sexta-feira, 31 de março de 2017

“Cirurgia não te converte em uma mulher”, assegura ex-transexual arrependido.


“A cirurgia não te converte em uma mulher”, assegurou recentemente Walt Heyer, ex-transexual que, após um encontro pessoal com Deus, se arrependeu de mudar de sexo.

Heyer contou a sua história durante uma conferência do apostolado Courage, em Phoenix (Estados Unidos) entre 9 e 11 de janeiro, na qual estiveram presentes dezenas de membros do clero e apostolados de todo o país que buscam servir melhor às pessoas que sentem atração pelo mesmo sexo ou enfrentam o tema da transexualidade.

Heyer recordou o momento no qual começou a querer ser menina: aos quatro anos sua avó o obrigava a colocar vestidos e, inclusive, fez um vestido para ele.

Isto foi um segredo que ele não contou para os seus pais, a pedido da sua própria avó.

“A partir deste vestido, começou uma vida cheia de disforia de gênero, abuso sexual, alcoolismo, drogas e, finalmente, uma cirurgia de mudança de sexo desnecessária. A minha vida foi destruída por um adulto de confiança que gostava de me vestir como uma menina”, assegurou em seu testemunho.

Aos 7 anos, Heyer levou para a sua casa aquele vestido e escondeu em uma das suas gavetas. Pouco tempo depois, a sua mãe o encontrou e repreendeu o menino. Nesse momento, ele decidiu contar para os seus pais que a sua própria avó o vestia como uma menina durante anos.

Os pais de Heyer não tinham o vocabulário ou recursos para saber como lidar com esta situação. Seu pai reagiu com medo e tomou serias medidas disciplinares.

O tio de Heyer ficou sabendo desta história e começaram a zombar dele. Eventualmente, abusou sexualmente do menino.

"Vemos que as pessoas que têm pensamento desordenado estão sofrendo. O problema é que não sabemos o que devemos fazer com eles", disse Heyer.

O desejo de ser uma mulher - de ser mais do que o menino maltratado e ferido - permaneceu com Heyer durante a idade adulta, apesar de ser casado com uma mulher e ter dois filhos.

Aos 42 anos, fez uma operação de mudança de sexo e pediu aos seus amigos o chamassem de Laura Jensen.

"Tudo começou como uma fantasia e continuou do mesmo modo, porque a cirurgia não te converte em uma mulher. Não é mais autêntico do que uma falsificação de 20 dólares. Não se pode mudar biologicamente um homem para uma mulher", detalhou. 

São Benjamim


Foi canal para que muitos cegos voltassem a ver, muitos leprosos fossem curados e muitos corações duvidosos se abrissem a Deus.

Nasceu no ano de 394 na Pérsia e, ao ser evangelizado, começou a participar da Igreja ao ponto de descobrir sua vocação ao diaconato.

Serviu a Palavra e aos irmãos na caridade, chamando a atenção de muitos para Cristo.

Chegou a ser preso por um ano, sofrendo, e se renunciasse ao nome de Jesus, seria solto. Porém, mesmo na dor, na solidão e na injustiça, ele uniu-se ainda mais ao Cristo crucificado.

Foi solto com a ordem de não falar mais de Jesus para ninguém, o que era impossível, pois sua vida e seu serviço evangelizavam.

Benjamim foi canal para que muitos cegos voltassem a ver, muitos leprosos fossem curados e assim muitos corações duvidosos se abriram a Deus.

Foi novamente preso, levado a público e torturado para que renunciasse à fé. Perguntou então ao rei, se gostaria que algum de seus súditos fosse desleal a ele. Obviamente que o rei disse que não. E assim o diácono disse que assim também ele, não poderia renunciar à sua fé, a seu Rei, Jesus Cristo.

E por não renunciar a Jesus, foi martirizado. Isso no ano de 422.


Deus onipotente e misericordioso, destes a São Benjamim superar as torturas do martírio. Concedei que, celebrando o dia do seu triunfo, passemos invictos por entre as ciladas do inimigo, graças à vossa proteção. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!

São Benjamim, rogai por nós!

quinta-feira, 30 de março de 2017

Óbolo de São Pedro se abre ao Twitter e Instagram


A Secretaria de Estado comunicou, nesta quinta-feira (30/03), que o Óbolo de São Pedro se abre agora ao Twitter e Instagram.

O objetivo dessa abertura é o de dialogar com aqueles que desejam ajudar os pobres e divulgar as obras caritativas realizadas através da solidariedade dos fiéis de todo o mundo, como religiosos, leigos, empresas, entidades ou fundações, e estruturas que auxiliam o Papa no exercício de sua missão. 

Depois de lançar, em novembro passado, o novo site para a caridade do Papa, o Óbolo de São Pedro chega agora às redes sociais. Desde 1° de março, estão operativos o Twitter e Instagram do Óbolo, nascidos com o objetivo de criar com os católicos do mundo uma comunicação direta, autêntica, transparente e participativa com quem deseja ajudar os pobres. No Twitter, o Óbolo de São Pedro está presente em três línguas: italiano, inglês e espanhol. No Instagram é único. 

Nas duas plataformas são cotidianamente partilhadas as mensagens do Papa publicadas no site oficial do Óbolo, junto com imagens, pensamentos e aprofundamentos das obras caritativas feitas pela Santa Sé, através desta iniciativa histórica de caridade cristã.  

