terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Como Jesus, manso e humilde de coração


Antes de mais, se queremos ser amigos do verdadeiro bem dos nossos alunos e encaminhá-los para o cumprimento dos seus deveres, é necessário que nunca vos esqueçais de que sois representantes dos pais desta querida juventude, esta juventude que foi sempre o terno objeto das minhas preocupações, dos meus estudos, do meu ministério sacerdotal e da nossa Congregação Salesiana.

Quantas vezes, meus queridos filhos, na minha longa carreira, me tive de convencer desta grande verdade: é mais fácil encolerizar-se do que ter paciência, ameaçar uma criança do que persuadi-la; direi mesmo que é mais cômodo, para a nossa impaciência e para a nossa soberba, castigar os recalcitrantes do que corrigi-los, suportando-os com firmeza e benignidade.

A caridade que vos recomendo é aquela de que usava São Paulo com os recém-convertidos e que muitas vezes o fez chorar e suplicar quando os encontrava menos dóceis e menos dispostos a corresponder ao seu zelo.

Tende cuidado que ninguém possa julgar que procedeis movidos pelo ímpeto da emoção repentina. Dificilmente quem castiga é capaz de conservar aquela calma que é necessária para afastar qualquer dúvida de que agimos para demonstrar a nossa autoridade ou desafogar o nosso mau humor.

Olhemos como filhos nossos para aqueles sobre os quais exercemos alguma autoridade. Ponhamo-nos ao seu serviço como Jesus, que veio para obedecer e não para dar ordens, envergonhando-nos de tudo o que nos possa dar a aparência de dominadores; e se algum domínio exercemos sobre eles, há de ser apenas para os servir melhor.

Assim fazia Jesus com os seus Apóstolos, tolerando-os na sua ignorância e rudeza, e inclusivamente na sua pouca fidelidade; era tal a familiaridade e afeição com que tratava os pecadores que a alguns causava espanto, a outros escândalo, e em muitos infundia a esperança de receber o perdão de Deus; por isso nos ordenou que aprendêssemos d’Ele a ser mansos e humildes de coração.

Uma vez que são nossos filhos, afastemos toda a cólera quando devemos censurar as suas falhas, ou ao menos moderemo-la de tal modo que pareça totalmente dominada.

Nada de agitação de ânimo, nada de desprezo no olhar, nada de injúrias nos lábios; mas tenhamos compaixão no presente e esperança no futuro: então seremos verdadeiros pais e conseguiremos uma verdadeira correção. 

Em certos momentos muito graves ajuda mais uma recomendação a Deus, um ato de humildade perante Ele, do que uma tempestade de palavras, que só fazem mal a quem as ouve e de nenhum proveito servem para quem as merece.


Das Cartas de São João Bosco, presbítero (Epistolario, Torino 1959. 4, 201-203) (Sec. XIX)

Catecismo Anticomunista

Diabos vermelhos: detalhe de um afresco de pecadores no inferno na nova Igreja da Ressurreição de Cristo em Podgorica mostra abaixo um demônio e os filósofos comunistas alemães Karl Marx (centro) e Friedrich Engels (direita) e o líder comunista iugoslavo Josip Broz Tito.

Uma raridade... o livrinho  O "Catecismo Anticomunista", escrito por D. Geraldo, foi sucesso numa época (anos 60), em que este país era muito mais Católico, onde as palavras e ensinamentos do citado sacerdote alcançavam notável repercussão! Mas trata-se de tema bem atual; afinal, hoje vemos uma inegável expansão neocomunista.


CATECISMO ANTICOMUNISTA

I. O QUE É O COMUNISMO E O QUE ELE ENSINA

1 Que é o comunismo?

O comunismo é uma seita internacional, que segue a doutrina de Karl Marx, e trabalha para destruir a sociedade humana baseada na, lei de Deus e no Evangelho, bem como para instau­rar o reino de Satanás neste mundo, implantando um Estado ímpio e revolucionário, e organizando a vida dos homens de sorte que se esqueçam de Deus e da eternidade.

2 Qual é a doutrina que a seita comunista ensina?

A seita comunista ensina a doutrina do mais completo materialismo.

3 Que ensina o materialismo comunista a, respeito de Deus?

O materialismo comunista ensina que Deus não existe, e que só existe a matéria.

4 Contenta-se a seita comunista em ensi­nar que não há Deus e que só existe a matéria?

A seita comunista dá grande importância a um materialismo pratico, em que o homem cogita se Deus existe ou não, mas procede, pensa e organiza sua vida sem se incomodar com Deus nem se lembrar dEle. Assim; aos poucos chega também ao materialismo teórico.

O comunista verdadeiro é materialista teórico e prático, para poder levar seus prosélitos ao caminho aludido.

5 Que pensa a seita comunista a respeito da alma?

Para a seita comunista o homem é só matéria, e a alma não existe.

6 Que pensa a seita comunista a respeito da eternidade?

Para a seita comunista o homem desaparece totalmente após a morte. Não há Céu nem inferno, não há felicidade nem castigo depois desta vida.

7 Que pensa a seita comunista a respeito da natureza humana?

Para a seita comunista o homem é um simples animal; embora mais evoluído do que o boi e o macaco, não passa de animal.

8 Qual e a primeira conseqüência prática desta doutrina?

A primeira conseqüência prática deste materialismo é que o homem deve procurar sua felicidade somente nesta terra, e no gozo dos prazeres que a vida terrena oferece.

