens idôneos e reconhecidos da comunidade, que tenham um diaconado permanente fecundo e recebam uma formação adequada para o presbiterado”; “o diaconado permanente para a mulher”; e “a elaboração de um rito amazônico, que expresse o patrimônio litúrgico, teológico, disciplinar e espiritual da Amazônia”.

Brasil passa a ter nove cardeais, seis eleitores



Com o anúncio do nome de dom Leonardo Steiner, arcebispo de Manaus (AM), e de dom Paulo Cezar da Costa, arcebispo de Brasília (DF), entre os 21 novos cardeais que serão criados pelo papa Francisco em 27 de agosto, o Brasil passará a ter nove cardeais, dos quais seis eleitores e três não eleitores.

Entre os cardeais eleitores da Igreja no Brasil estão dois nomeados pelo papa Bento XVI: o arcebispo de São Paulo (SP), dom Odilo Pedro Scherer, criado cardeal em 2007; e o prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, dom João Braz de Aviz, criado cardeal em 2012.

Há ainda dois cardeais eleitores criados pelo papa Francisco: o arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), dom Orani João Tempesta, criado Cardeal em 2014; e o arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, dom Sérgio da Rocha, criado cardeal em 2016.

Consistório deve ser o último do papa Francisco e é visto como mensagem final



O consistório para a criação de cardeais em 27 de agosto é uma cerimônia que parece marcar o fim de um pontificado, ainda que esse fim possa demorar a chegar.

Depois de rezar o Regina Coeli no domingo, o Papa Francisco anunciou a criação de 16 novos cardeais aptos a votar em um futuro conclave e cinco com mais do que a idade limite de 80 anos.

Ele também convocou todos os cardeais para participar de outro consistório, nos dias 29 e 30 de agosto, para discutir a nova constituição da Santa Sé Praedicate evangelium. Não ocorre uma discussão tão ampla entre os cardeais há sete anos.

Há uma percepção generalizada em Roma de que este será o último consistório do papa Francisco e que, portanto, ele quer esclarecer as coisas. Francisco usa os consistórios como forma de governo. O primeiro critério é a representatividade, e Francisco ampliou dramaticamente a representação eleitoral dos cardeais. Após o consistório em agosto, 18 países que anteriormente nunca tiveram um cardeal estarão representados no Colégio dos Cardeais.

O Papa Francisco também usou consistórios para mudar profundamente o perfil do Colégio. Até agora, ele criou 83 cardeais eleitores (serão 101 após o consistório de agosto). Este consistório, em particular, envia uma mensagem de “conclusão do trabalho”. Com as escolhas para cardeal, o papa esclarece quais posições prefere em torno de temas importantes, destaca que te um cargo na Cúria romana não pesa muito para ele e destaca a importância das dioceses periféricas.

Ao mesmo tempo, o papa Francisco confirma uma característica típica de seu modus operandi: a de discutir as decisões somente depois que elas já foram tomadas. O papa convocou uma reunião dos cardeais meses depois da entrada em vigor do Praedicate evangelium. Esta não é, afinal, uma reforma consensual, embora os rascunhos da constituição tenham sido enviados aos presidentes das conferências episcopais do mundo todo. É uma reforma feita para responder ao mandato confiado ao papa Francisco. Os cardeais não poderão mudar a reformam só aceitá-la.

Ao anunciar a reunião para discutir a nova constituição da Santa Sé, o papa efetivamente congelou o debate em andamento até o final de agosto. Durante três meses, a discussão da reforma curial e a trajetória mais ampla da Igreja serão efetivamente contidas, dando ao papa Francisco mais liberdade para fazer mudanças, incluindo novas nomeações curiais, e apresentá-las como um fato consumado no momento de seu encontro com os cardeais.

Alguns observadores até especulam que o papa Francisco poderia encerrar a reunião de 29 a 30 de agosto anunciando sua renúncia. Isso certamente seria um gesto marcante, enviando a mensagem de que, uma vez concluído o mandato, e o mandato do Papa Francisco é acima de tudo a reforma da Cúria, pode-se deixar o cargo.

Paróquia dominicana organiza vigília de oração LGBT


A paróquia dominicana de São Jacinto na arquidiocese de Sevilha, Espanha, fez uma vigília de oração LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) por "um mundo sem homofobia" no dia 20 de maio. A iniciativa gerou indignação entre católicos e controvérsia nas redes sociais.

O convite à oração diz que “qualquer ódio ou rejeição contra qualquer ser humano é contrário ao único mandamento que o Senhor nos deixou. Convidamos você a orar por um mundo livre de homofobia”.

