Adsense Teste

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Homilética: 1º Domingo do Tempo do Advento - Ano B: "Alertas! Vigiai!"


Hoje iniciamos um novo ano litúrgico com o tempo do Advento. Este não se limita a preparar-nos para o Natal, mas insere-nos em toda a História da Salvação. Faz-nos viver a esperança da espera do Messias vivida pelo Povo de Deus, mas, ao mesmo tempo, relembra-nos que Ele já veio e voltará no fim dos tempos.

A partir de hoje até o dia do Batismo do Senhor, o domingo seguinte à Epifania, percorreremos com a fé e o amor seis semanas litúrgicas de “tempo forte” nas que celebramos a Boa Notícia: a vinda do Senhor. Advento é um tempo anual para contemplar a vinda de Cristo ao mundo, esperá-la, desejá-la, prepará-la nas nossas vidas e, em definitiva, celebrá-la. A vinda histórica de Cristo, que comemoramos no Natal, deixa em nós o desejo de uma vinda mais plena. Por isso dizemos que no Advento celebramos uma triple vinda do Senhor: (1) a histórica, quando assumiu a nossa mesma carne para fazer presente no mundo a Boa Notícia de Deus; (2) a que se realiza agora, cada dia, através da Eucaristia e dos outros sacramentos, e através de tantos sinais da sua presença, começando pelos sinais dos irmãos, e dos irmãos pobres; (3) e finalmente, a vinda definitiva, no final dos tempos, quando chegará à plenitude o Reino de Deus na vida eterna. O que necessitamos? Estar atentos e vigilantes na esperança, preparar e limpar o coração, e acolhê-lo com alegria, como João Batista, Maria e José. Manifestemos, pois, a nossa confiança em Deus e peçamos que nos perdoe a falta de convicção que talvez nos tenha faltado durante o passado ano. Vinde, Senhor Jesus, e não demoreis!

Pontos da ideia principal

Textos: Is 63, 16-17.19; 64, 2-7; 1 Co 1, 3-9; Mc 13, 33-37

Em primeiro lugar, alertas e vigiai! Preparemo-nos para a Parusia, que será a manifestação gloriosa do Senhor no final dos tempos. Maranatha. Vem, Senhor Jesus! Era o grito dos primeiros cristãos, proclamando sua fé e esperança em Jesus ressuscitado junto com o desejo de que o Senhor se mostrasse publicamente como Rei da Igreja, das nações e do universo, como juiz que dá a vitória aos bons e permite a caída dos maus. A Igreja-e nós com ela- espera este acontecimento com impaciência, deseja ansiosamente o Advento final, a redenção consumada, em retorno em glória, o dia do Senhor, o fim do exílio e a entrada definitiva na eternidade. A Igreja- esposa que nunca deixa de suspirar pelas suas bodas eternas, que nunca se cansa de desejar o seu encontro definitivo com o Esposo, tal como deixa transparecer nos textos da liturgia do Advento: não tardes, já está perto, já está aqui. Com quais atitudes devemos nos preparar para este Advento final? Com esperança gozosa, com os nossos olhos fixos na eternidade, agradecidos no coração por todos os bens que Deus pôs em nossas mãos e com o esforço em cuidá-los e fazê-los produzir em obras de caridade, de justiça, humildade e pureza (primeira leitura).

Em segundo lugar, alertas e vigiai! Preparemo-nos para comemorar um ano mais o Natal e renová-lo no nosso coração. Com quais atitudes? Dado que o Natal condensa em si o passado (Belém) e o futuro (parusia), temos que vivê-lo na firmeza da fé que nos levará à vigilância e à sobriedade (evangelho). Primeiro firmes na fé para não deixarmo-nos levar da onda das falsas ideologias e dos erros do tempo (ideologia de gênero, manipulação da linguagem genética, confusão doutrinal deliberada, propensa ao imanentismo e ao mito do progresso indefinido e do paraíso na terra…) e não perder nunca de vista a pátria definitiva. E segundo, sendo sóbrios e vigilantes para usar e não abusar das coisas deste mundo, não criar raízes de querências exageradas nesta terra, porque a figura deste mundo desaparece. Assim passaremos pelos bens temporais sem perder os eternos.

