segunda-feira, 4 de junho de 2018

Papa Francisco rejeita proposta alemã de intercomunhão


Um mês depois do Vaticano e dos delegados alemães se reunirem em Roma para discutir uma proposta apresentada pelos bispos alemães para permitir que os cônjuges protestantes em casamentos interdenominacionais recebam Eucaristia, em certas circunstâncias, o Papa Francisco a rejeitou.

Em uma carta datada de 25 de maio e dirigida ao cardeal Reinhard Marx, arcebispo de Munique e presidente da Conferência dos Bispos da Alemanha, o cardeal eleito Luis Ladaria SJ, principal autoridade do Vaticano em assuntos de doutrina, disse que o texto da proposta alemã “levanta série de problemas de considerável importância ”.

A carta foi publicada em 4 de junho no blog do veterano jornalista vaticano Sandro Magister.

A assessoria de imprensa da Santa Sé confirmou a autenticidade da carta, que também foi enviada aos membros da delegação alemã que participaram de uma reunião de 3 de maio entre prelados alemães e oficiais do Vaticano sobre o assunto em Roma, incluindo o cardeal Rainer Maria Woelki, arcebispo de Colônia; O bispo Felix Genn, de Münster; O bispo Karl-Heinz Wieseman, de Speyer; O bispo Rudolf Voderholzer de Regensburg e o bispo Gerhard Feige de Magdeburgo.

Depois de falar com o Papa Francisco sobre o assunto à luz da discussão de 3 de maio, Ladaria disse que o papa "chegou à conclusão de que o documento não está maduro o suficiente para ser publicado", e citou três razões principais para a decisão.

Primeiro, Ladaria enfatizou que a admissão à comunhão dos cônjuges protestantes nos casamentos interconfessionais “é um tema que toca a fé da Igreja e tem relevância para a Igreja universal”.

Permitir que os não-católicos recebam a Eucaristia, mesmo em certas condições limitadas, também teria um impacto nas relações ecumênicas com outras Igrejas e comunidades eclesiais “que não devem ser subestimadas”.

Finalmente, ele disse que a questão da Comunhão é uma questão de direito da Igreja, e citou o cânon 844 do Código de Direito Canônico, que trata do acesso aos sacramentos da Igreja Católica.

Especificamente, o cânon 844 declara que “os ministros católicos administram os sacramentos licitamente somente aos membros católicos dos fiéis cristãos, que também os recebem lícitamente dos ministros católicos”, além de várias exceções enunciadas no cânon.

Essas exceções incluem permitir que cristãos não-católicos recebam os sacramentos da Confissão, da Eucaristia e da Unção dos Enfermos por ministros não-católicos nas igrejas onde esses sacramentos são válidos “sempre que a necessidade o requer ou a verdadeira vantagem espiritual sugere, e desde que o perigo de erro ou de indiferença seja evitado. ”

Os ministros católicos, diz o cânon, também podem administrar esses sacramentos licitamente aos membros das Igrejas orientais que não estão em plena comunhão com Roma, “se eles procurarem por conta própria e estiverem devidamente dispostos”.

O cânon diz que isto também é válido “para os membros de outras Igrejas que no julgamento da Sé Apostólica estão na mesma condição com respeito aos sacramentos como estas Igrejas Orientais”.

Para os cristãos não-católicos incapazes de se aproximar de um ministro de sua própria confissão, o cânon diz que eles são capazes de receber estes sacramentos somente “se o perigo da morte estiver presente ou se, no julgamento do bispo diocesano ou conferência de bispos, alguma outra necessidade grave insta.

No entanto, para receber os sacramentos, eles devem buscar a recepção “por conta própria, desde que manifestem a fé católica em relação a esses sacramentos e estejam devidamente dispostos”.

O cânon conclui sublinhando que, no caso das exceções, “o bispo diocesano ou a conferência dos bispos não deve emitir normas gerais, exceto após consulta, pelo menos, com a autoridade competente local da Igreja ou comunidade não católica interessada”.

