quinta-feira, 31 de maio de 2018

Temer pede para pastores levarem sua 'palavra' a igrejas de todo o país


Em clima de campanha eleitoral, o presidente Michel Temer — acompanhado do pré-candidato do MDB à Presidência da República, Henrique Meirelles — falou de seus projetos em um evento religioso que reuniu de milhares de pastores das igrejas da Assembleia de Deus de todo o país. O encontrou aconteceu na manhã desta quinta-feira, em Brasília.

O presidente "pregou", durante alguns minutos, sobre diálogo e harmonia. Também falou das "conquistas de seu governo" e pediu que os milhares de pastores levassem sua mensagem às igrejas de todos os rincões do país.

— Nós tivemos muitos projetos no nosso governo. Reforma do Ensino Médio. Baixamos inflação, juros. Nesse momento que vamos entrar numa disputa eleitoral, peço que avaliem nossos projetos, que são a favor do país. Que os senhores possam levar a todos e todas essas palavras, também de paz e harmonia, pois sei que os senhores têm templos nos lugares mais afastados — disse o presidente, que era intensamente aplaudido a cada frase.

Michel Temer também aproveitou o evento para comemorar o fim da paralisação dos caminhoneiros.

PUBLICIDADE

— Pensei: ‘vou lá na Assembleia de Deus para comemorar a pacificação do país’. Com a graça de Deus, estamos encerrando a greve dos caminhoneiros. Pelo diálogo, que é o que eu prego. Não houve uma violência por parte do estado brasileiro nesses dias de paralisação. Que isso sirva de exemplo para o nosso país, o diálogo.

O presidente da congregação religiosa, Manoel Ferreira, também pediu que seus pastores levem a palavra de Michel Temer aos fiéis espalhados pelo país, e reforçou:

— Acima dele (do presidente), só Deus e a nação.

Ferreira ainda chamou um a um, ao altar do templo, deputados e senadores da bancada religiosa que fazem parte de sua congregação.

RS: Igreja apaga tapete de Corpus Christi que dizia 'fora Temer' em Aratiba


Em meio à tradicional confecção de tapetes para Corpus Christi nas ruas de Aratiba, a cerca de 400 km de Porto Alegre, uma mensagem chamou atenção dos moradores na manhã desta quinta-feira (31): no tapete criado pela Pastoral da Juventude da Paróquia Santiago de Aratiba, estava escrito "fora Temer" no espaço designado a eles pela organização. Por decisão da própria paróquia, os integrantes do grupo receberam ordens de modificar a mensagem. Escreveram, então, "amar sem temer".

Insatisfeitos, membros da igreja apagaram todas as inscrições, inclusive um símbolo feminista incluído pelo grupo de jovens. "Não é lugar para se manifestar politicamente", define o membro do Conselho Econômico da Igreja, Walter Meurer.

A decisão provocou discussões na cidade de quase 7 mil habitantes do Norte do Rio Grande do Sul, de acordo com Walter. Segundo ele, todas as 17 entidades que receberam um espaço para criar o tapete ganharam as instruções, antes do feriado, sobre como deveriam ser os desenhos. Entre elas, está "não desenhar símbolos das entidades ou outros símbolos que não sejam religiosos".

Foi por esse motivo, conforme Walter, que a igreja resolveu apagar a mensagem, decisão que foi apoiada pelo padre Dirceu Balestrin. "Eles sabiam o que podiam colocar [no tapete], por que fizeram diferente?", resume Walter, que não acredita que o ato possa ser configurado como censura. "Aquele não era lugar de se manifestar. Foi o melhor a ser feito", conclui o religioso. O G1 tentou contato com o padre Dirceu, mas não teve as mensagens respondidas.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Leia o manifesto assinado por deputados e senadores para que o STF não legalize o aborto


Aconteceu nesta quarta-feira (30/05) a audiência pública que uniu a Câmara dos Deputados e o Senado para debater a ADPF 442 e expor o ativismo judicial que ameaça legalizar o aborto no país, atropelando as atribuições do Congresso Nacional. Na ocasião, foi assinado um manifesto que expõe a posição dos deputados, senadores, vereadores e organizações da sociedade civil que se opõe a esse abuso anunciado do STF.

Confira a íntegra do texto assinado:

***

Manifesto contra a ADPF 442

Nós, parlamentares de todo Brasil junto à sociedade civil mobilizada subscrevemos e assinamos esse manifesto contrário à ADPF 442, hoje sob a relatoria de Vossa Excelência, min. Rosa Weber, com tramitação no Supremo Tribunal Federal.

Em breve síntese, a ação foi peticionada pelo PSOL sob a alegação de que os as artigos 124 e 126 do Código Penal não foram recepcionados pela Constituição Federal, por “supostamente” afrontarem princípios fundamentais e serem contrários a compromissos internacionais assumidos pelo Brasil. Diante disso requer que se declare a consequente inconstitucionalidade. Dessa feita, se assim Vossas Excelências decidirem, o resultado será a legalização do aborto até as 12 semanas de desenvolvimento gestacional.

Com efeito, grupos pró-aborto se utilizam desse subterfúgio e extrapolam o preceituado no princípio da inafastabilidade da tutela jurisdicional (art. 5º inciso XXXV, CF). Quando não há consenso entre as concepções morais, filosóficas e até mesmo religiosas dos indivíduos da sociedade, em outras palavras, havendo desacordo moral razoável no tocante a temas específicos, não pode o judiciário subtrair do legislativo, que tem como prerrogativa preponderante, a elaboração de leis que atendam aos anseios da sociedade de acordo com sua representatividade.

A justificativa que tem sido ventilada para tal atuação consiste no princípio da máxima efetividade normativa da Constituição, bem como no fato de que, a princípio, compete ao Judiciário a concretização dos direitos constitucionais, avocando um protecionismo às minorias que “não conseguem transformar os seus legítimos interesses em preceitos legislativos”. Acrescenta-se a esse rol uma atuação quando seja necessária a proteção das regras do jogo constitucional e quando houver omissão legislativa quanto a determinadas pautas. Essa é a tese, inclusive, defendida pelo ministro do STF, Sr. Roberto Barroso[1]. Todavia essa prática é prejudicial à tripartição dos poderes, enfraquece o Estado Democrático de Direito bem como a representatividade plural da sociedade brasileira.

