segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Jesus oferece as chaves pra superar as dificuldades, diz Papa.



PAPA FRANCISCO

ANGELUS

Praça São Pedro
Domingo, 23 de Agosto de 2015


Queridos irmãs e irmãs, bom dia!

Conclui-se hoje a leitura do capítulo seis do Evangelho de João, com o discurso sobre o «Pão da vida», pronunciado por Jesus no dia seguinte ao milagre da multiplicação dos pães e dos peixes. No final daquele discurso, o grande entusiasmo do dia anterior apagou-se, porque Jesus tinha afirmado ser Pão descido do céu, e que teria dado a sua carne como alimento e o seu sangue como bebida, aludindo assim claramente ao sacrifício da sua própria vida. Aquelas palavras suscitaram desilusão nas pessoas, que as julgaram indignas do Messias, não «vencedoras». Portanto, alguns olhavam para Jesus: como um Messias que devia falar e agir de forma que a sua missão tivesse sucesso, imediatamente. Mas precisamente sobre isso eles enganavam-se: acerca do modo de conceber a missão do Messias! Nem sequer os discípulos conseguem aceitar aquela linguagem inquietante do Mestre. E o trecho de hoje refere as suas apreensões: «Isto é muito duro! — diziam — Quem o pode admitir?» (Jo 6, 60).

Na realidade, eles compreenderam bem o discurso de Jesus. Tão bem que não queriam ouvi-lo, porque é um discurso que põe em crise a sua mentalidade. As palavras de Jesus sempre nos põem em crise, por exemplo diante do espírito do mundo, da mundanidade. Mas Jesus oferece a chave para superar as dificuldades: uma chave composta por três elementos. Primeiro, a sua origem divina: Ele desceu do céu e subirá «para onde estava antes» (v. 62). Segundo: as suas palavras só podem ser compreendidas através da acção do Espírito Santo, Aquele «que dá a vida» (v. 63) é precisamente o Espírito Santo que nos faz entender bem Jesus. Terceiro: a verdadeira causa da incompreensão das suas palavras é a falta de fé: «Mas há alguns entre vós que não crêem» (v. 64), diz Jesus. Com efeito, desde então, está escrito no Evangelho, «muitos dos seus discípulos se retiraram e voltaram atrás» (v. 66). Perante estas deserções, Jesus não faz concessões e não atenua as suas palavras, aliás obriga a fazer uma escolha específica: estar com Ele ou separar-se d’Ele, e diz aos Doze: «Quereis vós também retirar-vos?» (v. 67). 

Argentina: Padre tem a casa queimada e é assassinado.


O Pe. Luis Jesus Cortez, de 75 anos, foi assassinado durante o último fim de semana perto de Córdoba (Argentina) e logo incendiaram a sua casa, aparentemente para encobrir o crime.

Conforme assinala o Jornal argentino ‘Clarín’, o Procurador da cidade de Alta Graça, Emilio Drazile, confirmou ontem à noite o homicídio do sacerdote. “Foi encontrado no chão e com objetos ao redor dele, o que nos levam à ideia que ele foi amarrado, embora já estivessem queimados. Desde o começo, havia coisas que geravam dúvidas, sobretudo a porta que estava aberta, considerando que o Pe. Luis era muito cuidadoso nesse sentido”.

A notícia da morte do Pe. Cortez, ocorrida provavelmente após um roubo, comoveu cerca de 50 mil habitantes de Alta Graça, localizada aproximadamente a 37 quilômetros de Córdoba. 

Subsídios para o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação


O Pontifício Conselho da Justiça e da Paz oferece em seu site alguns subsídios para o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação instituído pelo Papa Francisco e que será celebrado no dia 1° de setembro de cada ano. A seção especial do site dedicada à Encíclica Laudato Si oferece um esquema para a hora de Adoração Eucarística proposta pelo dicastério, com um vídeo de cinco minutos trazendo imagens, música e frases (até o momento, somente em inglês).

Leituras

No esquema - que é introduzido pela Coleta segundo a tradição ortodoxa - foram escolhidas algumas passagens das Escrituras, como Gênesis (1, 26 - 2, 3 e 2, 15), onde é narrada a criação e o desejo de Deus de colocar o homem "no Jardim do Éden, para que o cultive e o guarde"; o Salmo 148, que é um louvor ao Senhor pelas maravilhas da criação e por fim o Evangelho de Mateus 6, 25-33, onde Jesus diz que nossa vida vale mais que comida e o corpo mais que vestido: "Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não valeis vós muito mais do que elas?”.

Laudato Si

Seguem três trechos da Laudato Si: no primeiro (n.8-9) o Papa recorda que “o Patriarca Bartolomeu tem-se referido particularmente à necessidade de cada um se arrepender do próprio modo de maltratar o planeta, porque «todos, na medida em que causamos pequenos danos ecológicos», somos chamados a reconhecer «a nossa contribuição – pequena ou grande – para a desfiguração e destruição do ambiente». No segundo - n. 236 - o Pontífice sublinha como na Eucaristia "a criação encontra a sua maior elevação". No terceiro (n. 241-242), o Papa refere-se a Maria e José, colocando em evidência, em particular, como a Virgem " Assim como chorou com o coração trespassado a morte de Jesus, assim também agora Se compadece do sofrimento dos pobres crucificados e das criaturas deste mundo exterminadas pelo poder humano". 

Sou casada, tenho filhos e sinto atração pelo meu pároco

Sentir atração por um padre não é incomum.
Mas como lidar responsavelmente com ela?

Eu pertenço a uma paróquia de médio porte e ajudo na pastoral. Sou casada e tenho filhos que frequentam a escola paroquial. O nosso pároco fez um convite a vários líderes de apostolados e pastorais para um pequeno retiro de Quaresma. Faz tempo que não tenho a oportunidade de participar de um retiro e gostaria muito de ir, mas eu percebi que me sinto muito atraída pelo pároco e acho que passar mais tempo perto dele não seria uma boa ideia. O que você me recomenda?

