sábado, 10 de junho de 2017

Homilética: Solenidade de Corpus Christi – Ano A: "Comunhão com o dom de Cristo".


Como que prolongando a atmosfera pascal, atmosfera do mistério de nossa redenção pelo Senhor morto e glorificado, a Igreja quer celebrar de modo mais expresso o sacramento pelo qual participamos da doação até o fim de seu corpo e sangue, conforme a palavra de Jesus na Última Ceia. Embora esta celebração seja uma extensão da Quinta-feira Santa, o evangelho é o texto eucarístico de João, que não se encontra no contexto da Última Ceia, como nos evangelhos sinóticos, mas no contexto da multiplicação do pão. Jesus explica o sentido do “sinal do pão”.

Para os judeus, a multiplicação do pão significou saciação material (cf. o messianismo político); para Jesus, significava o dom de Deus que desce do céu, e que é ele mesmo, em pessoa. Ora, na última parte do discurso (Jo 6,51-58), Jesus especifica mais ainda: esse dom do céu é “sua carne (= existência humana) dada para a vida do mundo” (cf. a fórmula paulina da instituição da Eucaristia, “meu corpo [dado] por vós”, 1Cor 11,23).

A Eucaristia tem duas dimensões: primeiro, a sua celebração, a missa, ao redor do altar; e depois, a sua prolongação, com a reserva do Pão eucarísticos no Sacrário e a conseguinte veneração e adoração que lhe dedica a comunidade cristã. A finalidade principal da Eucaristia é a sua celebração- a missa-, isto é, para os fieis comungarem o Corpo e o Sangue de Cristo. Porém, desde que, já nos primeiros séculos, a comunidade cristã começou a guardar o Pão eucarísticos para os enfermos e para os moribundos, foi nascendo cada vez mais “conatural” que se rodeasse o lugar da reserva (o Sacrário) de sinais de fé e adoração ao Senhor. A Eucaristia na celebração é para ser comida para a saúde das nossas almas e assimilar Cristo, Pão de vida. A Eucaristia na prolongação é para ser adorada, festejada e cantada. Na celebração da Eucaristia entramos em comunhão com Cristo na hora de comungá-lo. Na prolongação da Eucaristia caímos de joelhos para agradecer, adorar, contemplar e abrir o coração diante de quem está ali sacramentalmente presente e sabemos que nos olha e nos ama.  

Este culto por Cristo Eucaristia prolongado deve nos levar a cuidá-lo sempre. Daqui a dignidade dos Sacrários: sempre colocados num lugar nobre e destacado, convenientemente adornados, fixados permanentemente sobre um altar, pilar, ou também metidos na parede ou incorporados a um retábulo. O Sacrário deve estar construído de matéria sólida (podem ser metais preciosos como ouro, prata, metal prateado, madeira, cerâmica e similares) e não transparente, fechado com chave, num ambiente que seja fácil à oração pessoal fora do momento da celebração, e portanto melhor numa capela separada (capela sacramental). Daqui que junto ao Sacrário brilhe constantemente uma lâmpada, com a qual se indica e honra a presencia real e silenciosa de Cristo. Daqui, a genuflexão quando passamos diante dele. Daqui, os momentos pessoais de oração ou “visita” diante do Senhor na Eucaristia. Daqui, a organização da “benção com o Santíssimo” com uma “exposição” mais ou menos prolongada e solene para a adoração comunitária. São momentos que deveríamos desejar, ter saudades e buscar, tanto pessoalmente como em comunidade; momentos de oração mais pausada, meditativa e serena diante do Sacrário.

Portanto, a festa do Corpus Christi não é veneração supersticiosa de um pedacinho de pão, nem uma ocasião para mandar procissões triunfalistas pelas ruas. É um comprometimento pessoal e comunitário com a vida de Cristo, dada por amor até a morte. É o memorial da morte e ressurreição do Cristo (oração do dia), mas não um mausoléu; é um memorial vivo, no qual assimilamos o Senhor, mediante a refeição da comunhão cristã, saboreando um antegosto da glória futura (oração final, cf. O Sacrum Convivium, de Santo Tomás de Aquino).