9 O homem, segundo pendi de Deus e da sua lei?

Não. Uma vez que só há mataria, o homem não depende de Deus, que não existe; ele é supremo senhor de si mesmo.


II. ATITUDES DO COMUNISMO 
PERANTE A RELIGIÃO

10 A seita comunista dá importância à Religião?

Embora negue a existência de Deus, e afirme que a Religião é coisa quimérica, o comu­nismo dá grande importância ao fato de que existe Religião no mundo, porque vê nela o seu maior inimigo. Lenine a chama de “ópio do povo”.

11 Por que a Religião é inimiga do comunismo?

A verdadeira Religião, que é a Religião Católica, é inimiga mortal do comunismo, porque ensina exatamente o contrario do que ele ensina, e inspira os fieis a preferirem a morte às doutrinas e ao regime comunista.

12 Que faz o comunismo com a Religião?

Com a Religião Católica a luta do comu­nismo é de morte: só poderia cessar se chegasse a destruir em todo o mundo a Igreja verdadeira (o que e impossível). Quanto às outras religiões, a seita usa de duas táticas: quando sente que uma delas é um empecilho para a sua vitoria, ataca-a; mas se vem a perceber que se pode servir de alguma religião para se propagar, ou mesmo pala matá-la, então a tolera e até favorece na aparência, para a destruir mais radicalmente.

13 Para conquistar o poder, que faz a seita comunista com referência à Igreja Católica?

Para conquistar o poder, a seita comu­nista procede da seguinte maneira com relação à Igreja Católica:

a) Procura persuadir os católicos de que não há oposição entre os objetivos da seita e a doutrina da Igreja. Procura até apresentar as idéias comunistas como a realização da doutrina do Evangelho.

b) Procura criar urna corrente intitulada de “católicos progressistas”, “católicos socialistas” ou “católicos comunistas”, para desorientar e desunir os católicos.

c) Procura atirar as organizações católicas contra os outros adversários naturais do comunismo, como os proprietários, os militares, as autoridades constituídas, para dividir e destruir os que se opõem a conquista do poder pelo Partido Comunista.

d) Favorece as modas e costumes imorais para minar a família e portanto a civilização cristã da qual a família é viga mestra.

e) Mantém nas nações cristãs a sociedade em constante agitação, fomentando antagonismo entre as classes, as regiões do mesmo pais, etc.

14 Depois de conquistado o poder, que faz a seita comunista com a Igreja Católica?

Sua tática com a Igreja Católica, depois de conquistado o poder, varia de acordo com as circunstâncias. Mas os passos da luta em geral são os seguintes:

a) envolver os católicos nos movimentos promovidos pelo Partido Comunista;

b) afastar os Bispos, Sacerdotes e Religiosos que resistem; se preciso, matá-los;

c) liquidar os líderes católicos;

d) separar a Igreja do país, da obediência ao Santo Padre.


15 Pode um católico colaborar com os movimentos comunistas?

A coisa que os comunistas mais desejam é que os católicos colaborem com eles. Quem começar a colaborar, terminará comunista. “Cola­borou? Morreu!”

16 Se o comunismo ensinasse que Deus existe, e tolerasse a Religião, os católicos poderiam ser comunistas?

No dia em que o comunismo admitisse que Deus existe, e que ele é Senhor nosso, já não seria propriamente comunismo. 

Primícias da ressurreição em Cristo


O Verbo de Deus se fez homem. O Filho de Deus tornou-se Filho do homem para que o homem, unido ao Verbo de Deus, recebesse a adoção e se tornasse filho de Deus.

Nunca poderíamos obter a incorrupção e a imortalidade a não ser unindo-nos à incorrupção e à imortalidade. Mas como poderíamos realizar esta união sem que antes a incorrupção e a imortalidade se tornassem aquilo que somos, a fim de que o corruptível fosse absorvido pela incorrupção e o mortal pela imortalidade e,deste modo, pudéssemos receber a adoção de filhos?

O Filho de Deus, nosso Senhor, Verbo do Pai, tornou-se Filho do homem. Filho do Homem porque pertencia ao gênero humano, tendo nascido de Maria, que era filha de pais humanos e ela mesma uma criatura humana.

O próprio Senhor nos deu um sinal que se estende do mais profundo da terra ao mais alto dos céus. Um sinal que não foi pedido pelo homem,pois nem sequer ele poderia pensar que uma virgem, permanecendo virgem, pudesse conceber e dar à luz um filho. Nem mesmo supor que este filho, Deus-conosco, descesse ao mais baixo da terra, em busca da ovelha perdida – que ele próprio criara – e subisse às alturas para oferecer ao Pai aquele mesmo homem que viera encontrar, realizando, deste modo, em si próprio, as primícias de ressurreição do homem. De fato, assim como a cabeça ressuscitou dos mortos, assim todo o corpo (dos homens que participam de sua vida, passado o tempo do castigo da desobediência) ressuscitará, unido por suas junturas e articulações, firme no crescimento em Deus, possuindo cada membro sua posição adequada. São muitas as mansões na casa do Pai porque muitos são os membros do corpo.

Tendo falhado o homem, Deus foi magnânimo, pois previa a vitória que pelo Verbo lhe seria restituída. Porque a força se perfez na fraqueza, revelou-se então a benignidade de Deus e seu esplêndido poder.


