Adsense Teste

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Gratidão no campo da graça: Cristo


O campo específico da graça – que em Cristo leva o homem a ser diretamente filho do Pai Divino, o faz “nascer de Deus” e o liberta dos laços da culpa em que vive longe de Deus – distingue-se claramente do campo da natureza.

De fato, Cristo não seria um homem se não tivesse de agradecer a algum outro homem, a Sua mãe. Efetivamente, na concepção, no parto e na educação deste Filho, a mãe assumiu uma responsabilidade pessoal totalmente, a qual se empenhou tanto no plano espiritual como no físico. Isso é tanto mais verdadeiro se levarmos a sério as palavras do símbolo apostólico: “Nascido da Virgem Maria”.

Cristo, portanto, “nascido de mulher” [1], deve agradecer à sua mãe, porque, somente através de tal ato pode ser homem. 
Em nosso pensamento emergem as palavras de São Paulo e São João que descrevem a Igreja como a “esposa” prometida a Cristo, que é conduzida a Ele, por Ele purificada e que o invoca com saudade; palavras que descrevem a Igreja como a “Esposa do Cordeiro”, que no fim dos tempos é unida a Ele como “carne de sua carne” (assim como Eva brotou da “ferida” lateral de Adão e foi por ele conhecida como a verdadeira companheira), como aquela unidade, existente por força d’Ele e n’Ele, que é edificada e sustentada através da unidade de Sua Carne e Sangue oferecidos sob a forma de pão e vinho)[2].





[1] “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei” (Gl 4,4).
[2] Cf. Ef 5,23-29; Ap 19,7;21,9
______________________________________
O Culto a Maria Hoje