Adsense Teste

quarta-feira, 26 de abril de 2017

A Cabana: poesia com heresia


Chega às telas do cinema o filme “A Cabana”, baseado no livro best-seller de mesmo nome do escritor Willian P. Young, e muitos estão criticando ou adorando a produção. Afinal, vale a pena assistir ou não?

Vamos partir da sinopse: “Um homem vive atormentado após perder a sua filha mais nova, cujo corpo nunca foi encontrado, mas sinais de que ela teria sido violentada e assassinada são encontrados em uma cabana nas montanhas. Anos depois da tragédia, ele recebe um chamado misterioso para retornar a esse local, onde ele vai receber uma lição de vida”.

Até aí não há problema algum, mas a questão é que esta “lição de vida” que consta na sinopse é na verdade um encontro deste homem atormentado com Deus. Não se trata de uma personificação de Deus como realizada em filmes como “Todo Poderoso”, mas a apresentação da Santíssima Trindade e a discussão sobre diversos pontos teológicos. E é aqui onde a produção derrapa e derrapa feio.

Entendo que o primeiro ponto a ser colocado: não é um filme católico. Eu diria mais, ainda que se apresente como um filme de temática cristão, pelos diversos erros teológicos não o enquadraria como um filme religioso, no máximo um filme com muita religiosidade (até porque vemos no enredo que Deus seria contra as religiões).

O enredo é a tentativa de Deus em se apresentar ao homem atormentado (Mack), curar suas feridas e estabelecer com ele um relacionamento. Ficando apenas nestes pontos (porque da parte teológica falarei mais adiante), os momentos entre Deus e o homem chegam a ser poéticos, que pode nos levar a questionar a nossa relação com a Santíssima Trindade, a forma como muitas vezes queremos conduzir as nossas vidas sem qualquer auxílio de Deus, como O culpamos quando as coisas dão erradas, entre tantas outras situações.

Ao mesmo tempo, temos pontos que chamaram a atenção e muitos criaram confusão e outros que podem passar despercebidos que são realmente danosos aos desatentos.

No filme, Deus Pai é vivido por uma mulher, a ótima atriz Octavia Spencer. O fato de ser uma “negra mulher gorda” foi alvo de muitas reclamações. Não li o livro, mas no filme ficou bem claro para mim que Deus usa a imagem desta mulher para facilitar o acesso a Mack, que quando criança teve sérios problemas com seu pai que bebia muito e espancava a sua mãe e a ele também, por isso preferiu não “aparecer” como um pai. Quando seu pai o espancava, ele recebia carinho e atenção de uma mulher da cidade, que foi a mesma usada por Deus para se aproximar do homem atormentado. Não se trata de uma apresentação de que Deus é mulher, até porque em determinado momento do filme Deus Pai toma a figura de homem quando entende ser necessário. Portanto, acho uma discussão desnecessária neste aspecto.

Encontraram um ator judeu com a pele morena e barba para fazer o papel de Jesus. Achei interessante este cuidado na produção de buscar uma figura que poderia se parecer etnicamente com o Cristo.

Já o Espírito Santo, no filme chamado de Sarayu, é protagonizado por uma atriz japonesa que aparece em muitos momentos com um brilho em sua volta, com a intenção de indicar que é um espírito. Uma apresentação fraca desta pessoa da Santíssima Trindade, não por ser uma mulher, mas porque nem de longe lembra o consolador e inflamador das almas.

Quanto aos erros teológicos, vamos falar de alguns mais gritantes entre vários apresentados no filme (sei que no livro tem mais coisas e algumas estão diferentes das colocadas aqui, mas vou me limitar ao filme): 

1. Humanidade de Cristo: no filme Jesus é retratado como humano, apenas humano. Ora, sabemos que Cristo, Deus como o Pai e o Santo Espírito, ainda que de natureza divina se fez homem, ao contrário do que o filme tenta nos apresentar. Jesus Cristo não era humano, mas se fez homem e assumiu novamente sua condição divina após sua ressurreição.

2. Pecado: no filme Deus não pune o pecado porque este já é uma punição. No Catecismo da Igreja Católica é claro que uma das penas do pecado é a privação vida eterna (§ 1472) e condenação ao inferno, o que no filme deixa a entender que Deus não conseguiria condenar o homem ao inferno em razão de seu amor de Pai.

3. O Pai foi crucificado com o Filho: outro grande erro. Apenas Jesus Cristo foi crucificado. Mesmo que o Pai tenha sofrido ao ver seu Filho tratado como foi, não que tenha sido pregado junto com Ele.

4. Cristo não quis religião: Jesus nasceu judeu, viveu como judeu e morreu como tal, assim como disse claramente que não se fez homem para abolir a Lei, mas para dar pleno cumprimento à ela (Mt 5, 17-18), além de que diz textualmente que Pedro será a pedra em que edificará a sua Igreja (Mt 16, 18). O filme tenta relativizar estes conceitos para fazer acreditar que Jesus não queria criar uma religião, o que não é verdade.

5. O homem foi criado para ser amado: outro erro, pois sabemos que o homem foi criado para amar primeiro a Deus e depois ao próximo como a si mesmo. Não foi criado para ser amado, mas para amar e servir a Deus (Catecismo da Igreja Católica, 358).

Os conceitos apresentados no filme podem criar uma grande confusão na cabeça dos desavisados, ao mesmo tempo em que poderá reforçar alguma ideia errada já existente. Mesmo com a bela mensagem de que Deus nos ama e quer curar nossas feridas, o filme cai no mesmo erro criado pelo autor do livro em tentar destruir as religiões e criar um deus que não existe e propagar mentiras com cara de teologia.


André Luiz de Oliveira Brandalise,
Coordenador do blog Projeções de Fé
__________________________________________

Cléofas / Com. Shalom