sexta-feira, 20 de abril de 2018

Assembleia da CNBB: documento final revela que denúncias agitaram o encontro


Na última coletiva de imprensa desta Assembleia Geral a CNBB divulgou suas mensagens finais, revelando que não foi possível varrer para debaixo do tapete a enxurrada de críticas que a instituição tem recebido por dois motivos principais: o uso indevido do dinheiro dos fiéis para financiar ONGs abortistas e até o MST, e o apoio descarado de vários bispos a grupos ideológicos de esquerda, aparelhando estruturas eclesiais de modo a promover determinada agenda de interesses socialistas.

Foram divulgados dois textos importantes que sintetizam em parte o que os bispos discutiram – ou ao menos aquilo que decidiram colocar no papel. Uma “mensagem ao povo de Deus” e uma sobre eleições. As duas têm pontos interessantes, mas é na primeira que se encontram sinais de que a divisão entre os bispos foi forte o bastante para que, dessa vez, não fosse possível simplesmente ignorar o barulho das redes sociais.

Denúncias

Como vocês verão, no texto, a CNBB tentou bancar a equilibrada, invocando as origens teológicas que justificam sua existência e sua legítima ação, e ignorando completamente fatos concretos, constatáveis, e sem fazer qualquer menção à substância comprovada das denúncias. Há trechos, contudo, surpreendentes para os mais pessimistas, como este:

“A CNBB não se identifica com nenhuma ideologia ou partido político. As ideologias levam a dois erros nocivos: por um lado, transformar o cristianismo numa espécie de ONG, sem levar em conta a graça e a união interior com Cristo; por outro, viver entregue ao intimismo, suspeitando do compromisso social dos outros e considerando-o superficial e mundano”.

É claro que o papel aceita tudo e o mundo real é feito de fatos, mas uma negativa explícita dessas num documento oficial é algo que certamente não agrada aos bispos mais militantes, que adorariam orientar politicamente seus fiéis de forma mais direta e sem constrangimentos. A meu ver, isso eles não conseguem mais.

Outro trecho revelador é esse:

“A Conferência Episcopal, como instituição colegiada, não pode ser responsabilizada por palavras ou ações isoladas que não estejam em sintonia com a fé da Igreja, sua liturgia e doutrina social, mesmo quando realizadas por eclesiásticos.”

Esse trecho merecia uma foto de dom Angélico bem ao lado para ilustrar do que estão falando. O circo armado pelo bispo emérito de Blumenau na celebração de despedida de Lula, antes dele ser preso, foi um vexame insuportável demais até para alguns de seus colegas mais coniventes no episcopado.

Eleições

Já o documento para eleições, que costuma seguir certo padrão em todo ano eleitoral, traz um parágrafo especialmente significativo neste ano:

“Nas eleições, não se deve abrir mão de princípios éticos e de dispositivos legais, como o valor e a importância do voto, embora este não esgote o exercício da cidadania; o compromisso de acompanhar os eleitos e participar efetivamente da construção de um país justo, ético e igualitário; a lisura do processo eleitoral, fazendo valer as leis que o regem, particularmente, a Lei 9840/1999 de combate à corrupção eleitoral mediante a compra de votos e o uso da máquina administrativa, e a Lei 135/2010, conhecida como ‘Lei da Ficha Limpa’, que torna inelegível quem tenha sido condenado em decisão proferida por órgão judicial colegiado”.

A Lei da Ficha Limpa é justamente o que impede Lula de ser candidato neste ano, embora alguns de seus fiéis a desprezem como algo inferior ao messias petista. Entre esses fiéis, obviamente, estão vários bispos. A posição oficial da CNBB, portanto, parece tentar se distanciar daquela adotada por seus integrantes mais “engajados”.

Agora, só falta aplicar o que disseram no texto ao mundo real, senhores bispos. Vão conseguir?
__________________________
Sempre Família