Comentário dos textos bíblicos

Leituras: Dt 8,2-3.14b-16a; 1Cor 10,16-17; Jo 6,51-58

Caros irmãos e irmãs, nós fomos reunidos no amor de Cristo para celebrar esta Solenidade de Corpus Christi, ou seja, a festa do Corpo e do Sangue de Cristo. Além de motivados pela fé, nos motiva o desejo de testemunhar nossa união em torno da certeza na presença real de Jesus Cristo na Eucaristia. É o testemunho de fé pessoal e eclesial que daremos publicamente fazendo a procissão do Corpo de Deus.

A procissão é o ato do povo de Deus peregrino, que caminha em oração rumo à Casa do Pai. Adorando Jesus na Eucaristia e fortalecidos pelo “pão vivo que desceu do céu” manifestamos publicamente a nossa fé em Cristo presente na Eucaristia, que permanece e caminha conosco.

Corpus Christi é a festa da unidade em torno da Eucaristia, que manifesta a universalidade e a unidade da Igreja que “vive da Eucaristia”. Por isso nos alegramos, pois, sabemos que todos que  estão aqui querem dar sentido às suas vidas, suas histórias, seus sonhos, suas realizações, seus anseios de futuro feliz, suas lutas pelo bem comum, na busca pela construção de um mundo fraterno, justo e solidário, se alimentando com “o pão que vem do alto”.

Na primeira leitura, tirada do Livro do Deuteronômio, Moisés dirige-se ao povo de Israel, antes de entrar na terra prometida. Relembra os 40 anos de peregrinação no deserto onde o povo foi provado e preparado para iniciar uma vida nova. Neste longo tempo, Deus não só colocou seu povo em provação, mas saciou sua sede e o alimentou com o maná. Por isso, Israel deve ser grato e nunca se esquecer do que o Senhor fez: libertou, guiou, protegeu e alimentou o seu povo.

E hoje? Deus continua caminhando com seu povo e a terra prometida vai se construindo na história, enquanto construímos o Reino, implantando e vivendo seus valores, até o dia da nossa chegada à Jerusalém celeste. Sentimos como provação a fome de justiça, a sede de condições iguais para todos viverem com a dignidade de filhos e filhas de Deus, a força para banir a violência e construir uma nova humanidade baseada no respeito e no amor.

Esse é um grande conselho que deveria estar em destaque na porta de nossas casas e gravado em nossos corações: “Nem só de pão vive o homem, mas de toda Palavra que sai da boca do Senhor”.

Na segunda leitura, tirada da segunda carta de São Paulo aos Coríntios, o apóstolo  adverte  sobre o perigo das divisões nas celebrações dos banquetes sagrados e exorta para que não se perca a consciência da unidade que a comunhão do Corpo de Cristo exige. Quem comunga o Senhor, comunga seu desejo de alimentar a vida de comunhão plena. Paulo recorda que a experiência da Eucaristia, partilha do único cálice de bênção e do único pão partido é comunhão  com o Sangue e com o Corpo de Cristo. A Eucaristia é o princípio da comunhão na vida da  Igreja e convoca a todos para a mesma missão em busca da unidade.

E hoje? O Beato João Paulo II afirmou: “A Igreja é escola e casa de comunhão” Nela, como escola, eu aprendo e ensino. Devo ser discípulo e ao mesmo tempo mestre da comunhão. As diferenças sejam de qualquer dimensão, não podem estar acima do desejo convicto de sermos  instrumento de comunhão.

Em um mundo que se quer globalizado, as divisões ideológicas, culturais, sociais e outras tantas, não podem influenciar a nossa caminhada de Igreja. Elas devem nos orientar para acolher a todos, sem abrirmos mão do tesouro de vida que é a graça de sermos convocados pela Palavra de Deus. Uma comunidade sem testemunho audaz e corajoso de comunhão não merece ser chamada de comunidade do Ressuscitado.

