terça-feira, 31 de maio de 2016

Deputado cobra posicionamento da Comissão de Direitos Humanos da AL sobre o monólogo Histórias Compartilhadas apresentado na UFC


O deputado Carlos Matos (PSDB) cobrou, no primeiro expediente da sessão plenária desta terça-feira, dia 31, esclarecimentos à Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia sobre o monólogo Histórias Compartilhadas, apresentado durante um seminário sobre gênero e sexualidade da Universidade Federal do Ceará – UFC.

O parlamentar informou que irá elaborar um requerimento solicitando que a Comissão convide a representação da UFC à Assembleia Legislativa-AL para prestar esclarecimentos sobre a peça, bem como sobre a nota publicada pelo reitor da instituição. “Queremos saber se os direitos humanos estão sendo respeitados ou não. Há fortes indícios de ofensa ao Código Penal e tal fato não pode ser acobertado ou negligenciado pela universidade”, afirmou.

Ao homem não bastou matar o Cristo


“Escrevi para ele os grandes ensinamentos da minha lei, 
mas estes foram tratados como uma coisa estranha” (Oséias 8,12).

Ao homem não bastou matar o Cristo. Ao homem, aliado ao pecado, cego pelas tentações, distorções e dissimulações do diabo o anjo caído, o príncipe deste mundo, agenciador do pecado original não bastou perseguir, agredir e matar o Cristo.

Além disso, o homem quis e quer: continuar não crendo n’Ele; ofendê-Lo, ridicularizá-Lo, blasfemar Seu nome; perseguir, ofender e ridicularizar (quando não matar) também todos aqueles que n’Ele creem, desde então. Não apenas isso, mas, também, por outro lado, “adorá-Lo” com fanatismo e violência, distorcer suas palavras e mensagens para interesses próprios e/ou maldosos, atribuir práticas humanamente rígidas (assim como discursos humanamente adoecidos) ao seu Nome Divino…

E as distorções são tantas, que o mundo do pecado, aliado ao diabo ou cegado por este, vê como se fossem certas sobre Ele todas as distorções, e vê como distorção tudo o que é certo e ortodoxo sobre Ele: pois é isso que o diabo e o pecado fazem, distorcem a mente, os olhos e o espírito dos homens, ainda não agraciados com o despertar da fé.

A fé, por sua vez, remove imediatamente (ou gradativamente) do nosso olhar as lentes distorcidas do pecado, e nos torna então (mais) aptos a perceber a presença verdadeira, libertadora e transformadora de Deus, de que passamos a cuidar e que desejamos, e a presença do pecado, que passamos rejeitar e a evitar.

As distorções se espalham, neste mundo, com muito maior rapidez e intensidade do que as percepções e coisas retas, diretas e claras. De modo que os homens não conseguem mais ver com retidão, e esta é uma consequência agradável ao diabo, pois os homens que não conseguem ver com clareza desenvolvem uma dificuldade quase cristalizada, endurecida, de enxergar a real presença de Deus na vida e reconhecê-Lo, como o Criador que ainda cuida de nós e nos orienta, cuja orientação é a Verdade, que os homens ainda tomados pela constituição do pecado rejeitam e negam e assim se tornam vulneráveis às influências malignas, obscurecedoras da vida interna e externamente. Onde seria possível ver a Verdade, eles veem mentira; e onde seria possível (e necessário) ver a mentira enquanto tal, eles aderem a ela como a mais desejável das verdades.

Sim, povo católico, vamos falar de estupro. Mas vamos falar de você também !


Todos nós estamos horrorizados com a desgraça ocorrida nesta última semana em que uma menina foi violentada por mais de 30 homens. É algo gravíssimo que deve trazer preocupação a todos nós. Agora, eu diria que tão grave quanto, é a reação da nossa sociedade diante dos fatos.

Algumas feministas (as “feminazi” de sempre) se apropriaram do caso e estão aproveitando a ocasião para falar as coisas de sempre: que os homens são “opressores", “estupradores em potencial” e que “a sociedade é machista”. Tenho medo de pensar em quanto estão torcendo para que essa menina esteja grávida e tudo se torne mais um “case” de sucesso para o aborto.