Sentir atração por um padre não é incomum. Desenvolvemos uma sensação de proximidade e de admiração por várias pessoas que trabalham ao nosso lado e a quem respeitamos, especialmente se elas nos aconselham ou cuidam de nós de alguma forma. Nesses contextos, é possível que surja a atração física. Podem acontecer situações semelhantes entre alunos e professores, pacientes e médicos, clientes e advogados...

Um sacerdote é um pai espiritual que vive uma vida de fé e de liderança no serviço ao próximo, o que faz dele um belo ser humano. Se, além disso, ele ainda é carismático, bonito, inteligente, compassivo, acolhedor... bom, pode ser uma “receita” para uma igreja cheia de pessoas, mas também para que várias delas sintam uma “paixão secreta” pelo pároco. Afinal, quem é que não gosta de pessoas assim?

Se você apenas sente uma “queda” inocente pelo padre, daquelas que até comentamos com o marido ou namorado em uma roda de amigos, sem maior profundidade, não a transforme em um drama. Essas “quedas” são normais e tendem a se dissipar, especialmente se você as expuser à luz e mantiver os limites apropriados no relacionamento.

Agora, se for uma atração mais forte, que faz você pensar demais no sacerdote, fantasiar com ele, desejar a atenção pessoal dele, inventar motivos para vê-lo, etc., então você precisa tratar desta questão a sério. 

domingo, 30 de agosto de 2015

A observância literal dos preceitos é algo estéril se não muda o coração, diz Papa no Angelus.


PAPA FRANCISCO
ANGELUS

Praça São Pedro
Domingo, 30 de Agosto de 2015


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho deste domingo apresenta uma disputa entre Jesus e alguns fariseus e os escribas. A discussão é referente ao valor da "tradição dos antigos" (Mc 7,3) que Jesus, referindo-se ao profeta Isaías, define "preceitos dos homens" (v. 7), e que nunca deve ficar no lugar do "mandamento de Deus" (v. 8). As prescrições antigas compreendiam não apenas os preceitos que Deus revelou a Moisés, mas uma série de regras que especificavam as indicações da lei mosaica. Os interlocutores aplicavam tais normas de uma forma muito escrupulosa e as apresentavam como uma expressão de religiosidade autêntica. Portanto, repreendem Jesus e os seus discípulos pela transgressão delas, em particular, daquelas relacionadas com a purificação exterior do corpo (cf. v. 5). A resposta de Jesus tem a força de um pronunciamento profético: "Ignorando o mandamento de Deus - diz - observam a tradição dos homens" (v. 8). São palavras que nos enchem de admiração por nosso Mestre: sentimos que nEle há verdade e que a sua sabedoria nos liberta de preconceitos.

Mas atenção! Com essas palavras, Jesus quer alertar também a nós, hoje, que ao manter a observância exterior da lei seja suficiente para ser bons cristãos. Como à época para os fariseus, há também para nós o perigo de nos consideramos adequados ou, pior, melhor do que os outros pelo simples fato de observar as regras, as tradições, mesmo se não amamos o próximo, somos duros de coração, soberbos, orgulhosos. A observância literal dos preceitos é algo estéril se não muda o coração e não se traduz em atitudes concretas: abrir-se ao encontro com Deus e à Sua Palavra, a oração, buscar a justiça e a paz, ajudar os pobres, os fracos, os oprimidos. Todos sabemos que, nas nossas comunidades, nas nossas paróquias, nos nossos bairros, quanto mal fazem à Igreja e são motivo de escândalo as pessoas que se dizem muito católicas e vão muitas vezes na igreja, mas, depois, na sua vida quotidiana, descuidam da família, falam mal de outros e assim por diante. Isso é o que Jesus condena, porque é um contra- testemunho cristão.

Continuando a exortação, Jesus se concentra em um aspecto mais profundo e afirma: "Não existe nada fora do homem que, entrando nele, possa torná-lo impuro. Mas são as coisas que saem do homem que o tornam impuro"(v. 15). Desta forma, sublinha a primazia da interioridade, ou seja, a primazia do "coração": não são coisas exteriores que nos fazem santos ou não santos, mas é o coração que expressa as nossas intenções, as nossas escolhas e o desejo de fazer tudo por amor a Deus. As atitudes exteriores são a consequência do que decidimos no coração, mas não o contrário: com as atitudes exteriores, se o coração não muda, não somos verdadeiros cristãos. A fronteira entre o bem e o mal não passa fora de nós, mas sim, dentro de nós. Podemos nos perguntar: Onde está meu coração? Jesus diz: "O teu tesouro é onde está o seu coração". Qual é o meu tesouro? É Jesus, a sua doutrina?  É o coração bom ou o tesouro é outra coisa? Portanto, é o coração que deve ser purificado e convertido. Sem um coração purificado, não se pode ter mãos verdadeiramente limpas e lábios que pronunciem palavras sinceras de amor - tudo é duplo, uma vida dupla - lábios que pronunciam palavras de misericórdia, perdão. Somente isso só pode fazer o coração sincero e purificado.

Peçamos ao Senhor, por intercessão da Virgem Santa, para nos dar um coração puro, livre de toda hipocrisia. Esse é o adjetivo que Jesus disse aos fariseus: "hipócritas", porque dizem uma coisa e fazem outra. Um coração livre de toda hipocrisia, para que sejamos capazes de viver de acordo com o espírito da lei e alcançar o seu fim, que é o amor.

