terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Arquidiocese de Campinas se pronuncia sobre o atentado na Catedral


Arquidiocese de Campinas
Catedral Metropolitana de Campinas
  
NOTA OFICIAL

Felizes os que promovem a paz, 
porque serão chamados Filhos de Deus (Mt 5,9)

Por volta das 13h15 de hoje, 11 de dezembro de 2018, após a missa das 12h15, um homem, em porte de duas armas de fogo, entrou na Catedral de Campinas e efetuou disparos contra os fiéis que faziam suas orações. A ação foi rápida e resultou no óbito de quatro pessoas. Após os disparos, o homem atirou contra si mesmo. Ainda não sabemos as motivações destes disparos.

A Catedral de Campinas forneceu às autoridades todas as informações possíveis, bem como as gravações do circuito interno de segurança. O Poder Público está investigando o caso.

Lamentamos profundamente o ocorrido. Sofremos com as pessoas que neste momento choram a morte de seus amigos, irmãos e parentes. Pedimos a oração de todos para que estas famílias encontrem em Deus o conforto e a paz.

Repudiamos todos os atos violentos e pedimos que agora, mais do que nunca, sejamos todos promotores da PAZ.

A Catedral de Campinas permanecerá fechada até às 12h00 de amanhã, 12 de dezembro e, às 12h15, será celebrada uma missa em sufrágio das almas dos fiéis falecidos nesta tarde. Convidamos a todos para este momento de oração e vigília, pedindo a intercessão da Imaculada Conceição para todos!
 
Campinas, 11 de dezembro de 2018

ENTENDA O CASO

Era por volta do meio-dia. Fiéis tinham acabado de participar de uma Missa na Catedral Metropolitana de Campinas, SP, quando um homem armado entrou na igreja e espalhou pânico e terror. 

Ele saiu atirando contra os fiéis e, segundo o Corpo de Bombeiros, matou quatro pessoas que estavam rezando. 

De acordo com a Polícia, o homem, que portava uma pistola 9 mm e um revólver calibre 38, se matou em frente ao altar após o ataque.

Outras quatro pessoas foram atingidas pelo disparo e levadas para o Hospital Mário Gatti e o HC da Unicamp. O estado de saúde delas ainda não divulgado. 

A Polícia ainda não sabe a motivação do crime e o autor dos disparos foi identificado como Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, morador da cidade de Valinhos e provavelmente Analista de Sistemas.

Identificação do atirador
 
As vítimas do atentado foram identificadas como Sidnei Vitor Monteiro, José Eudes Gonzaga, Cristofer Gonçalves dos Santos e Elpídio Alves Coutinho. Sidnei é filho de Jandira Prado Monteiro, de 65 anos, que foi atingida no tórax e na mão, passou por cirurgia no Hospital Mário Gatti e está em observação. José Eudes era marido de Maria de Fátima Frazão Ferreira, que foi baleada, atendida no HC da Unicamp e recebeu alta no começo da noite desta terça.

Jandira Prado Monteiro, de 65 anos, teve lesões em uma das mãos e tórax e foi socorrida ao Hospital Mário Gatti, mas está fora de risco.

Para o mesmo hospital municipal foi encaminhado Heleno Severo Alves, de 84, que foi atingido por dois disparos nas regiões do tórax e abdômen e já passou por cirurgia. O estado dele é grave.

Maria de Fátima Frazão Ferreira, de 68 anos, foi levada ao Hospital de Clínicas da Unicamp após ser baleada em uma das pernas e teve alta no início da noite de terça-feira.

O quarto ferido é um homem, de 64 anos, que foi atingido por dois tiros de raspão e foi socorrido ao Hospital Beneficência Portuguesa. A assessoria informou à EPTV que ele já recebeu alta.


Com poucas informações, o perfil de Euler no facebook informa que ele estudou no COTUCA – Colégio Técnico da Unicamp e na Unip do Swift.

A polícia agora faz buscas para tentar encontrar mais informações de Euler e se ele cometeu algum crime antes de ir para a Catedral. A princípio, a Polícia não localizou antecedentes criminais dele, porém há dois boletins de ocorrência feitos por ele como vítima, alegando difamação e injúria.


O delegado José Henrique Ventura disse que já foi apurado pela Polícia Civil que Euler chegou a fazer tratamento contra a depressão. O atirador morava com os pais, não trabalhava desde 2015 e tinha, de acordo com ele, um “perfil estranho”.

De acordo com a Polícia Civil, o atirador era bastante recluso, costumava ficar dentro do quarto, saia muito pouco de casa e chegou a fazer tratamento psicológico. “Ele tinha um perfil muito estranho, era muito fechado. De 2015 para cá não trabalhou mais”, disse José Henrique Ventura.

Cadernos, papéis e o notebook de Euler foram apreendidos pela Polícia Civil e serão analisados pela perícia. Os investigadores ainda tentam descobrir a motivação do crime.
  
Após o ocorrido, Pe. Amauri Thomazzi, que presidiu a Missa das 12h15 na Catedral de Campinas, publicou um vídeo em seu Facebook ,no qual, emocionado, pediu a oração de todos.

O sacerdote contou que, “no final da Missa, uma pessoa entrou atirando e fez algumas vítimas. Ninguém pôde fazer nada”.

“A vocês, amigos, eu peço apenas que rezem pela pessoa. Ele se matou depois da situação. Ele atirou nas pessoas e foram mais de 20 tiros aqui dentro, depois ele se matou. Então, rezamos por ele e por aqueles que foram feridos, tem algumas vítimas fatais”, disse.

“Peçamos a Nossa Senhora Imaculada que interceda por essa catedral, por essas pessoas e por essas famílias”, completou.
________________________________________________
Com informações: Arquidiocese de Campinas/ ACI Digital/ Aleteia