Do Tratado contra as heresias, de Santo Irineu, bispo

(Lib. 3,19,1.3-20,1:SCh34,332.336-338)             (Séc.II)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Papa Francisco detalha qual é o legado que quer deixar


O Papa Francisco concedeu uma entrevista a ‘El Sembrador – ESNE’, na qual explicou sobre o legado que quer deixar ao povo cristão.

No diálogo com Noel Díaz no último dia 22 de novembro, divulgado em 29 de janeiro, o Santo Padre afirmou que “o que eu gostaria de deixar em cada lar cristão, em cada família cristã, em cada povo cristão é a consciência de que o espírito do mundo não é de Deus, é a antítese de Deus”.

O Pontífice ressaltou que “nós devemos estar no mundo, não somos monges de clausura, devemos estar bem metidos no mundo”, sempre tendo cuidado para que “a mundanidade não nos corrompa”.

“A mundanidade começa pelo dinheiro, o diabo entra pelo bolso, no dinheiro. Jesus chamou o dinheiro de senhor, quando diz que ninguém pode servir a dois senhores, a dois patrões, serve a Deus ou serve ao dinheiro, não diz ao diabo, ao dinheiro, ou seja, é senhor, senhor do mundo”.

Francisco explicou que “servir a Deus significa não estar dependendo do dinheiro, o Senhor está no centro da minha vida, não o dinheiro. Essa passagem do Evangelho sempre me impressionou, Jesus diz o senhor dinheiro é um senhor, mas quando manda, destrói, quando é usado para utilizar as pessoas”.

O Papa indicou que o dinheiro dá uma “segurança que não é a de Deus. Uma pessoa simplesmente precisa do seu salário inteiro de todos os meses, mas deve vivê-lo com certa sobriedade, austeridade”. 

Homilética: 5º Domingo do Tempo Comum - Ano A: "Com sua vida, o discípulo dá sabor ao mundo e o ilumina!".


As três leituras de hoje nos mostram a condição do discipulado de Cristo: encarnar o próprio Jesus e agir em conformidade com ele. Só assim podemos dar sabor ao mundo e iluminá-lo.

Paulo, em sua primeira carta aos cristãos de Corinto, com sua teologia da cruz, sustenta que a salvação provém da gratuidade do Pai. Não há mérito em nós que faz com que mereçamos a salvação. Diante da cruz de Cristo, toda pretensão humana de julgar conhecer Deus e, através desse saber, poder salvar a si mesmo encontra-se destruída. A cruz nos remete à nossa situação de criatura totalmente dependente do seu criador. Permitir que a graça de Deus aja em mim: eis a misericórdia divina operando em mim a salvação!

Na primeira leitura, o profeta Isaías apresenta-nos o jejum que agrada a Deus: atos de misericórdia totalmente voltada ao nosso irmão! Repugna a Deus atos intimistas com o coração carregado de interesses próprios: deixo de comer, mas me alimento todos os outros dias do suor do meu irmão; faço longas orações a Deus, mas, em vez de dialogar com o outro, ordeno; mostro-me totalmente dependente do Criador, mas nego o direito de viver dignamente aos meus semelhantes. O ouvido de Deus volta-se para aqueles que se voltam para os pobres! Não esqueçamos: os pobres que nos procuram fazem isso porque Deus nos recomendou a eles! No evangelho, Jesus nos compara ao sal e à luz. Os cristãos (discípulos) são “sal da terra” e “luz do mundo” se encarnarem Cristo. Isso implica dar continuidade às obras dele! Nossas ações devem expressar as dele!

Comentário dos textos bíblicos

Evangelho: Mt 5,13-16

No evangelho de hoje, Jesus nos diz o que representam os discípulos para a sociedade: “sal da terra” e “luz do mundo”.

Metáfora do sal: assim como o sal dissolve-se no alimento, não mantendo mais o seu aspecto enquanto substância isolada, também o discípulo deve inserir-se na sociedade e temperá-la com o verdadeiro sabor da vida: o amor. O discípulo do Reino vai se perdendo como o sal e vai se configurando ao próprio Jesus. Essa proposta de Jesus vai na contramão do protagonismo! O discípulo promove o Reino, não a si mesmo. O próprio Jesus já fez a experiência do sal, inserindo-se no meio dos pecadores no batismo.

Metáfora da luz: o discípulo tem que estar no lugar onde sua presença ilumina o máximo possível. Jesus não quer uma comunidade de gueto, facciosa, mas aquela que se apresenta como uma Boa Notícia no meio da sociedade. Aquele que segue Jesus não tem luz própria! Por configurar-se a Cristo, reflete-o.

a) Sal da terra

Na cultura antiga, o sal aparece como imagem do que dá sabor e conserva os alimentos.

O discípulo, para ser “sal da terra”, deve se configurar a Cristo. Configurar-se a ele significa encarná-lo. Encarnamos Jesus Cristo quando a sua Palavra é um norte em  nossa vida, em nossa comunidade. Quando seus gestos, atitudes, ternura para com as pessoas são também nossos gestos, atitudes e ternura.

Encarnar Jesus Cristo redunda em conservar nossa vida — assim como o sal conserva os alimentos — assumindo a vida divina em nós: aquela que o próprio Jesus veio nos trazer.

