quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Tirem o PT do Altar



1.  Itália, anos 60. Um homem vai se confessar com o Padre Pio de Pietrelcina. "Você já rasgou?", pergunta o santo. "Rasguei o quê, padre?", surpreende-se o homem. "Ora, a carteirinha do Partido Comunista!" O homem fica perplexo. "Volte para casa, rasgue a carteirinha, jogue-a no lixo e só então volte para se confessar." E o homem fez tudo que Padre Pio mandou. 

2. Londrina, 2014. Durante missa em homenagem ao Padre José Kentenich, herói e fundador da Obra de Schoenstatt, Dom Albano Cavallin faz um duro sermão contra o governo petista. Diz que a Copa e a Olimpíada são motivo de vergonha em um país com tantos problemas de saúde e educação. Uma liderança política, presente à cerimônia, ao sair critica o arcebispo emérito: "Ele não sabe do que está falando!" 


3. Londrina, 1999. Imaginem o que aconteceria se os então governantes da cidade, que vinham sendo denunciados por corrupção, resolvessem levar suas bandeiras partidárias e sua militância para o ambiente da Igreja Católica. Imagine como reagiriam os membros do movimento Pé Vermelho Mãos Limpas (do qual este cronista fazia parte). A conclusão é óbvia: não há que transigir com o erro. Essa é a transigência que mata, também chamada omissão. Não há que transigir com a mentira ou com o crime, ou o preço será a morte. 

4. A história comprova: a revolução, a tomada de poder e o golpe socialista sempre são feitos por uma minoria, uma pequena elite que se aproveita do silêncio e da submissão da maioria. É exatamente isso que a esquerda petista — derrotada nas urnas e nos tribunais — tenta fazer agora na Igreja. E terão sucesso se não fizermos nada. 


5. A distorção da linguagem é uma das maiores armas dos totalitários para chegar ao poder. Em cartilha recentemente distribuída aos católicos que vieram a Londrina — pessoas simples, que em sua maioria procuravam guiamento e consolação espiritual — a palavra "golpe" é usada para designar o impeachment constitucional da sra. Dilma. As palavras falsas são a estratégia pela qual a esquerda pretende reconquistar o poder no Brasil, transformando-o numa grande Venezuela. 


6. "A Igreja não é um pequeno grupo de ativistas que se reúnem em um certo lugar para viver em comunidade. A Igreja também não é simplesmente um grande grupo que se reúne aos domingos para celebrar a Eucaristia. A Igreja é muito mais do que o Papa, os bispos e os sacerdotes. Todos eles fazem parte da Igreja, mas a companhia na qual entramos através da fé, vai muito além, vai além da morte." (Cardeal Joseph Ratzinger, depois Bento XVI, 1990) 


7. Não é que eu simplesmente goste da Igreja, frequente a Igreja, defenda a Igreja. Eu amo a Igreja mais que tudo neste mundo; ela salvou minha vida, ela É a minha vida. Por isso, sinto-me no dever moral de combater esses abutres políticos que querem transformá-la em "posto de gasolina" das suas ambições de poder. Tenho esperança de que as autoridades da Igreja, iluminadas por Deus, não compactuem com esse golpe. O altar não é o lugar de partido nenhum: é o lugar de Cristo.



Paulo Briguet
_____________________
Folha de Londrina