quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Argentina: Três igrejas foram profanadas com frases abortivas



Ao completar duas semanas do rechaço do projeto do aborto no Senado da Argentina, três templos católicos em Buenos Aires foram atacados com tinta vermelha e frases abortistas.

Na segunda-feira, 20 de agosto, os fiéis perceberam os ataques ocorridos nas paróquias Santa Maria de Betânia e Nossa Senhora das Dores e no Santuário Jesus Sacramentado, todos localizados no bairro de Almagro.

Na paróquia Santa Maria de Betânia, os atacantes profanaram uma imagem da Virgem Maria com tinta vermelha e colocaram cabides nas entradas, além de deixar cartazes com frases em favor do aborto e contra a Igreja.

"Encontrei alguns cartazes e depois uma mancha de tinta, que achava que era sangue. Depois vi todo o caminho e a mancha no chão”, contou Pe. Salvador Gómez, vigário da paroquia, em declarações a ‘Todo Noticias’.


Os dois cartazes pendurados na entrada da igreja diziam: "A única igreja que ilumina é aquela que queima" e "Os mortos não voltam mais, vocês são responsáveis".

Diante disso, Pe. Gómez expressou que "a primeira coisa que veio a minha mente foram as palavras de São Francisco: ‘Senhor, fazei-me instrumento da vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o perdão’. Não conseguia pensar em outra coisa".

Enquanto isso, o Santuário Jesus Sacramentado também foi pintado e penduraram cabides do lado de fora. Também escreveram em um cartaz: "Igreja e Estado, assunto separado".



Em um comunicado, os sacerdotes do santuário assinalaram: "Queremos dizer às pessoas que nos agridem que não poderão mudar o rumo do nosso trabalho, que é o anúncio do Evangelho, a boa notícia de Jesus".

"Somos pessoas honestas, não somos perfeitos; que através do nosso trabalho tentamos fazer da Igreja um lugar de esperança e de dignidade. Que não cobramos nada do Estado e que trabalhamos com todas as nossas forças a fim de que a vida das nossas crianças, jovens, idosos e especialmente os mais pobres, seja melhor", afirmaram.

Acrescentaram que "somos milhares de pessoas envolvidas nesta missão e, quando você vier à noite e com o rosto escondido para pintar e ofender, encontrará em nós a barreira intransitável do bem que vence o mal, também encontrará o perdão e uma força que ninguém poderá tirar de nós, que é a alegria de seguir Jesus".

"Podemos te oferecer o melhor de nós, que é o nosso pão, o nosso canto e o nosso abraço, porque, apesar de tudo, somos irmãos. Continuaremos caminhando mesmo assim... e sempre com a esperança intacta de compartilhar um bom diálogo", expressaram no comunicado.

Finalmente, a paróquia Nossa Senhora das Dores foi atacada da mesma forma, o que provocou o repúdio do Bispo de Gualeguaychú, Dom Hector Zordán, que foi seu vigário e pároco antes de ser nomeado bispo.

Junto com a sua manifestação de solidariedade à comunidade, ao seu pároco e aos Missionários dos Sagrados Corações, congregação responsável pela paróquia, Dom Zordán assinalou que "continuamos apostando pela possibilidade de conviver em paz nesta terra abençoada, mesmo pensando diferente".
___________________
ACI Digital