Adsense Teste

domingo, 20 de novembro de 2016

Os dois reinos


Quando o Papa Pio XI instituiu, em 1925, a festa de Cristo Rei, queria reagir contra os excessos do laicismo moderno que pretende passar sem Deus, algo que atualmente está em alta. A festa de Cristo Rei coloca em contraste o Reino de Cristo, que "não é deste mundo" (Jo 18,36), e o reino do "príncipe deste mundo" (Jo 12,31), e nos leva a perguntarmos a nós mesmos: de que lado estou? Do lado do Reino de Deus, ou do reino de Satanás?

O relativismo tem levado inúmeros à perdição. Hoje em dia o "tanto faz" e o discurso do "amor misericordioso" de um Deus que aceita tudo de qualquer forma porque é bondoso, tem sido arraigado na mente de muitos católicos, inclusive. Desde então se "aceita e perdoa tudo, sem a exigência de um arrependimento sincero, e se negligencia as obras feitas para Deus". Como há católicos negligentes com Deus! São estilo "paz e amor", aceitam todas as doutrinas e, com vergonha, escondem a sua cruz a fim de não serem identificados como discípulos de Cristo. São partícipes do reino do príncipe deste mundo, sentem vergonha do evangelho e procuram agradar a todos.

A Igreja Católica, por sua vez, acredita que Jesus Cristo, morto e ressuscitado por todos, oferece aos homens pelo seu Espírito a luz e a força para poderem corresponder à sua altíssima vocação; nem foi dado aos homens sob o céu outro nome, no qual devam ser salvos. Acredita também que a chave, o centro e o fim de toda a história humana se encontram no seu Senhor e Mestre. E afirma, além disso, que, subjacentes a todas as transformações, há muitas coisas que não mudam, cujo último fundamento é Cristo, o mesmo ontem, hoje, e para sempre. - Gaudium et Spes,10

O mal de muitos movimentos esquerdistas presentes no interior da Igreja de Cristo, está o de querer estabelecer o Reino de Deus neste mundo terreno. Cristo disse que o "Reino de Deus está no meio de nós" (Lc 17,21), mas “ele não é daqui" (Jo 18,36), não é uma comunidade política e social que deve, como erroneamente publicaram em uma das preces do semanário litúrgico "O Domingo", "erradicar a pobreza". A Igreja, como muito bem disse o Papa Francisco, “não é uma ONG”. Erradicar a pobreza é papel dos governos constituídos deste mundo. 

A expectativa da nova terra não deve, porém, enfraquecer, mas antes ativar a solicitude em ordem a desenvolver esta terra, onde cresce o corpo da nova família humana, que já consegue apresentar uma certa prefiguração do mundo futuro. Por conseguinte, embora o progresso terreno se deva cuidadosamente distinguir do crescimento do reino de Cristo, todavia, na medida em que pode contribuir para a melhor organização da sociedade humana, interessa muito ao reino de Deus. - Gaudium et Spes,39

Todos estes valores da dignidade humana, da comunhão fraterna e da liberdade, fruto da natureza e do nosso trabalho, depois de os termos difundido na terra, no Espírito do Senhor e segundo o Seu mandamento, voltaremos de novo a encontrá-los, mas então purificados de qualquer mancha, iluminados e transfigurados, quando Cristo entregar ao Pai o reino eterno e universal: «reino de verdade e de vida, reino de santidade e de graça, reino de justiça, de amor e de paz». Sobre a terra, o reino já está misteriosamente presente; quando o Senhor vier, atingirá a perfeição. - Gaudium et Spes,39


Ignoramos o tempo em que a terra e a humanidade atingirão a sua plenitude, e também não sabemos que transformação sofrerá o universo. Porque a figura deste mundo, deformada pelo pecado, passa certamente, mas Deus ensina-nos que se prepara uma nova habitação e uma nova terra, na qual reina a justiça e cuja felicidade satisfará e superará todos os desejos de paz que se levantam no coração dos homens. Então, vencida a morte, os filhos de Deus ressuscitarão em Cristo e aquilo que foi semeado na fraqueza e corrupção, revestir-se-á de incorruptibilidade; permanecendo a caridade e as suas obras, todas as criaturas que Deus criou para o homem serão libertadas da escravidão da vaidade. - Gaudium et Spes,39