São os membros do Congresso Nacional- que ressaltasse, são eleitos necessariamente pelas bandeiras que defendem- os legítimos a debaterem assuntos tidos por polêmicos ou consensuais. Sobre esses a população é capaz de oferecer apoio, cobranças e acompanhar a tramitação de seus interesses, diferentemente do que acontece com os ministros do Supremo. Essa invasão de prerrogativas vai além do sistema de controle de freios e contrapesos[2], pois também desestabiliza a harmonia dos poderes e coloca em descrédito as instituições a vista da opinião popular.

No que concerne à descriminalização do aborto o Congresso Nacional, desde a constituinte de 1988, debate temas correlatos a matéria. Dentre os projetos de lei destacam-se o PL 3465/1989 que dispunha sobre a interrupção voluntaria da gravidez até os 90 dias; o PL 1.135/1991 e o PL 176/1995 cujo objetivo era a descriminalização do aborto até o 9º mês de gestação; o PL 4.403/2004 que tinha por fim a isenção de pena para a prática do aborto terapêutico em caso de anomalia fetal, incluindo a anencefalia; o PL 4834/2005 e o PLS 227/2004 que dispunha sobre a isenção de pena para a gestante e para o médico no caso de aborto de feto com anencefalia (SANTOS, 2016, P. 170)[3].

Todos os projetos de lei, descritos anteriormente, foram arquivados em 2011. No mesmo ano, foi proposto o Projeto de Lei do Senado 50/2011, que tem por fim afastar a punibilidade do aborto no caso de feto com anencefalia, se precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal. O referido Projeto continua tramitando no Senado e foi encaminhado, no dia 03.02.2015, para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. Além disso, em fevereiro de 2015 o PL 4.403/2004 foi desarquivado e atualmente também se encontra na referida Comissão. (SANTOS, 2016, P. 171).

CNBB divulga nota sobre o momento nacional


NOTA DA CNBB SOBRE O MOMENTO NACIONAL
“Jesus entrou e pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco”(Jo 20,19)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, solidária com os caminhoneiros, trabalhadores e trabalhadoras, em manifestações em todo território nacional, e preocupada com as duras consequências que sempre recaem sobre os mais pobres, conclama toda a sociedade para o diálogo e para a não violência. Reconhecemos a importância da profissão e da atividade dos caminhoneiros.

A crise é grave e pede soluções justas. Contudo, “qualquer solução que atenda à lógica do mercado e aos interesses partidários antes que às necessidades do povo, especialmente dos mais pobres, nega a ética e se desvia do caminho da justiça” (CNBB, 10/03/2016). Nenhuma solução que se utilize da violência ou prejudique a democracia pode ser admitida como saída para a crise.

Não é justo submeter o Estado ao mercado. Quando é o mercado que governa, o Estado torna-se fraco e acaba submetido a uma perversa lógica financista. “O dinheiro é para servir e não para governar” (Papa Francisco, Evangelii Gaudium, 58). 

É necessário cultivar o diálogo que exige humilde escuta recíproca e decidido respeito ao Estado democrático de direito, para o atendimento, na justa medida, das reivindicações.

As eleições se aproximam. É preciso assegurar que sejam realizadas de acordo com os princípios democráticos e éticos, para restabelecer nossa confiança e nossa esperança. Propostas que desrespeitam a liberdade e o estado de direito não conduzem ao bem comum, mas à violência.

terça-feira, 29 de maio de 2018

Bispo participará de seminário sobre ação que busca legalizar aborto no Brasil


O bispo de Rio Grande (RS), Dom Ricardo Hoepers, participará nesta quarta-feira, 30, do Seminário que debaterá a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442 que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). A ADPF 442 é mais uma das iniciativas que buscam, por meio judicial, a legalização do aborto no Brasil, posição contra a qual a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) já se manifestou na nota “Pela vida, contra o aborto”, publicada em abril do ano passado.

“Neste tempo de grave crise política e econômica, a CNBB tem se empenhado na defesa dos mais vulneráveis da sociedade, particularmente dos empobrecidos. A vida do nascituro está entre as mais indefesas e necessitadas de proteção. Com o mesmo ímpeto e compromisso ético-cristão, repudiamos atitudes antidemocráticas que, atropelando o Congresso Nacional, exigem do Supremo Tribunal Federal (STF) uma função que não lhe cabe, que é legislar”, escreveu a presidência da Conferência na nota.  

O evento é organizado pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, e promovido pelas Comissões de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência e a Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal. Dom Ricardo representará o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, Dom João Bosco Barbosa de Souza.

segunda-feira, 28 de maio de 2018

BA: Militantes do PT lotam Missa no Santuário em solidariedade ao ex-presidente Lula


No início da manhã deste sábado (26) centenas de militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) de diversos municípios da região Oeste (BA) participaram de uma missa no Santuário do Bom Jesus da Lapa, para, de acordo com a organização, “rezar e orar em solidariedade ao ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva", preso na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, há quase dois meses.

Os petistas usando camisas vermelhas, com a frase “Lula Livre”, lotaram o salão da gruta do Bom Jesus da Lapa. 

Ao contrário do que ocorreu no Santuário de Aparecida (SP) que chegou a divulgar uma nota "contra toda e qualquer utilização do seu espaço para fins políticos ou ideológicos", desobedecida pelo próprio reitor do Santuário, o padre João Batista, tendo ele que pedir desculpas pelo ocorrido, no Santuário de Bom Jesus da Lapa não foi registrada nenhuma manifestação verbal de conteúdo político, uso de bandeiras ou faixas. Fotos foram tiradas ao final da missa pelos participantes. “Viemos aqui fazer nossas orações no pé do Bom Jesus, cada um de sua forma, de forma silenciosa a favor do nosso ex-presidente Lula. Esse momento é de fortalecimento, de renovação da nossa fé, onde cada um apresenta e pede do seu jeito. Aqui é um espaço onde todos apresentam a sua fé, por isso, estamos aqui”, disse um representante de Malhada.

"Os protestantes que querem receber a Comunhão devem se tornar católicos", afirma Cardeal


Em uma entrevista no dia 23 de maio com o Catholic News Service, o cardeal nigeriano também enfatizou a importância dos ensinamentos da Igreja sobre a Eucaristia e a dignidade para sua recepção.

