segunda-feira, 29 de maio de 2017

São Maximino


Maximino nasceu em Silly, perto de Poitiers, na Aquitânia; era irmão de são Maxêncio, bispo de Poitiers, e muito cedo sentiu o chamado a vida sacerdotal.Era um oponente do arianismo,  e foi apoiado pelos tribunais de Constantino II e Constante , que abrigava como um honrado hóspede Atanásio duas vezes durante seu exílio de Alexandria , em 336-37, antes ele era bispo, e novamente em 343.

Na controvérsia ariana  ele tinha apoiado Paulo de Constantinopla, no entanto, ele participou do Sínodo dos Sardica convocado pelo Papa Júlio II (ca. 342), e quando quatro bispos arianos, vieram de Antioquia para Treves, com o objetivo de ganhar Imperador Constante a seu lado, Maximino se recusou a recebê-los e induziu o imperador a rejeitar suas propostas.

São Jerônimo coloca são Maximino entre os homens ilustres de seu tempo e o define como “um dos bispos mais corajosos”.

Conforme a lenda, durante uma viagem a Roma, Maximino teria sido atacado por um urso que devorou o jumento em cuja garupa levava as bagagens. O santo — que assistira, impávido, a essa trágica cena — em seguida teria obrigado o urso a transportar os pesados fardos. Lendas como essa lêem-se em Vida de são Maximino, escrita no século VIII por um monge anônimo do mosteiro de Tréveris, na Renânia, onde o santo deste dia foi bispo, vindo a ocupar a sede que fora de santo Agrício, seu mestre.


O urso — contra o qual o santo bispo de Tréveris teve de lutar, metaforicamente falando — era Constâncio, imperador ariano de Constantinopla, que mandara ao exílio os dois grandes campeões da ortodoxia, santo Atanásio, de Alexandria, e são Paulo, de Constantinopla. Em tais circunstâncias mostrou-se corajoso, oferecendo não só hospitalidade e apoio aos dois exilados, como também se empenhou com êxito com o próprio imperador, que por fim cedeu, permitindo que os dois bispos voltassem às suas respectivas dioceses.

Bispo da Igreja, viveu seu magistério e serviço à Palavra sob ataques, mas não conseguiram matá-lo. Viveu até o ano de 349 deixando este testemunho e convocação: sermos cooperadores da verdade.

Maximino morreu longe da própria sede, provavelmente durante uma estada em sua terra natal. São Paulino, seu sucessor, fez trasladar seu corpo da Aquitânia para a basílica de São João, a qual mais tarde recebeu o nome de São Maximino.


Maximiano foi enterrado no cemitério fora do portão norte da cidade de Trier, onde seus restos foram juntados pelos bispos no final do multi-compartimentada cripta de uma igreja dedicada a São João Evangelista , mais tarde dedicada como  Abadia de São Maximino em Treves.

Como patrono, Maximin foi invocado na proteção contra o perjúrio, a perda no mar e as chuvas destrutivas.

Seu culto era o mais forte na região de Trier e na Alsácia .

A lenda medieval confunde-o com um Maximino, que foi acrescentado a Setenta Apóstolos referida no Evangelho de Lucas.

Por isso, foi dito que Maximino acompanhou Maria Madalena e uma companhia dos fiéis para Aix-en-Provence, milagrosamente navegou num barco frágil sem leme ou um mastro.

No século XIII conta uma legenda que pode ser lida em "Jacobus de Voragine 's Legenda Aurea" que o culto de Maria Madalena e São Maximino na Provença, foi centrado em Saint-Maximin-la-Sainte-Baume .

Outros municípios na França também têm o nome desse santo e o festejam.

O santo de hoje é um ícone do amor a Cristo, à Igreja e à Verdade.



Ó Deus que aos vossos pastores associastes São Maximino, animado de ardente caridade e da fé que vence o mundo, dai-nos,por sua intercessão, perseverar na caridade e na fé, para participarmos de sua glória. Por Cristo nosso Senhor, amém.