quinta-feira, 28 de junho de 2018

Argentina: Líderes religiosos convocam “abraço simbólico” pela vida em hospital


A fim de apoiar os profissionais de saúde que são contra o projeto de aborto na Argentina, várias denominações religiosas realizarão no dia 29 de junho um “Abraço simbólico ao Hospital Rawson”, em San Juan de Cuyo.

O Arcebispo de San Juan de Cuyo, Dom Jorge Lozano, e representantes da Igreja Evangélica, Adventista e da Comunidade Bahai, entre outros, manifestaram o seu apoio a esta iniciativa em 26 de junho.

Dom Lozano expressou a sua preocupação pela tentativa de legalizar o aborto. Por isso, encorajou todas as comunidades religiosas e todos os cidadãos a participar do ato “em defesa do direito humano mais fundamental”.

O abraço simbólico será realizado às 11h no Hospital Rawson, centro médico que atende mais de 1.200 pacientes por dia. O evento é organizado pela Associação Médica e pela Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia de San Juan.

Por sua parte, os bispos das dioceses de San Luis, San Rafael, Mendoza e San Juan de Cuyo também manifestaram seu “apoio e proximidade às pessoas e instituições de saúde ligadas à vida nascente” que se aproximaram com “suas angústias, preocupações e dores”, diante da possibilidade da legalização do aborto.

Em uma mensagem divulgada em 25 de junho, os bispos questionaram o fato de que os médicos que quiserem usar a objeção de consciência devam se registrar.

“Ninguém pode ser obrigado a obedecer a uma ordem que é contra os seus princípios e os mandatos objetivos do respeito à dignidade de toda vida humana”, asseguraram.

Os bispos denunciaram que o projeto de lei aprovado na Câmara dos Deputados em 14 de junho “tem características de autoritarismo”, pois é “contra os princípios legítimos pessoais e institucionais relacionados ao cuidado da vida”.

Por isso, pediram aos senadores que “assumam a responsabilidade” e “expressem com seu voto a favor da vida a vontade federal das nossas cidades. Que os interesses econômicos e demográficos, subordinados a fatores de poderes internacionais, não determinem uma decisão contra a vida”.

“Continuamos com a esperança de que é possível um caminho diferente e inclusivo que proteja toda a vida, especialmente a vida inocente do nascituro, a dos mais pobres e vulneráveis ​​e das pessoas com deficiências”.

O comunicado foi assinado por Dom Lozano; pelo Administrador Apostólico de Mendoza, Dom Dante Braida; pelo Bispo de San Rafael, Dom Eduardo Taussig; pelo Bispo de San Luis, Dom Pedro Martínez Perea; e pelo Bispo Auxiliar de Mendoza, Dom Marcelo Mazzitelli.
______________________
ACI Digital