No dia 21 de maio, a Paróquia de São Jacinto compartilhou um tuíte com fotos do evento. Há imagens de uma encenação protagonizada por três mulheres em frente a um pequeno altar com a bandeira do lobby LGBT. O altar foi colocado na parte principal da igreja paroquial, em frente ao altar principal onde se faz a consagração.

Na teologia da libertação não se tinha ideia da realidade da América Latina, diz Francisco



No início da Teologia da Libertação “se jogava muito com a análise marxista” e não tinham “a menor ideia” da realidade da América Latina, disse o papa Francisco em sua mensagem em vídeo divulgada pela Santa Sé, em 26 de maio, no âmbito da assembleia plenária da Pontifícia Comissão para a América Latina (CAL), que aconteceu em Roma de 24 a 27 deste mês.

“Estou convencido de que, antecipadamente, a Igreja na América Latina e no Caribe fez o ‘caminho indo’, ou seja, mostrou que uma interpretação correta dos ensinamentos conciliares implica uma reaprendizagem para caminhar juntos quando se enfrentam os problemas pastorais, os problemas sociais próprios da mudança de época”, disse o papa Francisco em sua mensagem.

"Digo ‘reaprender’ porque para andarmos juntos, é sempre importante manter o pensamento incompleto. Sou alérgico a pensamentos que já estão completos e fechados”, continuou.

“Lembro-me do início da Teologia da Libertação, que jogava muito com a análise marxista, à qual o Papa e o Geral dos Jesuítas reagiram muito fortemente”, destacou Francisco.

Assim, “apareceram dois volumes sobre a intuição latino-americana, sobre a identidade latino-americana para continuar aquele caminho, e quase oitenta por cento das notas eram em alemão. Não tinham a menor ideia”.

O papa Francisco disse que “era a ideologização do que é um caminho telúrico latino-americano. E eu digo telúrico porque a espiritualidade latino-americana está ligada à terra, não pode ser separada dela”.

sexta-feira, 20 de maio de 2022

CE: Padre encerra casamento após ver cachorros com alianças

 
Um padre interrompeu uma cerimônia de casamento em Nova Olinda/CE, no último sábado (14), após dois cachorros entrarem na igreja carregando as alianças dos noivos. O clérigo teria dito que a entrada dos cachorros seria "o cúmulo", segundo relato da noiva nas redes sociais.
 
A noiva, Brenda Jamilli, de 18 anos, disse em post no seu perfil no Instagram que ela e o marido participam de um instituto de resgate de animais, o Instituto Lilica. Segundo o relato de Brenda, o padre interrompeu a cerimônia assim que os cachorros entraram na igreja e não deu a bênção final ao casal no fim da cerimônia.
 
A jovem também esclareceu que a participação dos cachorros na cerimônia foi permitida pela paróquia da cidade. Brenda ainda desabafou no texto que publicou em seu perfil: "Isso nos enfraqueceu na hora, eu não tive ação, eu chorei, gelei, passei os 2 últimos dias pensando no que aconteceu, a forma que fui tratada comparada ao que esses animais passam na rua “vistos como o cúmulo”. 

Cardeal Burke: "Papa deve demitir os bispos alemães se não renunciarem às heresias do Caminho Sinodal"

 
Toda uma série de bispos se pronunciou a favor de mudanças na doutrina e disciplina da Igreja – por exemplo, em relação à avaliação da homossexualidade, do celibato sacerdotal ou da ordenação de mulheres – ou não têm expressamente opôs-se a tais propostas no âmbito do “Via Sinodal”.
 
O Santo Padre “deve chamar a atenção desses bispos e pedir-lhes que renunciem às heresias e também a posições contrárias à disciplina saudável da Igreja”, disse Burke em entrevista publicada pela Ação Católica pela Fé e Família. “E se eles não renunciarem a seus erros e se corrigirem, então você deve removê-los. Esta é a situação a que chegámos.” 

Casamento de Lula acontece em salão de festas abençoado por um Bispo

 
Na noite da última quarta-feira, 18 de maio, o ex-presidiário Lula casou-se numa reservada cerimônia, cujos detalhes foram reconstruídos com bastante trabalho pela mídia.
 
O casamento foi assistido pelo bispo petista Angélico Sândalo Bernardino, já bastante conhecido pela sua militância de esquerda.
 
Um detalhe muito interessante é que a cerimônia ocorreu num salão de festas, no buffet Contemporâneo 8076, um luxuoso espaço no Brooklin, zona Sul de São Paulo. A celebração do matrimônio em salões de festa, chácaras, buffets é rigorosamente proibida pelos bispos da Província Eclesiástica de São Paulo.
 
Além das questões administrativas, a realização deste casamento expõe grave conflito entre o ideário do petista e a Igreja Católica.
 
É um grande paradoxo que o bispo tenha abençoado o matrimônio de um político que defende enfaticamente o direito ao aborto, uma prática cruel e incompatível com os pilares do cristianismo, além de defender outras questões contrárias à doutrina católica que são inegociáveis, como a doutrina comunista/socialista, ideologia LGBT, liberação das drogas, apologia a corrupção, entre outros.
 

Por quanto tempo um padre pode ficar em uma paróquia?

 

Quando são anunciadas as tarefas sacerdotais a cada ano, muitos se perguntam: por quanto tempo um padre pode ficar em uma paróquia?
 
O Código de Direito Canônico incentiva a estabilidade de um pároco, mas diz que os padres devem ser designados a uma paróquia por um período “indeterminado” de tempo.
 
“Importa que o pároco goze de estabilidade, e por isso seja nomeado por tempo indeterminado; só pode ser nomeado pelo Bispo diocesano por um prazo determinado, se isto tiver sido admitido pela Conferência episcopal, mediante decreto.”
 
Cân. 522
 
As transferências
 
As transferências dos padres de uma paróquia para outra podem acontecer – e são de fato, comuns. Essas mudanças ocorrem pelos mais variados motivos, uma vez que a dinâmica da vida da Igreja Católica e as necessidades pastorais exigem sempre novas decisões. O importante a destacar é que essas decisões não são um gesto de arbitrariedade do bispo.
 
As mudanças, geralmente, são avaliadas por um conselho formado por bispos e padres, o Conselho Presbiteral, e demandam longas conversas. Porém é importante elencar que as transferências de padres fazem parte da autoridade episcopal.
 

Câmara aprova projeto de homeschooling, mas há restrições


A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (18) o texto-base do projeto de lei que regulamenta no Brasil o homeschooling, isto é, o ensino em casa. Hoje, os deputados devem votar os destaques e, depois, o projeto seguirá para o Senado.

Durante a sessão de ontem, os deputados aprovaram o regime de urgência para a tramitação do projeto na Câmara. Isso permitiu que o texto passasse direto à votação no plenário, sem precisar passar por uma comissão especial. Em seguida, houve a votação que levou à aprovação do texto-base, com 264 votos a favor, 144 contra e duas abstenções.

“Para a Aned este foi um passo gigantesco em prol da liberdade educacional no nosso país. Nós vencemos o primeiro round, que foi a votação a Câmara, mas a luta continua, porque agora vai para o Senado. Hoje, nós continuamos aqui na Câmara porque serão votados os destaques para alinhar ainda mais e sabemos que quanto menos restritivo for o texto, melhor para a liberdade das famílias que praticam o homeschooling no Brasil”, disse à ACI Digital o presidente da Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned), Rick Dias.

Em 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o homeschooling é constitucional. Entretanto, afirmou que para essa modalidade de ensino ser adotada no Brasil, precisaria ser regulamentada.

Mesmo sem haver a regulamentação, que só agora está sendo votada, 7,5 mil famílias praticam homeschooling no Brasil atualmente, com um total de 15 mil estudantes entre 4 e 17 anos, segundo a Aned. A taxa de crescimento da educação domiciliar no país é de 55% ao ano, informa a associação.

O projeto aprovado na Câmara, no entanto, impõe restrições ao ensino em casa. O estudante terá que estar matriculado em uma instituição de ensino, que acompanhará o aprendizado. Além disso, um dos pais ou responsáveis deverá ter ensino superior ou educação profissional tecnológica em curso reconhecido. Os pais terão que cumprir os conteúdos curriculares de cada ano escolar com a Base Nacional Comum Curricular. Um relatório sobre as atividades pedagógicas terá que ser encaminhado a cada três meses à escola em que o estudante estiver matriculado.

As escolas deverão manter um cadastro dos estudantes em homeschooling e repassar essa informação anualmente ao órgão competente do sistema de ensino do governo.

Arcebispo proíbe a presidente da Câmara dos EUA de comungar por apoiar o aborto


O arcebispo de San Francisco, dom Salvatore Cordileone, proibiu Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados dos EUA e membro da arquidiocese de San Francisco, de comungar por causa do apoio irrestrito dela ao aborto.

“Depois de numerosas tentativas de falar com ela para ajudá-la a entender o grave mal que ela está cometendo, o escândalo que ela está causando e o perigo para sua própria alma que ela está correndo, decidi que chegou o ponto no qual eu devo fazer uma declaração pública de que ela não deve ser aceita na Sagrada Comunhão a não ser que, e até que, ela repudie publicamente seu apoio aos ‘direitos’ ao aborto, se confesse e receba a absolvição por sua colaboração nesse mal no sacramento da Penitência,” escreveu Cordileone em um comunicado oficial dirigido  a todos os membros da arquidiocese divulgado hoje (20).

Pelosi é a segunda política católica mais importante dos EUA a defender o aborto. O primeiro é o presidente Joe Biden, que é apenas o segundo presidente católico dos EUA, mas tem sido um dos mais radicais na defesa do aborto ao ocupar o cargo. Com a aprovação de leis que restringem o aborto no Texas e no Mississipi no ano passado, Biden prometeu pôr todo o arsenal do governo federal americano na luta contra essas restrições.

O aborto passou a ser aceito nos EUA com a decisão do caso Roe x Wade pela Suprema Corte dos EUA em 1973. A partir daquela decisão, qualquer tentativa de restringir o acesso ao aborto feita por algum Estado americano passou a ser inconstitucional.

Num caso que a Suprema Corte está julgando neste ano sobre legislação restritiva ao aborto do Estado do Mississipi, é possível que Roe x Wade seja derrubada. O site POLITICO vazou um rascunho de decisão da Suprema Corte que indica esse resultado. Com isso, os defensores do aborto têm feito protestos, alguns deles violentos, em frente à casa de juízes da Suprema Corte, diante e dentro de Igrejas e nas ruas. Pelosi tem sido uma das vozes mais agressivas contra a possível reversão de Roe x Wade, desde o vazamento.

No documento em que anunciou sua decisão sobre Pelosi, Cordileone diz que o papa Francisco “tem sido um dos mais loquazes defensores da dignidade em todos os estágios e condições da vida humana”.

Ele lembra o que o papa chama de “cultura do descarte” e disse em seu comunicado: “Não há exemplo mais radical dessa depravação cultural do que quando ataques diretos à vida humana são entronizados nas leis da nação, celebrados pela sociedade, e até pagos pelo governo. É por isso que o papa Francisco, tanto quanto qualquer papa de que se lembre, repetida e vivamente afirmou o claro e constante ensinamento da Igreja de que o aborto é um grave mal moral”.

Brasil terá o maior santuário do mundo dedicado à Santa Rita de Cássia


 
No dia 22 de maio de 2022 o Brasil ganhará o que já está sendo considerado o maior santuário do mundo dedicado à Santa de Rita de Cássia.

O santuário fica em Cássia, cidade de 18 mil habitantes na região sudoeste de Minas Gerais, e levou quatro anos para ficar pronto. Está localizado em uma área de 180 mil metros quadrados e possui 10.600 metros quadrados de área construída. O local abriga um centro comercial, a casa para o clero, um velário e a réplica da casa onde viveu Santa Rita de Cássia, na Itália. Ao todo são 100 mil metros quadrados de edificação.

O novo santuário levou quatro anos para ser concluído. Tem capacidade para receber 5 mil pessoas sentadas e 2 mil em pé. Conta com sanitários, vestiários, fraldário, praça de alimentação, heliponto e estacionamento para 200 ônibus e mil carros.

“Acredito que o novo Santuário vai despertar a curiosidade nas pessoas de todo Brasil. Muitos virão aqui para visitar e estar perto desta grande Santa da Igreja e inspiradora da fé. No Santuário, as pessoas poderão se alimentar da palavra de Deus e dos sacramentos e de tudo que faz parte da fé cristã e da fé católica”, destaca o bispo diocesano de Guaxupé, MG, Dom José Lanza Neto.

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Palavra de Vida: «Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros» (Jo 13,34)



Decorria a Última Ceia.  Jesus tinha acabado de lavar os pés aos seus discípulos e estava agora sentado à mesa com eles. Dali a poucas horas seria preso, condenado à morte, crucificado. Quando o tempo escasseia e a meta se aproxima, dizem-se as coisas mais importantes: deixa-se o “testamento”.

Neste contexto, o Evangelho de João não relata a instituição da Eucaristia. Em vez dela colocou o lava-pés. É a esta luz que se pode compreender o mandamento novo. Jesus primeiro faz e depois ensina. É por isso que a Sua palavra tem autoridade.