Em sua carta ao Cardeal Marx, Ladaria observou que, embora existam “questões abertas” em alguns setores da Igreja no que diz respeito à interpretação do cânon 844, “os dicastérios competentes da Santa Sé já foram encarregados de produzir um esclarecimento oportuno sobre essas questões no nível da Igreja universal ”.

No entanto, ele disse que seria deixado para os bispos diocesanos julgar quando há uma "grave necessidade iminente" em relação à recepção dos sacramentos.

Ladaria, que foi recentemente escolhido pelo Papa Francisco para obter um chapéu vermelho em um consistório no final deste mês, lidera a Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano.

Sua carta aos prelados alemães segue a uma reunião de 3 de maio sobre o tema da intercomunhão entre uma delegação de bispos alemães e membros dos dicastérios vaticanos para discutir se a questão da intercomunidade para cônjuges não católicos em casamentos interdenominacionais poderia ser decidida a nível local, ou se precisava da intervenção do Vaticano.

A reunião foi convocada depois que relatos, posteriormente negados pela conferência dos bispos alemães, saíram dizendo que a Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano havia rejeitado uma proposta dos bispos alemães para publicar diretrizes permitindo que esposas não católicas de católicos recebessem a Eucaristia em certas circunstâncias limitadas.

Em fevereiro, o Cardeal Marx anunciou que a conferência dos bispos alemães publicaria um folheto pastoral explicando que os cônjuges protestantes de católicos “em casos individuais” e “sob certas condições” poderiam receber a Santa Comunhão, desde que “afirmassem a fé católica na Eucaristia. "

A declaração de Marx referia-se a uma versão preliminar das diretrizes, que foi adotada “após intensos debates” durante a assembléia geral de 19 a 22 de fevereiro da conferência.

Depois do anúncio de Marx sobre a proposta intercomunitária, vários prelados alemães apelaram ao Vaticano para esclarecimentos. Especificamente, escreveram para a Congregação para a Doutrina da Fé, o Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e o Conselho para os Textos Legislativos.

Os signatários, que não consultaram o cardeal Marx antes de escrever a carta, incluíam: o arcebispo Ludwig Schick, de Bamberg; O bispo Gregor Hanke de Eichstätt; O bispo Konrad Zdarsa, de Augsburgo; O bispo Stefan Oster de Passau; O bispo Rudolf Voderholzer de Regensburg; Bispo Wolfgang Ipolt de Görlitz e Cardeal Rainer Maria Woelki, arcebispo de Colônia.

Nenhum dos signatários, além do cardeal Woelki, esteve presente no encontro de 3 de maio no Vaticano, que aconteceu no Vaticano.

Os membros da delegação alemã para a reunião de 3 de maio também incluíram: Cardeal Marx; O bispo Genn; Dom Wiesemann, presidente da Comissão Doutrinal da Conferência Episcopal Alemã; Dom Feige, presidente da Comissão Episcopal Alemã para o Ecumenismo; Bispo Voderholzer de Regensburg e pe. Hans Langendörfer SJ, secretário da conferência dos bispos alemães.

Do lado do Vaticano, a reunião contou com a presença do arcebispo Ladaria; O cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos; Mons. Markus Graulich, subsecretário do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos e pe. Hermann Geissler, que serve como um tipo de gerente de escritório para a Congregação para a Doutrina da Fé.

Após a reunião, Ladaria foi encarregado de relatar os detalhes da discussão ao Papa Francisco. Em sua carta de 25 de maio a Marx, Ladaria disse que falou com o papa sobre o assunto nos diaa 11 e 24 de maio. Foi depois dessas discussões, que Francisco decidiu que as diretrizes intercomunais apresentadas pelo cardeal Marx não poderiam ser Publicados.
_____________________________________
CNA (Tradução: Google)