Adsense Teste

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

O diácono Santo Estevão: “Viram seu rosto resplandecente como de um anjo”.


Os Atos dos Apóstolos nos contam a eleição dos primeiros diáconos, sendo o primeiro nomeado Estevão "cheio de Fé e do Espírito Santo" (At 6, 5), "cheio de graça e do poder de Deus" (At 6, 8). E narram o enorme apostolado que ele desenvolveu em Jerusalém.

Porém, surgiram invejas, inimizades, ódios... porque "não podiam resistir à Sabedoria e ao Espírito com que ele falava" (At 6, 10). E subornaram falsas testemunhas para o condenar a morte. O jovem diácono compareceu diante do supremo tribunal dos Judeus, o Sinédrio, porém "todos viram que o seu rosto parecia o rosto de um anjo". Converteram-se? Não. O ódio cresceu e o condenaram a morte.

Estevão foi apedrejado, fora da cidade, e converteu-se assim no primeiro mártir da História da Igreja Católica. Ao morrer, perdoou seus algozes exclamando em alta voz: "Senhor, não os consideres culpados deste pecado!" (At 7, 60).

Onde está esse corpo bendito do primeiro homem que, a semelhança de Jesus, deu a vida pelos irmãos, pela sua conversão e salvação eterna? 

Recentes escavações arqueológicas, perto de Rámala, a 16 km de Jerusalém (relata o site "Fundación Tierra Santa") encontraram restos de uma basílica com uma lápide de oito linhas, em grego, na qual se afirma ter sido construída no ano 35 em honra do santo diácono protomártir, cujo corpo era venerado nessa igreja. Além do mais, a inscrição acrescenta que nesse lugar esteve Jesus menino, com 12 anos, quando deixando seus pais ficou durante três dias em Jerusalém (Lc 2, 41-51), como narra o doutor Salah al Hudeliyya, do Instituto de Arqueologia da Universidade Al-Qud, chefe dos pesquisadores.

Tendo sido perdida a memória da sepultura, foi miraculosamente descoberta nos primeiros anos do século V. Santo Agostinho, contemporâneo do fato, relata na sua obra A Cidade de Deus (livro 22, cap. 8) numerosos milagres realizados pelas relíquias de Santo Estevão, dos quais ele fora testemunha.

A tradição multissecular testemunha que, em 415, o corpo de Santo Estevão fora transferido de Jerusalém para Constantinopla, e posteriormente para Veneza, onde atualmente se encontra no mosteiro beneditino de San Jorge. Porém, algumas relíquias foram levadas a outros lugares. A mão direita, por exemplo, é venerada num mosteiro na Rússia.

José Manuel Jiménez
____________________________

Gaudium Press