Pintura da Virgem e do Menino Jesus se salvou da destruição do ISIS no Iraque


Uma pintura da Virgem Maria com o Menino Jesus em uma igreja em Qaraqosh (Iraque) se salvou da fúria do grupo terrorista Estado Islâmico (ISIS), que costuma destruir imagens religiosas, cruzes e igrejas quando invade cidades cristãs.

Segundo indicou o Pe. Luis Montes, sacerdote missionário do Instituto do Verbo Encarnado (IVE), através de uma publicação em sua conta no Facebook, esta imagem da Mãe de Deus se encontra em uma parede do pátio da Igreja da Imaculada, na cidade de Qaraqosh.

Quando o Estado Islâmico invadiu Qaraqosh em 2014 – que até então era a maior cidade cristã do Iraque –, destruiu os templos, as casas e as empresas dos cristãos.

Os jihadistas incendiaram a Igreja da Imaculada e quebraram as imagens. Inclusive atiraram em várias estátuas.

“Mas essa imagem se salvou, não sabemos porque. Sim, sabemos que é uma grande alegria vê-la!”, expressou o sacerdote, que visitou as cidades cristãs de Bartalla e Qaraqosh, que foram libertadas do controle do ISIS em 2016.

O Pe. Montes contou que este acontecimento lhe recordou como a Virgem Maria “foi instruída por Cristo para ser também a nossa mãe. E por amor ao seu Filho, Deus amou os seus filhos pecadores com um amor incomparável”.

“Ao ver esta imagem intacta não podia deixar de pensar em sua proteção constante para conosco. Uma proteção que os cristãos perseguidos conhecem e proclamam insistentemente”, afirmou o sacerdote do IVE.

Em seguida, acrescentou: “Não sabemos por que o ISIS a respeitou, mas é como um símbolo do seu amor de mãe que sussurra no nosso ouvido: ‘Não se preocupe, pois eu estou aqui’”.

Pe. Montes também indicou que os membros do Estado Islâmico entraram no Mosteiro de São Behnam. “Colocaram uma dinamite na tumba do santo e se deram ao trabalho de destruir com marretas, machados e martelos todas as imagens de pedra de todos os santos, especialmente os rostos”.

Para seguir mostrando os atos de vandalismo realizados pelos jihadistas contra lugares cristãos, o sacerdote publicou outra foto no seu Facebook, a qual mostra a torre do campanário da igreja de São Behnam e Santa Clara em Qaraqosh. 

Homilética: 5º Domingo da Quaresma - Ano A: "O Espírito de ressurreição e vida".


Deus se revela por meio da palavra profética. Na primeira leitura, Ezequiel anuncia vida nova para os que se encontram sem esperança, no túmulo do exílio da Babilônia. Deus ama prioritariamente o povo em situação de sofrimento. Está junto aos exilados e promete-lhes a volta à terra de Israel, devolvendo-lhes a liberdade. O dom do Espírito de Deus revigora o coração do povo e lhe suscita vida (I leitura). A revelação plena de Deus se dá na pessoa de seu Filho, Jesus. Ele é o caminho da vida por excelência. Pelo relato da ressurreição de Lázaro, a comunidade cristã afirma que Jesus é a ressurreição. Quem vive e crê nele jamais morrerá (evangelho). Deus se revela também por meio do testemunho dos seguidores de Jesus, como o de Paulo. Escrevendo aos romanos, orienta-os para uma vida nova proveniente da fé em Jesus Cristo. É a vida no Espírito. Ele habita em cada pessoa e suscita vida aos corpos mortais (II leitura). Os três textos enfatizam a vitória da vida sobre a morte como dom de Deus. O seu Espírito nos faz novas criaturas: transforma, reanima, fortalece, ressuscita…

Comentário dos textos bíblicos

I leitura (Ez 37,12-14): Porei o meu Espírito em vós

Na tradição judaico-cristã, profecia é tempo de graça: tempo que se faz pleno porque Deus se comunica e interpela seu povo, recordando a sua aliança e demonstrando o seu amor. Ezequiel profetizou junto aos exilados na Babilônia ao redor do ano 580 a.C. O povo encontra-se mergulhado em profunda crise. Está longe da terra que Deus lhe concedeu conforme a promessa feita a Abraão. Sente-se abandonado por Deus e sem esperanças de futuro. A situação realmente parece desesperadora. Nesse pequeno texto, aparece três vezes a palavra “túmulos”. Deus, porém, não se conforma com a morte de ninguém. Por isso, suscita o profeta Ezequiel para anunciar novo tempo: vai infundir nos exilados o seu Espírito, que lhes dará força e coragem para se reerguerem das cinzas.

Em nome de Deus, Ezequiel anuncia um novo êxodo. No primeiro êxodo, Deus libertou o seu povo da escravidão do Egito e lhe deu a terra prometida. Deus também vai livrá-los do domínio da Babilônia, e serão reintroduzidos na terra de Israel. O jugo estrangeiro será quebrado, e o povo disperso (parecendo ossos secos espalhados num vale) poderá voltar a se reunir em sua própria terra, onde habitará com segurança. Isso acontecerá pela intervenção gratuita de Deus. Ele desperta para a vida os que se encontram em situação de morte. Faz sair os esqueletos dos seus túmulos. Reanima os “cadáveres ambulantes”. O seu Espírito penetra nos corpos sem vida. O povo disperso e abandonado toma consciência de que é amado por Deus e, por isso, descobre-se como capaz de mobilizar-se para a reconquista da terra de liberdade.