No Evangelho de João, Jesus sustenta que a vida eterna (vida divina) é esta: “Que conheçam a ti, o Deus único e verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que enviaste” (Jo 17,3). Ora, só conhecemos Deus Pai e seu Filho pelo amor. Ainda no Evangelho de João, em sua oração ao Pai, Jesus pede que sejamos um como ele e o Pai são um (v. 11). O desejo de Jesus Cristo consiste em que seus discípulos vivam na comunhão da Trindade. Essa comunhão acontece no amor, pois o amor gera comunhão! O amor faz com que nossa vida seja uma boa aventura. Encarnar Jesus Cristo, portanto, consiste em viver no amor!

Além de conservar nossa vida na comunhão trinitária, encarnar Jesus Cristo conserva ainda o evangelho (Boa Notícia) de Cristo. Se o discípulo não encarna Jesus Cristo, o cristianismo torna-se mera doutrina sem nenhum sabor. Se a Igreja não encarná-lo, ela simplesmente espelha o mundo. Este passa a ser carne de sua carne (PAGOLA, O caminho aberto por Jesus, p.72).

b) O sal sem sabor

“Se o sal perde o seu sabor […] não servirá para mais nada” (v. 13). O sal sem sabor não é mais sal: perde sua própria identidade! Assim, o discípulo sem Cristo, qual é a sua identidade? Como posso seguir alguém se não me identifico com aquele que eu sigo?

No capítulo 25 do Evangelho de Mateus, Jesus, na parábola do juízo final, separa os benditos do Pai dos malditos do Pai. Estes reconhecem Jesus como Senhor. Mas não fazem o que o Senhor faz. Não se identificam com ele. Aliás, nem o reconhecem: “Quando foi que te vimos…”. Os cristãos que perdem seu sabor correspondem aos malditos do Pai.

Atualmente, fala-se tanto sobre Deus, sobre Jesus. Mas talvez nunca se falou tanto mal sobre Deus e Jesus Cristo. Só falam bem de Deus (“ben-dizem” a Deus) aqueles que encarnam Jesus Cristo. Falam mal de Deus (mal-dizem a Deus) aqueles que falam de Deus e agem contrariando a Deus. Somos sal da terra quando temperamos a vida da sociedade, quando nos preservamos de toda maldade!

c) A luz do mundo

Como portadores da luz (Cristo), somos luz do mundo! Todavia, só portamos a luz se nos configuramos (encarnar) a Cristo. Só podemos ser mensageiros (evangelizadores) da Boa Notícia para o mundo quando esta motiva o nosso viver!

Assim como o sal, ao perder seu sabor, deixa de ser sal, a luz não pode ser acesa para ser escondida logo depois (v. 15). Uma luz escondida é uma luz que não brilha, não afugenta as trevas! A existência do discípulo, na concepção de Jesus, só tem sentido se ela transformar o mundo com seu sabor e sua luz. Mas para que o discípulo possa transformar o mundo com sua existência, esta tem que ser transformada pela Boa Notícia anunciada por Jesus.

Quando as nossas obras bendizem a Deus, estamos sendo luz para o mundo. Quando, em vez de exigirmos dos outros boas atitudes, passamos a agir bem, estamos afugentando as trevas não só da sociedade, mas aquelas que persistem em habitar o nosso interior. Quando Cristo habitar em cada cristão, iluminaremos o mundo! Quando o Povo de Deus (Igreja) encarnar Jesus Cristo, o mal do mundo será tirado; e o Reinado de Deus estará no meio de nós! 

Francisco x Trump: a prudência do Papa e o exagero da imprensa.


Oi Povo Católicooooooo!

Adivinha o que vamos fazer hoje? Desmentir a imprensa sobre declarações do Papa!!!! Pois é… neste final de semana rolou nos jornais a seguinte manchete: “Papa adverte contra o risco de buscar ‘salvador’ que propõe muro” (veja aqui), anunciando uma contundente crítica do Papa a Donald Trump, inclusive comparando-o a Hitler! Isso é verdade? Pra variar, não…

Francisco deu uma longa entrevista ao jornal espanhol El País na qual falou, entre muitas outras coisas, do governo Trump. Mas não foi da forma como espalharam não… veja só o trecho completo (que os jornais deveriam mostrar e não mostram):

El País. Santidade, com relação aos problemas do mundo que o senhor mencionava, exatamente neste momento Donald Trump está tomando posse como presidente dos EUA. E o mundo vive uma tensão por esse fato. Qual a sua consideração sobre isso?

Papa Francisco. Veremos o que acontece. Mas me assustar ou me alegrar com o que possa acontecer, nisso acho que podemos cair numa grande imprudência – sermos profetas ou de calamidades ou de bem-estares que não vão acontecer, nem uma coisa nem outra. Veremos o que ele faz e, a partir daí, avaliaremos. Sempre o concreto. O cristianismo, ou é concreto ou não é cristianismo. É curioso: a primeira heresia da Igreja foi logo depois da morte de Cristo. A heresia dos gnósticos, que o apóstolo João condena. E era a religiosidade spray, como a chamo, do não concreto. Sim, eu, sim, a espiritualidade, a lei… mas tudo spray. Não, não. Coisas concretas. E do que é concreto tiramos as consequências. Nós perdemos muito o senso do concreto. Outro dia, um pensador me dizia que este mundo está tão desorganizado que falta um ponto fixo. E é justamente o concreto que nos dá pontos fixos. O que você fez, o que disse, como age. Por isso eu, diante disso, espero e vejo.

