domingo, 31 de outubro de 2021

Biden diz que o papa Francisco o autorizou a comungar e que não discutiram aborto



O presidente dos EUA, Joe Biden, teve seu primeiro encontro oficial com o papa Francisco, hoje, 29 de outubro. Biden disse que o papa o autorizou a continuar recebendo a Comunhão e que não falaram sobre o aborto na reunião realizada hoje no Vaticano.

As declarações de Biden foram feitas a Jeff Mason, da agência de notícias Reuters. Mason perguntou ao presidente se o aborto tinha sido tratado durante seu encontro com o papa. “Não, não foi tratado”, respondeu Biden. “Nós apenas falamos sobre o fato de que eu estava feliz, que era um bom católico e que devo continuar a receber a comunhão”, disse Biden.

Desde que tomou posse, Biden, o segundo presidente católico da história dos Estados Unidos, tem sido um dos mais ativos promotores do aborto na presidência dos EUA. A conferência episcopal americana debate a possibilidade de negar a comunhão a políticos católicos que, como Biden, apoiam e promovem o aborto.

O diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, disse que a Santa Sé “se limita” a corroborar “o que foi dito no comunicado oficial sobre a visita” e que se tratou de uma visita privada.

O comunicado ao que Bruni se referiu diz: “Durante as cordiais discussões, as partes se concentraram no compromisso conjunto de proteção e cuidado do planeta, na situação da saúde e na luta contra a pandemia da COVID-19, bem como no tema dos refugiados e da assistência aos migrantes. Também foi feita referência à proteção dos direitos humanos, incluindo a liberdade de religião e de consciência. Por fim, a conversa permitiu uma troca de opiniões sobre alguns assuntos relativos à atual situação internacional, também no contexto da iminente cúpula do G20 em Roma, e sobre a promoção da paz no mundo através da negociação política".

Biden está em Roma para participar da cúpula do G20 que acontecerá nos dias 30 e 31 de outubro.

O presidente Joe Biden chegou ao pátio de San Damaso, no Vaticano, às 12 horas. Ele e a mulher, Jill Biden, foram recebidos por dom Leonardo Sapienza, regente da casa papal, e pelos mordomos do Palácio Apostólico, que atendem os chefes de Estado quando visitam o papa e oferecem-lhes os cumprimentos por parte da Santa Sé.

Quando Biden apertou a mão dos dignitários leigos, ouviu-se ele dizendo aos funcionários de protocolo da Santa Sé: "Obrigado, é bom estar de volta".

A Casa Branca disse que Biden agradeceu ao papa Francisco "por sua defesa dos pobres do mundo e daqueles que sofrem de fome, conflito e perseguição". Biden também "louvou a liderança do papa Francisco no combate à crise climática, bem como sua defesa para garantir o fim da pandemia para todos através do compartilhamento de vacinas e uma recuperação econômica global equitativa".

Após sua conversa particular, o papa e Biden passaram outros 15 minutos juntos falando informalmente e trocando presentes. A Casa Branca também informou que fez uma doação de casacos de inverno para os pobres em nome do papa Francisco.

O Papa Francisco já se encontrou com Biden em 2015, durante sua visita aos Estados Unidos, quando Biden era vice-presidente. No ano seguinte, os dois trocaram uma saudação durante uma conferência no Vaticano sobre medicina regenerativa. Biden também se encontrou com Francisco na cerimônia de início do pontificado em Roma, em março de 2013.

Ao contrário de reuniões passadas entre o papa e um chefe de Estado, o Vaticano não permitiu que a mídia estivesse presente quando Biden e o Papa Francisco se encontraram e não houve transmissão ao vivo do encontro.


Por ACI Digital

Nenhum comentário:

Postar um comentário