II leitura (Rm 8,8-11): Vida nova no Espírito Santo

Viver no Espírito de Cristo é o que propõe são Paulo aos romanos. Somente no capítulo 8, aparece mais de 20 vezes a palavra “espírito”. A vida no Espírito Santo contrapõe-se à vida segundo a carne, ou seja, aos instintos egoístas. Toda pessoa carrega dentro de si essas duas tendências, que lutam entre si permanentemente. Aquelas que foram regeneradas em Jesus Cristo estão mergulhadas em seu Espírito. Por isso, possuem a luz e a força do próprio Jesus, que realizou a vontade de Deus e redimiu a humanidade. Ele nos justificou pela graça e nos tornou novas criaturas, participantes de sua natureza divina.

Estar com o Espírito de Cristo, porém, não significa anulação da tendência para o pecado. A tensão à santidade deve ser permanente. É uma questão de opção fundamental pelo mesmo modo de pensar e de agir de Jesus. Ele mesmo advertiu que “ninguém pode servir a dois senhores”. Paulo lembra que os cristãos não podem viver segundo a carne e segundo o Espírito ao mesmo tempo. Não se pode viver na liberdade e na escravidão ao mesmo tempo.

Na carta aos Gálatas, Paulo escreve: “Foi para sermos livres que Cristo nos libertou” (5,1). Ele nos libertou da escravidão do pecado por pura graça. Portanto, somente na graça de Jesus Cristo vivemos a autêntica liberdade. Somente no Espírito de Jesus nos libertamos da escravidão das obras dos instintos egoístas. E, para não haver dúvidas sobre os dois caminhos que se opõem entre si, Paulo fala a respeito das obras que caracterizam cada um deles. “As obras da carne são manifestas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, feitiçaria, ódio, rixas, ciúmes, ira, discussões, discórdia, divisões, invejas, bebedeiras, orgias e coisas semelhantes a estas… Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, autodomínio” (Gl 5,19-23).

Uma vez que aderimos, pela fé, a Jesus Cristo, a ele pertencemos e seu Espírito habita em nós. Esse Espírito é o agente das obras que agradam a Deus. Podemos, então, contar com a plenitude de sua graça. Assim, morremos para as obras do egoísmo e permanecemos na vida. Pois o mesmo “Espírito daquele que ressuscitou Cristo Jesus dentre os mortos dá a vida aos nossos corpos mortais”. Temos a graça de viver desde agora a vida eterna, pois em Cristo fomos divinizados. 

Brasil: relatório do jornal “O Globo” sobre as organizações religiosas.


Segundo o jornal “O Globo”, desde 2010, uma nova organização religiosa surge por hora no Brasil. A facilidade para a abertura de novas igrejas, o fortalecimento do movimento neopentecostal e efeitos da situação econômica são apontados como principais motivos.

De acordo com os relatórios publicados pelo jornal, de janeiro de 2010 a março de 2017, todos os dias, em particular no Rio de Janeiro, nasceram 25 novas organizações religiosas ou espirituais.

O processo para abrir uma organização religiosa ou filosófica no Brasil é simples e rápido. A Constituição Brasileira proíbe a cobrança de imposto de “templos de qualquer culto”, que são isentos do pagamento de impostos sobre propriedade, imposto de renda sobre as doações recebidas, além do IPVA sobre os veículos adquiridos. Em alguns estados essas organizações também estão isentas do pagamento do IVA. 

O texto constitucional estabelece a imunidade fiscal e a liberdade de culto. Não há, portanto, a necessidade de apresentar requisitos teológicos ou doutrinários para abrir uma igreja. A facilidade faz com que muitas organizações sequer tenham um lugar, próprio ou alugado, para receber os fiéis, informando o endereço de imóveis residenciais ou de outras empresas como sendo seus.  

Os adventistas lhe ensinaram a odiar a Igreja mas ela se enamorou pelo Santíssimo e hoje é freira


Mireily Rodríguez Vargas é uma jovem porto-riquenha que mudou seu nome por irmã Maria Faustina quando professou seus votos como dominicana no convento de Nossa Senhora do Rosário de Fátima no Texas (EEUU). Mas sua vocação chegou depois de uma conversão dura, depois de haver estado sob a influência dos ensinamentos dos adventistas. Quando descobriu a verdade sobre a Igreja Católica se lhe abriu um mundo que a fascinou a tal ponto que decidiu entregar sua vida por completo.

Foi criada em uma família católica mas não demasiado praticante e eram seus companheiros de colégio que lhe diziam que a Virgem Maria havia tido mais filhos, até chegar a convencer-se disso. Aos 16 anos depois de um duro acontecimento familiar apareceram em sua vida os adventistas. “Por insistência de um familiar, comecei a ir a encontros com eles. A princípio consistia em contestar as perguntas de uns folhetos, logo o pastor veio a dar-nos o ensino pessoalmente, creio que era uma vez por semana”, recorda.

O ódio à Igreja e ao Papa

Depois disto, foi enviada a um seminário denominado “Descobrindo a verdade” e que tinha como objetivo realizar nela uma lavagem cerebral. Conta a irmã Maria Faustina que “tratava de como a Igreja Católica era a ‘grande meretriz do Apocalipse’ e o Santo Padre, ‘a besta do profeta Daniel”.

Uma vez que concluiu este seminário tocava ser “batizada” como adventista. A jovem estava muito confusa mas “não pensava assim sobre a Igreja Católica”. Finalmente, uma amiga sua decidiu não batizar-se pelo que ela tomou a mesma decisão.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Papa: "Como Abraão, esperar contra toda esperança".


CATEQUESE
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 29 de março de 2017

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O trecho da Carta de São Paulo aos Romanos que acabamos de ouvir nos dá um grande presente. De fato, estamos habituados a reconhecer em Abraão o nosso pai na fé; hoje, o Apóstolo nos faz compreender que Abraão é para nós pai na esperança; não somente pai da fé, mas pai na esperança. E isso porque no seu relato podemos já colher um anúncio da Ressurreição, da vida nova que vence o mal e a própria morte.

No texto se diz que Abraão acredita no Deus “que dá vida aos mortos e chama à existência as coisas que não existem” (Rm 4, 17); e depois precisa: “Ele não vacilou na fé, mesmo vendo já como morto o próprio corpo e morto o seio de Sara” (Rm 4, 19). Bem, esta é a experiência que somos chamados a viver também nós. O Deus que se revela a Abraão é o Deus que salva, o Deus que faz sair do desespero e da morte, o Deus que chama à vida. Na história de Abraão tudo se torna um hino ao Deus que liberta e regenera, tudo se torna profecia. E o torna para nós, para nós que agora reconhecemos e celebramos o cumprimento de tudo isso no mistério da Páscoa. Deus, de fato, “ressuscitou Jesus dos mortos” (Rm 4, 24), para que também nós possamos passar Nele da morte à vida. E realmente, então, Abraão pode muito bem ser chamado “pai de muitos povos”, enquanto resplandece como anúncio de uma humanidade nova – nós! – resgatada por Cristo do pecado e da morte e introduzida de uma vez por todas no abraço do amor de Deus.

Neste ponto, Paulo nos ajuda a colocar em foco o laço estreitíssimo entre a fé e a esperança. Ele de fato afirma que Abraão “acreditou, firme na esperança contra toda esperança” (Rm 4, 18). A nossa esperança não se rege por raciocínios, previsões e seguranças humanas; e se manifesta lá onde não há mais esperança, onde não há mais nada em que esperar, justamente como acontece com Abraão, diante de sua morte iminente e da esterilidade da mulher Sara. Aproximava-se o fim para eles, não podiam ter filhos e naquela situação Abraão acreditou e teve esperança contra toda esperança. E isso é grande! A grande esperança se enraiza na fé, e justamente por isso é capaz de seguir além de toda esperança. Sim, porque não se baseia na nossa palavra, mas na Palavra de Deus. Também neste sentido, então, somos chamados a seguir o exemplo de Abraão, que, mesmo diante da evidência de uma realidade que parece destinada à morte, confia em Deus, “plenamente convencido de que o que ele havia prometido também era capaz de cumprir” (Rm 4, 21). Eu gostaria de fazer uma pergunta a vocês: nós, todos nós, estamos convencidos disso? Estamos convencidos de que Deus nos quer bem e que tudo aquilo que nos prometeu está disposto a cumprir? Mas, padre, quanto devemos pagar por isso? Há somente um preço: “abrir o coração”. Abram seus corações e esta força de Deus vos levará adiante, fará coisas milagrosas e vos ensinará o que é a esperança. Este é o único preço: abrir o coração à fé e Ele fará o resto.

Este é o paradoxo e ao mesmo tempo o elemento mais forte, mais alto da nossa esperança! Uma esperança baseada sobre uma promessa que, do ponto de vista humano, parece incerta e imprevisível, mas que não diminui nem diante da morte, quando quem promete é o Deus da Ressurreição e da vida. Não é qualquer um que promete! Aquele que promete é o Deus da Ressurreição e da vida. 

STF dá cinco dias para que Temer e o Congresso se manifestem sobre liberação do aborto


A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu cinco dias de prazo para que o presidente da República, Michel Temer, se manifeste na ação que pretende ampliar a legalidade do aborto.

O mesmo prazo foi dado para que o Senado e a Câmara dos Deputados se manifestem. Em seguida, serão dados mais cinco dias para que a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) enviem seus pareceres sobre o pedido.

Depois disso, a ministra deve decidir sobre o pedido de liminar (decisão provisória) feito pelo PSOL e pelo Instituto Anis – ONG defensora da legalização do aborto – para que sejam suspensas todas as prisões em flagrante, os inquéritos policiais, processos em andamento e efeitos de decisões judiciais que tenham relação com procedimentos abortivos praticados nas 12 primeiras semanas de gestação.

Rosa Weber deve decidir ainda se aceita o pedido feito pelo PSC para ingressar como amicus curiae (amigo da Corte) no caso, o que daria ao partido, que compõe a bancada religiosa no Congresso e é contra a legalização do aborto, o direito de fazer sustentação oral quando for julgado o mérito da ação. 

Bispo conclama ‘tsunami’ de e-mails para STF e TV Globo contra Aborto e Ideologia de Gênero


“Sentinela, o que acontece durante a noite?” (Isaías, 21,11).

O sentinela é um vigilante atento, que percebe os movimentos mais perigosos e avisa imediatamente àquelas pessoas que devem intervir na defesa das demais, especialmente das pessoas mais frágeis.

A vigilância é uma atitude tão recomendada nas páginas bíblicas, como demonstração direta do amor de Deus por tudo que Ele criou e salvou, que causa perplexidade e indignação o avanço perigoso e veloz das mais variadas expressões do mal no mundo de hoje.

Onde estão, diante do avanço dessa onda de maldades, os corajosos e atentos, sentinelas do bem?

A Igreja Católica, nos tempos atuais da história da humanidade, deve assumir cada vez mais a atitude do sentinela do bem e ficar mais atenta aos perigos que ameaçam o nosso país. Ao fundar a sua Igreja sobre a pedra de Pedro, Jesus insistiu inúmeras vezes, que um dos seus papéis no mundo do século XXI, seria vigiar: “Vigiai, pois não sabeis em que dia virá o vosso Senhor”

Não se identifica com a Igreja Católica, quem não se identificar com essa missão de vigilância atenciosa e corajosa!

Atualmente, existe no Brasil uma estratégia bem pensada por alguns e bem regida por outros, para que iniciativas culturais, legislativas, judiciárias, em favor da descriminalização do aborto e da manipulação ideológica das mentes infantis e jovens, tenham um raio de ação mais amplo na nossa sociedade.

Assim as correntes de pensamento e os âmbitos de decisão do nosso país, sem perceberem ou percebendo nitidamente, vão influenciando a população brasileira, para que o povo pense e decida de acordo com as ideologias destruidoras da vida e da família, da sexualidade humana, dos valores que unem as pessoas entre si. O marxismo político-partidário, a ideologia do gênero, o relativismo moral e sua destruição dos costumes, o consumismo materialista-capitalista, e tantas outras ondas de mentiras, maldades, violências, drogas, etc., atuam na noite escura da morte de Deus e da perda do sentido da vida, determinando as linhas diretrizes de ação de políticos, professores, jornalistas, novelistas, artistas, etc..

A vigilância é uma das mais expressivas provas da caridade cristã, especialmente com as pessoas mais frágeis e vulneráveis na sociedade. Não preveni-las, não protegê-las, não esclarecê-las dessas estratégias perversas, passa a ser uma das mais graves omissões presentes no seio da Igreja Católica nesses tempos últimos.

O amor à verdade e o amor ao próximo não devem estar distantes entre si. Vigiar e chamar a atenção para a presença de um ‘tsumani’ invadindo, com suas ondas enormes, viscosas e sujas a televisão brasileira, os plenários do judiciário, os espaços legislativos, as escolas e universidades, as famílias, tornaram-se para os discípulos-missionários do século XXI graves deveres de caridade cristã.

A Rede Globo de Televisão tornou-se um depósito poluído dessa sujeira moral, pois ao estar presente nos lares do povo brasileiro, derrama nele, gota a gota, por exemplo, a Ideologia do Gênero. O programa “Fantástico” nos últimos domingos e a próxima novela intitulada “A força do querer” têm como pauta essa arrasadora e malévola ideologia, que de feminismo não tem nada de autêntico.

A Ideologia do Gênero é um falso feminismo de matriz marxista, que destrói a dignidade das mulheres, tirando-lhes toda a beleza do gênio feminino, já que enquanto mulheres, esposas, mães, educadoras dos filhos, profissionais atuantes e não adversárias dos homens, elas são as verdadeiras construtoras de um mundo mais humanizado.

Com relação à novela citada, o economista Rodrigo Constantino, de forma corajosa, critica a falta de critério e de prudência cautelar dessa rede televisiva, que vendendo “a sua alma” aos ideólogos do gênero, acaba sendo a “picareta” de destruição da família, da integridade moral das crianças e jovens e, finalmente, da natural identidade sexual do ser humano.

Com muita clareza científica, esse economista, num recente artigo do seu blog, escreveu: “fazer da biologia uma tábula rasa é algo absurdo, irresponsável. Tem muito a ver, contudo, com os tempos modernos, a era das ideologias, do narcisismo sem limites, da perda de qualquer autoridade, até mesmo a da biologia”.

Dirigindo o olhar vigilante para outro lado, na penumbra de um tribunal superior, encontra-se em andamento a descriminalização do aborto até o terceiro mês, devido a uma iniciativa cruel do PSOL, um partido infectado de marxismo, que utilizando-se do anarquismo social e das ideias de Gramsci, assumiu, no vácuo da descrença popular do PT, a missão de trabalhar para o “bem da democracia brasileira”, atribuição de supina altivez e irreal.

Depois de promover em 2013 o anarquismo urbano, destruindo o patrimônio público e privado, o PSOL agora promove o anarquismo jurídico, solicitando, por meio de uma Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), o assassinato de uma pessoa em gestação, que seria “constitucional” se realizado até a décima segunda semana da gravidez.

Segundo esse partido “missionário do mal” em matéria de aborto, a criminalização desse ato “afeta desproporcionalmente mulheres negras e indígenas pobres, de baixa escolaridade e que vivem distantes de centros urbanos, onde os métodos para a realização do aborto são mais inseguros do que aqueles utilizados por mulheres com maior acesso à informação e poder econômico, resultando em uma grave afronta ao princípio da não discriminação”. 