Os protestantes que querem receber a Santa Comunhão devem se tornar católicos, disse o cardeal Francis Arinze nesta semana.O Cardeal afirmou que a Sagrada Comunhão não pode ser compartilhada com os cônjuges protestantes, como amigos que compartilham cerveja ou bolo.

"O cardeal Arinze disse que é importante entender que "a Sagrada Eucaristia não é uma possessão privada que podemos compartilhar com nossos amigos".

«Podemos compartilhar nosso chá e nossa cerveja com os nossos amigos».

"Não é apenas que desejamos bem um ao outro", continuou o cardeal. "Depois da missa, você pode tomar uma xícara de chá e até um copo de cerveja e um pedaço de bolo. Está bem. Mas a missa não é assim ».

Em uma entrevista no dia 23 de maio com o Catholic News Service, o cardeal nigeriano também enfatizou a importância dos ensinamentos da Igreja sobre a Eucaristia e a dignidade para sua recepção.

"É muito importante olhar para a doutrina", disse ele. "A celebração eucarística da Missa não é um culto ecumênico ... É uma celebração dos mistérios de Cristo, que morreu por nós na cruz, que transformou o pão em seu corpo eo vinho no seu sangramento, e os apóstolos a fazerem disse isso em sua memória ».Ele também explicou que a verdadeira comunhão é um componente necessário para receber a Eucaristia na missa católica.

"A celebração eucarística da Missa é a celebração da comunidade de fé", disse o cardeal Arinze, "aqueles que acreditam em Cristo estão se comunicando na fé, com os sacramentos e a comunhão eclesiástica, a unidade da igreja com seu pastor, seu bispo e o papa ».

Igreja na Argentina convida ao jejum diante da votação próxima ao projeto de aborto


A Conferência Episcopal da Argentina (CEA) convidou os fiéis a viver no dia 7 de junho um dia especial de jejum e oração, ante a próxima votação do projeto de despenalização do aborto que é discutido no Parlamento.

Em 10 de abril, começou o debate sobre o projeto de aborto na Câmara dos Deputados. Desde então, foram realizadas exposições a favor e contra esta prática e suas consequências na sociedade argentina. A votação está marcada para o dia 13 de junho.

O jejum será realizado depois de terminar o tempo especial de oração convocado pela Igreja na Argentina, do dia da Ascensão do Senhor, em 13 de maio, até o dia da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, em 3 de junho.

O objetivo é pedir “ao Senhor que nos dê a luz e a sabedoria em nossos corações para que sejamos cidadãos que cuidam da vida desde a sua concepção até o fim”.

Tragédia na Irlanda: Maioria vota a favor de legalizar o aborto


O referendo histórico realizado na Irlanda na sexta-feira, 25 de maio, concluiu com a maioria a favor da revogação da Oitava Emenda da Constituição, a qual protege o direito à vida da mãe e do nascituro.

No sábado, 26, a Comissão encarregada da contagem divulgou que 66,4% dos eleitores apoiaram a revogação da emenda, enquanto 33,6% votaram contra a revogação.

Segundo informa a agência Efe, somente em um condado venceu o “não” ao aborto, com 51,9%.

Com essa decisão, o governo da Irlanda poderá modificar as leis para permitir o aborto até 12 semanas de gestação, chegando até 24 semanas em alguns casos.

A Oitava Emenda, aprovada em 1983 com 67% dos votos, assegura: “O Estado reconhece o direito à vida do nascituro, com a devida consideração ao mesmo direito à vida da mãe, garante em suas leis respeitar e, até onde seja praticável, defender com suas leis e reivindicar esse direito”.

Em declarações à CNN, Ailbhe Smyth, ativista promotora do aborto, disse que resultado do referendo “foi um longo e duro caminho, mas nunca o perdemos de vista porque é essencial para a nossa existência, para nós, mulheres, ter o controle de nossos próprios corpos”.

Por sua parte, o grupo Save the 8th campaign, que luta pela vida na Irlanda, considerou que o resultado da votação é uma “tragédia de proporções históricas”, mas felicitou as pessoas que votaram a favor da emenda até o fim.

Além disso, indicou que seguirão em sua luta pelo direito à vida. “Toda vez que um nascituro for assassinado na Irlanda, nós estaremos contra isso e faremos com que nossas vozes sejam ouvidas”, acrescentou.

“O aborto foi algo ruim ontem e hoje continua sendo. A Constituição pode ter mudado, mas os fatos não mudaram”.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Cuidado com o “falso” Papa Francisco!


Foi lançado nesta sexta-feira (25/05), na Itália, o livro “Fake Pope – As Falsas Notícias sobre o Papa Francisco“, dos jornalistas Nello Scavo e Roberto Beretta. A obra, que ainda não tem tradução em português, procura reunir todas as mentiras já publicadas sobre a figura do Papa Francisco.

O termo “fake news” se popularizou imensamente ao longo dos últimos meses e gerou livros e mais livros que tentam explicar como reconhecer e desmantelar as notícias falsas que proliferam na internet, mas, até agora, ninguém tinha escrito um livro sobre as fake news envolvendo o Papa.

O objetivo do livro

A ideia, segundo Nello Scavo, nasceu alguns anos atrás, depois do lançamento do livro “Os inimigos de Francisco”, que investiga quais são as resistências e os obstáculos que o Papa encontra em sua missão na Igreja. Com este novo trabalho, “quisemos documentar e tentar desmentir muitos boatos sobre o Papa que circulam na internet e em outros meios de comunicação“, diz ele.

O livro, prossegue o autor, “não é voltado apenas aos comunicadores: é acessível a todos. Qualquer curiosidade sobre fake news pode ser encontrada com explicações para aprofundar o tema”.

Nunciatura do Chile se pronuncia ante acusação de encobrimento de abusos


A Nunciatura Apostólica no Chile negou as acusações feitas por um sacerdote a respeito da falta de colaboração em um suposto caso de abuso sexual que um sacerdote havia cometido na Diocese de Talca.