Finalmente, alertas e vigiai! Preparemo-nos para descobrir a vinda escondida de Cristo nesse pobre que encontramos no nosso caminho ou que toca a porta da nossa casa; nesse irmão que nos feriu, nessa cruz da doença que se cravou no nosso corpo, nessa noite escura da nossa alma quando não vemos perspectiva na vida ou não sentimos Deus. Com quais atitudes preparar-nos para descobrir a vinda de Cristo aqui? Estejamos com os olhos abertos de bons samaritanos, com o coração sensível que capta como um sismógrafo os batimentos do coração do necessitado e com as mãos abertas à caridade efetiva e generosa.

Para refletir

Mais uma vez, irmãos caríssimos, a bondade do Senhor nos dá a graça de iniciarmos um Ano Litúrgico com este sagrado Tempo do Advento. Como todos sabeis, nestas duas primeiras semanas das quatro que nos preparam para o Santo Natal, a Igreja nos recorda que o Senhor, que veio a Belém, virá no final dos tempos como Juiz, na sua bendita Parusia, isto é, na sua Vinda gloriosa. E é essencial, amados irmãos, que os cristãos nunca esqueçam isto: o Senhor virá, e o caminho da criação e a corrida da nossa vida neste mundo são uma peregrinação ao seu Encontro. Nada nem ninguém tem neste tempo, nesta existência, morada permanente: caminhamos para o Senhor, somos filhos daquele Dia bendito, Dia do Cristo Senhor! Sabemos que “a noitedeste mundo vai adiantada e o Dia vem chegando”, Dia de luz, Dia de salvação, Dia no qual o Reino que Cristo plantou com seu piedoso nascimento, morte e ressurreição, haverá de se manifestar com toda a sua força e toda a sua glória! Por isso mesmo, como são belas as palavras da antífona de entrada, colocada no Missal para esta primeira Missa do novo Ano da Igreja: “A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio em vós, que eu não seja envergonhado; pois não será desiludido quem em vós espera!”Eis a atitude do cristão diante deste Dia que vem, Dia que é o próprio Cristo glorioso: caminhar bem firme neste mundo com a alma elevada para o Senhor, sabendo que ele virá ao nosso encontr, e nossa existência é uma preparação para este momento – por isso mesmo a oração inicial desta Celebração eucarística pedia a Deus a graça de “acorrermos com as nossas boas obras ao encontro do Cristo que vem”.

Portanto, meus caríssimos, sigamos o conselho do santo Apóstolo: “Procedamos honestamente; revesti-vos do Senhor Jesus Cristo!” Neste tempo entre seu Natal e sua Parusia, vivamos uma vida de contínua conversão: “Nada de glutonerias e bebedeiras, nem de orgias sexuais e imoralidades, nem de brigas e rivalidades”, nada de egoísmo que nos fecha aos irmãos, nada de descaso para com os mais fracos e feridos desta nossa vida! Se vivermos realmente assim, com os olhos fitos nAquele que vem, conscientes de que caminhamos para ele e dele dependemos, tudo ganha um novo sentido, meus caros, e nós teremos uma verdadeira liberdade e maturidade diante dos desafios da vida!

Irmãos meus em Cristo Jesus, diante de tantos sinais de impiedade e desprezo de Deus e da dignidade humana no mundo atual, muitos de nós pensam que o mundo está perdido, parecendo uma nau sem rum; muitos talvez sejam tentados a perder a esperança e a não mais ver que o Senhor dirige a história humana. Não, caríssimos: o mundo foi definitivamente salvo pelo Senhor, o mundo caminha para o Cristo Jesus, Princípio e Fim de tudo – esta é uma certeza certíssima da nossa fé cristã! Neste sentido, como não nos encher de esperança e paz escutando as palavras de Isaías profeta, que falava pensando na vinda do Messias – vinda em Belém e vinda no final dos tempos? O que diz o Profeta? Que mistério anuncia? Que esperança suscita em nosso coração? “Acontecerá, nos últimos tempos, que o monte da Casa do Senhor estará firmemente estabelecido no ponto mais alto das montanhas. A ele acorrerão todos os povos. De Sião provém a Lei e de Jerusalém, a Palavra do Senhor.” Que significam estas palavras, meus irmãos? Esta Casa do Senhor colocada no mais alto dos montes é o novo Israel, a Igreja, Corpo de Cristo e Templo do Espírito; esta Igreja, nossa Mãe católica, da qual vem a Lei (não mais a de Moisés, mas a lei do Espírito que dá vida, a lei do amor); dessa Casa do Senhor vem a Palavra, que é o próprio Cristo, anunciado na Liturgia e dado e recebido nos sacramentos! Como é impressionante, quanto é consolador escutar o Profeta anunciando que a esta santa Casa do Senhor “acorrerão todas as nações”. Sim, pois o desejo do nosso Deus é que, crendo em Cristo e recebendo o santo Batismo, “todos se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade” (1Tm 2,4). O cristão não deve impor sua fé a ninguém, mas também não deve nunca deixar de anunciar com a palavra e testemunhar com a vida esta esperança que se encontra em Cristo Jesus, Salvador de todos e único Caminho da humanidade. É nossa missão de discípulos de Cristo: sermos seus missionários, sermos suas testemunhas, anunciando o seu santo Nome e a salvação que ele trouxe a toda a humanidade!

Pois bem, meus amados, caminhemos neste mundo como aqueles que têm esperança porque alicerçaram em Deus e no seu Cristo a sua vida! Como seria triste, quão grande seria a infidelidade nossa se, esquecidos daquilo que o Senhor nos promete e nos prepara, nos entregássemos a uma vida leviana, acomodada, morna, desatenta ao amor do Senhor e aos seus apelos! Como seria grave pecado de nossa parte simplesmente viver e pensar e agir como os outros, que sem conhecerem a Cristo, não têm esperança! Jesus nos exorta gravemente a que vigiemos, a que estejamos sempre atentos à sua Vinda: Vinda no Fim dos tempos, mas também aquelas vindas de cada dia, nos tantos apelos que ele nos faz!

Falando desta Vinda, que advertências tão sérias ele nos dirige no Evangelho deste hoje: “A Vinda do Filho do Homem, isto é, do Juiz de tudo, será como no tempo de Noé: “comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca” – em outras palavras: a Vinda do Senhor acontecerá no dia-a-dia de nossa vida, de modo que devemos viver à luz desse Dia, como filhos desse Dia! E mais: “Dois homens estarão trabalhando no campo: um será levado e o outro será deixado. Duas mulheres estarão moendo no moinho: uma será levada e a outra será deixada”. Compreendeis, irmãos? Estarão trabalhando no campo ou moendo no moinho, fazendo coisas tão normais, tão pequenas, tão de cada dia, como nós… E, no entanto, o Senhor virá inesperadamente… E vede que este Dia será de discernimento, de discriminação, de separação: um será levado com o Senhor; outro será deixado longe do Senhor, na perdição!

Caríssimos, cuidemos de viver de tal modo que não sejamos deixados! Fiquemos atentos, não durmamos, como aqueles que não têm fé! Quem dorme? Dorme quem vive no pecado, dorme quem repousa na infidelidade, dorme quem justifica sua mediocridade espiritual, dorme quem não leva o Senhor a sério, dorme quem não rompe com as obras das trevas! Não durmamos: vigiemos! “Vigiai, porque não sabeis a que hora vem o vosso Senhor!” Que este santo Advento nos dê a graça de retomarmos a fé, o ânimo e o espírito de vigilância, para estarmos preparados para o encontro com Aquele que vem.  Amém