Por outro lado, a galera mais liberal, apesar de entender a gravidade, coloca a garota não apenas como vítima, mas como uma das “provocadoras” do problema. Pensa em punições maiores, em castração química e, também tenho medo de pensar, parece torcer para que os supostos estupradores (supostos porque ainda não foram condenados) sejam presos e devidamente “punidos” dentro da carceragem.

Bem. O fato é que pra onde a gente olha, vê barbárie. Aliás, diante do que aconteceu, sequer importa se houve ou não um consentimento. Mas quem tem a razão? Acho que ninguém. Não tem mocinho nessa história e todas essas atrocidades me parecem o cartão de visitas de uma sociedade que não tem mais Cristo como centro e nem a família como base.

Sim. A família é a raiz do problema. Não estamos falando de um crime isolado, estamos falando de moralidade, de valores. Uma semana antes, estava vendo a mesma coisa acontecer dentro de festas mostradas pelo “Profissão Reporter” da Rede Globo: duas garotas de 14 anos faziam sexo com rapazes desconhecidos dentro de carros e uma delas ainda disse que passaria a noite na casa de um deles. Onde estão as famílias dessas pessoas? Por que permitem isso?

Hóstias consagradas que foram roubadas em igreja são devolvidas, no Perú.


Por volta das 3 horas da manhã de quinta-feira de Corpus Christi, cerca de sete homens entraram com armas na Paróquia de Santa Maria, localizada na Villa Maria do Triunfo, pertencente à Diocese de Lurin, ao sul de Lima (Peru). Os assaltantes invadiram e encontraram um trabalhador que estava guardando o templo, o renderam apontando armas, e roubaram o equipamento de som e os vasos sagrados da paróquia, incluindo a chave do sacrário e duas âmbulas com o Corpo de Cristo e ainda a Hóstia Magna com a teca e o ostensório.

Conforme disse o pároco ao site InfoCatólica, o alarme foi dado quando uma menina que estava no hospital retornava para a casa em que estava hospedada na paróquia. Ao chegar ao local, a irmã que acompanhava a menina gritou e os ladrões fugiram em três veículos.

Na quinta-feira, na mesma hora em que os fiéis ​costumavam unir-se ​para realizar a adoração eucarística na paróquia, uma Missa de reparação foi celebrada, e a notícia rapidamente se espalhou através de redes sociais. Só no Facebook, em poucas horas, a publicação do pároco foi compartilhada 150 vezes, com muitas replicações secundárias. Muitos grupos no Perú e no exterior comprometeram-se a fazer correntes de oração, e o Bispo de Lurin, Monsenhor Carlos Garcia Camader, aconselhou o pároco a confiar esta situação às almas do purgatório.

Dois dias depois, às 21h, o padre recebeu um telefonema de uma mulher em seu celular pessoal. A chamada era para avisar que no domingo, no dia em que é comemorado Corpus Christi no Perú, iria alguém à paróquia para devolver as hóstias consagradas por volta das 3h da manhã, mas pediu que não houvesse ninguém na área.

Maria engrandece o Senhor que age nela




Minha alma engrandece o Senhor e exulta meu espírito em Deus, meu Salvador (Lc 1,46). Com estas palavras, Maria reconhece, em primeiro lugar, os dons que lhe foram especialmente concedidos; em seguida, enumera os benefícios universais com que Deus favorece continuamente o gênero humano.

Engrandece o Senhor a alma daquele que consagra todos os sentimentos da sua vida interior ao louvor e ao serviço de Deus; e, pela observância dos mandamentos, revela pensar sempre no poder da majestade divina. Exulta em Deus, seu Salvador, o espírito daquele que se alegra apenas na lembrança de seu Criador, de quem espera a salvação eterna.

Embora estas palavras se apliquem a todas as almas santas, adquirem contudo a mais plena ressonância ao serem proferidas pela santa Mãe de Deus. Ela, por singular privilégio, amava com perfeito amor espiritual aquele cuja concepção corporal em seu seio era a causa de sua alegria.

