Adsense Teste

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Itália: Morre o grande missionário capuchinho frei Liberato Giudici


Se há um exemplo de sacerdote a imitar, eis o frei Liberato! Não só pelo seu carisma franciscano, mas por sua entrega incondicional, e seu imenso desejo de servir a Cristo no Brasil. Tão logo ordenado presbítero, escreveu ao seu superior pedindo a vinda ao Brasil. E foi ao Maranhão que o Senhor o enviou, primeiro em Alto Alegre, depois Presidente Dutra, Tuntum, Pedreiras, Paço do Lumiar e Porto Franco. Na capital, São Luís, frei Liberato desenvolveu atividades na Igreja do Carmo, no Anil, Olho D'Água e na Cohab (onde daremos destaque neste histórico). 


Frei Liberato foi por tantos anos na Província o grande construtor são inúmeras as construções que receberam seu esforço e dedicação, como a magnifica Igreja Matriz de Tuntum-MA, homem prático e apaixonado pela música, pela liturgia e dedicação aos pobres, seja nas Casas do Pão que administrou, como no Convento do Carmo, seja nas que construiu, como a da Cohab, em São Luís. Na cidade de Porto Franco, enviou muitos jovens para o seminário e tinha a maior alegria em preparar as ordenações presbiterais de vários sacerdotes daquela cidade.

De minha parte, sempre serei grato a Deus pela sua vida, por o ter conhecido e por ouvir seus conselhos. Muita coisa não está aqui registrada, muita ficou apenas na memória, mas o que há em comum em todas elas sobre a vida deste santo homem, é o seu zelo apostólico. Que o Senhor o acolha em sua glória e lhe recompense por sua entrega total ao projeto do amor de Deus.


Frei Liberato tem por nome de Batismo Alessandro, nasceu em 26 de agosto de 1933 na cidade de Vilmaggiore da diocese de Bergamo, na Itália. O nome de seus pais é Ernesto e Bendotti Alceste (“Alxeste”). Entrou no seminário dos capuchinhos no ano de 1944, fez o noviciado em Louveri em 1951. Religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos recebeu o hábito no dia 14 de agosto de 1951, fez a profissão temporária no dia 15 de agosto de 1952 e a profissão perpétua no dia 15 de agosto de 1955, tudo na cidade de Lovere e no dia da Assunção de Nossa Senhora.

Foi ordenado sacerdote no dia 23 de maio de 1959, em Milão. No dia 5 de novembro deste mesmo ano veio fazer missão no Brasil. Chegou no dia 17 de novembro no Convento Nossa Senhora do Carmo – Centro.



No dia 20 de fevereiro de 1960 fez desobriga em Presidente Dutra, interior do Maranhão, talvez sua 1ª desobriga. (Desobriga é quando o sacerdote se dirige a uma comunidade bem distante que geralmente não tem assistência de padres com frequência e lá realiza batizados, primeira eucaristia, confissões e casamentos. Após a realização desta função, o sacerdote está “desobrigado”, já cumpriu sua tarefa). Em 18 de agosto de 1961, frei Liberato também fez desobriga em Tuntum – MA. Em 12 de março de 1971 foi superior e pároco em Alto Alegre – MA.

Em 30 de janeiro de 1974 foi colaborador no Anil e em 1º de maio de 1974 passou a dar assistência à Igreja da Cohab. Foi um dos primeiros frades a morar lá e um dos fundadores desta Igreja.



Entre as obras que frei Liberato realizou na Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, mencionamos algumas:

O Cine Beta era uma “sessão de cinema” com filmes da época que funcionava de sexta a domingo, ficava onde hoje é a Capela Mortuária e foi criado no Natal de 1975. Com a chegada da televisão nas casas vizinhas, o Cine Beta acabou e deu lugar ao Teatro Popular onde eram realizadas a apresentação de peças da semana santa, natal, etc. Tudo isso com o apoio do Frei Liberato.

Nesse mesmo ano, Frei Liberato recorreu ao Dr. Fiquene, diretor presidente da Cohab (Companhia de Habitação Popular do Maranhão) para conseguir a liberação do terreno paroquial (Centro Catequético), e o até então prefeito de São Luís, Antonio Bayma, liberou a construção. No dia 27 de junho de 1977, dia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, foi dado o início de construção do Centro Catequético.



Frei Liberato juntamente com a Irmã Heráclia elaboraram em 26 de julho de 1978 o regimento interno do Clube das Mães da Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, esse Regimento foi baseado no estatuto do Clube das Mães de Bacabal que a pedido de frei Liberato (que se tornou o diretor espiritual do Clube das Mães) foi trazido por Dona Madalena, primeira diretora do mesmo em São Luís. Por meio do Clube das Mães em 1979 foram realizados vários cursos: Datilografia, Corte e Costura, Crochê, Artesanato, Arte Culinária, Pintura, Primeiros Socorros  e Gestantes.

O clube funcionava inicialmente na praça que fica atrás da igreja, entre a igreja Católica e a igreja Batista. Na época era uma espécie de Associação da Cohab que se reunia num galpão. Mais tarde passou a se reunir na área da igreja onde hoje existe a Sala 05 do Centro Catequético até o período em que deixou de ter ligação direta com a Igreja. A conselheira do clube era a Irmã Heráclia.