A Imitação de Cristo: conheça e ouça trechos deste clássico da espiritualidade católica


"A Imitação de Cristo" é um dos maiores clássicos da espiritualidade católica. O livro foi escrito no século XV e é atribuído ao padre alemão Thomas Hemerken, mais conhecido como "Thomas de Kempis". Kempis é a forma latina do nome da sua cidade natal, Kempen.

Composto para incentivar as práticas devocionais, o livro chegou a ser um dos mais traduzidos no mundo, com milhares de cópias distribuídas pelas bibliotecas europeias mesmo antes da invenção da imprensa. Santo Inácio de Loyola leu a obra durante o tempo de retiro espiritual que passou em uma gruta de Manresa, na Espanha, e o texto o inspirou a conceber os Exercícios Espirituais.  

O século XV foi de grave decadência devocional e moral, com profusão de abusos e escândalos que acabariam levando à eclosão da Reforma Protestante. Foi também o século do grande Cisma do Oriente, provocado por discordâncias de tipo intelectual e político sobre a doutrina e a espiritualidade da Igreja. Numerosa parcela do clero levava uma vida de pouco fervor ou priorizando vertentes espirituais intelectualizadas, abstratas demais para o povo cristão simples e iletrado. Diante dessa frouxidão de espírito, começou a surgir a chamada "devotio nova", ou "devoção nova", que propunha recolocar Jesus Cristo no centro da vida de fé e de oração. Thomas de Kempis participou decisivamente desse movimento espiritual ao publicar os capítulos de "A Imitação de Cristo", textos, aliás, que são independentes um do outro: é possível abrir o livro aleatoriamente e ler qualquer um dos capítulos, que tem começo, meio e fim. 

sábado, 29 de agosto de 2015

Presidência da CNBB divulga nota sobre a descriminalização do uso de drogas


NOTA DA CNBB SOBRE A 
DESCRIMINALIZAÇÃO DO USO DE DROGAS

       “Escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e teus descendentes” (Dt 30,19).


A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, através do Conselho Episcopal de Pastoral, reunido nos dias 25 e 26 de agosto, declara-se contrária à descriminalização do uso de drogas. É importante a sociedade inteirar-se desta temática, pois a dependência química representa um dos grandes problemas de saúde pública e de segurança no Brasil.

O uso indevido de drogas interfere gravemente na estrutura familiar e social. Está entre as causas de inúmeras doenças, de invalidez física e mental, de afastamento da vida social. A dependência que atinge, especialmente, os adolescentes e os jovens, é fator gerador da violência social, provoca no usuário alteração de consciência e de comportamento. O consumo e o tráfico de drogas são apontados como causa da maioria dos atentados contra a vida. 

A não punibilidade do porte de drogas, tendo como argumento a preservação da liberdade da pessoa, poderá agravar o problema da dependência química, escravidão que hoje alcança números alarmantes.  

A liberação do consumo de drogas facilitará a circulação dos entorpecentes. Haverá mais produtos à disposição, legalizando uma cadeia de tráfico e de comércio, sem estrutura jurídica para controlá-la. O artigo 28 da Lei 11.343, ao tratar do tema, não prevê reclusão, mas a penalização com adoção de medidas de reinserção social. Constata-se que o encarceramento em massa não tem sido eficaz. É preciso desenvolver a prática da justiça restaurativa. Isso não significa menor rigor para aqueles que lucram com as drogas. 

CNBB emite nota a favor do Brasil


NOTA DA CNBB A FAVOR DO BRASIL


“Os que querem enriquecer caem em muitas tentações e laços, em desejos insensatos e nocivos, que mergulham as pessoas na ruína e perdição. Na verdade, a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro” (1Tm 6,9-10).

A população brasileira acompanha, apreensiva, a grave crise que atinge o país, procurando conhecer suas origens, resistir às suas consequências e, sobretudo, vislumbrar as soluções. A realidade é dura e traz de volta situações que, por algum tempo, haviam diminuído significativamente como o desemprego, a inflação e a pobreza.

Pagamos um alto preço pela falta de vontade políticade fazer as reformas urgentes e necessárias, capazes de colocar o Brasil na rota do desenvolvimento com justiça social quais sejam as reformas política, tributária, agrária, urbana, previdenciária e do judiciário. O gasto com a dívida pública, o ajuste fiscal e outras medidas para retomada do crescimento colocam a saúde pública na UTI, comprometem a qualidade da educação, inviabilizam a segurança pública e inibem importantes conquistas sociais.  

A corrupção, metástase que atinge de morte não só os poderes constituídos, mas também o mundo empresarial e o tecido social, desafia a política a seguir o caminho da ética e do bem comum. Combatê-la de forma intransigente supõe assegurar uma justa investigação de todas as denúncias que vêm à tona com a consequente punição de corruptos e corruptores. A corrupção, gerada pela falta de ética e incentivada pela impunidade, não pode ser tolerada. 

Bênção do Papa à escritora lésbica não foi aval ao matrimônio gay, esclarece Vaticano.


O subdiretor da Sala de Imprensa do Vaticano, Pe. Ciro Benedittini, esclareceu que a bênção que o Papa Francisco concedeu a uma escritora lésbica não significa de maneira alguma o aval às uniões homossexuais, como interpretaram alguns meios de comunicação.

Francesca Pardi fundou, junto com sua parceira Maria Silvia Fiengo, uma editoria de livros para crianças chamada ‘Lo Stampatello’ e é autora de livros como ‘Piccola storia di una famiglia: perchè hai due mamme? (Pequena história de uma família. Por que você tem duas mães?") e Piccolo Uovo (Pequeno ovo).

Há algumas semanas Pardi – que têm quatro filhos com sua parceira lésbica – mandou uma carta ao Papa e lhe enviou alguns livros escritos por ela, assinalando que neles não menciona a ideologia de gênero, mas o “amor ao próximo”. Alguns desses textos foram retirados das escolas de Veneza a pedido do prefeito Luigi Brugnaro.