O El País é um jornal tradicionalmente de esquerda na Espanha. Temos certeza de que ele estão apreensivos. Mas o Papa, que já tinha criticado abertamente os projetos de Trump sobre imigração, prefere esperar antes de falar. Isso não me parece uma acusação, mas prudência e temperança não dão manchete de jornal, né?

Aliás, nesta entrevista, Francisco diz claramente o que pensa sobre imigração. Fala que receber os refugiados é uma atitude pra ser tomada diante da emergência da situação e que eles precisam ser integrados à sociedade, sem medo de se perder a identidade. Bem… o problema talvez seja a falta de identidade europeia, não os refugiados. É só ver o que aconteceu na França.

Mas definitivamente este não é o caso dos EUA. Lá o problema maior é a ilegalidade e o terrorismo. O El País insiste e Francisco fala finalmente sobre a construção do tal muro do Trump. Não de forma direta, mas fala. Veja o trecho completo: 

O discurso histórico de Mike Pence na "Marcha pela Vida".


Pela primeira vez na História, um vice-presidente dos Estados Unidos da América esteve presente e falou à multidão na "March for Life". O discurso de Mike Pence foi muito forte, pela positiva, e poderá representar um momento-chave na luta contra o aborto naquele país e no mundo.

Desejo a todos as boas vindas a Washington DC para a 44ª marcha anual pela vida. É um dia bom. É o melhor dia que já vi para a marcha pela vida em vários sentidos. Sinto-me profundamente honrado em encontrar-me perante vós hoje. Sinto-me profundamente honrado por ser o primeiro vice-presidente dos Estados Unidos na história a ter o privilégio de participar neste evento histórico. Há mais de 240 anos, os pais fundadores da nossa nação escreveram palavras que ecoaram através dos tempos. Eles declararam como verdades auto-evidentes o facto de todos nós sermos dotados pelo nosso Criador de certos direitos inalienáveis, como a vida, a liberdade e a procura da felicidade. 

Há 44 anos o nosso Supremo Tribunal afastou-se do primeiro de todos estes ideais intemporais. Hoje, três gerações desde então, graças a todos vós e a muitos outros milhares, que estão connosco em marchas como esta em todo o país, a vida está a ganhar, de novo, na América. Isto é evidente ao olharmos para a eleição de maiorias pró-vida e para o Congresso dos Estados Unidos da América. Mas nada é tão evidente quanto a eleição histórica de um presidente que se bate por uma América mais forte, mais próspera e de um presidente – digo-o com orgulho – defende o direito à vida: o Presidente Donald Trump.

Na verdade foi o Presidente Trump que me pediu para estar aqui convosco hoje. Ele pediu-me que vos agradecesse o vosso apoio, pela vossa defesa da vida e pela vossa compaixão pelas mulheres e crianças da América. Há uma semana atrás, nos degraus do Capitólio vimos a inauguração do 45º Presidente dos Estados Unidos da América. Digo-vos em primeira mão que o nosso presidente é um homem de ombros largos e de um grande coração. O seu horizonte, a sua energia e o seu optimismo não têm fronteiras e eu sei que ele fará a América grande outra vez. 

Desde o seu primeiro dia no cargo tem mantido as suas promessas para com o povo americano. Gosto de dizer que ali, no nº 1600 da Avenida da Pensilvânia, estamos no negócio do cumprimento de promessas. É por isso que na Segunda-feira o Presidente Trump reestabeleceu a “política da Cidade do México” para prevenir que ajudas internacionais cheguem a organizações que promovem ou façam abortos mundialmente. É por isso que esta administração trabalhará com o Congresso que acabe o financiamento do aborto e de prestadores de aborto com dinheiro dos contribuintes, transferindo esses recursos para prestadores de serviços de saúde para mulheres na América. É por este motivo que na próxima semana o presidente Donald Trump vai anunciar quem nomeará para o Supremo Tribunal, que defenderá as liberdades – de origem divina – espelhadas na nossa Constituição e na tradição do grande Juiz recém-falecido Antonin Scalia. 

O que é a Ordem de Malta?


Ordem de Malta (oficialmente Ordem Soberana e Militar Hospitalária de São João de Jerusalém, de Rodes e de Malta, também conhecida por Ordem do Hospital, Ordem de S. João de Jerusalém, Ordem de S. João de Rodes, etc.), é uma ordem católica que começou como uma Ordem Beneditina fundada no século XI na Terra Santa, durante as Cruzadas, mas que rapidamente se tornaria numa Ordem militar cristã, numa congregação de regra própria, encarregada de assistir e proteger os peregrinos àquela terra. Face às derrotas e consequente perda pelos cruzados dos territórios na Palestina, a Ordem passou a operar a partir da ilha de Rodes, onde era soberana, e mais tarde desde Malta, como estado vassalo do Reino da Sicília.

Actualmente, a Ordem de Malta é uma organização católica soberana internacional, reconhecida como entidade de direito internacional. A Ordem dirige hospitais e centros de reabilitação. Possui 13.500 membros, 80.000 voluntários permanentes e 20.000 profissionais da saúde associados, incluindo médicos, enfermeiros, auxiliares e paramédicos. O seu objectivo é auxiliar os idosos, os deficientes, os peregrinos, as crianças, os sem-abrigo e aqueles com doenças terminais, actuando em cinco continentes do mundo. O seu moto é: "Tuitio fidei et obsequium pauperum" - "Defesa da fé e assistência aos pobres". As 8 pontas da cruz no seu brazão significam as 8 bem-aventuranças.

