quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Presidente dos bispos dos EUA promete ação depois de carta do Papa sobre abusos


O Arcebispo de Galveston-Houston e presidente da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB), Cardeal Daniel DiNardo, agradeceu ao Papa Francisco pela sua "Carta ao Povo de Deus" na qual condena os abusos sexuais cometidos durante sete décadas pelos sacerdotes neste país.

“Agradeço ao Santo Padre pela sua Carta ao Povo de Deus, em resposta à investigação do grande júri da Pensilvânia e outras revelações que surgiram”, disse o Cardeal DiNardo em um comunicado emitido pela USCCB.

"O simples fato de começar a carta com as palavras de São Paulo: ‘Um membro sofre? Todos os outros membros sofrem com ele’, mostra que escreve a todos nós como pastor, pastor que sabe quão profundamente o pecado destrói vidas", acrescentou.

Em sua carta, o Papa Francisco chamou a Igreja universal a "um exercício penitencial de oração e jejum".

Respondendo a esse apelo, o Cardeal DiNardo disse que as palavras do Santo Padre pareciam especialmente úteis e, por isso, "devem provocar a ação, especialmente dos bispos".

"Os bispos precisamos, e devemos fazer isto, praticar com toda humildade a oração e a penitência", assegurou.
Na segunda-feira, 20 de agosto, o porta-voz vaticano Greg Burke disse que “é significativo que o Papa defina o abuso um crime, não somente um pecado” e que, enquanto pedia perdão, reconheceu “que nenhum esforço feito para reparar o mal feito será suficiente nem para as vítimas” e que as “feridas provocadas pelos abusos nunca serão curadas".

O Cardeal DiNardo reconheceu a necessidade de uma resposta sincera e espiritualmente comprometida com a crise do abuso.

"O Santo Padre também convida, e eu também peço isso, para que todos os fiéis se unam em oração e jejum como uma forma de ajudar a incentivar a conversão e a verdadeira mudança de vida, onde for necessário, inclusive nos pastores da Igreja. Jesus comentou uma vez: 'Esse tipo de demônio só é combatido com jejum e oração'; um humilde lembrete de que tais atos de fé podem mover montanhas e podem inclusive produzir uma verdadeira cura e conversão", disse o Cardeal DiNardo.

Finalmente, o Purpurado afirmou que os bispos dos Estados Unidos aceitam a necessidade urgente de prestar contas.

"Em nome dos meus irmãos bispos", acrescentou o Cardeal DiNardo, assinalamos "que somente enfrentando o nosso próprio fracasso ante os crimes contra aqueles que nos confiaram proteger, a Igreja pode ressuscitar uma cultura de vida, onde prevaleceu a cultura de morte", concluiu.
_______________________
ACI Digital