Morre no Rio de Janeiro o liturgista e ex-assessor da CNBB frei Alberto Beckhäuser


Morreu nesta terça-feira (28), em Petrópolis (RJ), frei Alberto Beckhäuser, referência em Liturgia para o Brasil. O religioso de 81 anos estava internado no Hospital da Beneficência Portuguesa e sofria de câncer no pâncreas, diagnosticado em janeiro deste ano.

Frei Alberto foi membro da Comissão de Tradutores dos Textos Litúrgicos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), quando funcionava no Rio de Janeiro, entre 1967 e 1973. Mais de dez anos depois, o religioso voltou à CNBB como assessor da Comissão Episcopal para a Liturgia, entre 1986 e 1991. A partir de 1995 voltou a ser coordenador de Traduções e Edições de Textos Litúrgicos da entidade.

Trajetória

O religioso entrou para o seminário em 1948 e foi ordenado padre em dezembro de 1962. Logo em seguida mudou-se para Roma, onde fez a Licença e o Doutorado em Teologia com Especialização em Sagrada Liturgia no Pontifício Ateneu Anselmiano. 

A vida de frade foi dedicada praticamente à formação. Foram quase 50 anos de aulas de Liturgia, incluindo a formação litúrgica dos frades; cursos, encontros nacionais e internacionais de Liturgia. Até o diagnóstico da doença, no início de 2017, lecionava Liturgia no Instituto Teológico em Petrópolis, no Seminário Diocesano de Petrópolis e na Pós-graduação de Liturgia, em São Paulo. Desde 2002, lecionava Liturgia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Foram 35 anos de magistério e de animação da vida litúrgica, enfrentando os altos e baixos da reforma e da renovação litúrgica desejada pelo Concílio Vaticano II e promovidas a partir dele.

EUA: Pais vão à Justiça após recusa do Estado da Geórgia de registrar filha com sobrenome de 'Allah'


Um grupo de defensores dos direitos humanos nos Estados Unidos processou o estado da Georgia (sudeste) porque o mesmo se nega a permitir que um casal registre sua filha com o sobrenome “Allah”.

Elizabeth Handy e Bilal Walk querem que sua filha de quase dois anos se chame ZalyKha Graceful Lorraina Allah.

Mas as autoridades do Departamento de Saúde Pública sustentam que, sob as leis da Georgia, o sobrenome da menina deveria ser Handy, Walk ou uma combinação de ambos, informou o jornal The Atlanta Journal-Constitution.

A divisão na Georgia da União Americana de Liberdades Civis (Aclu) apresentou a ação contra o estado em 23 de março.

“O governo não tem a incumbência de dizer aos pais como podem e não podem chamar seus filhos”, disse a diretora-executiva da Aclu na Georgia, Andrea Young. 

Vivemos tempos difíceis


Caros fiéis,

Diante da gravidade do momento político, social, econômico e moral que vivemos nos últimos tempos e inspirados pelo testemunho do Evangelho, não podemos ficar calados. No conturbado ano de 2016, o nosso país deparou-se com uma avalanche de projetos e decisões do Congresso – alguns já implementados que claramente trarão em curto e médio prazos consequências graves para toda a sociedade brasileira, de modo especial para os trabalhadores e os pobres.

A crise econômica é apresentada como a grande vilã do momento, pela qual se justifica qualquer medida sócio-político-econômica. As medidas são impostas em pacotes prontos e fechados. O Congresso e o Senado servem apenas como fachada para dar legalidade ao que uma elite conservadora já decidiu de antemão: privilegiar o sistema financeiro e defender os interesses do grande capital. O preço é impor enormes sacrifícios aos mais pobres e desestruturar as condições de sobrevivência das pequenas empresas e da própria economia familiar.

Como a atenção da população está focada na crise econômica, é importante não nos distrairmos em relação a outros setores da vida social, tais como:

* a polêmica reforma do ensino médio,

* a redução da maioridade penal com medidas duras de imputar penalmente os adolescentes,

* a reforma da Previdência Social em tramitação no Congresso nestes dias, com consequências desastrosas para os empobrecidos no próximo futuro, e

* as alterações em leis trabalhistas conquistadas com luta e sangue de operários.

Infelizmente todas essas medidas apontam para sérios retrocessos em diversas conquistas que resultaram da mobilização de milhões de brasileiros e brasileiras desde tempos passados, como o da Constituinte, até os nossos dias.

É escandalosa a ascensão ao poder de pessoas de duvidosa reputação, sob suspeita de corrupção ou em adiantado processo de investigação, para ocupar cargos de alta responsabilidade no Legislativo, no Judiciário e no Executivo.

Assistimos a um grande recuo de iniciativas que resgatem a dignidade popular. Até propostas de lei de iniciativa popular, um grande avanço constitucional, são barradas no Congresso. Vozes inconformadas e clamor popular que manifestam insatisfação ou dissenso são apresentados pela mídia como elementos de estorvo e distúrbio diante da perspectiva de constituir uma nova ordem para salvar o país. Assim as leis e a governança não colocam a economia e a atividade política a serviço da pessoa humana e das suas necessidades básicas, pelo contrário a gestão da coisa pública e a aprovação de emendas parlamentares são pensadas para salvar um projeto de economia neoliberal que impõe pesos insuportáveis nos ombros dos mais pobres.