Hoje, Pardi publicou no seu perfil do Facebook uma foto do envelope no qual chegou a resposta da Secretaria de Estado Vaticano, confirmado a recepção do presente. Embora a autora não tenha publicado o texto da carta recebida, intitulou assim sua publicação: "O Papa me respondeu!".

Pardi admite que a carta não está assinada pelo Papa, mas por Dom Peter Brian Wells, funcionário da Secretaria de Estado Vaticano. Entretanto, atribui ao Pontífice palavras exortativas a respeito do seu trabalho de literatura gay e uma bênção dirigida a ela e a sua parceira. 

O uso do traje clerical


O uso do traje clerical se destina primeiramente como um distintivo ou mesmo farda do clérigo. Assim é para o médico o jaleco branco e como é para o militar a farda militar. A outra função do traje clerical é de se destacar do meio dos leigos, indicando a eles que é um clérigo.

Muitos são contra ao uso a batina, hábito religioso ou do colarinho clerical. Quem não aceita essa diferenciação do clérigo e do leigo são os sacerdotes e religiosos que seguem a Teologia da Libertação. Um famoso padre palestrante do Brasil declarou certa vez num congresso para seminaristas em Fortaleza em 2007:

"Eles (os seguidores da Teologia da Libertação) preferem abraçar o diabo do que um padre de batina... eles tem pavor de ver um padre de batina. "

Muitos também pensam que após o Concílio Vaticano II, o uso da batina e do colarinho clerical(clerygman) foi abolido ou mesmo se tornado opcional.

Hoje em dia tem padre que se veste mais laical do que o próprio leigo! Até mesmo de modo sensual. Tem leigo mais padre que muito padre por ai, e a nova geração de seminaristas estão mais interessados em batina e paramentos do que os que já são padres.

Está havendo uma inversão de papeis, leigo mais padre do que o padre e padre mais leigo do que o leigo. Se deve ter o mínimo de zelo e usar o "distintivo clerical" no uso do oficio litúrgico e nas funções sacerdotais. 

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Cuidar da Criação


Os últimos dias de agosto e os primeiros dias de setembro nos brindam com várias comemorações que provocam o aprofundamento do compromisso de cristãos com a obra da criação. A mais recente comemoração, introduzida pelo Papa Francisco, é o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, marcado para 1º de setembro. Na justificativa, o Papa repete que “viver a vocação de guardiões da obra de Deus não é algo de opcional nem um aspecto secundário da experiência cristã, mas parte essencial duma existência virtuosa” (Laudato Si, n. 217). E, como cristãos, “antes de tudo, devemos buscar no nosso rico patrimônio espiritual as motivações que alimentam a paixão pelo cuidado da criação, lembrando sempre que para aqueles que crêem em Jesus Cristo a espiritualidade não está desligada do próprio corpo nem da natureza ou das realidades deste mundo, mas vive com elas e nelas, em comunhão com tudo o que nos rodeia” (LS, n. 216).

Além do Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, comemoramos no dia 28 de agosto o Dia Nacional do Voluntariado e no dia 29 o Dia Nacional de Combate ao Fumo.

O Dia do Voluntariado serve como chamado a deixarmos de lado o nosso comodismo e nos associarmos às inúmeras pessoas que realizam trabalhos voluntários e gratuitos em benefício dos necessitados. Muitos dos trabalhos que são feitos nas nossas comunidades não poderiam ser tocados em frente se não houvesse pessoas que, voluntariamente, os realizam. A título de exemplo cito a catequese, as celebrações, o serviço da caridade e os conselhos administrativos. Muitas entidades assistenciais, educativas e recreativas, e muitos conselhos de direito e associações não funcionariam sem os voluntários. 

Membro do Estado Islâmico: "Chegaremos a Roma e faremos execuções massivas na Praça de São Pedro".


A organização pela liberdade religiosa MasLibres.org publicou uma entrevista com um membro do Estado Islâmico, que assegurou que morrer por Alá é “o melhor destino que uma pessoa pode escolher”. “Convertam-se enquanto é tempo”, diz o terrorista.

O jovem muçulmano disse que caso não se convertam, “morrerão como infiéis. Essa é a lei de Alá. Nós sairemos vitoriosos. Chegaremos à Roma, à Praça de São Pedro e faremos execuções massivas de infiéis”.

A fim de proteger a segurança do repórter que realizou a entrevista, não puderam entrar em detalhes sobre sua realização, explicou Maslibres.org ao Grupo ACI. Mas, garantem que a entrevista foi feita há mais de um mês, quando os muçulmanos celebravam o Ramadã, e foi conduzida por uma equipe que está no Oriente Médio.

Além desta entrevista, oferecem também imagens das atividades deste membro do grupo terrorista que são fotogramas do documentário.

O terrorista nasceu na Alemanha e tem nacionalidade polonesa, é conhecido como Adam A1 N e se considera como um “servidor de Deus, um crente fiel ao único deus”. Sua mãe é polonesa e católica e ela a considera “infiel”, enquanto seu pai é palestino procedente de Jordânia.

“Farei qualquer coisa por Alá e, se tiver que me converter em mártir, será o melhor destino que ele escolherá para mim. Ser crente é uma aventura maravilhosa na minha vida. Tinha quinze anos quando meus olhos se abriram para ver o único Deus. Então entendi a palavra de Alá dizendo que os infiéis são piores que animais”, afirmou. 

Fátima: Visita da imagem peregrina à Síria foi adiada


O reitor do Santuário de Fátima anunciou hoje que a visita da imagem peregrina à Síria, prevista para setembro, foi adiada por motivos de segurança.