A ilha mediterrânica de Malta foi capturada por Napoleão em 1798 durante a sua expedição para o Egipto. Este teria pedido aos cavaleiros um porto-de-abrigo para reabastecer os seus navios e, uma vez em segurança em Valetta, virou-se contra os anfitriões. O grão-mestre Ferdinand von Hompesch, apanhado de surpresa, não soube antecipar ou precaver-se deste ataque, rapidamente capitulando para Napoleão. Isto representou uma afronta para os restantes cavaleiros que se predispunham a defender a sua possessão e soberania.

A ordem continuou a existir, compactuando com os governos por uma retoma de poder. O imperador da Rússia doou-lhes o maior abrigo de Cavaleiros Hospitalários em São Petersburgo, o que marcou o início da tradição russa dos Cavaleiros do Hospital e posterior reconhecimento pelas Ordens Imperiais Russas. Em agradecimento, os cavaleiros depuseram Ferdinand von Hompesch e elegeram o imperador Paulo I como grão-mestre que, após o seu assassinato em 1801, seria sucedido por Giovanni Battista Tommasi em Roma, restaurando o Catolicismo Romano na ordem.

Do conhecimento de Jesus Cristo dimana a compreensão de toda a Sagrada Escritura

 

A Sagrada Escritura não tem a sua origem na investigação humana, mas na revelação divina, que vem do Pai das luzes, de quem toda a paternidade toma o nome no Céu e na terra. Do Pai, por seu Filho Jesus Cristo, desce sobre nós o Espírito Santo; por meio do Espírito Santo, que reparte os seus dons e os distribui a cada um como Lhe agrada, se nos dá a fé; e pela fé Cristo habita nos nossos corações. Deste conhecimento de Jesus Cristo, como princípio original, depende a recta compreensão de toda a Sagrada Escritura. Por isso, não pode ter acesso ao conhecimento da Escritura quem não tiver antes infundida na alma a fé em Cristo, que é como a luz, a porta e o fundamento de toda a Escritura. Na verdade, enquanto vivemos ainda exilados longe do Senhor, a fé é o fundamento que nos sustém, a luz que nos guia, a porta que nos dá acesso a toda a iluminação sobrenatural; é pela fé que se mede o dom da sabedoria que recebemos de Deus, para que ninguém tenha de si mesmo uma opinião superior à que convém, mas sim uma opinião moderada, cada um segundo o grau da fé que Deus lhe atribuiu. A finalidade ou fruto da Sagrada Escritura não é um êxito qualquer: é a plenitude da felicidade eterna.

Porque as palavras da Escritura são palavras de vida eterna, pois foram escritas não só para acreditarmos, mas também para alcançarmos a vida eterna, aquela vida na qual veremos, amaremos e serão saciados todos os nossos desejos. Só então compreenderemos perfeitamente o amor de Cristo, que ultrapassa todo o conhecimento, e assim seremos enriquecidos com toda a plenitude de Deus. A esta plenitude há-de introduzir-nos a Escritura divina, segundo a afirmação do Apóstolo já citada. Esta é a finalidade, esta é a intenção que há-de guiar-nos ao estudar, ensinar e ouvir a Sagrada Escritura. Para chegar directamente a este resultado final, através do recto caminho da Escritura, devemos começar pelo princípio, isto é, voltar-nos para o Pai das luzes com fé sincera, dobrando os joelhos do nosso coração, para que Ele, por seu Filho, no Espírito Santo, nos dê o verdadeiro conhecimento de Jesus Cristo e, com o conhecimento, nos dê o seu amor. Deste modo, conhecendo-O e amando-O, fundados solidamente na fé e enraizados na caridade, podemos compreender a largura, o comprimento, a altura e a profundidade da Sagrada Escritura, e por este conhecimento podemos chegar ao conhecimento pleno e amor extático da Santíssima Trindade, para onde se voltam as aspirações dos santos e onde está a perfeição de toda a verdade e de toda a bondade.



Do «Brevilóquio» de São Boaventura, bispo (Prologus: Opera omnia 5, 201-202) (Sec.XIII)

Homilética: Festa da Apresentação do Senhor (2 de fevereiro): «Luz para iluminar as nações e glória de Israel, teu povo.» (Lc 2,32).


Celebramos hoje a Festa da Apresentação do Senhor cuja liturgia é o ponto culminante do natal do Senhor, porque indica o modo como se deu a encarnação do Filho de Deus e a que ela se destina. A vinda do Messias ao Templo de Jerusalém estava profetizada pelo profeta Malaquias, proclamado na Liturgia da Palavra de hoje.

Esta celebração da liturgia é também conhecida como a «Festa da Candelária», devido à procissão de velas que se realiza neste dia, principalmente na Igreja de Jerusalém e nas de tradição eslava. Este rito das velas tem origem nas palavras de Simeão referindo-se ao Menino, «Luz para iluminar a nações e glória de Israel, teu povo.» (Lc 2. 32). É, portanto, a festa da Luz, com um certo sabor pascal, antecipando o brilho desta luz que brilhará sem ocaso na manhã da Ressurreição do Senhor. São Cirilo de Alexandria exorta-nos a que «celebremos o mistério deste dia com lâmpadas flamejantes.».

