terça-feira, 2 de outubro de 2018

SP: Bispo de Jales critica Bolsonaro e orienta católicos a votarem em candidatos comunistas.


Num texto denominado "votar com lucidez" e publicado no site da CNBB Regional Sul 1, Dom Reginaldo Andrietta, bispo da diocese de Jales, afirma em relação ao candidato Jair Bolsonaro, indiretamente, sem citar seu nome, que “São escandalosas as posturas alienadas de muitos cristãos e as adesões a um candidato à presidência que dissemina violência, ódio, racismo, homofobia e preconceito contra mulheres e pobres. Ele utiliza falsamente as temáticas do aborto, gênero, família e ética; faz apologia à tortura, à pena de morte e ao armamentismo; e é réu por injúria e incitação ao crime de estupro.”

No texto o bispo diz que um bom candidato é o que “apresenta critérios para a escolha de bons candidatos, afirmando que os bons políticos são conhecidos especialmente por seus compromissos com a classe trabalhadora", aludindo diretamente à luta de classes marxista e por definição anti-cristã.

Ele já assinou manifesto e escreveu artigo, por exemplo, contra a Reforma da Previdência do governo de Michel Temer, lido e exaltado em novembro de 2017 na tribuna do Senado pelo petista Paulo Paim.

Para Andrietta, a reforma “reduz direitos constitucionais e ameaça a vida de milhões de brasileiros, especialmente os mais pobres”.

O verniz ideológico de seus artigos também fica claro com os ataques “ao rolo compressor de medidas econômicas neoliberais”. Exemplo:

“Os seres humanos tendem a reproduzir modelos escravizantes de vida, tais como ocorreram no Brasil colonial e imperial, e continuam ocorrendo, hoje, sob a forma neoliberal, submetendo-nos ao poder do grande capital, especialmente financeiro.”

Usar posições políticas de teólogos da libertação (ou assemelhados) alinhados com o PT para desgastar um adversário como Bolsonaro com o eleitorado cristão é apenas uma amostra do cinismo petista.

A “bíblia” dessas autoridades eclesiásticas é o marxismo que, bem ou mal, Bolsonaro combate.

Não é de hoje que o PT conta com autoridades eclesiásticas para legitimar suas narrativas políticas. O bispo da diocese e Jales é um dos preferidos da base lulista porque, como qualquer teólogo da libertação, dá ao Evangelho um sentido político de “luta de classes”.

Anos atrás, Lula foi filmado dizendo o seguinte:

"Mas por que eu cheguei onde cheguei? Porque eu tenho por trás de mim um movimento. Eu tenho por detrás de mim uma grande parte dos estudantes, do PT, a CUT, a base da Igreja católica".


Em fevereiro deste ano, o presidente da CNBB, Cardeal Sérgio da Rocha, causou polêmica ao afirmar que a Igreja quer “candidatos comprometidos com a justiça social e a paz. Não candidatos que promovam ainda mais a violência”, a fala foi divulgada como uma orientação para que os católicos não votarem no deputado Jair Bolsonaro.

Em nota, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil disse que “não se pronuncia sobre candidatos e/ou partidos. A Igreja no Brasil oferece critérios cristãos para o discernimento sem substituir a consciência do eleitor”. 

Recentemente, a CNBB divulgou uma matéria chamada "O papel da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil no contexto das Eleições 2018" na qual reafirma que "Em razão de sua natureza, a CNBB não se manifesta a favor de nenhuma candidatura. Contudo, a entidade vem desenvolvendo um processo de oferecer oportunidades para que cristãos e cristãs façam um bom discernimento na hora do voto".

Vale ressaltar que a Igreja pune com excomunhão automática ipso facto (ou latae sententiae) todos os católicos que, em obstinação consciente, defendem abertamente o comunismo e colaboram com organizações comunistas e afins. 
_________________________________________
CNBB Sul 1/ JMNotícia/ Terça Livre/ Renova Mídia/ O Antagonista