Com toda razão pôde ela exultar em Jesus, seu Salvador, com júbilo singular, mais do que todos os outros santos, porque sabia que o autor da salvação eterna havia de nascer de sua carne por um nascimento temporal; e sendo uma só e mesma pessoa, havia de ser ao mesmo tempo seu Filho e seu Senhor.

O Poderoso fez em mim maravilhas, e santo é o seu nome! (Lc 1,49). Maria nada atribui a seus méritos, mas reconhece toda a sua grandeza como dom daquele que, sendo por essência poderoso e grande, costuma transformar os seus fiéis, pequenos e fracos, em fortes e grandes.

Logo acrescentou: E santo é o seu nome! Exorta assim os que a ouviam, ou melhor, ensinava a todos os que viessem a conhecer suas palavras, que pela fé em Deus e pela invocação do seu nome também eles poderiam participar da santidade divina e da verdadeira salvação. É o que diz o Profeta: Então, todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo(Jl 3,5). É precisamente este o nome a que Maria se refere ao dizer: Exulta meu espírito em Deus, meu Salvador.

Por isso, se introduziu na liturgia da santa Igreja o costume belo e salutar, de cantarem todos, diariamente, este hino na salmodia vespertina. Assim, que o espírito dos fiéis, recordando frequentemente o mistério da encarnação do Senhor, se entregue com generosidade ao serviço divino e, lembrando-se constantemente dos exemplos da Mãe de Deus, se confirme na verdadeira santidade. E pareceu muito oportuno que isto se fizesse na hora das Vésperas, para que nossa mente fatigada e distraída ao longo do dia por pensamentos diversos, encontre o recolhimento e a paz de espírito ao aproximar-se o tempo do repouso.



Das Homilias de São Beda, o Venerável, presbítero 
(Lib. 1,4: CCL 122,25-26.30)                (Séc.VIII)

O que é o Purgatório?


A Igreja ensina que algumas pessoas depois de morrer precisam purificar-se de seus pecados.

1 – O Purgatório é um estado no qual as almas dos defuntos passam por um processo de purificação para chegar á santidade necessária e entrar na alegria do Céu. É a ultima oportunidade que Deus concede ás pessoas para que obtenham a comunhão plena com Ele. Assim, o Purgatório é a ultima conversão, na morte.

A forma de viver de cada pessoa não é irrelevante. A morte não é uma borracha que simplesmente apaga todo o mal feito e o pecado cometido. São raros os que, na morte, estão purificados de tal forma que podem entrar diretamente na santidade de Deus. A graça salvadora de Deus não dispensa a da justiça.

Quando uma pessoa morre, sua opção de vida se torna definitiva. Podem existir pessoas que tiveram uma vida puríssima, morrendo na graça e na amizade com Deus, estando totalmente purificadas. A Igreja ensina que essas pessoas vão diretamente para o Céu.

No extremo oposto, podem existir outros que havendo cometido faltas muito graves, sem se arrependerem nem acolhido o amor misericordioso de Deus. Estes passariam ao estado de auto exclusão definitiva da comunhão com Deus, chamada Inferno.

Observando ambas as situações, não é difícil se dar conta de que nenhuma das duas é mais comum. O coração do homem vive constantemente em uma luta ante suas limitações e negações para acolher o amor de Deus de forma plena.

Em sua carta SPE SALVI, o Papa Bento XVI reconhece que na maioria dos homens “fica no mais profundo de seu ser uma ultima abertura interior á verdade, ao amor, a Deus”.

“Mas nas ocupações concretas da vida, esta abertura tem se fechado por novos compromissos com o mal; existe muita sujeira que recobre a pureza, a que, no entanto, fica fechada” (n.45).

2 – Inclusive aqueles que buscam viver sua vida em amizade com Deus não estão totalmente isentos de apresentar inclinações desordenadas, falhas em sua constituição humana, ou seja, características incompatíveis com a santidade de Deus.

Quantas vezes o que chamamos virtude não é mais que um culto ao próprio “eu”; quantas vezes a prudência não é nada mais além de uma forma de covardia; a virilidade, arrogância; parcimônia, ganância; e a caridade, uma forma de resíduos (Schamus, “Katholische Dogmatik” IV 2). Quantas vezes em nossos corações não há nada além de egoísmo, orgulho, vaidade, negligência, infidelidade…

Então pergunta o Papa: “O que acontece com essas pessoas quando se apresentam ao Juiz? Toda a sujeira que acumularam em suas vidas, de repente se tornará irrelevante?” (n.44).