A festa da Apresentação do Senhor é bem antiga, e já houve tempo em que era celebrada em 14 de fevereiro, quarenta dias após a festa da Epifania (manifestação aos magos). Também já foi considerada como festa mariana, com o nome de “Purificação da Bem-aventurada Virgem Maria”. Mas, a partir das recentes reformas litúrgicas, o nome da festa foi mudado para “Apresentação do Senhor” e ela passou a ser celebrada quarenta dias depois do Natal. O novo título e data da celebração são uma indicação mais correta da natureza e do objeto dessa festa, visto que nesse dia a Igreja celebra um aspecto importante do mistério salvífico, e não simplesmente um acontecimento da infância de Jesus.

Já estava profetizado pelo profeta Malaquias que “virá ao seu templo o Senhor que buscais” (Ml 3,1). O que fará o Senhor quando chegar ao Templo? Ele nos purificará “como se refinam o ouro e a prata” (Ml 3,3). Como se refinam o ouro e a prata? Submetendo-os a altíssima temperatura. De maneira semelhante, o Espírito Santo permitirá que saiam todas as nossas impurezas e que pese o ouro preciso da graça de Deus em nossas vidas. O que acontecerá depois desse processo: os cristãos “serão para o Senhor aqueles que apresentarão as ofertas como convêm” (Ml 3,3). Nós somos um povo consagrado ao louvor de Deus e para fazer as obras de Deus: não nos esqueçamos de que Deus nos quis para si e para os outros!

Passar pelo fogo purificador do Espírito Santo fará com que passemos bem longe do fogo do inferno. Na prática, como Deus trabalha a nossa purificação? Através das tribulações, dos sofrimentos, da cruz. Imitamos o Senhor Jesus: “por ter ele mesmo suportado tribulações está em condição de vir em auxílio dos que são atribulados” (Hb 2,18). Lembremo-nos que as tribulações nos fazem pensar, aprofundar e aprender; são lições de vida que doem no momento, mas, depois, quando tivermos a perspectiva necessária para julgar, veremos que Deus nos educou bem: como filhos, não como bastardos!

Apresentemo-nos com Cristo para que Deus se manifeste através das nossas vidas. Deixemos que Deus nos coloque na fornalha do seu amor, que ele nos purifique cada vez mais. Que nunca nos acostumemos a viver na escória do pecado. À Igreja se vem para escutar a verdade, para formar o pensamento segundo Deus, para ir adquirindo os mesmos sentimentos de Jesus Cristo. Enfim, que Deus nos purifique cada vez mais, nos ilumine e nos una a si!


Jesus é a Luz do mundo que ilumina a todos. Ele é a fonte e princípio da luz eterna que faz brilhar no coração de seus filhos a Esperança da eternidade feliz.

domingo, 29 de janeiro de 2017

Como o papa Francisco deverá resolver o "problema do celibato"?


Eu sou um padre católico casado.

Já fui ministro anglicano. Recebi a ordenação sacerdotal católica graças à provisão pastoral criada por São João Paulo II para permitir que ex-ministros protestantes casados fossem dispensados do voto de celibato a fim de se ordenarem na Igreja católica.


Muitas pessoas acham que a permissão de casamento para os padres resolverá a crise das vocações sacerdotais. Pode até ajudar, mas não será, necessariamente, a solução mágica. Permitir que homens casados ​​sejam ordenados trará tantos problemas novos quantas soluções de problemas velhos. Para começar, a Igreja terá que avaliar muito bem se tem condições de sustentar padres casados e suas famílias. Uma fonte confiável no Vaticano me disse, em conversa privada, que, quando a questão dos padres casados ​​é discutida, são os bispos das igrejas de rito oriental, que permitem o casamento do clero, os que na maioria das vezes mais desaconselham a mudança desta disciplina.


Num artigo publicado recentemente pela mídia, afirmou-se que o papa Francisco teria prometido "resolver o problema do celibato". Esta declaração, por si só, já levanta uma série de perguntas. Em primeiro lugar, o que viria a ser esse "problema do celibato"? O celibato já seria em si mesmo um problema? Se a maioria dos padres católicos prometeu e viveu o celibato ao longo dos últimos mil anos, não parece que ele seja um problema tão grande a ponto de precisar de urgente reforma. É claro que existem os críticos do celibato. O ex-monge Richard Sipe, por exemplo, escreveu um contundente questionamento do celibato. O mesmo foi feito pelo dissidente católico Donald Cozzens. Enquanto isso, o padre anglicano Ray Ryland, convertido, escreveu em forte defesa tanto do celibato dos sacerdotes quanto da continência perfeita dos padres já casados​​ (ou seja, da abstenção de todas as relações sexuais).


A primeira pergunta a ser feita, portanto, é esta: o que é esse “problema do celibato?”. Existem muitas pressões contra o celibato em nossa sociedade altamente sexualizada. O acesso e a aceitabilidade do "sexo livre" faz com que o celibato pareça muito estranho neste contexto. Além disso, com a diminuição das vocações sacerdotais, mais sacerdotes vivem o peso crescente da solidão; e com a expectativa de vida aumentando, a perspectiva de um voto de celibato pelo resto da vida se torna uma dificuldade maior ainda. O celibato, em si, pode não ser um problema urgente, mas é certamente verdade que a observância do celibato é muitas vezes bem desafiadora.