Outras questões graves nos preocupam: vemos aprovadas leis, varadas na calada da noite ou com canetadas do Judiciário, que desmantelam a família, negam dignidade ao nascituro e descaracterizam a concepção da identidade sexual da pessoa humana, ferindo profundamente a sensibilidade de grande maioria do povo brasileiro. Assim o Estado se dissocia da sociedade civil como um todo e não interpreta os seus anseios, pelo contrário é usado por grupos políticos e econômicos que dele se apossaram para sujeitá-lo a seus interesses. Na nossa região as consequências das medidas apresentadas são agravadas pela falência do Estado do Rio de Janeiro e a total ineficiência dos órgãos governamentais que dificulta possíveis parcerias com a iniciativa privada. 

A Santa Missa nos mínimos detalhes

A Missa é a maior, a mais completa e a mais poderosa oração da qual dispõe o cristão.

Nos dias de hoje, muitos irmãos e irmãs católicos ainda não sabem o verdadeiro significado e o valor de uma Santa Missa.   Alguns vão apenas por um sentido de obrigação ou convenção social, talvez imposta pelos pais na infância.   Grande parte deles acabam por abandonar a Igreja por acharem uma coisa repetitiva, desconhecendo o verdadeiro conteúdo de uma Celebração da Eucaristia.

Evangelizar também é ensinar o verdadeiro sentido dos sacramentos da Igreja e portanto, todo católico deve aprender a transmitir o sentido da Santa Missa aos seus parentes, familiares, amigos e vizinhos.  O bom cristão educa seus filhos na fé, fale de Deus à  todos e não tem medo ou vergonha de professar sua crença.

Muitos católicos não entendem que Deus realmente está presente na missa e fala diretamente conosco. É preciso tornar-se criança no sentido de inocência e humildade para participar bem e aproveitar todas as bençãos que provém dos céus durante a missa.   Ao entrarmos na igreja devemos deixar de lado os problemas e preocupações e nos  entregarmos totalmente nas mãos do Nosso Senhor.

Por que ir à Igreja?

O individualismo não tem lugar no Evangelho, pois a Palavra de Deus nos ensina a viver fraternalmente. O próprio céu é visto como uma multidão em festa e não como indivíduos isolados. A Igreja é o povo de Deus. Com ela, Jesus fez a Nova e Eterna Aliança no seu Sangue. A palavra Igreja significa Assembléia. É um povo reunido na fé, no amor e na esperança pelo chamado de Jesus Cristo.

A Missa foi sempre o centro da comunidade e o sinal da unidade, pois é celebrada por aqueles que receberam o mesmo batismo, vivem a mesma fé e se alimentam do mesmo Pão, a Eucaristia – que é a Verdadeira presença de Cristo: Corpo, Alma, Sangue e Divindade. Por outro lado, todos os fiéis formam um só “corpo”. São Paulo disse aos cristãos: “Agora não há mais judeu nem grego, nem escravo, nem livre, nem homem, nem mulher. Pois todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,28).

Gestos e atitudes

O homem é corpo e alma. Há nele uma unidade vital. Por isso ele age com a alma e com o corpo ao mesmo tempo. O seu olhar, as suas mãos, a sua palavra, o seu silêncio, o seu gesto , tudo é expressão de sua vida. Na Missa fazemos parte de uma Assembléia dos filhos de Deus, que tem como herança o Reino dos Céus. Por isso na Celebração Eucarística, não podemos ficar isolados, mudos, cada um no seu cantinho. A nossa fé, o nosso amor e os nossos sentimentos são manifestados através dos gestos, das palavras, do canto, da posição do corpo e também do silêncio.

Tanto o canto como o gesto, ambos dão força à palavra. A Oração não diz respeito apenas à alma do homem, mas ao homem todo, que é também corpo. O corpo é a expressão viva da alma. 

São Constantino


Rei de uma região da Inglaterra, casou-se, mas não assumiu seriamente esta aliança, tanto que deixou a esposa para se dedicar às guerras militares. Nesta aventura de poder e fama, ele – como São Paulo – ‘caiu do cavalo’. Era pagão, converteu-se ao Cristianismo e assumiu seriamente o chamado à santidade.

Entrou para um mosteiro irlandês e descobriu seu chamado ao sacerdócio. Junto com outro santo, percorreu muitas regiões da Inglaterra anunciando o nome de Jesus, que tem o poder de nos dar a vitória sobre o ‘homem velho’.

Constantino foi martirizado no ano de 598, atacado por pagãos duros de coração ante o Evangelho.


Deus eterno e todo-poderoso, que destes a São Constantino a graça de lutar pela justiça até a morte, concedei-nos, por sua intercessão, suportar por vosso amor as adversidades, e correr ao encontro de vós que sois a nossa vida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!


São Constantino, rogai por nós!

terça-feira, 28 de março de 2017

Sacerdote visita igreja destruída pelo ISIS: “O que está por trás de tudo é o demônio”.


O Pe. Luis Montes, sacerdote missionário do Instituto do Verbo Encarnado (IVE) no Iraque, visitou as cidades cristãs recentemente libertadas pelo Estado Islâmico (ISIS) e, em meio às ruínas, assegurou que “o que está por trás de tudo é o demônio”.