O Papa tem em mente aqui a questão da justiça. A graça de Deus- seu socorro gratuito-, que salva o homem, não exclui a justiça. A graça não é uma borracha que apaga tudo o que se fez de mal no mundo, de modo que no final, tudo tenha o mesmo valor (n.44).

A compenetração entre a graça e a justiça ensina que “nossa forma de viver não é irrelevante”, ou seja, que o mal que cometemos e o pecado dos homens não é simplesmente esquecido.

O ensinamento católico considera que o ser humano, na morte, ainda tem uma chance para se purificar e chegar ao grau de santidade necessário para entrar no Céu. O Purgatório é exatamente esse estado no qual as almas dos fies defuntos de purificam. Não é uma câmara de tortura e nem deve causar medo. O Purgatório é uma ultima oportunidade para a pessoa se fazer plena e evoluir até as ultimas possibilidades de seu ser.

O mal do mundo e de nossos corações não fica simplesmente esquecido com a morte. Deus não é somente graça, mas também é justiça. E toda pessoa, estando dotada de liberdade, é no final responsável por suas decisões e atitudes. 

Santa Camila Batista de Varano


Camila era filha primogênita do príncipe Júlio de Varano, fruto de uma aventura amorosa com uma nobre dama da corte. Nasceu em 09 de abril de 1458. Cresceu bela, inteligente, caridosa e piedosa. Tinha uma personalidade sedutora e divertida, apreciava dançar e cantar. Ainda criança, depois de ouvir uma pregação sobre a Paixão de Jesus Cristo fez um voto particular: derramar pelo menos uma lágrima todas as Sextas-feiras, recordando todos os sofrimentos do Senhor. Porém, tinha dificuldade para conciliar o voto à vida divertida que levava, quando não conseguia vertê-la sentia-se mal toda a semana. Aos dezoito anos sentiu o chamado para a vida religiosa, mas seu pai não permitiu. Camila ficou sete meses doente por causa disso. Seu pai fez de tudo, mas ela não desistiu. Após dois anos, acabou consentindo. Assim, aos vinte e três anos, em 1481, ingressou no mosteiro das Clarissas, e tomou o nome de Irmã Batista. Os anos que se sucederam foram de grandes experiências místicas para Camila Batista, sempre centradas na Paixão e Morte de Jesus Cristo. Escreveu o famoso livro "As dores mentais de Jesus na sua Paixão", que se tornou um guia de meditação para grandes Santos. Morreu com fama de santidade, em 31 de maio de 1524. 


Querido e bom Deus, dai-nos, pela intercessão de santa Camila, a graça de perseverar no vosso amor e ser instrumento de paz e de amor no meio da humanidade. Concedei-nos ser fervorosos participantes da Eucaristia e zelar pelo anúncio do Reino. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

Visitação de Nossa Senhora


Após a anunciação do anjo, Maria sai (apressadamente, diz S. Lucas) para fazer uma visita à sua prima Isabel e prestar-lhe serviços que vão à Jerusalém, passa a Samaria e atinge Ain-Karin, na Judéia, onde mora a família de Zacarias. É fácil imaginar o sentimentos que povoam sua alma na meditação do mistério anunciado pelo anjo. São sentimentos de humilde gratidão para com a grandeza e bondade de Deus, que Maria expressará na presença da prima com o hino do Magnificat, a expressão “do amor jubiloso que canta e louva o amado” (diz S. Bernardino de Sena): “A minha alma engrandece o Senhor, e o meu espírito exulta em Deus, meu Salvador…” A presença do Verbo encarnado em Maria é causa de graça para Isabel que, inspirada, percebe os grandes mistérios que se operam na jovem prima, a sua dignidade de Mãe de Deus, a sua fé na palavra divina e a santificação do precursor, que exulta de alegria no ventre da mãe. Maria ficou com Isabel até o nascimento de João Batista, aguardando provavelmente outros oito dias para o rito da imposição do nome. Aceitando esta contagem do período passado junto com a prima Isabel, a festa da Visitação, de origem franciscana (os frades menores já a celebravam em 1263), era celebrada a dois de julho, isto é, ao término da visita de Maria. Teria sido mais lógico colocar a memória depois do dia 25 de março, festa da Anunciação, mas procurou-se evitar que caísse no período quaresmal.