E como poderia o papa Francisco "resolver o problema do celibato"?

Conhecida atriz revela os 8 segredos mais obscuros sobre a “igreja da Cientologia”.


A atriz ítalo-americana Leah Remini revelou alguns aspectos surpreendentes sobre a chamada igreja da Cientologia, da qual pertenceu por cerca de 30 anos e que depois abandonou para expor os supostos maus-tratos, abusos e repressão perpetrados a seus membros e ex-membros.

A Cientologia foi fundada pelo escritor de ficção científica norte-americano Lafayette Ron Hubbard em 1950 e é considerada em vários países – entre eles, França – como uma organização de caráter sectário.

Em 2015, a HBO lançou o documentário “Going Clear: Scientology and the Prison of Belief”, que denunciou várias irregularidades.

A informação de Leah Remini foi revelada no final de 2016, em um questionário online no qual a atriz respondeu a perguntas de vários usuários ao mesmo tempo que realizava a campanha promocional de uma nova série para o canal A&E: “Leah Remini: Cientologia e as consequências”.

Recentemente, a atriz exigiu que a igreja da Cientologia lhe pague 1,5 milhão de dólares por supostamente tentar arruinar sua reputação em Hollywood e impedir que a série de A&E vá ao ar.

A seguir, 8 dos segredos mais importantes que Remini revelou sobre a Cientologia no questionário. 

"Os pobres de espírito são aqueles que assumiram os sentimentos e atitudes das pessoas pobres", diz Papa


Papa Francisco
ANGELUS
Praça de São Pedro 
Domingo, 29 de janeiro, 2017


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

A liturgia deste domingo nos leva a meditar sobre as bem-aventuranças (cf. Mt 5,1-12a), que abrem o grande discurso chamado de "a montanha", a "Grande Carta" do Novo Testamento. Jesus manifesta a vontade de Deus para conduzir os homens à felicidade. Esta mensagem já estava presente na pregação dos profetas: Deus é perto dos pobres e oprimidos, e os livra daqueles que os maltratam. Mas neste sermão Jesus anuncia de uma forma especial: começa com a palavra “bem-aventurados", que é feliz; Continua com a indicação da condição a ser tal; e ele conclui fazendo uma promessa. A razão para a felicidade, que é a felicidade, não está na condição necessária - por exemplo, "pobres de espírito", "aflito", "fome de justiça", "perseguidos" ... -, mas na próxima promessa, a ser acolhida com fé como um presente de Deus. Ela começa com a condição desconfortável para abrir o dom de Deus e entrar no novo mundo, o "reino" anunciado por Jesus. Não é um mecanismo automático, este, mas um modo de vida para seguir o Senhor, quando a realidade do sofrimento e aflição é visto em uma perspectiva nova e testados de acordo com a conversão que ocorre. Não é abençoado se você não estiver convertido, capaz de desfrutar e apreciar os dons de Deus.

Eu paro na primeira bem-aventurança: "Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus" (v. 4). Os pobres de espírito são aqueles que assumiram os sentimentos e atitudes das pessoas pobres que em sua condição não se rebelam, mas sabem ser humildes, obedientes, disponíveis à graça de Deus que é a felicidade dos pobres – Ser pobre de espírito - tem duas dimensões: em matéria de bens e contra Deus . No que diz respeito a mercadorias, bens materiais, esta pobreza de espírito é sóbria: não necessariamente renuncia, mas tem a capacidade de saborear a essência, a partilha; a capacidade de renovar todos os dias, admira a bondade das coisas, sem peso extra na opacidade do consumo voraz. Eu tenho mais, eu quero mais; eu tenho mais, eu quero mais: este é o consumo voraz e que mata a alma. E o homem ou a mulher que fizer isso, que têm essa atitude "eu tenho mais, eu quero mais", eles não são felizes e não receberão a felicidade. Para louvor e reconhecimento de Deus que o mundo é uma bênção e que sua origem é o criador do amor do Pai. Mas também é aberto a Ele, docilidade ao seu senhorio: é Ele, o Senhor, Ele é o Grande, eu não sou bom porque eu tenho tantas coisas! É Ele aquele que queria o mundo para todos os homens e desejou que os homens pudessem ser feliz. 


O pobre de espírito é o cristão que não confia em si mesmo, em riquezas materiais, não insiste em suas próprias opiniões, mas em escutar com respeito e se remete com boa vontade às decisões dos outros. Se em nossas comunidades houvesse mais pobres em espírito, haveria menos divisões, discordâncias e controvérsias! Humildade, como a caridade, é uma virtude essencial para a convivência nas comunidades cristãs. Os pobres, neste sentido evangélico, parecem ser aqueles que mantém viva a meta do Reino do Céu, fazendo um vislumbre de que é no início do germe na comunidade fraterna, que se centra na partilha da propriedade. Eu gostaria de enfatizar ser dada essa prioridade à partilha da propriedade. Sempre têm o coração e as mãos abertas, não fechada. Quando o coração está fechado, é um coração pequeno: mesmo ele sabe amar. Quando o coração está aberto, ele vai para a estrada do amor.

A Virgem Maria, modelo e primeiro fruto dos pobres em espírito, totalmente dócil à vontade do Senhor, ajuda-nos a nós mesmos a entregar-nos a Deus, rico em misericórdia, que nos encha de seus dons, especialmente com a abundância do seu perdão.