Adsense Teste

terça-feira, 10 de maio de 2016

Homilética: Solenidade de Pentecostes - Ano C: "As maravilhas que faz o Espírito Santo no mundo, na Igreja e em nossas almas."




Sempre que o Espírito Santo intervém, deixa-nos atônitos”, disse o cardeal Van Thuan quando pregou o retiro espiritual no ano 2000 para o Papa e para a cúria romana. E só quem tem fé descobre as secretas e clamorosas maravilhas do Espírito Santo.

Textos: Atos 2, 1-11; Rom 8, 8-17; 10, 19-23; Jo 14, 15-16.23b-26

Pontos da ideia principal

Em primeiro lugar, as maravilhas que faz o Espírito Santo no cosmos e na natureza. Não é incrível a ação do Espírito que faz 15.000 milhões de anos apertou o botão e desencadeou o Bing Bang e, do estouro de um átomo milhares de vezes menor do que ponta de um alfinete, brotaram a matéria e a energia, o tempo e o espaço, as galáxias, as estrelas, os sois e os planetas, o céu e a terra com o mar, os dias e as noites, o homem e a mulher. Pois aquele Espírito era o Espírito Santo, o Espírito de Deus. Dizem os livros sagrados do Novo Testamento que o Espírito é o Espírito da verdade, do amor e da santidade, da unidade com a igualdade e a fraternidade universais, da esperança, da alegria e da paz. Ou seja, que tudo isso que buscamos e não encontramos, que os políticos prometem e não dão, que desejamos e com que nos frustramos, é, e nós sem dar-nos conta!, o Espírito Santo de Deus e do homem. 
  
Em segundo lugar, as maravilhas que faz o Espírito Santo na igreja. Basta repassar as folhas da história da Igreja, desde os seus inícios. A Igreja, comunhão vivente na fé dos apóstolos que ela transmite, é o lugar do nosso conhecimento do Espírito Santo: nas Escrituras que Ele inspirou; na Tradição que Ele conservou, e da qual os Padres da Igreja são testemunhas sempre atuais; no Magistério da Igreja, ao que Ele assiste; na liturgia sacramental- em cada sacramento-, através das suas palavras e dos seus símbolos, onde o Espírito Santo nos coloca em comunhão com Cristo; na oração na que Ele intercede por nós; nos carismas e ministérios mediante os quais se edifica a Igreja; nos sinais de vida apostólica e missionária; no testemunho dos santos, onde Ele manifesta a sua santidade e continua a obra da salvação. Aí está também o Espírito Santo em todos os Concílios que ao longo dos séculos se celebraram para explicar, esclarecer e aprofundar a doutrina, para condenar as heresias e para conservar intacta a fé da Igreja. Aí está o Espírito Santo assistindo o Papa quando fala “ex cathedra” em matéria de fé e de moral, e por isso é infalível. Ou quando o Espírito Santo inspira ao Papa iniciativas incríveis: Jornada Mundial da Juventude, Anos Santos, Anos Extraordinários. A Igreja não é uma sociedade como qualquer outra; não nasce porque os apóstolo tenham sido afins; nem porque tenham convivido juntos por três anos; nem sequer pelo seu desejo de continuar a obra de Jesus. O que faz e constitui como Igreja todos o que “estavam juntos no mesmo lugar” (Atos 2,1), é que “todos ficaram cheios do Espírito Santo” (Atos 2,4). Tudo o que a Igreja anuncia, testemunha e celebra é sempre graças ao Espírito Santo. São dois mil anos de trabalho apostólico, com tropeços e vitórias; acertos e erros, toda uma história de luta por fazer presente o Reino de Deus entre os homens, que não terminará até o fim do mundo, pois Jesus antes de partir nos prometeu: “… eu estarei com vocês, todos os dias até o fim do mundo” (Mt 28.20).

Finalmente, as maravilhas que faz o Espírito Santo na nossa alma. Se um pecador se arrepende e se converte, é devido à ação secreta e interior do Espírito Santo. Se uma boa alma se lança a uma vida mais fervorosa e santa, e deixa a mediocridade, sem dúvida alguma que tem sido o Espírito Santo quem o inspirou e lhe deu a graça para essa mudança. E quando um santo está disposto ao martírio, não é pelas suas próprias forças. Só o Espírito Santo, com o dom de fortaleza, reveste esse homem da valentia necessária para enfrentar dito martírio. Confirma-nos isto o famoso filme baseado no drama do escritor francês Georges Bernanos “Diálogo de carmelitas”; freiras condenadas ao patíbulo e levadas à guilhotina no tempo da revolução francesa; subiam uma a uma cantando o hino do “Veni Creator Spiritus”, hino do século VIII dedicado ao Espírito Santo. Qual foi a surpresa nessa obra? Uma freira, da nobreza francesa, que por medo à morte foi embora do convento, que por medo à execução do martírio se escapou do convento… e agora foi a última em subir o cadafalso e terminar o hino, cheia de valentia do Espírito Santo. Quem inspira os homens e mulheres a fundar uma Congregação religiosa ou um Movimento ou Comunidade? O Espírito Santo que é luz para as mentes. Nos momentos de dor e de aflição, quem deveria nos consolar? Que nos confirme o cardeal Van Thuan, que esteve nos cárceres do Vietnam durante quatorze anos, nove dos quais isolado. Quando ele não tinha força para rezar, o Espírito Santo inspirava ao carcereiro comunista para que cantasse, todas as manhãs ao descer para fazer ginástica,  o hino “Veni Creator Spiritus”, que o mesmo Van Thuan tinha ensinado para ela.  Só o Espírito Santo, que é o Divino Consolador, podia fazer essas coisas e deixar-nos atónitos. Nos momentos de decisões importantes na vida, quem devemos invocar? O espirito Santo. Quando um matrimônio supera uma crise e se perdoam esposo e esposa, quem está detrás? O Espírito Santo que é Espírito de união e harmonia.    
    
Para refletir: “Sem o Espírito Santo, Deus está longe, Cristo permanece no passado, o Evangelho é letra morta, a Igreja uma simples organização, a autoridade uma dominação, a missão uma propaganda, o culto uma evocação e o agir cristão uma moral de escravos. Mas Nele: o cosmos se subleva e geme nas dores do Reino. Cristo ressuscitado está presente, o Evangelho é potência de vida, a Igreja é comunhão trinitária, a autoridade é serviço libertador, a missão é Pentecostes, a liturgia é memória e antecipação, o agir humano se deifica” (Inácio de Laodicea).

Para rezar: rezemos com Santo Agostinho:
Espírito Santo, inspirai-nos, para pensarmos santamente.
Espírito Santo, incitai-nos, para agirmos santamente.
Espírito Santo, atrai-nos, para amarmos as coisas santas.
Espírito Santo, fortalecei-nos, para defender as coisas santas.
Espírito Santo, ajudai-nos, para não perder nunca as coisas santas.



Pe. Antonio Arivero 
Qualquer sugestão ou dúvida podem se comunicar com o padre Antonio neste e-mail:  arivero@legionaries.org
_____________________________________
ACI Digital