A festa foi depois estendida a toda a Igreja Latina pelo papa Urbano VI para propiciar com a intercessão de Maria a paz e a unidade dos cristãos divididos pelo grande cisma do Ocidente. O sínodo de Basiléia, na sessão do 1º de julho de 1441, confirmou a festividade da Visitação, não aceita, no início pelos Estados que defendiam o antipapa. O atual calendário litúrgico, não levando em conta a cronologia sugerida pelo episódio evangélico, abandonou a data tradicional de 2 de julho (antigamente a Visitação era celebrada também em outras datas) para fixar-lhe a memória no último dia de maio, como coroação do mês que a devoção popular consagra ao culto particular da Virgem. “Na Encarnação – comenta são Francisco de Sales – Maria se humilha confessando-se a serva do Senhor… Porém, Maria não fica só na humilhação diante de Deus, pois sabe que a caridade e a humildade não são perfeitas se não passam de Deus ao próximo. Não é possível amar Deus que não vemos, se não amamos os homens que vemos. Esta parte realiza-se na Visitação.”

Virgem Maria, Mãe de Jesus e minha querida Mãe, invocando-vos sob o título de “Nossa Senhora da Visitação”, vos peço que assim como visitantes vossa prima Isabel, venha visitar minha família, pois estamos necessitando de muitas graças que certamente com vossa visita as receberemos. Que com vosso exemplo possamos ser mais caridosos com nossos irmãos indo visitá-los e confortá-los em suas necessidades. Obrigado Mãe, pelo vosso amor para conosco. Amém.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Verdade, ódios gratuitos e caridade


Há pouco mais de quatro anos, portanto muito antes dos ânimos políticos se polarizarem ao máximo no nosso País, um pesquisador a quem tenho grande respeito me chamava a atenção para uma realidade cada vez mais presente na nossa sociedade – o ódio gratuito. Certamente esta não deve ser a primeira – e possivelmente nem a última – onda de ódio da nossa sociedade e provavelmente algum sociólogo tenha alguma explicação mais profunda sobre o fato, mas o que é certo é a presença deste ódio, cada vez mais acirrado. Não falo apenas nas chamadas redes sociais, mas em todos os âmbitos. Minha pergunta – ou minhas perguntas – aqui não são de cunho sociológico, mas de cunho evangélico – através desse ódio é que imitaremos a Cristo? Existe um equilíbrio entre a denúncia profética e a caridade cristã?

Não creio que tenho resposta definitiva a essas perguntas, mas gostaria de fazer algumas reflexões. Em uma conversa recente, alguém tentava me convencer de que esta é a posição própria de um cristão – denunciar com força – sendo que o diálogo e a escuta com quem cremos estar errado seria um sinal de fraqueza. Evocava inclusive a passagem bíblica da expulsão dos vendilhões do Templo por Jesus para embasar sua posição na Sagrada Escritura. Fiquei dias pensando sobre o tema, mas não consigo enxergar Jesus de um modo frequentemente raivoso. É evidente que Ele pegou realmente no chicote, mas isso aconteceu – até onde sabemos – apenas uma vez na sua vida. Jesus sofreu muito com as misérias dos Apóstolos e os repreendia com força, mas ao mesmo tempo com a delicadeza de quem quer demonstrar seu amor. As atitudes hipócritas dos fariseus e saduceus talvez tenham sido as atitudes que mais incomodaram ao Senhor, mas ainda criticando com força, Jesus sempre parece deixar um apelo à conversão. Mesmo as vezes que, sem êxito, tentaram matá-lo, Ele não parece estar cheio de ira. Sim, uma vez pegou no chicote e expulsou os vendilhões do Templo, mas somente uma vez.