O padre Carlos Cabecinhas explica em nota de imprensa, enviada à Agência ECCLESIA, que a instituição recebeu esta quinta-feira uma “comunicação” do patriarca Gregório III, de Damasco, na qual este informa que, “por se terem agravado muito as condições em Damasco, não considera oportuno realizar-se a visita antes solicitada da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima àquela diocese”, pedindo que a visita seja adiada para uma data posterior, “mais favorável”.

“Tendo o Santuário de Fátima anunciado aos meios de comunicação social, no passado dia 12 de agosto, que estava prevista essa visita da Imagem Peregrina a Damasco, nos dias 7 a 9 de setembro deste ano de 2015, vem agora comunicar o seu adiamento”, conclui o comunicado oficial.

O patriarca Melequita Greco-Católica de Antioquia, do Oriente, de Alexandria e de Jerusalém tinha pedido que os cristãos sírios não fossem esquecidos nas orações, quando solicitou a visita da imagem ao seu país.

A 12 de julho, o Santuário de Fátima recordou os cristãos perseguidos na Síria, apresentando aos peregrinos uma oferta feita na Cova da Iria por um grupo de monjas do mosteiro cristão em Qara. 

Como devo me vestir para ir à missa?

A forma como você se veste é uma maneira de mostrar
quão importante é a pessoa com quem você se encontrará

A sociedade está se tornando cada vez mais "casual". Já vi pessoas irem à farmácia de pijama e chinelo de quarto. Já fui a concertos de música clássica nos quais havia pessoas de camiseta, jeans e chinelo. Inclusive os casamentos e funerais têm sido cada vez mais casuais.

Isso chega a ser incômodo, porque a forma como nos vestimos é sinal de quanto respeito temos por nós mesmos e pelos outros. Se não nos vestimos bem por alguém ou por alguma coisa, é um sinal de que não os respeitamos.

Vestir-se bem é um pequeno sacrifício

Parecer elegantes requer um esforço. Usar um vestido bem passado, ou uma camisa social ao invés de uma camiseta, é algo que exige tempo. Fazer a barba implica um pouco de esforço, bem como arrumar o cabelo. São precisamente estes pequenos sacrifícios de tempo e esforço, no entanto, que mostram aos outros que são dignos aos nossos olhos.

Vista-se bem para ir à missa

Mesmo que você ache que não vale a pena se vestir bem para as atividades cotidianas, há um lugar e um momento em que realmente é preciso levar este tema a sério. Sempre. Estamos falando da santa missa.

Jesus, o Rei dos Reis, está na sua paróquia. Os anjos tremem diante dele, os demônios fogem dele. E Ele se faz presente no altar em cada missa. Você realmente quer estar com ele usando bermuda e chinelo? Quer mesmo dizer a Jesus que não vale a pena vestir-se bem por Ele?

Como sociedade, temos dificuldade de entender isso. Temos um ponto de vista deformado sobre a igualdade, segundo o qual ninguém, independentemente de quem for, merece honra e respeito. Isso é simplesmente um erro. São Paulo diz que é preciso honrar quem o merece; se há alguém que merece honra, esse alguém é Jesus Cristo.

Eu sei. Quase ninguém dá importância a isso. A missa na sua paróquia talvez não seja muito reverente, mas isso não é desculpa.

O legalismo não é a resposta

Acho que todo mundo deveria se vestir bem na missa, mas não se trata de prescrever exatamente o que é preciso vestir. Não é minha tarefa recomendar uma camisa social ou um vestido, uma cor específica de calca ou certo tipo de sapatos. Mas sugiro três normas básicas: 

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

O que é a conspiração dos Illuminatis?


A conspiração dos Illuminatis é a teoria de que há uma organização secreta composta por vários indivíduos/famílias (ou seja, Rothchilds, Rockefellers, Warburgs, etc.) 1, juntamente com as empresas, e, acredite ou não, os jesuítas na Igreja Católica Romana 2. Através de um esforço combinado eles estão exercendo uma forte influência sobre as economias das nações e também estão manipulando eleições, os meios de comunicação, educação e guerras em uma tentativa de trazer um “governo mundial”, com um fim perfeito de harmonia. 3 Para conseguir isso, os membros do Illuminati (que significa “Iluminados”) estão trabalhando para a abolição de estados independentes, nações, a propriedade privada, a herança, patriotismo e religião. 4 Qual é a precisão da conspiração? Não há nenhuma maneira de saber. Mas isso não parou muita gente de propor um monte de teorias – como este parágrafo resume.

A sociedade secreta Illuminati possui alegados desertores que forneceram informações privilegiadas e falaram sobre a vinda de uma moeda única e uma Nova Ordem Mundial 5 com algumas pessoas da elite no controle. Quando sua meta global for alcançada, todas as pessoas vão ser dependentes do sistema governamental de emprego, segurança, medicina, entretenimento e serviços básicos. Assim, controlando essas coisas, bem como os meios de comunicação e educação, a população pode ser guiada e ser mantida sob controle. Mas, para fazer isso, não pode haver livre concorrência no mercado para que não se perca o controle. Talvez você já tenha percebido que isso é em grande parte comunista em sua ideologia.

Os Illuminati exercem a sua influência através da manipulação e de bancos multinacionais via pessoas em posição elevada, bem como o controle de várias grandes corporações internacionais. Sua estratégia é implementada através de “tese-antítese”. Este é um procedimento onde as liberdades das sociedades são gradualmente restritas. Em primeiro lugar, é criada uma “crise” para dar a ideia de ameaça à segurança das pessoas. O governo deve intervir para resolver a crise, mas, a fim de fazer isso, ele deve ganhar mais poder. Este novo nível de controle governamental torna-se a nova norma, o novo “tese”. Mais tarde, uma outra crise é fabricada e o ciclo é repetido para que a população aceite gradualmente mais e mais poder governamental e menos e menos liberdade pessoal até que, finalmente, estejam sob o domínio completo do governo. 

