Adsense Teste

terça-feira, 11 de outubro de 2016

MT: Padre é assassinado; polícia suspeita de latrocínio.


NOTA DE PESAR
  
A diocese de Rondonópolis Guiratinga lamenta com pesar o falecimento de Pe. João Paulo Nolli, ocorrido na manhã deste domingo (10) vítima de um ato brutal. Pe. João Paulo nasceu em Andirá, diocese de Cornélio Procópio, PR no dia 29 de abril de 1981. Filho de Atílio e Rachel Peres Nolli. Ingressou no seminário da Congregação da Copiosa Redenção onde fez o ensino médio. Uma vez residindo em Juscimeira fez seu processo de ingresso no Seminário diocesano de Rondonópolis-Guiratinga. Concluiu seus estudos de filosofia e teologia no Sedac, em Várzea Grande, MT e recebendo a formação no Seminário Maior Jesus Bom Pastor. Concluídas as etapas de formação ordenou-se diácono aos 20 de janeiro de 2007 e ordenação presbitertal em Rondonópolis aos 20 de julho de 2007 pela imposição das mãos de dom Juventino Kestering. Ordenado presbíteros foi indicado vigário na Paróquia São José Esposo aos 19 de agosto de 2007. E no dia 31 de janeiro de 2010 foi nomeado pároco da Paroquia São José Esposo, atividade que exerceu até o dia de seu falecimento.

Durante este curto pastoreio de seis anos como pároco, revitalizou a paróquia nos inovações pastorais, concluiu o belo templo dedicado à São José Esposo, o maior da diocese, aglutinava multidões com celebrações alegres, comunicativas, inovou a presença da Igreja nos meios de comunicação em especial a TV com o programa de uma hora “Deus cuida de mim”, fez da paróquia São José um espaço de encontro, de participação, exímio pregador com facilidade de construir as frase e o ensino, foi assessor eclesiástico da Associação Divina Providencia, fez inúmeros retiros, acampamentos, pregações, celebrações na diocese e em outras diocese. Seu corpo será transladado para Cornélio Procópio,PR onde reside sua família e será sepultado no cemitério local.

Para a diocese de Rondonópolis-Guiratinga configura-se como uma grande perda, pois além de fervoroso pároco, era um irmão, colega e amigo. Agradecemos à família porque nos concedeu este filho presbítero à nossa diocese; aos presbíteros, sentidos com a perda, consolemo-nos mutuamente e nos fortalecemos na missão. Ao Pe. João Paulo nosso agradecimento pela dedicação, amor á missão e participação no presbitério. Deus te recompense na eternidade.


Rondonópolis, 10 de outubro de 2016


Dom Juventino Kestering
Bispo diocesano 


ENTENDA O CASO

Depois de algumas horas de angustia e apreensão o corpo do pároco da Paróquia São José Esposo, Padre João Paulo Nolli, foi encontrado na manhã deste domingo (9), no Loteamento Rosa Bororo, em Rondonópolis (MT), na saída para Cuiabá.

O padre que havia desaparecido na noite de sábado após participar de um grupo de oração na região do Jardim Tropical, não compareceu para rezar a missa da manhã deste domingo (9) em sua paróquia, o que levantou ainda mais suspeitas das pessoas mais próximas de João Paulo, que acionaram a Polícia Militar por volta das 7h45.

A partir deste momento a PM montou uma grande operação para localizar o carro do padre e por consequência localizar João Paulo ou saber informações do seu paradeiro. Foi então que surgiu a primeira informação e segundo ela, um usuário de drogas, conhecido da Polícia e que atende pelo apelido de ‘Pão Velho’ estaria de posse do celular do religioso.

A PM então deslocou várias viaturas para a região do bairro Canaã onde “Pão Velho” teria sido visto ainda na manhã deste domingo. Quase que ao mesmo tempo, o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp) recebia a informação através do telefone de que um corpo havia sido localizado no loteamento Rosa Bororo.

Local onde o corpo do Padre foi localizado – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Após a confirmação de que o corpo localizado era do padre, a PM e a Polícia Judiciária Civil (PJC), intensificaram as buscas por ‘Pão Velho’, que até o momento da edição final desta matéria não havia sido localizado.

A paróquia São José Esposo ligou para o celular do padre quando o principal suspeito atendeu o celular. Desconfiando, as pessoas ligadas ao sacerdote "rastrearam" e foram ao encontro do rapaz que estava com o aparelho móvel. Apesar do celular recuperado, o homem abriu fuga.

Corpo do padre João Paulo é velado em Rondonópolis

Em depoimento, três adolescentes com idade entre 16 e 17 anos, confessaram o crime.

Os três menores envolvidos no latrocínio confessaram que abordaram o padre na Avenida Presidente Médice e depois o levaram para a localidade do residencial Rosa Bororo.

De acordo com o delegado Gustavo Belão, da Polícia Civil, os adolescentes contaram que, no meio do caminho, discutiram com o padre e o mataram. Os três retiraram o padre de dentro do carro, o estrangularam do lado de fora e deixaram o corpo em um terreno baldio. “Depois disso, eles [adolescentes] pegaram o carro, a carteira do padre com R$ 65 e o celular do sacerdote”, disse.

Outras quatro pessoas, entre elas um adolescente de 14 anos e três homens de 25, 30 e 32 anos, foram detidas no domingo suspeitas de receptação do carro e dos pertences roubados de João Paulo.

A Polícia Civil diz que os quatro são usuários de droga e estavam tentando vender o celular do padre assassinado. Uma pessoa que estava com o celular tentou extorquir um assistente do padre. O suspeito exigiu dinheiro para entregar o celular da vítima. No entanto, o valor não foi pago, e o celular acabou sendo recuperado. Essa pessoa está foragida, conforme a Polícia Civil.

O carro do padre, um Hyundai HB20, foi encontrado abandonado na noite de domingo no bairro Jardim Europa. O veículo estava intacto e passou por perícia nesta segunda-feira (10).

Carro do Padre João Paulo é localizado no Jardim Europa – Foto: Ricardo Costa / AGORA MT

VELÓRIO E SEPULTAMENTO

Na segunda-feira (10), às 5h, após velório realizado na Paróquia São José Esposo, o corpo do padre João Paulo foi levado pelo caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo fúnebre até o Aeroporto Maestro Marino Franco. De lá o corpo do sacerdote foi encaminhado para translado até o município de Cornélio Procópio (PR). 



_________________________________________________

Diocese de Rondonópolis-Guiratinga / Agora Mato Grosso / G1