domingo, 20 de novembro de 2016

Só a Deus se deve amar


Quem se ama a si mesmo não pode amar a Deus; aquele que, movido pela riqueza superior do amor divino, não se ama a si mesmo, esse ama a Deus. E como consequência, tal homem nunca busca a própria glória, mas a glória de Deus. Quem se ama a si mesmo procura a sua glória; quem ama a Deus procura a glória do seu Criador. É próprio da alma que sente o amor de Deus procurar sempre a glória de Deus em todos os preceitos que cumpre e deleitar-se na submissão à vontade divina, pois a glória pertence à magnificência de Deus, enquanto ao homem convém a submissão, que o leva a formar parte da família de Deus. Quando procedemos assim, a nossa felicidade está na glória do Senhor e não nos cansamos de repetir, a exemplo de João Batista: É necessário que Ele cresça e eu diminua. Sei de alguém que sofre por ainda não amar a Deus como deseja; e contudo ama-O de tal modo que o maior desejo da sua alma é ver a Deus glorificado nele e ver-se a si mesmo como se nada fosse. Tal homem não se deixa impressionar por palavras elogiosas, porque sabe quem é na realidade; ao contrário, no seu grande desejo de humilhação, não pensa na própria dignidade; entrega-se ao serviço divino como a lei prescreve aos sacerdotes, mas o seu ardente desejo de amar a Deus fá-lo esquecer a própria dignidade e ocultar a própria glória nas profundidades do amor de Deus; pelo seu espírito de humildade, não pensa em si mesmo e apenas se considera como servo inútil. Assim devemos proceder nós também, evitando as honras e a glória, atraídos pela superior riqueza do amor de Deus que tanto nos amou. Deus conhece aqueles que O amam de coração sincero; esses são de facto amigos de Deus na medida em que sentem na alma a caridade divina. Quem atinge essa perfeição deseja ardentemente que a luz do conhecimento divino penetre até ao mais íntimo do seu ser, a ponto de se esquecer de si mesmo e de se transformar totalmente no amor divino. Assim transformado, vive no mundo como se não vivesse; vive no corpo, mas a sua alma encontra-se numa permanente peregrinação para Deus; o seu coração, inflamado pelo fogo da caridade, está tão unido a Deus e tão livre do amor próprio, que pode dizer com o Apóstolo: Se estamos fora de nós, é por Deus; se somos sensatos, é por vós.



Dos Capítulos de Diádoco de Foticeia, bispo, sobre a perfeição espiritual (Cap. 12.13.14: PG 65, 1171-1172) (Sec. V)