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Catequese do Papa Francisco sobre a oração na família


CATEQUESE
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 26 de agosto de 2015


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Depois de ter refletido sobre como a família vive os tempos da festa e do trabalho, consideramos agora o tempo da oração. A queixa mais frequente dos cristãos diz respeito ao tempo: “Deveria rezar mais…; gostaria de fazê-lo, mas muitas vezes me falta o tempo”. Ouvimos isso continuamente. O arrependimento é sincero, certamente, porque o coração humano procura sempre a oração, mesmo sem sabê-lo; e se não a encontra não tem paz. Mas para que se encontre, é preciso cultivar no coração um amor “quente” por Deus, um amor afetivo.

Podemos nos fazer uma pergunta muito simples. Tudo bem acreditar em Deus com todo o coração, tudo bem esperar que nos ajude nas dificuldades, tudo bem sentir-se no dever de agradecê-Lo. Tudo certo. Mas queremos também um pouco de bem ao Senhor? O pensamento de Deus nos comove, nos surpreende, nos suaviza?

Pensemos na formulação do grande mandamento, que sustenta todos os outros: “Amarás ao Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as forças” (Dt 6, 5; cfr Mt 22, 37). A fórmula usa a linguagem intensiva do amor, derramando-o em Deus. Bem, o espírito de oração mora antes de tudo aqui. E se mora aqui, mora todo o tempo e não sai nunca. Conseguimos pensar em Deus como uma carícia que nos dá em vida, antes da qual nada existe? Uma carícia da qual nem a morte nos pode separar? Ou pensamos Nele apenas como um grande Ser, o Onipotente que fez todas as coisas, o Juiz que controla toda ação? Tudo verdade, naturalmente. Mas somente quando Deus é o afeto de todos os nossos afetos, o significado destas palavras se tornam plenos. Então nos sentimos felizes, e também um pouco confusos, porque Ele pensa em nós e, sobretudo, nos ama! Isso não é impressionante? Não é impressionante que Deus nos acaricie com amor de pai? É tão belo! Podia simplesmente se fazer reconhecer como o Ser supremo, dar os seus mandamentos e esperar os resultados. Em vez disso, Deus fez e faz infinitamente mais que isso. Acompanha-nos no caminho da vida, nos protege, nos ama. 

Homilética: 22º Domingo Comum - Ano B: "Em que consiste a verdadeira religião?"


A nossa religião não está feita de exterioridades, como acreditavam fariseus os quais Cristo trata com tanta dureza no evangelho, até o ponto de querer agradar a Deus e ganhar a salvação. Essas “coisas” num princípio foram enfeites da religião, logo adversários da religião e finalmente suplantaram a religião.

Cristo convida-nos à beleza interior, ao acolhimento sincero e coerente da novidade do seu projeto.

Ao termos consciência deste encontro de amor, santidade e vida, que o Espírito Santo, penetre o coração e a inteligência, libertando de toda a hipocrisia, vaidade e soberba. E nos conceda: olhar como Deus olha, ouvir como Deus ouve, falar como Deus fala e amar como Deus ama.

Devem-se tolerar os hereges?


Assim se procede: parece que se devem tolerar os hereges.

1. Com efeito, o apóstolo diz; “Quem serve o Senhor deve ser bondoso com todos, capaz de corrigir os opositores, tendo esperança de que Deus dê a eles uma oportunidade de se converterem, conhecerem a verdade e escaparem das armadilhas do diabo”. Ora, se os heréticos não forem tolerados, mas condenados à morte, tira-se deles a faculdade de se arrependerem. Logo, isso parece ser contra o preceito do Apóstolo.

2. Além disso, o que é necessário na Igreja deve ser tolerado. Ora, à Igreja são necessárias as heresias, pois diz o Apóstolo: “É preciso haver heresias, para que os de virtude comprovada se manifestem entre vós”. Logo, parece que os hereges devem ser tolerados.

3. Ademais, o Senhor mandou aos seus servos que deixassem crescer o joio até a ceifa, que é o fim do mundo, como no mesmo lugar se diz. Ora, o joio é símbolo dos hereges, conforme a interpretação dos Santos. Logo, os heréticos devem ser tolerados.

Em sentido contrário, diz o Apóstolo: “Após advertir um herege pela primeira e segunda vez, evita-o sabendo que é um pervertido.

RESPONDO: A respeito dos heréticos, há duas coisas a considerar: uma da parte deles e outra da parte da Igreja. Da parte deles, há um pecado pelo qual mereceram não somente serem excluídos da Igreja pela excomunhão, mas também do mundo pela morte. É muito mais grave corromper a fé, que é a vida da alma, do que falsificar o dinheiro que serve à vida temporal. Ora, se os falsificadores de moeda ou outros malfeitores logo são justamente condenados à morte pelos príncipes seculares, com maior razão os heréticos desde que sejam convencidos de heresia, podem não só ser excomungados, mas justamente serem condenados à morte. 

terça-feira, 25 de agosto de 2015

O que é um abuso litúrgico?


Um abuso litúrgico é tudo aquilo que, esporádica ou sistematicamente, por passiva ou por ativa, sai das normas litúrgicas próprias do rito latino, ainda que tal abuso seja algo já difundido e pareça algo normal ou inclusive litúrgico.

Alguns dos abusos litúrgicos são banais, outros não; alguns são notórios, outros passam despercebidos pela maioria dos fiéis; uns são inconscientes, outros realizados propositalmente; alguns são pecados veniais, outros são pecados graves.

“Ainda que o julgamento sobre a gravidade dos atos seja feito conforme a doutrina comum da Igreja e as normas por ela estabelecidas, são considerados sempre objetivamente como atos graves os que colocam em perigo a validez e a dignidade da santíssima Eucaristia” (Instrução “Redemptoris Sacramentum”, 173).