Pe. Sergio Diaz Cubillos, pároco da Igreja da Imaculada Conceição de Villa Prat, acusou o Núncio Apostólico no Chile, Dom Ivo Scapolo, de recusar-se a recebê-lo em 2014 para falar acerca de um possível caso de abuso de um sacerdote a quatro jovens de Talca e de Santiago.

Estas declarações foram feitas por Pe. Diaz Cubillos em 23 de maio, depois da reunião do clero da Diocese de Talca com o bispo local, Dom Horacio Valenzuela, para analisar a mensagem do Papa Francisco aos bispos chilenos sobre a gestão deficiente nos casos de abusos sexuais.

“Depois de um ano, entregamos tudo o que a Igreja nos pede na nunciatura e (Scapolo) me deu uma carta (...) em Santiago. Quando chegamos estava chovendo e muito frio e disse que não iria nos receber, que não era por mim, era pelos jovens que estavam comigo. Como não vou me sentir ferido, se o Papa confia neste núncio, ou confiava plenamente”, disse à imprensa local.

Em seguida, acrescentou, que diante da resposta negativa da Nunciatura, buscou uma maneira de “fazer justiça”.

Díaz Cubillos disse que “a Igreja tem suas formas” e, nesse sentido, se reuniram, ante Dom Valenzuela, o suposto abusador com as vítimas.

Segundo Pe. Díaz, neste encontro “o perpetrador confessou tudo; deste modo, as vítimas se sentiram mais tranquilas e o bispo demitiu o sacerdote de todas as suas atividades pastorais com crianças e jovens. Nesse caso, Dom Valenzuela agiu bem e as vítimas ficaram tranquilas”.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Reitor de Aparecida se desculpa após pedir que 'Nossa Senhora abençoe Lula'

O reitor do Santuário Nacional de Aparecida, padre João Batista de Almeida,
celebra missa dos 300 anos da padroeira do Brasil - Eduardo Knapp - 12.out.2017/Folhapress

O reitor do Santuário Nacional Aparecida, padre João Batista de Almeida, pediu desculpas após celebrar uma missão pela libertação de Lula no domingo (21) e ser chamado de comunista nas redes sociais.

Durante a celebração da Eucaristia, o clérigo pediu para que “Nossa Senhora Aparecida abençoe [o petista] e lhe dê muitas forças para que se faça a verdadeira justiça, para que o quanto antes ele possa estar entre nós, construindo com o nosso povo um projeto de país que semeie a justiça e a fraternidade". Na plateia, manifestantes pró-Lula vestidos com camisas vermelhas da CUT e enrolados em bandeiras do PT.

O arrependimento foi expresso três dias depois, na quarta-feira (23), numa "nota de reparação" assinada pelo padre João Batista e reforçada por dom Orlando Brandes, arcebispo da Arquidiocese de Aparecida, e o padre José Inácio de Medeiros, superior provincial dos Missionários Redentoristas da Província de São Paulo.

"Manifesto meu pesar e peço perdão a todos que se sentiram ofendidos pela maneira como conduzi a celebração da missa das 14h", diz o reitor do Santuário.

Igreja não é lugar de tomar "posição político-partidária, que é contrária ao Evangelho", afirma o texto, que começa pedindo "perdão pela dor que geramos à Mãe Igreja, aos fiéis e às pessoas de boa vontade".

A oratória de João Batista enxameou a internet com críticas ao clérigo, como o tuiteiro que sugeriu "a excomunhão do padre", que seria "o melhor que a Igreja pode fazer para se livrar dessa mácula comunista".

Youtuber mira CNBB 'esquerdizada' e rejeita fama de 'MBL dos católicos'

Bernardo Pires Küster, youtuber que acusa a cúpula da CNBB de ser esquerdista. - Sergio Ranalli /Folhapress

Bernardo Pires Küster, 30, já foi chamado de "empregadinho servil da CIA, do professor Olavo de Carvalho, da Opus Dei, da maçonaria judaica, da TFP [a ultraconservadora Tradição, Família e Propriedade] e do Mossad [o serviço secreto de Israel].

Teve também a fama recente de "MBL dos católicos", uma comparação que afirma ser sem pé nem cabeça, já que ele vive "metendo o cacete" no movimento liberal liderado por Kim Kataguiri.

O jornalista e tradutor paranaense, que virou um dos maiores youtubers católicos do país, acha graça dos rótulos que colam nele. Já ironizou no Facebook que "nem Reinaldo Azevedo teve tantos patrões" quanto os associados aí em cima para ele –o colunista da Folha é outro que costuma enervar grupos de esquerda.

O que Bernardo admite que é: uma pedra no sapato da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). Decorado com uma foto dele segurando um rifle, seu canal do YouTube tem 169 mil seguidores. Na página no Facebook, na qual a foto de capa traz freiras armadas, são 91 mil.

Os dois são abastecidos por vídeos como "Cala a Boca, Abortista!" e "Projeto de Ditadura LGBTTQI+@Y123", que questiona o projeto de lei no Senado que cria o Estatuto da Diversidade Sexual e de Gênero. Bernardo incluiu "outras letras [em LGBTQ, de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgêneros e Queers] pra facilitar o trabalho do pessoal que não para de aumentar essa sigla", diz.

A popularidade do ativista católico disparou após a publicação, dois meses atrás, de "CNBB no banco dos réus". A produção acumula 544 mil visualizações, enquanto vídeos veiculados no canal CNBBNacional costumam alcançar algumas dezenas delas.

A peça de Bernardo dispara uma rajada de acusações contra o que ele julga ser uma entidade empesteada de comunismo. A primeira bofetada é contra o fundador da CNBB, dom Helder Câmara (1909-1999), a quem se refere como "o arcebispo vermelho".

Era um desafeto do regime que se instaurou no mesmo mês em que virou arcebispo de Olinda e Recife, abril de 1964. Ao arcebispo, tido como inimigo pelos militares, se atribuiu a frase "quando dou comida aos pobres, me chamam de santo, quando pergunto por que eles são pobres, chamam-me de comunista".

Em sua videografia, Bernardo destrincha indícios do que vê como "esquerdização" na Igreja Católica brasileira. Tem a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, elogiando a CNBB. Outra imagem aponta a presença da Cáritas, braço da Igreja que se diz voltado "aos excluídos e excluídas", no Fórum Social Mundial deste ano, visto como uma "esquerdolândia".

