terça-feira, 10 de abril de 2018

Papa na Gaudete et Exsultate: a santidade é uma luta constante contra o demônio



A vida cristã e o caminho à santidade "também são uma luta constante contra o demônio", afirmou o Papa Francisco em sua nova Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, e advertiu que pensar sobre o príncipe do mal como um mito ou uma ideia é um erro que "nos leva a diminuir a vigilância, a descuidar-nos e a ficar mais expostos”.

Francisco, que várias vezes alertou sobre a existência do demônio e suas seduções, também menciona este tema em seu novo documento.

Assim, no quarto capítulo intitulado "Algumas características da santidade no mundo atual", recorda que "não nos faz bem a olhar com altivez, assumir o papel de juízes sem piedade, considerar os outros como indignos e pretender continuamente dar lições. Esta é uma forma subtil de violência”.

“São João da Cruz propunha outra coisa: ‘Mostra-te sempre mais propenso a ser ensinado por todos do que a querer ensinar quem é inferior a todos’. E acrescentava um conselho para afastar o demónio: ‘Alegrando-te com o bem dos outros como se fosse teu e procurando sinceramente que estes sejam preferidos a ti em todas as coisas, assim vencerás o mal com o bem, afastarás o demónio para longe e alegrarás o coração. Procura exercitá-lo sobretudo com aqueles que te são menos simpáticos. E sabe que, se não te exercitares neste campo, não chegarás à verdadeira caridade nem tirarás proveito dela’”.

Em seguida, ao mencionar a respeito da importância de viver em comunidade, Francisco assegura que “é muito difícil lutar contra a própria concupiscência e contra as ciladas e tentações do demónio e do mundo egoísta, se estivermos isolados. A sedução com que nos bombardeiam é tal que, se estivermos demasiado sozinhos, facilmente perdemos o sentido da realidade, a clareza interior, e sucumbimos”, sublinha.

Mas no último capítulo do documento, capitulo cinco, e no subtítulo "algo mais do que um mito", onde o Papa fala de maneira mais explícita.

“Não admitiremos a existência do demônio, se nos obstinarmos a olhar a vida apenas com critérios empíricos e sem uma perspectiva sobrenatural. A convicção de que este poder maligno está no meio de nós é precisamente aquilo que nos permite compreender por que, às vezes, o mal tem uma força destruidora tão grande”, descreve o Papa.
O Bispo de Roma reconhece que “é verdade que os autores bíblicos tinham uma bagagem conceitual limitada para expressar algumas realidades e que, nos tempos de Jesus, podia-se confundir, por exemplo, uma epilepsia com a possessão do demônio. Entretanto, isto não deve levar-nos a simplificar demasiado a realidade afirmando que todos os casos narrados nos Evangelhos eram doenças psíquicas e que, em última análise, o demônio não existe ou não intervém”.

“A sua presença consta nas primeiras páginas da Sagrada Escritura, que termina com a vitória de Deus sobre o demônio”, explica. “De fato, quando Jesus nos deixou a oração do Pai-Nosso, quis que a concluíssemos pedindo ao Pai que nos livrasse do Maligno. A expressão usada não se refere ao mal em abstrato; a sua tradução mais precisa é ‘o Maligno’. Indica um ser pessoal que nos atormenta. Jesus ensinou-nos a pedir cada dia esta libertação para que o seu poder não nos domine”.

Em seguida, o Santo Padre pede: “não pensemos que seja um mito, uma representação, um símbolo, uma figura ou uma ideia”. “Este engano leva-nos a diminuir a vigilância, a descuidar-nos e a ficar mais expostos”, acrescenta.

“O demônio não precisa possuir-nos. Envenena-nos com o ódio, a tristeza, a inveja, os vícios. E assim, enquanto abrandamos a vigilância, ele aproveita para destruir a nossa vida, as nossas famílias e as nossas comunidades, porque, ‘como um leão a rugir, anda a rondar-vos, procurando a quem devorar’”.

A última menção ao demônio no documento foi quando mencionou que “a corrupção espiritual é pior do que a queda de um pecador, porque trata-se duma cegueira cómoda e autossuficiente, em que tudo acaba por parecer lícito: o engano, a calúnia, o egoísmo e muitas formas subtis de autorreferencialidade, já que ‘também Satanás se disfarça em anjo de luz’”.
_________________________
ACI Digital