De qualquer maneira, é preciso evitar todo abuso; e nenhum abuso pode ser considerado de pouca importância ou irrelevante, mas evitado e corrigido com diligência.

Enfim, por um lado, o ideal é conhecer muito bem (tanto os padres quanto os fiéis) os ritos e normas litúrgicas, por mais simples que sejam. Por outro, é preciso ater-se humilde e fielmente ao estipulado pela Igreja.

Quando, em alguma celebração litúrgica, pelo motivo que for, algo tiver saído mal, é preciso corrigir conforme as normas do direito. 

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Lutero tinha o mesmo canôn bíblico que seus seguidores protestantes?


É comum os protestantes acusarem a Igreja Católica de ter adicionado, no Concílio de  Trento em 1547, livros ao cânon bíblico (os 7 livros deuterocanônicos: Tobias, Judite, I e II Macabeus, Baruc, Eclesiástico e Sabedoria), e que eles, assim como Lutero, conservam os 66 livros que antes eram tidos com inspirados.

Bem , além do fato da Igreja primitiva usar abertamente e doutrinariamente 73 livros e o concílio de Trento não ter adicionado nada, apenas confirmado a fé secular da Igreja, os protestantes não sabem que Lutero não tinha nem mesmo os mesmos livros que eles tem como inspirados. Devido a isto neste artigo será mostrado que na realidade quem modificou a  Bíblia foi Lutero e não o concílio de Trento.

1 - CONCÍLIOS ANTERIORES A TRENTO

Para confirmar que o concílio de Trento não adicionou nada a Bíblia, serão vistos agora 2 concílios anteriores a ele, um 1100 antes e o outro 100 anos antes, para provar qual o cânon bíblico sempre aceito pela Igreja.

CONCÍLIO CARTAGO IV (ANO 419 D.C)

“Cânone 24 (Grego XXVII)

Nada seja lido na igreja ao exceto as escrituras canônicas.

Item,que, exceto as Escrituras Canônicas nada seja lido na igreja sob o nome de Escritura divina.Mas as Escrituras canônicas são as seguintes: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué filho de Nun, Os Juízes, Rute, os Reis quatro livros, As Crônicas 2 livros, Jó, o Saltério, os cinco livros de Salomão[1], os doze livros dos Profetas, Isaías, Jeremias[2], Ezequiel, Daniel, Tobias, Judite, Ester, Esdras dois livros, Macabeus dois  livros.

O Novo Testamento

Os Evangelhos quatro Livros, os Atos dos Apóstolos um livro, as quatorze epístolas de Paulo , as epístolas de Pedro, o Apóstolo, duas; As Epístolas de João, o apóstolo, três; a Epístola de Tiago, o Apóstolo, uma; A Epístola de Judas, o Apóstolo, uma; A Revelação de João, um livro.” (CATARGO, 419)

E também a mesma lista de 73 livros de Trento é repetida no Concílio de Florença, 100 anos antes: 

domingo, 23 de agosto de 2015

Comer sangue de animal é pecado?


"Quanto a qualquer homem da casa de Israel ou algum residente forasteiro que reside no vosso meio, que comer qualquer espécie de sangue, eu certamente porei minha face contra a alma que comer o sangue, e deveras o deceparei dentre seu povo. Pois a alma da carne está no sangue, e eu mesmo o pus para vós sobre o altar para fazer expiação pelas vossas almas, porque é o sangue que faz expiação pela alma [nele]. Foi por isso que eu disse aos filhos de Israel: "Nenhuma alma vossa deve comer sangue e nenhum residente forasteiro que reside no vosso meio deve comer sangue.". Quanto a qualquer homem dos filhos de Israel ou algum residente forasteiro que reside no vosso meio, que caçando apanhe um animal selvático ou uma ave que se possa comer, neste caso tem de derramar seu sangue e cobri-lo com pó. Pois a alma de todo tipo de carne é seu sangue pela alma nele. Por conseguinte, eu disse aos filhos de Israel: "Não deveis comer o sangue de qualquer tipo de carne, porque a alma de todo tipo de carne é seu sangue. Quem o comer será decepado [da vida]" (Levítico 17,10-14).

Gostaria muito de esclarecer a minha dúvida, pois qual seria a forma de interpretar, no qual ele mesmo afirma; que caçando apanhe um animal selvático ou uma ave que se possa comer, neste caso tem de derramar seu sangue e cobri-lo com pó. Então quer dizer que não podemos comer carne vermelha? - Karlo Felipe (Campina Grande – PB).

Prezado Karlo,
salve Maria!

Ao contrário dos 10 mandamentos, a antiga Lei Mosaica era uma lei preparatória para o povo judeu, com símbolos e prefigurações de Cristo e do Novo Testamento, cujo sacrifício por excelência seria o próprio Filho de Deus. Com a Encarnação, Morte e Ressurreição de Cristo, não seria mais necessário o símbolo, pois o próprio Cristo já cumprira tudo o que era esperado e prefigurado. Os Mandamentos são a Lei Eterna para o homem e não serão jamais abolidos.

Adão, no paraíso terrestre, tinha a lei de não comer o fruto da árvore do conhecimento do Bem e do Mal. Era um sacrifício para Deus, reconhecendo nEle o Senhor de tudo. Havia nisso o símbolo de que o Bem absoluto era impossível de ser conhecido pelo homem, pois o infinito não cabe no finito. Já o Mal é o pecado, que também não pode ser conhecido, pois vai contra a razão.

