sexta-feira, 20 de abril de 2018

Justiça concede habeas corpus e manda soltar bispo de Formosa (GO) preso desde março


Ao início da tarde de terça-feira, 17, Desembargadores do Tribunal de Justiça de Goiás concederam, por unanimidade, um habeas corpus ao bispo Dom José Ronaldo Ribeiro, da diocese de Formosa (GO) e aos outros 5 padres presos na operação Caifás, que agora passam a responder liberdade à acusação de desviar R$2 milhões e usar dinheiro das paróquias para a compra de uma fazenda de gado e uma lotérica.

A assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) confirmou ao Portal de notícias G1 que os alvarás de soltura estão sendo confeccionados e devem estar prontos até o fim do dia. Depois, o documento será enviado ao Fórum de Formosa e, então ao recém-inaugurado presídio da cidade, onde se encontram os padres e o bispo em uma ala isolada.

Ainda segundo o G1, o advogado de Dom José Ronaldo, Lucas Rivas, disse que pautou a defesa em três pontos:

"[Argumentamos] Que não procedem as alegações de associação criminosa, que o dom Ronaldo não representa risco à instrução criminal e que também não representa risco à ordem publica", declarou o legista ao Portal G1.

Os desembargadores determinaram que o passaporte do bispo ficará retido. Ele está proibido de sair do país até a sentença. A defesa do bispo e demais sacerdotes acusados já haviam apelado ao STJ em oito ocasiões para conseguir os habeas corpus.

Segundo o jornal Metrópoles, no dia 13 deste mês, a pedido do Ministério Público, a Justiça de Goiás determinou a penhora on-line de até R$ 9 milhões das contas bancárias de nove réus investigados no âmbito da Operação Caifás, que apura desvios de recursos de doações, taxas e serviços prestados por igrejas do Entorno do Distrito Federal. Entre eles, padres e o bispo de Formosa (GO), Dom José Ronaldo, acusado pelos promotores de Goiás como o mentor do esquema criminoso.

Ainda segundo o portal Metrópoles, com base nas apurações dos investigadores, “são inúmeros os diálogos transcritos, a partir das interceptações telefônicas, que apontam a possibilidade de José Ronaldo, o monsenhor Epitácio Cardoso, e os padres Moacyr Santana e Mário Vieira de Brito terem desviado quantias vultosas supostamente usadas para comprar fazenda e casa lotérica em Posse (GO), além de despesas de cunho pessoal do bispo arcadas pela instituição”.

Para liderar a diocese no ínterim, o Papa Francisco nomeou Dom Paulo Mendes Peixoto, Arcebispo de Uberaba (MG) como administrador apostólico de Formosa (GO) na quarta-feira, 21 de março, dois dias depois que Dom José Ronaldo, e os outros sacerdotes tiveram prisão decretado. Entre os encarcerados, estavam o Monsenhor Epitácio Cardoso, além dos padres Moacyr Santana e Mário Vieira de Brito, todos pertencentes à diocese de Formosa (GO).
___________________________
ACI Digital