Não estou dizendo que a atitude de Cristo seja – em nenhum momento – conivente com o mal ou com o pecado, ou que Cristo seja um paradigma da atual ditadura do relativismo. Nada mais longe de Cristo do que uma atitude meramente passiva. O que vejo é mais uma atitude de real preocupação com cada pessoa, vendo o interior profundo de cada alma. Para Jesus não parece existir fariseus, mas pessoas concretas a quem Ele desejava converter – tanto é assim que Nicodemos tornou-se seu discípulo. Para Jesus não existiam samaritanas com problemas conjugais, mas aquela Samaritana a quem Ele dedica tempo e amor para converter – e ela como discípula converte todo o povoado. Para Jesus o que importa é cada pessoa.

Homilética: Sagrado Coração de Jesus – Ano C: «Põe-na alegremente aos ombros».


A liturgia deste dia convida-nos a contemplar a bondade, a ternura e a misericórdia de Deus pelos homens – por todos os homens, sem exceção. Como imagem privilegiada para exprimir esta realidade, a Palavra de Deus utiliza a figura do Pastor: Deus é o Pastor que, com amor, cuida do seu rebanho.

1ª Leitura: Ez 34,11-16

A primeira leitura apresenta Deus como um “bom pastor” (contraposto aos líderes de Israel, os “maus pastores” que conduziram o Povo por caminhos de egoísmo e de morte), cuja preocupação fundamental é o bem-estar do seu rebanho; nesse contexto, o profeta anuncia a obra do Pastor/Deus: libertação do rebanho/Povo, o êxodo para a terra da liberdade, a condução do rebanho para “pastagens excelentes” e os cuidados amorosos que o Pastor dispensará a cada uma das suas ovelhas.

O tema fundamental deste texto é, portanto, a apresentação de Deus como um “bom pastor”, que cuida com amor do rebanho que é o seu Povo.

O nosso texto começa por apresentar a iniciativa de Deus, que “em pessoa” vem ao encontro do Povo escravizado (vers. 11: “Eu próprio tomarei cuidado das minhas ovelhas”). Apesar do pecado do Povo, Deus não abandonou o seu rebanho: até no Exílio os membros do Povo continuam a ser, para Deus, “as minhas ovelhas”.

Qual é o objetivo de Deus ao vir ao encontro das suas ovelhas? É libertá-las da escravidão, reuni-las e conduzi-las de regresso à terra prometida (vers. 12-13b). Tudo isto é descrito segundo o esquema do êxodo: saída e entrada. Deus quer repetir a maravilhosa iniciativa libertadora do êxodo do Egito, trazendo novamente o seu Povo da terra da escravidão para a terra da liberdade.

Com a chegada dos exilados à terra da liberdade, estará terminada a ação de Deus? Não. Mesmo depois de as ovelhas terem reencontrado a sua terra, o pastor (Deus) continuará a dispensar-lhes os seus cuidados… As imagens utilizadas (vers. 13c-15) sublinham, por um lado, a abundância de vida, por outro lado, a tranquilidade e a paz que Deus Se propõe dar – em todos os momentos – ao seu “rebanho”.

A ação salvadora e amorosa de Deus concretizar-se-á, ainda, na solicitude com que Ele tratará as ovelhas perdidas, desgarradas, feridas, enfermas (vers. 16). Aí manifestar-se-á a “justiça” de Deus que é amor, solicitude, ternura, misericórdia para com os mais pobres, marginalizados e débeis.

Comissão da OAB convoca reunião extraordinária para discutir ato com objeto religioso realizado na UFC


A comissão de Liberdade Religiosa da Ordem dos Advogados do Brasil -OAB, secção Ceará, deliberou  para que fosse realizada uma reunião extraordinária nesta terça-feira, dia 31, às 16h,  onde será apreciado o primeiro pedido de providências que duas advogadas fizeram à Comissão em face de uma peça apresentada na Universidade Federal do Ceará -UFC, em que um ator semi-nu faz um corte em si e derrama o sangue sobre uma imagem de Jesus Cristo.

O blog conversou com o presidente da comissão, o advogado Robson Sabino. “Na reunião, será analisada a atitude do ator e se encontra amparo em seu direito a Liberdade de expressão ou se este limite foi ultrapassado, e a imagem de Jesus Cristo, expressão de Fé de milhares de cristãos foi vilipendiada”.