Ao pecar, com a expulsão do paraíso, foi necessário ao homem – agora tendente ao pecado - fazer sacrifícios de expiação. Nesses sacrifícios, animais eram imolados e o sangue, simbolo da vida destes, era reservado aos sacerdotes, para significar que a vida era um dom de Deus e pertencia somente a Ele, Senhor de tudo. 

sábado, 22 de agosto de 2015

Vocação laical, presença, compromisso e esperança a serviço do Reino


O quarto domingo de agosto focaliza a vocação laical, isto é dos cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade que tentam ser luz do mundo e sal da terra. Ao celebrarmos os cinqüenta anos do Concilio Vaticano II e o jubileu de prata da Encíclica“Chritifideleslaici”, de São João Paulo II, descobrimos com alegria os avanços do laicato em consciência, organização e a ação, bem como a valorização da raiz batismal de seu ser e missão.

Notamos no entanto uma concentração dos leigos e leigas em espiritualidades e serviços internos da Igreja, perdendo consistência na linha de atuação e inserção no mundo. De fato há espaços chamados de "novos areópagos " ou de " átrio dos gentios " onde se tomam as decisões e se forjam os critérios de valor e referência da cultura contemporânea, que mostram a falta e carência de leigos cristãos, nesses âmbitos.

No contexto da Reforma Política e na Pastoral da Cidadania onde se tece a articulação dinâmica da fée a política, ainda é escassa e pouco renovada a liderança de cristãos que possam construir a alternativa do poder-serviço e uma política inclusiva, transparente e equitativa para com os pobres. No campo da comunicação se visibilizam práticas por vezes fragmentadas e pietistas que desconexas com a realidade são manipuladas e não estimulam o compromisso transformador do leigo. Mas este entorno de dificuldades não é empecilho para alegrar-nos com um processo crescente de consciência verificado na construção, elaboração e discussão do Documento 107 (sobre a missão dos leigos e leigas), a preparação do Ano do Laicato, e a participação nos Encontros e Assembleias do Conselho Nacional de Leigos do Brasil como em junho deste ano no Centro Gianeta, São Paulo. 

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Por que o mundo LGBT passou a negar a existência da teoria do gênero?


O chamado “mundo LGBT” tem tido uma nova prioridade: negar a todo custo a existência da teoria de gênero.

Devemos reconhecer que, na verdade, eles nunca definiram as suas ideias como uma "teoria" propriamente dita, mas é legítimo usar esse termo porque o corpo de ideias que eles defendem pode ser enunciado a partir de duas convicções específicas.

A primeira declaração da teoria de gênero é que existiria uma sexualidade específica (ou "dado biológico") e um gênero distinto (ou "dado psicológico"). Ou seja: um ser humano pode ser masculino-homem ou feminino-mulher quando há coincidência entre o sexo biológico e o gênero; mas também poderia ser masculino-mulher ou feminino-homem, no caso em que o sexo biológico e o gênero não coincidem. Tudo isso é apresentado como "normal", palavra insistentemente presente na terminologia LGBT.

A segunda afirmação da teoria de gênero é que seria possível escolher de forma autônoma o gênero “preferido” (ou “sentido”), prescindindo do fato biológico. Teria sido a sociedade quem nos impôs os gêneros identificados à força com o dado biológico. A partir de agora, porém, deveríamos ficar cientes de que as crianças podem crescer “livres” desses “estereótipos” e ter a oportunidade de decidir “livremente” o seu gênero, mediante uma educação que não fizesse distinções entre meninos e meninas.

Estas afirmações fazem parte de uma teoria complexa que procura legitimar a “sexualidade mutável” ou “líquida” em nome de uma “autonomia sexual” que permita a cada um escolher a própria identidade sexual (com ou sem cirurgia de mudança de sexo).

Uma parcela relevante da ciência médica, no entanto, enxerga estas crenças como uma patologia mental, definindo o transexualismo como um "transtorno de identidade de gênero" no Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais e explicando-o como "o desejo persistente das características físicas e dos papéis sociais que conotam o sexo biológico oposto". De acordo com o manual, portanto, existe apenas o sexo biológico; desejar ser diferente daquilo que naturalmente se é seria sintoma de um distúrbio mais profundo. 

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

É possível trocar o nome de batismo?


Já passou pela minha mente a possibilidade de trocar meu nome. Tenho o nome da minha avó materna e, em vários momentos, já “reclamei” com a minha mãe por não ter colocado também o nome da minha bisavó. Foi então que surgiu a dúvida: é possível trocar de nome, já que o nome que temos desde que nascemos é o mesmo com o qual nos batizaram?

Sobre a pessoa física, no Código de Direito Canônico se diz o seguinte: “Pelo batismo, o homem é incorporado na Igreja de Cristo e nela constituído pessoa, com os deveres e direitos que, atendendo à sua condição, são próprios dos cristãos, na medida em que estes permanecem na comunhão eclesiástica e a não ser que obste uma sanção legitimamente infligida” (cânon 96).

Como se pode facilmente notar, a lei eclesial não deixa de considerar a pessoa física, nem supõe uma penalidade para quem quiser trocar ou corrigir o nome.

De fato, nem o nome nem sua possível mudança são mencionados nesse cânon, porque o que faz do indivíduo uma pessoa dentro da Igreja é o Batismo, e não o nome que se escolhe para recebê-lo.

Todo batizado é incorporado à Igreja em sua essência, não pelo seu nome. Ou seja, indiferentemente do fato de uma pessoa modificar ou não seu nome civilmente, isso não altera o selo recebido no Batismo, que, em dogmática, se chama “caráter”.

Sempre se pode trocar de nome sem que isso afete a realidade do batizado; é o caso dos papas e dos religiosos que recebem outro nome (de maneira voluntária), ao aceitar o cargo, receber a ordenação sacerdotal ou profissão de fé, ainda que, neste caso, a mudança de nome seja apenas simbólica: não há mudanças nem civilmente, nem em suas certidões de Batismo.

É por isso que não há razão alguma, do ponto de vista eclesial, que impeça a pessoa de trocar seu nome de batismo.