quinta-feira, 10 de maio de 2018

Lampejos de uma luz intensa...



Eis a maior tragédia que poderia acontecer ao catolicismo latino: a perda do sentido do Mistério, do estar diante de Deus, sob Deus e Deus, que é a qualidade mais fundamental da experiência religiosa, sobretudo na Liturgia. Dá-nos Deus, colocar-nos em comunhão com o Divino é o âmago e a razão de ser do fenômeno religioso.

Uma religião que não nos coloque diante do Mistério para que serviria?


Ora, o local no qual o Mistério é feito palpável e nos é dado como dom gratuito e, no entanto, sempre transcendente, é a Liturgia, espaço no qual o Eterno nos visita, dá-nos Sua Vida divina e, assim, nos plenifica, nos salva! Isto é uma constante nas Escrituras Sagradas e na história do cristianismo.

A crise litúrgica da Igreja latina atual coloca em crise a própria percepção da Igreja como religião.

Muitos católicos e não-católicos, infelizmente, experimentam a Igreja como uma ONG preocupada como temas humanos e ecológicos ou, então, como uma instância de moralismo burocrático com aqueles temas chatos e picantes para o gosto da mídia atual: preservativos, união gay, relações pré-matrimoniais, etc.


Mas, uma religião que se ocupe sobretudo e constantemente com isso já não seria mais que uma caricatura de religião... 


O específico, o núcleo da experiência religiosa é entrar em comunhão com o Mistério insondável e fundamental de toda a existência do ser e dos seres: Deus; é com Ele maravilhar-se, Nele encontrar o respiro e o sentido de viver e para Ele caminhando, Nele encontrar o sentido da vida, da morte, da alegria, da dor, do amor e das opções que fazemos no percurso tão breve de nossa humana existência neste mundo...

É por isso mesmo que não se pode brincar com a Liturgia, não se pode vulgarizá-la, manipulá-la... Na experiência litúrgica, o Eterno nos é dado concretamente, nos fala objetivamente, toca nossa existência efetivamente, para lá de sentimentos, emoções ou gostos de momento! A Liturgia é memorial da ação salvífico e potente do Eterno que, no Cristo, pleno de Espírito Santo, entrou no tempo, entrou na nossa vida, entrou no mundo e nos deu as primícias da Eternidade.


Dom Henrique Soares da Costa
Bispo de Palmares, PE