quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Ai da alma em que não habita Cristo!


Assim como outrora Deus, irritado contra os judeus, entregou Jerusalém à afronta dos seus inimigos e ela foi dominada por aqueles que a odiavam, ficando sem poder celebrar festas nem sacrifícios, assim também agora Deus, irado contra a alma que transgride os seus mandamentos, a entrega ao poder dos mesmos inimigos que a seduziram e que a desfiguram completamente. 

E assim como uma casa que não é habitada pelo dono, fica abandonada às trevas, à infâmia e ao desprezo, e se enche de lixo e imundície, assim também a alma, privada do seu Senhor que antes habitava nela com os seus Anjos, se enche das trevas do pecado, de paixões iníquas e de toda a ignomínia. 

Ai do caminho que ninguém percorre, em que não se ouve uma voz humana, porque depressa se converte em asilo de animais! Ai da alma por onde o Senhor não passa, fazendo ouvir a sua voz para afugentar as feras espirituais da maldade! Ai da terra que não tem agricultor para a trabalhar! Ai do barco sem timoneiro: batido pelas ondas e tempestades do mar, acaba por naufragar! Ai da alma que não leva consigo o verdadeiro timoneiro que é Cristo: envolvida num violento mar de trevas, batida pelas ondas das suas paixões, impelida pela tempestade invernal dos espíritos malignos, caminha miseravelmente para o naufrágio! 

Ai da alma privada de Cristo, o único que a pode cultivar diligentemente para a fazer produzir os bons frutos do Espírito: assim abandonada, cheia de espinhos e abrolhos, em vez de dar frutos, acaba na fogueira! Ai da alma em que não habita Cristo, o seu Senhor: assim abandonada, começa a emanar fétidas paixões e acaba por se converter num antro de vícios! Assim como o agricultor que quer trabalhar a terra escolhe os instrumentos mais apropriados e veste a roupa mais aconselhável para esse trabalho, também Cristo, o rei celeste e verdadeiro agricultor, vindo ao encontro da humanidade devastada pelo pecado, assumiu um corpo humano e, tomando a cruz como instrumento de trabalho, cultivou a alma abandonada, libertou-a dos espinhos e abrolhos dos maus espíritos, arrancou dela o joio do mal e lançou ao fogo toda a palha dos seus pecados; e tendo-a assim trabalhado com o madeiro da cruz, plantou nela o ameníssimo jardim do Espírito, que produz toda a espécie de frutos saborosos e agradáveis para Deus, que é o seu Senhor.



Das Homilias atribuídas a São Macário, bispo

(Hom. 28: PG 34, 710-711) (Sec. IV)