terça-feira, 26 de setembro de 2017

Homilética: 27º Domingo do Tempo Comum - Ano A: "Ou uvas saborosas ou uvas azedas".


A palavra “agraciado” soa bem aos nossos ouvidos, não posso afirmar a mesma coisa do seu antônimo. Mas não se erra ao afirmar-se que desgraçado significa sem-graça. Os lavradores da parábola que nós escutamos eram agraciados: eram dignos da estima do seu senhor que lhes confiara a sua vinha. Mas caíram na desgraça: perderam a vinha e morreram por causa da própria ambição. Grande contradição a da vida daqueles homens: querendo a herança, perderam a vida, perderam até mesmo a possibilidade de ambicionar a herança.

Aqueles lavradores tinham uma ambição desleal. Eles eram invejosos. Não estou falando mal deles, simplesmente tento glosar o que eles mesmos disseram: “eis o herdeiro! Matemo-lo e teremos a sua herança” (Mt 21,38). É fato que os lavradores não suspeitavam duma coisa: o filho queria fazer deles participantes da sua herança. Mas, pobres coitados! Os lavradores, que poderiam ser uns ricos herdeiros por graça do seu senhor, acabariam sendo homicidas e exterminados sem piedade. Eram uns homens miseráveis porque eram egoístas e invejosos. Temos que ter cuidado: poderíamos ser uns desgraçados, inclusive ambicionando coisas boas.

Mais ainda, provavelmente, se tivessem ficado com a herança teriam se matado entre eles, cada um defendendo os próprios “direitos”. Como a estória daqueles três “amigos” que eram assaltantes. Conta-se que na hora de dividir o produto do roubo resolveram “comemorar”. Sendo assim, um deles foi comprar uma garrafa de whisky para fazer a festa. Este, muito esperto, resolve ficar com tudo só para ele e coloca veneno na garrafa para que os outros morram. Enquanto isso os outros dois “amigos” planejam o seguinte: ficar com tudo para eles. Quando chega o que fora comprar o whisky, os outros dois o matam e, para comemorar tomam o whisky… Péssimo resultado! Morreram todos! É fato: quem não sabe partilhar não serve para ter.

A parábola que o Senhor Jesus nos contou no dia de hoje é um resumo de toda a história da salvação com os seus progressos e os seus regressos. Da parte de Deus, ele sempre a fez progredir. No que diz respeito ao ser humano, havia progresso quando ele correspondia à vontade de Deus; regresso, quando as pessoas se rebelavam contra o querer de Deus. Finalmente, “Deus enviou o seu próprio Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei, a fim de remir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a sua adoção” (Gl 4,4-5). Desta maneira, o homem pôde corresponder perfeitamente à vontade do Pai. Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, viveu intensamente a vontade do seu Pai do céu.

“Hão de respeitar o meu filho” (Mt 21,37). Mas não! Mas será que hoje em dia se respeita o Filho de Deus que morreu e ressuscitou pela nossa salvação? A ingratidão é uma coisa penosa, machuca o coração e fere os sentimentos mais profundos. Às vezes, a ingratidão é mais dolorosa que um ato de violência física. O Coração do nosso Pai do céu é alvo de constantes ingratidões. Deus nos oferece a felicidade e nós pensamos que as suas exigências santas são como uma espécie de moral de escravos ou de infelizes. Deus oferece o que é bom, o que constrói o ser humano, mas nós continuamos com a “cabeça dura” e o “nariz empinado” querendo construir a própria felicidade à margem de Deus. Dá a impressão que às vezes o homem quer colocar-se no lugar de Deus. O certo é que há várias tentativas de construir um espaço sem Deus, sem religião, sem valores; enfim, um mundo que se encaminharia à destruição por mãos do próprio homem. A pessoa humana é um ser maravilhoso, mas pode transformar-se num pobre desgraçado.

Não estou sendo pessimista se afirmo que se a vinha não está nas mãos de Deus, as uvas apodrecerão os dentes de quem as comer. Isto é, qualquer felicidade que deixa a Deus de fora é uma fantasia. Como poderia ser verdadeiramente feliz alguém que renuncia a algo que lhe é tão próprio como a dimensão religiosa da vida? Como pode alcançar a felicidade alguém que era escravo, foi libertado, mas não quer viver segundo aquilo que é tão próprio do seu ser: a liberdade? Como pode ser feliz alguém que opta por desprezar aquele que quer fazê-lo feliz dando-lhe a herança dos filhos?