Em uma publicação feita em 24 de março em sua conta do Facebook, o Pe. Montes indicou: “Ontem pude visitar as cidades de Bartalla e Qaraqosh, tomadas pelo ISIS há 2 anos e libertadas recentemente”, depois do convite do Núncio no Iraque e na Jordânia, Dom Alberto Ortega.

Entrar na igreja de São Jorge na cidade de Bartalla, disse, “causa uma impacto muito forte ao ver o lugar santo queimado, vandalizado, profanado. Fiquei sem palavras ao ver o que tinha visto nas fotos e testemunhos. Fiquei impressionado”.

“Ao ver o chão, as paredes e os tetos cheios de cinzas, os bancos jogados em qualquer canto, as imagens quebradas, espalhadas, pisadas, os livros sagrados queimados, percebi de maneira muito forte o ódio que causou tudo isso, ódio que é resumido em uma frase: rechaço a Cristo e a sua cruz”.


O sacerdote, nascido na Argentina e há cinco anos em missão no, sublinhou que “o mesmo ódio que ataca os templos de Cristo ataca os templos vivos que são cristãos”.

“Não se conformam com subjugar, querem apagar toda a memória do Redentor, que desapareça da face da terra”, disse.

O Pe. Montes convidou “as pessoas que negam que os principais perseguidos são os seguidores de Cristo” a visitar “esses povos e comprovar como as casas queimadas foram sobretudo as dos cristãos, os cemitérios profanados foram os cristãos, os templos destruídos foram especialmente as igrejas”.

“Venham e vejam como ficou Qaraqosh e como, entretanto, não fizeram nada disso no povoado muçulmano que está ao lado”.

O sacerdote precisou que, embora o Estado Islâmico “ataque todos os que não pensam como eles, os primeiros somos os cristãos, porque o primeiro perseguido é Cristo”.

“Por isso, não devemos ser enganados, aqui há ódio teológico. O que está por trás de tudo isso é o demônio, por trás do ISIS e dos outros grupos jihadistas, e por trás das pessoas que os apoiam, alguns por um fanatismo semelhante e outros por vários interesses”. 

Vive triste, amargurado e lamentando-se sempre? Isto é o que o que diz o Papa Francisco


Ao comentar o Evangelho do dia em que Jesus cura um paralítico, o Papa Francisco disse que há muitas pessoas que vivem sempre tristes, lamentando-se de tudo e afetados pela preguiça, mas, se querem ser “curados”, só têm que escutar Jesus.

Na Missa desta manhã na Casa Santa Marta, explicou que Jesus pergunta ao doente: “Quer ficar curado?”. “É belo, Jesus sempre nos diz ‘Quer ficar curado? Quer ser feliz? Quer melhorar a sua vida? Quer estar cheio do Espírito Santo? Quer ficar curado?’ É a palavra de Jesus. Todos os outros que estavam ali – doentes, cegos, paralíticos – disseram: ‘Sim, Senhor, sim!’”.

“Mas aquele homem, estranho, respondeu a Jesus: ‘Senhor, não tenho ninguém que me leve à piscina quando a água é agitada. Quando estou chegando, outro entra na minha frente’. Sua resposta é uma lamentação: ‘Veja, Senhor, como é ruim e injusta a vida comigo. Todos os outros podem entrar e se curar e eu tento há 38 anos, mas não acontece nada’”.

O Papa explicou que “era como a árvore plantada nos braços de um rio, como diz o primeiro Salmo, ‘mas tinha as raízes secas’ e ‘as raízes não tocavam a água, não podiam extrair saúde das águas’”.

“Isto se entende pelo comportamento, pelas lamentações... sempre tentando dar a culpa ao outro: ‘Mas são os outros que vão antes de mim, eu sou um coitadinho que está aqui há 38 anos’. Este é um pecado feio, o pecado da preguiça, que é pior do que ter o coração morno, bem pior”.

“É viver, mas ‘viver sem vontade de ir avante, de fazer alguma coisa na vida; é perder a memória da alegria. Este homem não conhecia nem de nome a alegria, a havia perdido. Isto é pecado, é uma doença muito ruim. ‘Mas eu estou bem assim, me acostumei. A vida foi injusta comigo’. Sente-se o ressentimento, a amargura do seu coração”.

Então Jesus lhe disse: “Levanta-te, pega a tua cama e anda’. O paralítico se cura; mas era sábado, os Doutores da Lei lhe dizem que não lhe é permitido carregar a cama e lhe perguntam quem o havia curado naquele dia. ‘É contra a lei, este homem não é de Deus’”. 

Músico católico Martín Valverde sofre acidente de carro junto com sua família


O famoso músico católico Martín Valverde sofreu um acidente de carro ontem, em Guadalajara (México), junto com a sua esposa Lizzy e o seu filho Jorge Pablo.

Segundo informou em um vídeo no Facebook o também músico Kiki Troia, depois de conversar com os médicos que atendem a família Valverde, “os prognósticos de todos é encorajador, mas ainda não chegam a fazer estudos”.

“Os três estão conscientes, um pouco doloridos, sobretudo Martín que está com o pescoço dolorido”, disse Troia e explicou que os médicos “fizeram tomografias” e “estão descartando questões graves”.

“Até agora não encontraram nada grave em nenhum dos três, embora o acidente tenha sido muito violento, foi muito forte”, assinalou.