Frei Liberato abençoa um carro, após a missa da manhã, que costumava celebrar 

No dia 2 de setembro de 1979, frei Liberato celebra a primeira missa no bairro do Cohatrac a pedido de um morador. A missa foi celebrada no CSU do cohatrac, ainda sem muita participação de fiéis.

Entre os anos de 1979 e 1980, durante o governo de João Castelo e após muita insistência de dona Graça Barros (do grupo Antoniano) ao Prefeito Mauro Fecury, frei Liberato consegue autorização para avançar a Igreja 3 metros à frente a fim de construir a fachada da Igreja Matriz. Ela se eleva bem mais alta do resto da construção, com a imagem de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro grafitada na parede externa que, iluminada, pode ser vista de longe. Em 1981 frei Liberato se despede da COHAB e a pedido do frei Ulderico fez o projeto de construção da primeira Igreja no bairro do cohatrac, localizada onde hoje é a Matriz de Nossa Senhora de Nazaré.

No dia 20 de fevereiro de 1981, Frei Liberato vai em missão a Pedreiras- MA e retorna a São Luís, precisamente ao Convento de Nossa Senhora do Carmo, como superior e ecônomo e, no dia 13 de janeiro de 1986 torna-se o guardião do mesmo Convento.

Em 17 de julho 1987, frei Liberato retorna à COHAB e depois passa a morar no cohatrac para dar melhor assistência à comunidade.



Em 26 de fevereiro de 1989, frei Liberato é nomeado guardião e pároco em Porto Franco – MA e no dia 28 de janeiro de 1995 passa a ser o vigário geral da diocese de Carolina, Porto Franco-MA.

Em 1999, quando foi feita a província de Nossa Senhora do Carmo, frei Liberato morou mais ou menos um ano e meio no Convento do Carmo encarregado do refeitório dos pobres e em 2000 foi nomeado pároco da paróquia de Nossa Senhora da Luz – Paço do Lumiar; lá, morou na capela Divino Espírito Santo, pois na paróquia não havia casa paroquial. Ele foi o autor do projeto da construção da casa paroquial e realização do mesmo, correndo atrás dos recursos que custearam essas construções, assim como a reforma da Igreja que estava precária; juntamente com os paroquianos, foi em busca da área e documentação da casa e do salão paroquial na prefeitura do Município de Paço do Lumiar e no Cartório de Registros e Imóveis. E com essa documentação em mãos, deu-se início a essas duas construções: a casa paroquial e o Centro Catequético (Salão Paroquial). Depois de construída a casa paroquial, frei Liberato mudou-se para a mesma. Esta, atualmente, é a maior casa paroquial dos padres da Arquidiocese de São Luís. Frei Liberato passou três anos à frente desta paróquia, onde desenvolveu o seu ministério sacerdotal, criando comunidades e construindo capelas.


No dia 5 de março de 2003, frei Liberato foi morar no Olho d’Água, comunidade N. Senhora do Perpétuo Socorro, compondo a fraternidade da Cohab e retornou novamente para a Igreja da Cohab em 2006.

Em 30 de Abril de 2007, com o objetivo de “dar de comer a quem tem fome” foi inaugurada a Associação do grupo dos Antonianos e dos Franciscanos (religiosos e seculares), que contava com a colaboração de pessoas voluntárias. Esta obra conhecida como “Casa do Pão”, foi construída com a ajuda de Antonio Torrente (in memoria) e foi administrada pelo frei Liberato, coordenador geral, que posteriormente deu lugar ao frei Deusivan, ecônomo e vice-provincial da província de Nossa Senhora do Carmo.

Paroquianos se despedem de frei Liberato antes de ele retornar à Itália

Depois de completar 50 anos de sacerdote e 50 anos no Brasil, frei Liberato, que também é irmão do ex-pároco da paróquia da Cohab, frei Luís Giudici, em 2009 se despediu de nossa Comunidade e de nosso país, onde fez questão de passar todos os seus 50 anos de missão estrangeira trabalhando no Maranhão. Teve como protetor São José, carpinteiro e construtor. Certamente frei Liberato se espelhou nele mesmo e aqui, embora mencionadas brevemente poucas das muitas coisas que ele realizou durante sua permanência no Brasil, no Maranhão e na Cohab, devemos agradecer a Deus, à Virgem Maria e a São José pela sua vinda em nosso meio e para nós ficará a sua memória, certos de que é impossível olhar para esta igreja e não ver uma impressão digital sua, pois como está escrito na sua lembrança de aniversário de Ordenação Sacerdotal: “A doação só é verdadeira quando torna feliz tanto quem dá quanto quem recebe, e quando o limite entre dar e receber desaparece. Quem dá, sem esperar nada em troca, tem sempre nas mãos a linda flor da feliz gratuidade. O que se faz por amor nunca ficará perdido, antes, há de permanecer e de se multiplicar”. Que o Senhor, na sua infinita misericórdia, receba o frei Liberato, exemplo de sacerdote e de dedicação a Deus e à Sua Igreja. Amém! 


"Felizes os que morrem no Senhor! 
Descansem agora de seus trabalhos,

pois suas obras os acompanham" (Ap 14,13)


Gilberto B. Passos