Pontos da ideia principal

Textos: Isaías 5, 1-7; Filipenses 4, 6-9; Mateus 21, 33-43

Em primeiro lugar, existem duas maneiras de ler esta parábola da vinha: uma em clave histórica ou narrativa, e uma em clave atual. Historicamente, a vinha é o povo hebraico. Deus elegeu livremente este povo, libertou-o do Egito com mão forte e o transplantou com carinho na terra prometida como se transplanta uma vinha. Aqui o encheu de cuidados e de mimos, como faz o vinhateiro com a sua vinha, ou melhor, como faz o esposo com a sua esposa. Cercou-a, defendeu-a dos seus inimigos e das raposas. Mas o que aconteceu? A vinha, em lugar de uva, produziu uvas selvagens. Em lugar de produzir obras de justiça e fidelidade, se rebelou e pagou a Deus com traições, desobediências e infidelidade. Curioso: não se rebelou a vinha, mas os vinhateiros. O que fará Deus? Isaias fala da destruição da vinha (queda de Jerusalém e exílio). Jesus diz que essa vinha será dada a outro destinatário, à Igreja ou o novo Povo de Deus. Deus é livre.

Em segundo lugar, nós somos esse novo Povo de Deus a quem Jesus nos confiou esta vinha que é sua, a Igreja. A situação mudou com Cristo. Agora Ele é a Vinha verdadeira e nós, os sarmentos. Só nos pede permanecer Nele pela oração e pelos sacramentos para dar muito fruto. Deus não repudiará mais a vinha que é a Igreja, porque esta vinha é Cristo; a Igreja é o corpo de Cristo. Não haverá um terceiro “Israel de Deus” depois do povo hebraico e do povo cristão. Mas se a vinha está segura pelo amor do Pai, não acontece o mesmo com os sarmentos individuais. Se não dão fruto, podem ser afastados e jogados fora. É o nosso risco, dos cristãos de hoje, como indivíduos e como grupo. 

Finalmente, se aplicarmos a mensagem a cada um particular, as consequências são bem sérias. Deus nos deu tudo. Plantou-nos na Igreja, enxertou-nos em Cristo, nos podou e nos alimentou. Portanto, tem todo o direito de pedir os frutos. O que encontrará? Só folhas? Ou pior, só galhos secos? A Eucaristia nos oferece a possiblidade de reativar o nosso batismo em nós e também a circulação daquela seiva que provem da Vinha. Se não dermos frutos, já sabemos o triste desenlace: nos jogará fora. Por isso nos manda de vez em quando os seus emissários para nos alertar: amigos, catequistas, sacerdotes, luzes, bons exemplos. Prestemos atenção a todos esses emissários.

Para refletir

1) Qual foi a razão última pela qual os dirigentes de Israel não entraram no novo Reino como povo escolhido? Diríamos que a razão imediata era o seu interesse material na religião que a transformava numa fonte de rendas e, portanto, numa visão espúria da espiritualidade religiosa.

2) Em segundo lugar, seu orgulho que não permitia que alguém interpretasse a lei de modo diferente do seu. Segundo sua interpretação, os pobres estavam longe de Deus, considerando a pobreza como uma espécie de rejeição e castigo divinos, como era interpretada a doença. Quem pecou, este ou os pais para nascer cego? Perguntarão os discípulos (Jo 9,2). Do mesmo modo, a pobreza era considerada como o pior dos castigos divinos e a riqueza como o melhor dos benefícios. Nós vemos no evangelho uma clara alusão  a esta cosmovisão, quando, após Jesus declarar que um rico dificilmente entrará no Reino dos céus, a pergunta dos discípulos será de um desânimo total: Então quem poderá se salvar? (Mt 19,25). A doutrina de Jesus devia escandalizar os legistas e peritos da lei, quando em suas bem-aventuranças declara o Reino como herança dos pobres.

3) Com respeito à razão última, é Paulo quem o explica na sua epístola aos romanos: Tanto judeus como gentios se tornaram pecadores. Na frase de Paulo estão sob o império do pecado (9,13). Mas Deus, gratuitamente pela fé em Cristo, salva o homem; porque se a lei veio para que proliferasse a falta, porém onde proliferou o pecado superabundou a graça (5,21). E logicamente a graça foi maior ao admitir os pagãos ao Reino.


4) Podemos perguntar: e nós? Qual é a razão para que o Reino não seja o valor principal – o tesouro, a pérola – em nossas vidas? Cada um de nós poderá dar uma resposta particular, mas existe uma geral e comum nos tempos modernos: o estado de bem-estar, confundido com a felicidade final, que nos transforma em verdadeiros ricos, num mundo de quase absoluta pobreza espiritual. E no lugar das bem-aventuranças, dirigidas aos pobres, aos que sofrem, aos que choram, aos que são perseguidos, encontramos as censuras de Jesus que atingem os ricos, os fartos, os que aparentemente são felizes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário