terça-feira, 26 de junho de 2018

Ex-presidente da Irlanda diz que batismo de bebê é violar direitos humanos


Mary McAleese (foto), a ex-presidente da Irlanda que permaneceu no cargo durante os anos de 1997-2011, disse que não participará do Encontro Mundial das Famílias, a ser realizado entre os dias 22 e 26 de agosto, em Dublin.

Ela falou ao Irish Times que o evento, do qual Papa Francisco irá participar, servirá apenas como uma "manifestação política" para o "reforço da ortodoxia". 

Ela também mencionou ao jornal que batizar crianças antes que elas atinjam a idade da razão, a Igreja está criando “pequenos recrutas que são mantidos em obrigações vitalícias de obediência”.

“Você não pode impor obrigações às pessoas com apenas duas semanas de idade e dizer a elas: ‘aqui está o que você se inscreveu'”, disse ela.

Para ela, batizar bebês é uma violação de seus direitos humanos.

“As pessoas não entendiam que tinham o direito de dizer não, o direito de ir embora. Vivemos agora em tempos em que temos o direito à liberdade de consciência, liberdade de crença, liberdade de opinião, liberdade religiosa e liberdade de mudar de religião. A Igreja Católica ainda tem que abraçar completamente esse pensamento”, ressaltou McAleese.

McAleese é católica praticante, licenciada em direito canônico pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Seu livro, Quo Vadis? Collegiality in the Code of Canon Law ("Quo Vadis? A Colegialidade no Código de Direito Canônico", em português) foi publicado em 2012.

No dia 16 de junho de 2018, em um evento em Dublin, McAleese disse que votou a favor no referendo de 25 de maio de 2018, que removeu as proteções pró-vida para os não-nascidos da Constituição irlandesa. 

Ela ainda afirmou que seu voto "não foi um pecado", em referência aos comentários de um bispo cujo os católicos que votaram a favor precisavam se confessar.
_____________________
Front Católico