O presidente da Cáritas, dom João Costa, é alvo preferencial. Bernardo reproduz uma entrevista em que o hoje arcebispo de Aracaju define sua ida a um comício de Lula em 1989 como "um dos momentos mais belos da minha vida". O youtuber indaga: por que não eleger um momento religioso como o mais belo?

Por meio de uma edição engraçadinha, as críticas são intercaladas com cenas como a que Lula fala para a câmera: "Chupa que a cana é doce".

O paranaense lembra da condenação do pontificado de Pio 12 (1939-1958) ao comunismo, num decreto de 1949. "Aqueles que se aliam [ao movimento] são excomungados."

quarta-feira, 23 de maio de 2018

CEB's do Brasil publica no Facebook imagem blasfema da Virgem Maria acompanhada de texto herético


A página CEB's do Brasil publicou um texto herético do "frei" Beto, com uma foto sacrílega, onde a Virgem Maria veste uma calça sensual. O povo se assustou. Calma aí, pessoal. Vocês queriam o quê? Que eles publicassem um texto pedindo a oração do Rosário? Uma foto do Santíssimo Sacramento com um convite à adoração? Mas é claro que NÃO. A árvore se conhece pelos frutos. 

Confira a "belíssima" oração blasfema do ex-frei Betto chamada de "Ave Maria Latino-Americana": 

Ave Maria, grávida das aspirações de nossos pobres, o Senhor é convosco, bendita sois vós entre os oprimidos, benditos os frutos de libertação do vosso ventre. Santa Maria, mãe latino-americana, rogai por nós para que confiemos no Espírito de Deus, agora que o nosso povo assume a luta por justiça e na hora de realizá-la em liberdade, para um tempo de paz. Amém! 

Eu acho ótimo quando eles fazem essas coisas, pois somente assim o povo acorda e percebe onde está boa parte dos problemas na Igreja do Brasil: a ideologia socialista que penetrou em nossas paróquias, seminários e congregações. A mesma página que idolatra Lula, falta com respeito à Santíssima Virgem. Até a casa dela já virou palanque eleitoral, imagine... Tudo caminha para que, futuramente, o trigo se separe do joio. Pena que o trigo será chamado de subversivo, cismático, etc. O joio permanecerá na "comunhão". Mas... Comunhão com quem? Com a verdadeira doutrina de Cristo? Acredito que não.

BA: Movimento Baiano de Fé e Política convoca Missa por "Lula Livre" no Santuário de Bom Jesus da Lapa


Depois da vergonhosa Missa por "Lula Livre", ocorrida no Santuário Nacional de Aparecida, o Partido dos Trabalhadores (PT) da Bahia, em mais uma afronta aos católicos do Brasil, em uma iniciativa conjunta - dizem eles na página do facebook - com os Trabalhadores Rurais, Partido dos Trabalhadores, Igreja Católica (sic), Movimentos Sociais, Universidade e Juventude está convocando a população para a Missa pedindo a libertação de Lula, desta vez no Santuário Bom Jesus da Lapa, na Bahia. Diz a nota:

O movimento baiano de fé e política, convida a todos (as), para a missa em solidariedade a Lula, pela defesa da sua libertação e pela paz no Brasil.

A missa será realizada no próximo sábado (26), na Gruta do Senhor Bom Jesus, no município de Bom Jesus da Lapa a partir de 8h.

Se você é devoto de Bom Jesus e também luta pela libertação do Lula e pela paz no Brasil, essa é a hora de manifestar a sua fé por um país mais justo, mais igualitário e livre de toda desigualdade!

A realização da missa é fruto da iniciativa conjunta do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Partido dos Trabalhadores, Igreja Católica, Movimentos Sociais, Universidade e Juventude.

Além de lideranças políticas locais e estaduais (deputados, secretários de estado e demais  lideranças políticas,  sindicais e dos movimentos populares), o secretário Jaques Wagner também já confirmou presença.

Sábado, 26 de maio… é dia de fé e esperança. Compareça!

Em nota nos moldes da que foi publicada pelo Santuário Nacional de Aparecida, o reitor do Santuário do Bom Jesus da Lapa, Pe. Devaldo Menêz, nega apoio. Confira na íntegra:

Arquidiocese de Aparecida publica Nota de Reparação por pedir a libertação de Lula em Missa no Santuário Nacional


NOTA DE REPARAÇÃO
Permanecei no meu amor! (Jo 15,9)

Saudação e Bênção a todos,

Nós, Dom Orlando Brandes, Arcebispo da Arquidiocese de Aparecida; Pe. José Inácio de Medeiros, Superior Provincial dos Missionários Redentoristas da Província de São Paulo; Pe. João Batista de Almeida, Reitor do Santuário Nacional de Aparecida, através desta nota, nos dirigimos ao povo brasileiro e, em especial, aos devotos de Nossa Senhora Aparecida. Manifestamos nosso profundo pesar pelo desapontamento que causamos a todos. Pedimos perdão pela dor que geramos à Mãe Igreja, aos fiéis e às pessoas de boa vontade.

Em nossa Ação Pastoral, o Santuário Nacional, a Arquidiocese de Aparecida e a Congregação Redentorista não defendemos uma posição político-partidária, que é contrária ao Evangelho. Estamos sim, em comunhão com o Magistério e com a Doutrina Social da Igreja.

Homossexualidade X Igreja


Vamos mexer num vespeiro? Cutuca e sai correndo, mas sempre sobram umas picadas...

Que seja! Alguém precisa derrubar a caixa dos marimbondos que se instalaram no portal de entrada da casa de tantas famílias...

Vamos falar de HOMOSSEXUALIDADE x IGREJA.

Publicaram, disseram, propagaram que um moço gay do Chile, antiga vítima de um padre pedófilo,  ouviu do Papa "Deus te fez assim e te ama assim!"... Pronto! Bastou para apedrejarem ou super-louvarem o Papa de novo...

O que acontece (é meu ponto de vista e não é infalível, certamente!) é que a questão da homossexualidade sempre ouriça os católicos e os cristãos de modo geral...

É inegável, contudo, que se trata de uma ferida aberta no corpo da Igreja.  É preciso tratá -la, mesmo que não possa ser totalmente curada. É preciso acolher como uma "graça na desgraça" aquilo que não pode ser mudado...

