segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Rainha do mundo e da paz


Considera como se difundiu em toda a terra o admirável nome de Maria, ainda antes da sua assunção, e se estendeu por toda a parte o esplendor da sua glória imortal, ainda antes de ser elevada acima dos céus com toda a magnificência. Convinha, na verdade, que a Virgem Mãe, para honra de seu Filho, reinasse primeiramente na terra e assim entrasse finalmente na glória do Céu; convinha que fosse enaltecida neste mundo, para ser depois glorificada na santa plenitude dos bens celestes, e assim como na terra progredia sempre de virtude em virtude, assim no Céu fosse exaltada de glória em glória pela acção do Espírito do Senhor. Por isso, durante a sua vida mortal, Ela saboreava antecipadamente as primícias do reino futuro, ora elevando‑se até Deus em sublime exaltação de espírito, ora descendo ao cuidado do próximo com imensa caridade. Lá do Céu era assistida pelos Anjos; cá na terra era venerada e honrada pelos homens. Lá do Céu, Gabriel e os Anjos prestavam‑Lhe assistência; na terra, João sentia‑se feliz por lhe ter sido confiada pelo Senhor, suspenso da cruz, a Virgem Mãe e, juntamente com os Apóstolos, a tomava a seu cuidado. Os Anjos alegravam‑se por contemplar a sua Rainha; os homens por ver a sua Senhora; e uns e outros a honravam com sentimentos de piedosa devoção. Situada na altíssima fortaleza das virtudes e enriquecida com o mar inesgotável dos carismas divinos, Ela derramava em abundância sobre o povo crente e sequioso a torrente das suas graças, que superavam as de todas as outras criaturas. Dava saúde aos corpos e remédio às almas e podia ressuscitar da morte corporal e espiritual. Quem alguma vez se afastou d’Ela doente ou triste ou sem o conforto dos mistérios celestes? Quem não voltou contente e alegre para sua casa, depois de ter alcançado de Maria, Mãe do Senhor, o que desejava? Enriquecida de bens superabundantes, a Esposa, a Mãe do único Esposo, suave e agradável, cheia de delícias, como uma fonte dos jardins espirituais, como uma nascente de águas vivas e vivificantes que brotam torrencialmente do Líbano divino, desde o monte Sião até às nações estrangeiras em redor, para toda a parte fazia derivar rios de paz e torrentes de graça celeste. Por isso, quando a Virgem das virgens era elevada ao Céu por Aquele que era o seu Deus e o seu Filho, o Rei dos reis, por entre a exultação dos Anjos, a alegria dos Arcanjos e a aclamação de todos os bem‑aventurados, então se cumpria a profecia do Salmista que diz ao Senhor: À vossa direita está a rainha, revestida com manto de ouro, resplandecente de beleza.


Das Homilias de Santo Amadeu de Lausana, bispo
(Hom. 7: SC 72, 188.190.192.200) (Sec. XII)