O mandamento de amar o próximo já estava presente no Antigo Testamento: «Ama o teu próximo como a ti mesmo» (Lev 19,18). Jesus salienta uma faceta nova neste mandamento: a reciprocidade. É o amor recíproco que cria e caracteriza a comunidade dos discípulos. Este amor tem a sua raiz na própria vida divina, na dinâmica trinitária que o homem, graças ao Filho, tem a possibilidade de partilhar. Chiara Lubich ilustra-o, dando-nos uma imagem que nos pode ajudar: «Jesus, quando veio à Terra, não surgiu do nada, como acontece com cada um de nós, mas veio do Céu. Tal como um emigrante que, quando vai para um país distante, se adapta ao novo ambiente, mas também leva consigo os próprios usos e costumes e, muitas vezes, continua a falar a sua língua, assim também Jesus: adaptou-se aqui na Terra à vida humana, mas trouxe também – como Deus que era – o modo de viver da Trindade, que é o amor recíproco»[1].

Papa Francisco e patriarca Kirill da Rússia podem se encontrar em setembro



A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou em 12 de abril a intenção do papa Francisco de viajar ao Cazaquistão, país da Ásia Central, para participar de um congresso inter-religioso. A notícia foi reiterada pelo presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, depois de uma videochamada com o papa.

O patriarca ortodoxo de Moscou, Kirill, também confirmou sua presença ao embaixador do Cazaquistão em Moscou, Yermek Kosherbayev, em 1º de maio, segundo a imprensa local.

Portanto, se as circunstâncias permitirem, o papa Francisco e o patriarca Kirill poderão se encontrar na sétima edição do congresso que reúne os líderes das “religiões tradicionais” e que acontecerá nos dias 14 e 15 de setembro em Nur-Sultan, capital do Cazaquistão.

O Cazaquistão já havia sido proposto como um possível local neutro para um novo encontro entre o papa Francisco e o patriarca ortodoxo Kirill de Moscou.

Havia a possibilidade de ambos se encontrarem anteriormente na Terra Santa, aproveitando a visita do papa Francisco ao Líbano em junho, mas é provável que esta viagem seja adiada devido aos problemas de saúde do papa Francisco.

Em dezembro de 2021, o papa disse no avião de volta a Roma, depois de concluir sua viagem apostólica a Chipre e Grécia, que havia “um encontro com o patriarca Kirill num horizonte não muito distante”.

Durante uma entrevista ao jornal La Nación, o papa Francisco disse que a sua relação com o patriarca russo “é muito boa” e lamentou que “o Vaticano tenha tido que cancelar um segundo encontro com o patriarca Kirill, que tínhamos agendado para junho em Jerusalém”.

“Mas nossa diplomacia entendeu que um encontro dos dois neste momento poderia levar a muita confusão. Sempre promovi o diálogo inter-religioso. Quando eu era arcebispo de Buenos Aires, reuni cristãos, judeus e muçulmanos em um diálogo fecundo. Foi uma das iniciativas de que mais me orgulho. É a mesma política que promovo no Vaticano”, explicou Francisco.

Em entrevista concedida em 4 de maio ao jornal italiano Corriere della Sera, o papa Francisco explicou que "falei com Kirill por 40 minutos via Zoom", referindo-se à reunião de 16 de março em que ambos tiveram que falar sobre a guerra na Ucrânia.

“Nos primeiros vinte minutos, com um pedaço de papel na mão, ele me leu todas as justificativas para a guerra. Eu escutei e disse: eu não entendo nada disso. Irmão, não somos clérigos do Estado, não podemos usar a linguagem da política, mas a de Jesus. Somos pastores do mesmo povo santo de Deus”, disse.

“Por isso devemos buscar caminhos de paz, cessar o fogo das armas. O patriarca não pode se tornar o coroinha de Putin", disse Francisco. A igreja Ortodoxa Russa criticou o uso do termo pelo papa e disse que o uso desse tom pode prejudicar o ambiente de diálogo que os líderes querem estabelecer.

China: Cardeal Zen é solto sob fiança em Hong Kong



O cardeal Joseph Zen foi solto sob fiança às 23h de hoje (11) em Hong Kong depois de ter sido preso de manhã. A libertação do arcebispo emérito e Hong Kong ocorreu depois que a Santa Sé se disse preocupada com as notícias de que ele havia sido preso.

Segundo o jornal britânico Financial Times, o cardeal ficou preso na delegacia de polícia de Chai Wan, em Hong Kong.

O ex-bispo católico de Hong Kong, de 90 anos, foi preso por seu papel como administrador do 612 Humanitarian Relief Fund (Fundo de Ajuda Humanitária 612), que ajudou manifestantes pró-democracia a pagar despesas judiciais.

O jornal Standard informou que os curadores foram presos na noite de quarta-feira, horário local, segundo fontes.