Tem hétero demais falando sobre o que não sofre: se a Igreja quer tratar melhor a homossexualidade será preciso ouvir os homossexuais católicos (ouvir, inclusive os clérigos e religiosos homossexuais, sem prévia condenação e defenestração por castigo... Às vezes se ouve dizer, aqui e ali, que pelo menos no Alasca eles existem... Não sei se é verdade!): só eles podem falar deles mesmos, de suas angústias e esperanças.

O que passar disso é discurso de ódio, duma ou doutra parte.

Quem quer entender de carne fala com um bom açougueiro,  se se quer estudar a relação homossexualidade-Igreja então se deverá, com respeito e caridade, ouvir o que os próprios homossexuais têm a dizer de suas próprias lutas.

É preciso relembrar o óbvio: para além da condição sexual existe a PESSOA. Recuperar o significado de PESSOA com tudo que este termo implica.

Imagem da Virgem de Guadalupe é manipulada em eleições, no México


O uso eleitoral da imagem da Virgem de Guadalupe em alguns cartazes causou polêmica no México e a Igreja exigiu respeito aos partidos políticos que disputarão a presidência e o congresso nas eleições do próximo dia 1º de julho.

“A Virgem de Guadalupe sempre ajudou a unidade do povo do México”, assinalou a Conferência do Episcopado Mexicano em 20 de maio. “Reprovamos a sua utilização como instrumento de discórdia”.

Nos últimos dias, circulou nas redes sociais alguns cartazes com uma fotografia que insultam a Virgem de Guadalupe e asseguram que “a Igreja Católica faz parte da máfia do poder”. O cartaz mostra, entre outros, o logotipo do Movimento Regeneração Nacional (Morena).

O líder do Morena e candidato à presidência do México, Andrés Manuel López Obrador, conhecido como “AMLO”, se distanciou da distribuição dos cartazes, denunciando uma “guerra suja”.

Supostamente citando o escritor Ignacio Ramírez “El Nigromante”, maçom, ateu e laicista do século XIX, López Obrador assegurou em seu comunicado: “Eu fico onde o povo fica”.

No próximo dia 1º de julho, os mexicanos votarão para eleger o novo presidente, que governará o país durante os próximos seis anos, assim como senadores e deputados.

Em seu comunicado, os bispos exigiram respeito pela imagem da Virgem de Guadalupe, “que representa não só os valores muito sagrados que dão identidade ao nosso povo, do qual é Mãe, guardiã e exemplo; mas também é um sinal de muito valor na América Latina, da qual também é Padroeira e reconhecida como Imperatriz de toda a América”.

“Isso, sem contar com a imensa importância que tem em todo o mundo”, assinalaram.

Por isso, “pedimos às autoridades competentes para que investiguem estes acontecimentos e não permitam circular nenhum tipo de propaganda eleitoral que contenha imagens ou símbolos religiosos venerados por grande parte do povo mexicano, pois, ao fazê-lo, provocam um desconforto em muitos cidadãos crentes e é uma grave falta de respeito para com eles”.

terça-feira, 22 de maio de 2018

Chile: Gay, vítima de abuso, conta que o Papa disse 'Deus te fez assim'. Será?...


Como muitos de vocês devem estar acompanhando, a Santa Sé tem dedicado especial atenção aos casos de pedofilia relacionados a sacerdotes do Chile. Recentemente, o Papa Francisco recebeu um grupo de adultos que foram vítimas desses padres quando eram crianças ou adolescentes.

A audiência durou cerca de 40 minutos. Uma das vítimas recebidas na audiência privada, Juan Carlos Cruz deu uma entrevista ao jornal “El Pais” revelando o suposto conteúdo de sua conversa com o papa. E aí começou a treta...

Segundo Juan Carlos Cruz, o papa teria dito: “Juan Carlos, você ser gay não importa. Deus te fez assim, te ama assim e a mim não importa".

MASOKÊ??!!! O Papa disse isso mesmo? Bem, é impossível checar. Muitos órgãos de imprensa tentaram, em vão, confirmar a afirmação com a Sala de Imprensa da Santa Sé. Nesses casos, a Sala de Imprensa não se pronuncia.

Se a conversa foi privada, o Vaticano entende que tudo deve ser tratado com sigilo. E especialmente por se tratar de um caso tão delicado, nem mesmo os nomes e o número de vítimas recebidas pelo Papa foram revelados à imprensa.

Então, o que o Papa Francisco pensa a respeito dos homossexuais? O bom senso e a prudência nos deixam como única alternativa considerar apenas o que foi ENSINADO POR ELE PUBLICAMENTE, como na Amoris Laetitia:

...cada pessoa, independentemente da própria orientação sexual, deve ser respeitada na sua dignidade e acolhida com respeito... (...) No decurso dos debates sobre a dignidade e a missão da família, os Padres sinodais anotaram, quanto aos projetos de equiparação ao matrimônio das uniões entre pessoas homossexuais, que não existe fundamento algum para assimilar ou estabelecer analogias, nem sequer remotas, entre as uniões homossexuais e o desígnio de Deus sobre o matrimônio e a família. - Papa Francisco. Amoris Laetitia, pontos 250-251

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Homilética: Solenidade do Sagrado Coração de Jesus - Ano B: "O Sagrado Coração é fonte inesgotável do amor de Deus para o mundo".


Na solenidade do Sacratíssimo Coração de Jesus, a Igreja oferece à nossa contemplação este mistério, o mistério do coração de um Deus que se comove e derrama todo o seu amor sobre a humanidade. Um amor misterioso, que nos textos do Novo Testamento nos é revelado como paixão incomensurável pelo homem. Ele não se rende perante a ingratidão, e nem sequer diante da rejeição do povo que Ele escolheu para si; pelo contrário, com misericórdia infinita, envia ao mundo o seu Filho, o Unigênito, para que assuma sobre si o destino do amor aniquilado a fim de que, derrotando o poder do mal e da morte, possa restituir dignidade de filhos aos seres humanos, que o pecado tornou escravos. Tudo isto a caro preço: o Filho Unigênito do Pai imola-se na cruz: "Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim" (cf. Jo 13, 1). Símbolo de tal amor, que vai além da morte é o seu lado traspassado por uma lança. A este propósito, a testemunha ocular, o Apóstolo João, afirma: "Um dos soldados perfurou-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água" (cf. Jo 19, 34).

