quinta-feira, 14 de julho de 2016

Catequese dos ritos após o Batismo




Ao sair da fonte batismal, aproximaste-te do sacerdote. Repara no que se seguiu. Porventura não foi aquilo que disse David: Como o óleo precioso derramado sobre a cabeça, a escorrer pela barba de Aarão? Este é o óleo precioso de que falou também Salomão: O teu nome é um perfume de suave fragrância; por isso te amam as donzelas. Quantas almas hoje renovadas, Senhor Jesus, Vos dizem cheias de amor: Levai-nos convosco; correremos seguindo o perfume dos vossos vestidos, atraídas pela fragrância da ressurreição.

Procura compreender o sentido deste rito: Os olhos do sábio estão na sua cabeça. O óleo precioso escorre pela barba, como sinal da juventude, escorre pela barba de Aarão, a fim de te tornares um povo eleito, sacerdotal, precioso. Todos somos ungidos com a graça do Espírito para o reino e o sacerdócio de Deus.

A seguir recebeste a veste branca como sinal de que te havias despojado do pecado e que tinhas sido revestido com o puro manto da inocência, como dizia o Profeta: Aspergi-me com o hissope e serei purificado; lavai-me e ficarei mais branco do que a neve. Na verdade, segundo a Lei e segundo o Evangelho, aquele que é baptizado fica purificado: segundo a Lei, porque Moisés aspergia o sangue do cordeiro com um ramo de hissope; segundo o Evangelho, porque as vestes de Cristo eram brancas como a neve quando manifestou a glória da sua ressurreição. Fica mais branco do que a neveaquele a quem é perdoada a culpa. Por isso também o Senhor diz por meio de Isaías: Ainda que os vossos pecados sejam como o escarlate, tornar-se-ão brancos como a neve.

Depois de receber esta veste pelo Baptismo da regeneração, diz a Igreja no Cântico dos Cânticos: Sou morena mas formosa, filhas de Jerusalém. Morena pela fragilidade da condição humana, formosa pela graça; morena porque formada de pecadores, formosa pelo sacramento da fé. Contemplando esta veste, as filhas de Jerusalém dizem maravilhadas: Quem é esta que sobe vestida de branco? Se era morena, donde lhe veio esta inesperada brancura?

Cristo, ao contemplar a sua Igreja vestida de branco – Ele que por seu amor, como se lê no livro do profeta Zacarias, tinha tomado vestes manchadas– e ao contemplar a alma purificada e lavada pelo baptismo da regeneração, diz: Como és formosa, minha amada, como és formosa! Os teus olhos são como pombas, em cuja figura o Espírito Santo desceu do Céu.

Por isso recorda que recebeste o sinal do Espírito, o Espírito de sabedoria e de inteligência, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de ciência e de piedade, o Espírito do santo temor; e guarda bem o que recebeste. Deus Pai assinalou-te, Cristo Senhor confirmou-te e, como aprendeste na leitura do Apóstolo, colocou em teu coração o penhor do Espírito.



Do Tratado de Santo Ambrósio, bispo, «Sobre os Mistérios»
(Nn. 29-30, 34-35.37.42: SC 25 bis, 172-178) (Sec. IV)