Adsense Teste

sexta-feira, 18 de março de 2016

Existe algum partido político que representa de verdade os católicos?

 
Massivas, históricas e decididas manifestações pró-família tomaram conta das ruas da Itália ao longo de 2015 e 2016 em reação aos avanços da chamada ideologia de gênero nas escolas do país.

Como acontece frequentemente no universo paralelo da política, porém, o clamor das ruas foi solenemente ignorado e desprezado pelo senado da Itália, que, pressionado por lobbies, decidiu equiparar as uniões civis homossexuais ao matrimônio natural entre um homem e uma mulher que, indissoluvelmente e por amor, se comprometem entre si e com a abertura de si mesmos à concepção e à criação dos próprios filhos.

Imediatamente após este passo, os lobbies ideológicos já avançaram para as suas próximas metas: legalizar a adoção de crianças por qualquer um dos assim chamados “arranjos familiares”, incluindo pessoas solteiras e parceiros do mesmo sexo; agilizar mais ainda o divórcio, tornando o compromisso matrimonial cada vez mais superficial e inconsequente; e levar adiante nada menos que quatro projetos de lei para liberalizar a eutanásia.

O clamoroso desprezo político pela vontade popular, no entanto, levou a uma reação católica.

Gianfranco Amato, presidente dos Juristas pela Vida e um dos organizadores das manifestações pró-família no país, e Mario Adinolfi, redator-chefe do jornal católico “La Croce” (“A Cruz”), anunciaram o nascimento do partido político “Povo da Família” – em italiano, “Popolo della Famiglia” (a pronúncia é “Pópolo de la Familha”).

Adinolfi é explícito: “A Itália precisa dos católicos”.

Ele diz que o Popolo della Famiglia, porém, vai além dos limites confessionais e pretende “oferecer representação a todos aqueles que são constantemente traídos no parlamento pelo voto de ‘representantes’ que ignoram as exigências concretas manifestadas com clareza pela população”. E exemplifica, entre essas manifestações, o protesto massivo de 30 de janeiro de 2016, em Roma, contra a equiparação entre as uniões civis e o matrimônio natural. Adinolfi ainda aproveita para desmascarar hipocrisias: “Alguns [dos políticos que depois votaram a favor dessa equiparação] tinham até estado presentes na manifestação…”.

O comunicado de lançamento do Popolo della Famiglia faz aberta referência à “ajuda de Deus e ao olhar benevolente de Nossa Senhora”. Adinolfi reafirma que o partido não quer esconder a sua “clara inspiração” nem a sua evidente “raiz cultural” católica. E destaca, diante de uma sociedade laicista e intolerante, disfarçada justamente de “tolerante”:

“Nós não temos vergonha de pedir a ajuda de Deus. Eu espero que isto não escandalize as pessoas!”.

A propósito de “tolerância”, Mario Adinolfi avisou que “cada insulto aumenta dez vezes as nossas energias” e relatou:

“Pessoalmente, eu recebo milhares [de insultos] por dia, já que decidi me expor nas redes sociais sem filtros e aceitando toda crítica e ataque. E vieram ataques pesadíssimos, inclusive contra a minha família, contra a minha filhinha que só tem cinco anos!”.

Por outro lado, quando o Popolo della Famiglia tornou público e oficial o seu compromisso político, “as ofensas recebidas foram até menores”, conta ele. “Já os incentivos vieram de milhares de pessoas, que já se disseram decididas a colaborar”.

Trata-se, afinal, de algo raro, talvez inexistente, no cenário político atual: um partido com uma proposta católica explícita. Adinolfi confirma: o fato é “único na paisagem política dos partidos de hoje, todos sem entusiasmo. Nós despertamos muitíssimo entusiasmo em poucas horas (…) Eu acredito que [nas eleições de junho na Itália] nós vamos sorrir por ter dado esperança e futuro a um povo que não tem nenhuma vontade de se resignar”.
____________________________________________
Aleteia