sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Comunhão é autorizada na Alemanha para protestantes casados ​​com católicos



O cardeal Reinhard Marx anunciou que a Conferência dos Bispos Alemães publicará um folheto pastoral para casais que permita aos cônjuges protestantes dos católicos "em casos individuais "e" sob certas condições "para receber a Sagrada Comunhão, desde que" afirmem a fé católica na Eucaristia ".

De acordo com o relatório de imprensa do Arcebispo de Munique e Freising, o folheto destina-se principalmente aos pastores e deve ser entendido como uma ferramenta para situações pastorais, "considerar a situação concreta e tomar uma decisão responsável sobre a possibilidade da parceiro não-católico para receber comunhão ".

O anúncio foi feito "após um intenso debate" na conclusão da assembleia geral da Conferência Episcopal Alemã, que se realizou de 19 a 22 de fevereiro na cidade bávara de Ingolstadt e contou com a presença de 62 membros da conferência episcopal sob a liderança do presidente da conferência, Cardeal Marx.

O comunicado de imprensa declara que sua premissa é que "em casos individuais, a fome espiritual de receber comunhão em casamentos interdenominacionais pode ser tão forte que poderia comprometer o casamento e a fé do cônjuge". A afirmação continua dizendo que isso aplica-se ainda mais aos cônjuges que "já querem viver seu casamento com muita consciência" como um casal cristão.

A mensagem central do folheto é "que todos em um casamento que liga denominações", depois de um "exame maduro em uma conversa espiritual com o seu sacerdote ou outra pessoa encarregada de pastoral, que tomou uma decisão de consciência para afirmar a Fé da Igreja Católica e, assim, concluir uma "grave necessidade espiritual", bem como cumprir o desejo de receber a Eucaristia, pode aproximar-se da mesa do Senhor e receber a Comunhão".

A declaração do cardeal Marx enfatiza: "Estamos falando de decisões em casos individuais que exigem um cuidado e discernimento espiritual". O folheto deverá ser publicado em algumas semanas.

O Código de Direito Canônico afirma que, no perigo da morte ou se "alguma outra necessidade grave o instiga", os ministros católicos administrem lícitamente a penitência, a Eucaristia e a unção dos doentes aos protestantes "que não podem se aproximar de um ministro da própria comunidade e de quem procuram por si próprios, desde que manifestem a fé católica em relação a esses sacramentos e estejam devidamente dispostos ". 

O anúncio dos bispos segue uma discussão de tal proposta em uma assembléia geral anterior realizada na primavera de 2017.

Segundo o arcebispo Ludwig Schick, de Bamberg, em um relatório no jornal diocesano alemão "Tag des Herrn" de março de 2017, Schick diz que os bispos procuram "uma decisão responsável" sobre a questão dos parceiros não-católicos em casamentos interdenominacionais em casos individuais por meios pastorais.

Em 31 de dezembro de 2016, o site da comunidade eclesial luterana na Alemanha informou que o bispo Franz-Josef Bode, de Osnabrück, estava esperando um reconhecimento do que já era o caso, a saber, que em muitos lugares os protestantes foram à comunhão com seus católicos cônjuges. "Nós temos que dar uma base para o que muitas vezes já está em ação na prática", o site cita Bode em uma entrevista com a agência de imprensa Luterana EPD.

Bode, que também frequentou os Sínodos dos Bispos 2014-2015 sobre a família, foi eleito vice-presidente da conferência dos bispos alemães em 26 de setembro de 2017.
_______________________________________________
Catholic News Agency/ Sinais do Reino/ Front Católico