segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Igreja dedicada aos 21 mártires cristãos decapitados pelo ISIS será inaugurada na Líbia


No dia 15 de fevereiro, a igreja dedicada aos 21 mártires coptas que foram decapitados na Líbia pelos terroristas do Estado Islâmico (ISIS) em 2015 será aberta no Egito.

A agência do Vaticano Fides informou que os parentes dos cristãos assassinados participarão. Ainda não foi confirmado se os restos mortais destes serão transferidos para o novo templo.

A construção começou  em abril de 2015 , com o apoio do governo egípcio, na cidade de Our, que está perto da aldeia de Samalot, na província de Minya, onde a maioria dos mártires veio. O ISIS sequestrou os 21 homens entre dezembro de 2014 e janeiro do ano seguinte na Líbia.

Seus corpos  foram encontrados em setembro de 2017  na cidade líbia de Sirte e posteriormente  identificados pelo Departamento de Medicina Forense do Egito .

A abertura da igreja foi marcada para 15 de fevereiro de 2018. Uma semana após o martírio, o Papa copta Tawadros II decidiu matriculá-los no livro dos mártires da Igreja Copta e estabeleceu que sua memória será celebrada nesse dia.

Em 2015, o ISIS lançou um video intitulado "Uma mensagem assinada com sangue para a nação da cruz", na qual os cristãos coptos vestidos com trajes de laranja aparecem antes de serem mortos.

Um dos assassinos diz que "as pessoas nos viram recentemente nas colinas de Sham e na terra de Dabiq, cortando as cabeças que levaram a cruz por um longo tempo, cheias de tristeza contra o Islã e os muçulmanos. Hoje estamos ao sul de Roma, na terra do Islã, na Líbia enviando outra mensagem ".

O bispo católico cotidiano de Guiza no Egito, Anba Antonios Aziz Mina, disse na ocasião que o vídeo mostra que as vítimas "no momento de sua execução bárbara, repetem: "Senhor Jesus Cristo".

"O nome de Jesus foi a última palavra em seus lábios. Como na paixão dos primeiros mártires, confiaram nEle que logo os receberia. E assim eles comemoraram sua vitória, a vitória que nenhum assassino pode tirar deles. Esse nome sussurrou no último momento era o selo de seu martírio ", disse o Prelado.
______________________________
Traduzido de InfoVaticana