Ainda segundo o advogado, “algo que deve ser debatido e analisado seria a razão da imagem de Jesus Cristo na Peça. Não se pode chamar atenção às custas das crenças das pessoas. Um fato que chamou atenção foi a reapresentação da peça, mesmo após críticas, noutro espaço público”.

“Deixa-me o coração triste ver um horário nas paróquias: «Da hora tal até tal hora». E depois? Porta fechada; não há padre, nem diácono, nem leigo que receba as pessoas…”, diz Papa.




JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA
JUBILEU DOS DIÁCONOS

HOMILIA DO PAPA FRANCISCO
Praça São Pedro
Domingo, 29 de Maio de 2016


«Servo de Cristo» (Gal 1, 10). Ouvimos esta expressão, que o apóstolo Paulo usa para se definir a si mesmo, quando escreve aos Gálatas. No início da carta, tinha-se apresentado como «apóstolo», por vontade do Senhor Jesus (cf. Gal 1, 1). Os dois termos, apóstolo e servo, andam juntos, e não podem jamais ser separados; são como que as duas faces duma mesma medalha: quem anuncia Jesus é chamado a servir, e quem serve anuncia Jesus.

O primeiro que nos mostrou isto mesmo foi o Senhor: Ele, a Palavra do Pai, Ele que nos trouxe a boa-nova (cf. Is 61, 1), Ele que em Si mesmo é a boa-nova (cf. Lc 4, 18), fez-Se nosso servo (Flp 2, 7) «não veio para ser servido, mas para servir» (Mc 10, 45). «Fez-Se diácono de todos», como escreveu um Padre da Igreja (São Policarpo, Ad Philippenses V, 2). E como Ele fez, assim são chamados a fazer os seus anunciadores, «cheios de misericórdia, de zelo, caminhando segundo a caridade do Senhor que Se fez servo de todos» (ibid.). O discípulo de Jesus não pode seguir um caminho diferente do do Mestre, mas, se quer levar o seu anúncio, deve imitá-Lo, como fez Paulo: almejar tornar-se servo. Por outras palavras, se evangelizar é a missão dada a cada cristão no Batismo, servir é o estilo segundo o qual viver a missão, o único modo de ser discípulo de Jesus. É sua testemunha quem faz como Ele: quem serve os irmãos e as irmãs, sem se cansar de Cristo humilde, sem se cansar da vida cristã que é vida de serviço.

Mas por onde começar para nos tornarmos «servos bons e fiéis» (cf. Mt 25, 21)? Como primeiro passo, somos convidados a viver na disponibilidade. Diariamente, o servo aprende a desprender-se da tendência a dispor de tudo para si e de dispor de si mesmo como quer. Treina-se, cada manhã, a dar a vida, pensando que o dia não será dele, mas deverá ser vivido como um dom de si. De facto, quem serve não é um guardião cioso do seu tempo, antes renuncia a ser senhor do seu próprio dia. Sabe que o tempo que vive não lhe pertence, mas é um dom que recebe de Deus a fim de, por sua vez, o oferecer: só assim produzirá verdadeiramente fruto. Quem serve não é escravo de quanto estabelece a agenda, mas, dócil de coração, está disponível para o não-programado: pronto para o irmão e aberto ao imprevisto, que nunca falta sendo muitas vezes a surpresa diária de Deus. O servo está aberto à surpresa, às surpresas diárias de Deus. O servo sabe abrir as portas do seu tempo e dos seus espaços a quem vive ao seu redor e também a quem bate à porta fora do horário, à custa de interromper algo que lhe agrada ou o merecido repouso. O servo não se cinge aos horários. Deixa-me o coração triste ver um horário nas paróquias: «Da hora tal até tal hora». E depois? Porta fechada; não há padre, nem diácono, nem leigo que receba as pessoas… Isto faz doer o coração. Deixai cair os horários! Tende a coragem de pôr de lado os horários. Assim, queridos diáconos, vivendo na disponibilidade, o vosso serviço será livre de qualquer interesse próprio e evangelicamente fecundo.

