terça-feira, 23 de agosto de 2016

Os cinco caminhos da penitência


Quereis que vos recorde os caminhos da penitência? São muitos, variados e diferentes, e todos levam ao Céu.

O primeiro caminho da penitência é a acusação dos pecados: Confessa primeiro os teus pecados e serás justificado. Por isso dizia também o Profeta: Eu disse: Vou confessar ao Senhor a minha culpa; e Vós perdoastes a culpa do meu pecado. Condena, portanto, também tu as tuas culpas, e esta confissão te alcançará o perdão do Senhor. E se condenas as tuas culpas, serás mais cauteloso para não voltar a cair. Habitua a tua consciência a ser a tua acusadora familiar, para que mais tarde ninguém te acuse diante do tribunal do Senhor.

Este é, portanto, o primeiro e o melhor caminho da penitência. Mas há outro, não inferior ao primeiro, que consiste em perdoar as ofensas que recebemos dos inimigos, dominar a ira, esquecer as faltas dos nossos irmãos. Assim nos serão perdoadas também as ofensas que praticámos contra Deus. Este é o segundo modo de expiar as nossas culpas. Porque se perdoardes a quem vos ofendeu, diz o Senhor, também o vosso Pai celeste vos perdoará.

Queres conhecer ainda um terceiro caminho da penitência? É a oração fervorosa e assídua que brota do íntimo do coração.

E se desejas que te indique um quarto caminho, dir-te-ei que é a esmola, porque é grande e poderosa a sua eficácia.

Acrescentemos ainda: Se procedes com modéstia e humildade, será este um modo não menos eficaz que os outros para destruir pela raiz os teus pecados. Disso é testemunha o publicano, que, não podendo recordar diante de Deus boas ações, ofereceu o humilde reconhecimento das suas culpas e assim se libertou do grave peso que tinha na consciência.

Acabamos de indicar cinco caminhos da penitência: primeiro, a acusação dos pecados; segundo, o perdão das ofensas do nosso próximo; terceiro, a oração; quarto, a esmola; quinto, a humildade.

Não fiques, portanto, ocioso, mas procura seguir todos os dias estes caminhos tão fáceis. Não podes desculpar-te com o impedimento da tua pobreza, pois ainda que leves uma vida de extrema penúria, podes sempre depor a ira, ser humilde, orar assiduamente, confessar os pecados. A pobreza não oferece obstáculo algum a estes caminhos de penitência, nem sequer àquele que consiste na distribuição de bens, isto é, a esmola. Para cumprir este mandamento, lembra-te do testemunho da viúva que deu as duas pequenas moedas.

Tendo aprendido, por conseguinte, o modo de curar as nossas feridas, tratemos de usar estes remédios. E assim, recuperada a saúde, poderemos aproximar-nos confiadamente da sagrada mesa e caminhar alegremente ao encontro de Cristo, Rei da glória, e alcançar para sempre os bens eternos pela graça, misericórdia e benignidade de Nosso Senhor Jesus Cristo.


Das Homilias de São João Crisóstomo, bispo
(Homilia sobre o diabo tentador 2, 6: PG 49, 263-264) (Sec. IV)