Adsense Teste

domingo, 17 de janeiro de 2016

Jesus não é um comandante que nos obriga a seguir cegamente suas ordens, diz Papa


ANGELUS

Praça de São Pedro
Domingo, 17 de janeiro de 2016

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho deste domingo apresenta o prodigioso evento ocorrido em Cana, um vilarejo da Galiléia, durante uma festa de casamento em que participam também Maria e Jesus, com seus primeiros discípulos (cf. Jo 2,1-11). A Mãe faz notar ao Filho que o vinho acabou, e Jesus, apesar de ter dito que sua hora não havia chegado, atende o pedido da Mãe e dá aos cônjuges o melhor vinho de toda a festa. O evangelista destaca que “este foi o início dos sinais realizados por Jesus; Ele manifestou a sua glória e os seus discípulos creram nele “(v. 11).

Milagres, portanto, são sinais extraordinários que acompanham a pregação da Boa Nova, a fim de despertar ou reforçar a fé em Jesus. No milagre de Caná, podemos ver um ato de benevolência por parte de Jesus para com os recém-casados, um sinal da bênção de Deus sobre o matrimônio. O amor entre o homem e a mulher é, portanto, uma boa maneira de viver o Evangelho, isto é, percorrer com alegria no caminho da santidade.

Mas o milagre de Caná não diz respeito apenas aos esposos. Toda pessoa humana é chamada a encontrar o Senhor de sua vida. A fé cristã é um dom que recebemos no Batismo e que nos permite encontrar Deus. A fé passa por momentos de alegria e de tristeza, de luz e de escuridão, como em toda experiência autêntica do amor. A narração das bodas de Cana convida-nos a redescobrir que Jesus não se apresenta a nós como um juiz pronto a condenar as nossas culpas, nem como um comandante que nos obriga a seguir cegamente suas ordens, se manifesta como Salvador da humanidade, como nosso irmão mais velho, filho do Pai, como aquele que responde às expectativas e promessas de alegria que habitam no coração de cada um de nós.

Então, podemos nos perguntar: realmente conheço o Senhor assim? Eu o sinto próximo a mim e à minha vida? Lhe estou respondendo à altura daquele amor esponsal que Ele, todos os dias, manifesta a mim e a todos os seres humanos? Trata-se de perceber que Jesus nos busca e nos convida a dar-lhe espaço no fundo do nosso coração. E neste caminho de fé com Ele, não estamos sozinhos: recebemos o dom do Sangue de Cristo. As grandes ânforas de pedra cheias de água que Jesus transforma em vinho (v. 7) são um sinal da passagem da antiga para a nova aliança: em vez da água utilizada para o ritual de purificação, recebemos o Sangue de Jesus, derramado sacramentalmente na Eucaristia e de maneira cruenta na Paixão e na Cruz. Os Sacramentos que emanam do Mistério pascal, infundem em nós a força sobrenatural e nos permitem experimentar a infinita misericórdia de Deus.

A Virgem Maria, modelo de meditação das palavras e das obras do Senhor, nos ajude a redescobrir com fé a beleza e a riqueza da Eucaristia e dos outros Sacramentos, que tornam presente o amor fiel de Deus por nós. Podemos assim enamorar-nos sempre mais e mais do Senhor Jesus, nosso Esposo, e encontrá-Lo com as lâmpadas acesas da nossa fé alegre, tornando-se suas testemunhas no mundo.

Depois do Angelus

Queridos irmãos e irmãs,

Hoje ocorre o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado que, no contexto do Ano Santo da Misericórdia, também é comemorado como o Jubileu do Migrante. Tenho o prazer de saudar com grande afeto as comunidades étnicas aqui presentes, provenientes das várias regiões da Itália, especialmente de Lazio. Queridos migrantes e refugiados, cada um de vocês carrega uma história, uma cultura, valores preciosos e, muitas vezes, infelizmente, experiências de miséria, opressão e medo. A presença de vocês nesta praça é um sinal de esperança em Deus. Não deixem que roubem de vocês a esperança e a alegria de viver, que emerge da experiência da divina misericórdia, também agradeço às pessoas que os acolhem e os ajudam. A passagem pela Porta Santa e a Missa que em breve vocês participarão, preencherá o coração de vocês de paz. Nesta Missa eu gostaria de agradecer, e vocês agradeçam comigo, aos detentos da Prisão de Opera, pelo presente das hóstias confeccionadas por eles que serão utilizadas nesta celebração. Vamos saudá-los com um aplauso…todos juntos.

Saúdo com afeto a todos, peregrinos que vieram da Itália e de outros países: em particular, a associação cultural Napredak, Sarajevo; os estudantes espanhóis de Badajoz e Palma de Mallorca e os jovens de Osteria Grande (Bologna).

Juntos, voltemos a Deus uma oração pelas vítimas dos ataques ocorridos nos últimos dias na Indonésia e Burkina Faso. Que o Senhor os acolha em sua casa e sustente o compromisso da comunidade internacional para construir a paz.

Desejo a todos um bom domingo. E, por favor, não se esqueçam de rezar por mim. Bom almoço e até logo!
_________________________________________

ZENIT