Mais duas igrejas católicas foram queimadas no Chile


Pouco mais das 22h30 (hora local) da quarta-feira, 25 de maio, desconhecidos queimaram quase ao mesmo tempo duas igrejas católicas: a capela Santo Antônio na localidade de Vilcún e a capela João Paulo II em Padre Las Casas, ambas na Região de La Araucanía, no sul do Chile, a 700 quilômetros da capital.

Os templos que ficaram totalmente queimados, estavam localizados a 70 quilômetros um do outro. Nos dois casos houve disparos antes que começassem os incêndios.

Nos dois lugares tinham colocado cartazes pedindo a libertação de “machi” Francisca Linconao e de outras 10 pessoas, acusadas de participar do incêndio no qual morreu o casal de empresários Werner Luchsinger e Vivianne Mackay, em janeiro de 2013.

No povoado mapuche no Chile, a machi costuma ser uma mulher que tem o papel de médica, religiosa, conselheira e protetora.

Um dos pedidos dos cartazes foi assinado pelo grupo "Weichan Auka Mapu" (Luta do território rebelde), que no dia 20 de abril denunciou mais de 40 casos de violência registrados desde 2013 nas regiões de Biobío, La Araucanía e Los Rios.

A respeito do atentado da capela João Paulo II, o sacerdote encarregado, Pe. Francisco Peralta, disse ao Grupo ACI que “estão fazendo muito pouco com relação à segurança” e que o governo deve “garantir a tranquilidade e o nosso bem-estar”.

“É um dano tremendo à comunidade que se reúne e mora nesta região. É um dano aos próprios irmãos mapuches, porque estão se atacando entre eles mesmos”, acrescentou.

Por último, qualificou que os atos “são de muita covardia porque atacam lugares isolados. É muito fácil colocar um gorro e acender o fogo”.

O motivo de toda perturbação vem de que ninguém se acusa a si mesmo




Indaguemos, irmãos, por que acontece tantas vezes que, ao escutar alguém uma palavra desagradável, vai-se sem qualquer aborrecimento, como se não a houvesse ouvido; enquanto que, em outras ocasiões, mal a ouve, logo se perturba e se aflige? Donde será esta diferença? Terá um motivo só ou vários? Noto haver muitas razões e causas, mas uma é a principal que gera as outras, como alguém já disse. Isto provém por vezes da própria situação em que se encontra a pessoa. Se está em oração ou contemplação, sem dificuldade suporta o irmão injurioso e continua tranquilo. Outras vezes, pelo grande afeto que sente por um irmão, tudo tolera com toda a paciência pela amizade que lhe tem. De outras também, por desprezo, quando faz pouco caso e desdenha quem tenta perturbá-lo, nem se digna olhar para ele como ao mais desprezível de todos, nem dar-lhe uma palavra em resposta, nem mesmo referir a outrem suas injúrias e maledicências.

Não se perturbar ou afligir-se, como disse, vem de que se despreza e não se faz caso do que dizem. Ao contrário, aborrecer-se e incomodar-se com as palavras do irmão resulta de não se encontrar em boas condições ou de odiar esse irmão. Existem muitas outras razões para este fato, ditas de diversos modos. Mas a causa de toda perturbação, se bem a procurarmos, está em que ninguém se acusa a si mesmo.

Daí provém todo aborrecimento e aflição. Daí não termos às vezes nenhum sossego. Nem é de se admirar porque, como aprendemos de homens santos, não nos foi dado outro caminho para a tranquilidade. Que assim é, nós o vimos em muitos. Negligentes e amantes da vida cômoda, esperamos e acreditamos andar pelo caminho reto, apesar de impacientíssimos em tudo, sem nunca querer acusar-nos a nós mesmos.

É isto o que acontece. Por mais virtudes que alguém possua, ainda mesmo inúmeras e infinitas, se abandonar este caminho, jamais terá sossego, mas sempre estará perturbado ou perturbará a outros e perderá todo o trabalho.



Das Instruções de São Doroteu, abade
(Doct. 7, De accusatione sui ipsius, 1-2: PG88, 1695-1699)
(Séc.VI)