No Evangelho proclamado e escrito por João, Jesus, a Palavra viva de Deus que se tornou carne, afirma: “Eu sou o pão vivo descido do céu”. Pão que dá vida nova ao mundo. A oferta que Ele faz de si mesmo na Cruz se prolonga na Eucaristia. Aos judeus que murmuravam, Jesus reafirma que para ter a vida eterna é preciso comer a Carne do Filho do Homem e beber o seu Sangue.  Permanece em Jesus quem o comunga e permanecer em Jesus significa viver pela sua causa.

E hoje? Hoje aqui reunidos pela Eucaristia fazemos nosso encontro pessoal com Jesus Cristo, que dá sentido à nossa vida. Nesta festa de Corpus Christi proclamamos nossa fé na sua presença real e mostramos nossa gratidão por tão grande dom, por tão grande presente. É certo que a festa que celebramos nasceu da necessidade de mostrar ao mundo o tesouro da Igreja escondido nos nossos tabernáculos. Mas, quando comungamos, somos sacrários vivos de Jesus Cristo, realmente presente em nós na Hóstia consagrada. Maior sentido ganha a nossa procissão: somos testemunhas vivas de sua presença.

Hoje, quando dermos a resposta à apresentação: “Eis o mistério da fé”, cheios de alegria pela presença do Cristo Sacramentado, que vai se desvendando no altar, enquanto rezamos a Oração Eucarística, afirmaremos com fé: “Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus.”

Que o Senhor nos faça compreender que só a vida de comunhão pode estabelecer a união desejada por Deus para que todos sejam um. Que a vida de comunidade seja alimentada pela Eucaristia. Que nós tenhamos a mais convicta certeza de que a Igreja vive da Eucaristia e que ela realiza aqui na terra a comunhão que viveremos no céu, na eternidade da comunhão perfeita em Deus que é: Pai, Filho e Espírito Santo.

Maria, mulher eucarística, primeiro sacrário do corpo de Cristo, nos ajude a levar a presença de Jesus Cristo a todos os ambientes em que estamos. Que a peregrinação de Nossa Senhora da Penha em nossas comunidades nos ajude a ter coragem de enfrentar as dificuldades que encontramos na nossa vida e principalmente na vida de nossas comunidades.

PARA REFLETIR

Ao cair desta tarde, com a oração das primeiras vésperas, a Mãe Igreja iniciou a celebração da Solenidade de Corpus Christi, festa da Eucaristia, proclamação da presença real do Cristo morto e ressuscitado no Pão e no Vinho consagrados.

Tendo em mente o mistério eucarístico, São Paulo pergunta:

“O cálice de bênção que abençoamos, não é comunhão com o Sangue de Cristo? O pão que partimos, não é comunhão com o Corpo de Cristo?” (1Cor 10,16)

Tais afirmações, em forma de perguntas e, à primeira vista, tão simples, têm uma força e significação enormes.

Na Escritura Sagrada, o “sangue” não é simplesmente uma realidade material, o líquido vermelho que circula em nossas artérias, mas sobretudo a vida e, muitas vezes, a vida tirada violentamente.

Dar o sangue quer dizer dar a vida, vida sofrida, violentada, arrancada de modo cruel.

“Sangue de Cristo” significa, portanto, a vida de Jesus dada em sacrifício, tirada de modo violento; a vida que Ele deu por nós. “Corpo”, por sua vez, não significa primeiramente os músculos humanos, mas sim o homem todo, a pessoa toda, na sua situação de criatura limitada, frágil, mortal. Assim, “corpo de Cristo” exprime a natureza humana que o Filho de Deus assumiu por nós de Maria, a Virgem: “O Verbo Se fez carne” (Jo 1,14), quer, então, dizer, fez-Se homem, fez-Se realmente humano, com um corpo humano e uma alma humana, com inteligência, vontade, consciência, afeto, sentimentos e liberdade humanos. Então, dar o corpo significa dar-se todo, dar toda sua vida humana: seus sonhos, cansaços, desilusões, sofrimentos… Dar tudo quanto a pessoa é! Foi assim que Jesus Se nos deu: em todo o Seu ser, sem reservas; doou-nos Sua vida e Sua morte!

Pois bem, o Apóstolo afirma que o pão que partimos é comunhão com o Corpo do Senhor. Palavra estupenda!