Queridos irmãos e irmãs: O mundo de hoje, com as suas lacerações sempre mais dolorosas e preocupantes, precisa do Deus, que é Amor, e anunciá-lo é tarefa da Igreja. A Igreja, para poder executar esta tarefa, deve permanecer indissoluvelmente abraçada a Cristo e não deixar-se nunca separar dele: necessita de Santos que morem “no Coração de Jesus” e sejam testemunhas felizes do Amor Trinitário de Deus. E os Sacerdotes, para servirem a Igreja e o Mundo, precisam ser Santos! De fato, os sacerdotes não podem santificar-se sem trabalhar pela santificação dos irmãos, e não podem trabalhar pela santificação dos irmãos sem que primeiro tenham trabalhado e ainda trabalhem em sua própria santificação. Para isso, nós pedimos: rezai pelos sacerdotes. Pois, como dizia o Santo Cura d’Ars: O sacerdócio é o amor do Coração de Jesus! 

Reitor do Santuário Nacional de Aparecida pede liberdade de Lula em Missa


A presidente do PT, Gleisi Hoffmann havia anunciado no início do mês que militantes de seu partido fariam uma peregrinação à Basílica de Aparecida, maior Santuário católico do país, neste domingo (20).

O objetivo seria rezar e “expressar nossa fé e pedir pela liberdade de Lula, Presidente dos pobres”. Não demorou muito para que o Santuário emitisse uma nota informando que esta peregrinação, assim como ocorre com outras romarias provenientes do Brasil todo, não foi “combinada” com o Santuário e disse ainda que "o Santuário Nacional de Aparecida é um espaço sagrado que acolhe todos os filhos e filhas de Nossa Senhora Aparecida, sem distinção mas que se coloca contra toda e qualquer utilização do seu espaço para fins políticos ou ideológicos, por isso, sob qualquer hipótese se posiciona ou se posicionará em favor de quaisquer líderes políticos, refutando toda e qualquer iniciativa que queira utilizar-se do Altar da Eucaristia para fins de promoção individual ou partidária" alegou ainda que não estava “organizando ou convidando pessoas para se mobilizarem em favor deste ou daquele político” e que “nenhuma celebração deste ou em qualquer outro dia na rotina deste Santuário é realizado com fim específico que não o de evangelização”.

Apesar disto, não só os petistas estiveram em Aparecida como o próprio reitor do Santuário, Padre João Batista de Almeida, um militante defensor do Socialismo e indiferente à luta contra corrupção, rezou uma missa pela liberdade do criminoso condenado Lula. Confira o vídeo:

Maria, Mãe da Igreja



Este fato já estava presente de algum modo no sentir eclesial a partir das palavras premonitórias de Santo Agostinho e de São Leão Magno. De fato, o primeiro diz que Maria é a Mãe dos membros de Cristo porque cooperou, com a sua caridade, para o renascimento dos fiéis na Igreja. O segundo, diz que o nascimento da Cabeça é, também, o nascimento do Corpo, o que indica que Maria é, ao mesmo tempo, Mãe de Cristo, Filho de Deus, e Mãe dos membros do seu Corpo Místico, isto é, da Igreja. Estas considerações derivam da maternidade divina de Maria e da sua íntima união à obra do Redentor, que culminou na hora da cruz.

A Mãe, que estava junto à cruz (cf. Jo 19, 25), aceitou o testamento do amor do seu Filho e acolheu todos os homens, personificados no discípulo amado, como filhos para regenerar à vida divina, tornando-se a amorosa nutriz da Igreja que Cristo gerou na cruz entregando o Espírito. Por sua vez, no discípulo amado, Cristo elegeu todos os discípulos como herdeiros do seu amor para com a Mãe, confiando-a para que a recebam com amor filial.

Dedicada guia da Igreja nascente, Maria iniciou a própria missão materna já no cenáculo, rezando com os Apóstolos na expectativa da vinda do Espírito Santo (cf. At 1, 14). Ao longo dos séculos, por este modo de sentir, a piedade cristã honrou Maria com os títulos, de certo modo equivalentes, de Mãe dos discípulos, dos fiéis, dos crentes, de todos aqueles que renascem em Cristo e, também, “Mãe da Igreja”, como aparece nos textos dos autores espirituais assim como nos do magistério de Bento XIV e Leão XIII.

Assim, resulta claramente sobre qual fundamento o Beato Papa Paulo VI, a 21 de Novembro de 1964, por ocasião do encerramento da terceira sessão do Concílio Vaticano II, declarou a Bem-aventurada Virgem Maria “Mãe da Igreja, isto é, de todo o Povo de Deus, tanto dos fiéis como dos pastores, que lhe chamam Mãe amorosíssima” e estabeleceu que “com este título suavíssimo seja a Mãe de Deus doravante honrada e invocada por todo o povo cristão”.

A Sé Apostólica, por ocasião do Ano Santo da Reconciliação (1975), propôs uma Missa votiva em honra de Santa Maria, Mãe da Igreja, que foi inserida no Missal Romano, concedeu também a possibilidade de acrescentar a invocação deste título na Ladainha Lauretana (1980), e publicou outros formulários na Coletânea de Missas da Beata Virgem Maria (1986). Para algumas nações e famílias religiosas que pediram, concedeu a possibilidade de acrescentar esta celebração no seu Calendário particular.

O Sumo Pontífice Francisco, considerando atentamente quanto a promoção desta devoção pode favorecer o crescimento do sentido materno da Igreja nos Pastores, nos religiosos e nos fiéis, assim como a genuína piedade mariana, estabeleceu que esta memória da Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja, seja inscrita no Calendário Romano na Segunda-feira depois do Pentecostes, e que seja celebrada todos os anos.

Esta celebração nos ajudará a recordar que o crescimento na vida cristã deve fundamentar-se no mistério da Cruz, na oblação de Cristo no banquete eucarístico e na Virgem oferente, Mãe do Redentor e dos redimidos. 

domingo, 20 de maio de 2018

Homilética: 8º Domingo do Tempo Comum - Ano B: "O Esposo que traz a alegria".



"Esposo" é um dos nomes que Deus dá a si mesmo (Is 54,5) para exprimir seu profundo amor pelo homem. Quando os profetas querem representar a relação Deus-Israel recorrem às imagens expressivas e audazes do simbolismo nupcial.

Oséias, particularmente (1ª leitura), em sua experiência conjugal, descobre o mistério da aliança entre Deus e seu povo. Se a aliança assume um nítido caráter esponsal, a traição de Israel se torna não só prostituição e idolatria, mas um verdadeiro adultério.

As leituras de hoje sublinham, no sentido nupcial, sobretudo o aspecto positivo de alegria e festa: alegria pelo amor reencontrado e reconquistado (1ª leitura) e alegria pela presença do esposo (evangelho). Numa aldeia palestinense, um casamento era ocasião de grande festa e alegria para todos. O ponto culminante da festa era naturalmente o banquete nupcial, de que participavam parentes, amigos e conhecidos. O banquete nupcial tinha, para Israel, uma densidade de sentido desconhecida do homem moderno. Evocava os fatos culminantes de sua vitória e prefigurava, no plano do sinal, a festa jubilosa do tempo messiânico.

Os dias do Messias são geralmente comparados, na literatura rabínica, a um banquete nupcial, e a figura do esposo evocava o Deus da aliança, o Esposo por excelência.

Com a vinda de Jesus, o esposo está presente. Celebra as suas núpcias com o povo presente ao banquete.

Seus discípulos têm razão em alegrar-se; não se jejua quando se participa das núpcias do esposo, núpcias que Jesus celebra com a Igreja, novo povo de Deus, em seu sangue, e que revive no banquete da nova e definitiva aliança. Isto nos permite descobrir o verdadeiro sentido da alegria cristã, que é alegria pascal, a que Jesus conquistou para nós "passando" através do sofrimento e da morte. Por isso, a nossa alegria também passará através do sacrifício e da paixão de Cristo. É a alegria das bem-aventuranças, que nasce de uma vida de pobreza, mansidão e paz. É a alegria que nasce do Espírito (Gl 5,22). A alegria cristã, típica do reino de Deus, se alimenta da participação na celebração eucarística, que é, por excelência, o lugar da comunhão esponsal entre Deus e seu povo, que a ele eleva a ação de graças como resposta aos seus dons. 

Papa Francisco: Reflexões sobre a Santa Missa – Ritos Finais (Parte 15/15)


PAPA FRANCISCO
AUDIÊNCIA GERAL
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 4 de abril de 2018

Ritos Finais

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Com esta catequese concluímos o ciclo dedicado à Missa, que é propriamente a comemoração, mas não somente como memória, se vive de novo a Paixão e a Ressurreição de Jesus. Na última vez chegamos até a Comunhão e a oração após a Comunhão; depois desta oração, a Missa se conclui com a benção concedida pelo sacerdote e a despedida do povo (cfr Instrução Geral do Missal Romano, 90). Como iniciou com o sinal da cruz, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ainda no nome da Trindade que é selada a Missa, isso é, a ação litúrgica.

Todavia, sabemos bem que enquanto a Missa termina, se abre o compromisso do testemunho cristão. Os cristãos não vão à Missa para cumprir uma tarefa semanal e depois se esquecem, não. Os cristãos vão à Missa para participar da Paixão e Ressurreição do Senhor e depois viver mais como cristãos: abre-se o compromisso do testemunho cristão. Saímos da igreja para “ir em paz” levar a benção de Deus nas atividades cotidianas, nas nossas casas, nos ambientes de trabalho, entre as ocupações da cidade terrena, “glorificando o Senhor com a nossa vida”. Mas se nós saímos da igreja conversando e dizendo: “olha este, olha aquele…”, com a língua longa, a Missa não entrou no meu coração. Por que? Porque não sou capaz de viver o testemunho cristão. Toda vez que saio da Missa, devo sair melhor do que entrei, com mais vida, com mais força, com mais vontade de dar testemunho cristão. Através da Eucaristia o Senhor Jesus entra em nós, no nosso coração e na nossa carne, a fim de que possamos “exprimir na vida o sacramento recebido na fé” (Missal Romano, Coleta da segunda-feira na Oitava de Páscoa).

Da celebração à vida, portanto, conscientes de que a Missa encontra realização nas escolhas concretas de quem se faz envolver em primeira pessoa nos mistérios de Cristo. Não devemos esquecer que celebramos a Eucaristia para aprender a nos tornar homens e mulheres eucarísticos. O que isso significa? Significa deixar Cristo agir nas nossas obras: que os seus pensamentos sejam os nossos pensamentos, os seus sentimentos os nossos, as suas escolhas as nossas escolhas. E isto é santidade: fazer como fez Jesus é santidade cristã. São Paulo exprime isso com precisão, falando da própria assimilação a Jesus, e diz assim: “Estou pregado à cruz de Cristo. Eu vivo, mas já não sou eu; é Cristo que vive em mim. A minha vida presente, na carne, eu a vivo na fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (Gal 2, 19-20). Este é o testemunho cristão. A experiência de Paulo ilumina também nós: na medida em que mortificamos o nosso egoísmo, isso é, fazemos morrer aquilo que se opõe ao Evangelho e ao amor de Jesus, cria-se dentro de nós um espaço maior para o poder do seu Espírito. Os cristãos são homens e mulheres que se deixam alargar a alma com a força do Espírito Santo, depois de ter recebido o Corpo e o Sangue de Cristo. Deixem-se alargar a alma! Não estas almas assim estreitas e fechadas, pequenas, egoístas, não! Almas largas, almas grandes, com grandes horizontes…Deixem-se alargar a alma com a força do Espírito, depois de ter recebido o Corpo e o Sangue de Cristo.

Porque a presença real de Cristo no Pão consagrado não termina com a Missa (cfr Catecismo da Igreja Católica, 1374), a Eucaristia é conservada no tabernáculo para a Comunhão aos doentes e para a adoração silenciosa do Senhor no Santíssimo Sacramento; o culto eucarístico fora da Missa, seja em forma privada ou comunitária, ajuda-nos, de fato, a permanecer em Cristo (cgr ibid., 1378-1380).