Comungar na Eucaristia significa entrar numa comunhão misteriosa e real com a Pessoa mesma de Jesus; mas não uma pessoa desencarnada: é entrar em comunhão com tudo quanto Ele viveu, experimentou em Sua existência humana; é ter comunhão com os ideais de Jesus, com o modo de viver e agir de Jesus, com as opções, esperanças e angústias de Jesus, com o sofrimento de Jesus, com a Morte e Sepultura de Jesus, com a Ressurreição e glorificação de Jesus! Comungar daquele Pão é comungar com Jesus na totalidade da Sua existência, é colocá-Lo na nossa existência, não mais viver por nós mesmos, sozinhos conosco, do nosso modo, mas viver nossa vida na vida de Jesus, que por nós morreu e ressuscitou (cf. 2Cor 5,15)!

E o cálice, São Paulo diz que é comunhão no Sangue de Cristo; quer dizer comunhão na Sua entrega, na Sua Morte, morrida por nós! Participar do Cálice do Senhor é estar dispostos a beber o cálice com Ele, a ser batizados no batismo de morte no qual Ele foi batizado (cf. Mc 10,38)!

Portanto, participar do Pão e do Vinho eucarísticos é entrar em comunhão de vida e morte com o Senhor, é “com-viver” com Cristo, é conhecê-Lo, conhecer o poder de Sua Ressurreição e a participação nos Seus sofrimentos, “com-formando-nos” com Ele na Sua Morte para alcançar a Sua Ressurreição dentre os mortos (cf. Fl 3,10).

Esta é a experiência central da vida cristã: viver nesta comunhão plena de vida e morte com o Senhor! E aqui, precisamente, cabe alguns urgentes questionamentos… Os cristãos têm consciência disso? Individualmente e como Igreja, temos presente esta nossa misteriosa e estupenda vocação, que é trazer em nosso corpo a agonia de Jesus, a fim de que a Vida de Jesus seja também manifestada em nosso corpo (cf. Fl 4,10).

Como os cristãos se comportam diante dos desafios da vida pessoal e comunitária? Estão os cristãos dispostos a viver para o Senhor ou somente para si mesmos, segundo a lógica do mundo contemporâneo?

Nossa evangelização tem levado a esta comunhão existencial com o Cristo no mistério da Sua vida, Morte e Ressurreição?

Notemos que o que está em jogo aqui é a própria identidade do cristianismo! Sem esta consciência não há, de fato, uma vida cristã! Ser cristão não é primeiramente aderir a doutrinas ou a uma moral mas, antes de tudo, entrar em comunhão com Alguém, com o Senhor Jesus.

Pode-se, então, compreender aquelas palavras de fogo do santo Bispo de Antioquia, Inácio, que no século I, ao dirigir-se para o martírio, no qual seria devorado pelas feras, exclamava:

“Coisa alguma visível ou invisível me impeça de encontrar Jesus Cristo. Maravilhoso é para mim morrer por Jesus Cristo. A Ele é que procuro, Ele que morreu por nós; quero Aquele que ressuscitou por nossa causa. Permiti que eu seja imitador do sofrimento do meu Deus! Meu amor está crucificado! Quero o Pão de Deus que é a Carne de Jesus Cristo, da descendência de Davi, e como bebida quero o Sangue Dele, que é amor incorruptível. Sou trigo de Deus e sou moído pelos dentes das feras, para encontrar-me como Pão puro de Cristo. Quando lá chegar serei homem!”

Palavras estonteantes! Inácio de Antioquia compreendera o que significava celebrar a Eucaristia, participando do Corpo e Sangue do Senhor!

Que nossas eucaristias sejam realmente a celebração sacramental desta comunhão de vida, sonho, agir, morte e ressurreição com o Cristo, cujo Corpo e Sangue comungamos.

É disto que o mundo tanto precisa; é isto que o mundo espera, mesmo sem o saber: o nosso testemunho de comunhão com o Salvador! Só assim tem realmente sentido proclamar nossa fé na presença real do Senhor no Pão e no Vinho eucarísticos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário