Adsense Teste

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Ano novo


Estamos entrando em mais um “Ano Novo”. Marcamos o tempo transcorrido de nossa era cristã com o número 2016. Desde o evento histórico do nascimento de Jesus, passaram-se 2016 anos.

Passaram-se também vários anos de nossa vida. A espécie humana está presente sobre o planeta Terra há milhões de anos. Nosso próprio planeta possui milhardes de anos. Vemos, pois, que o tempo de nossa existência transcorre, porém ele é insignificante diante da idade da Terra. A imensidade se torna para nós inimaginável, e o efêmero, nossa possibilidade. 

O ser humano foi aprendendo a marcar o transcorrer do tempo, observando a efemeridade, o ritmo do nascer e do pôr do sol, a mudança das estações, o subir e o descer das marés, as fases da lua. 

Uma questão se impôs ao longo dos séculos: o que é o tempo? Santo Agostinho, refletindo sobre essa questão, observou: “Se estou só comigo mesmo, eu sei o que é o tempo, mas se me perguntam, não o sei”. Alguns antigos afirmavam que o tempo era um círculo eterno. Para os egípcios, ele era como uma serpente que morde a cauda; muda de pele e rejuvenesce cada vez, porém seu corpo envelhece. Ensinavam que o ser humano se encontra dentro deste ritmo, e que o tempo o vai consumindo. Para os hindus, o tempo é como uma linda mulher que tudo gera e produz, que tudo envolve e resgata para si. 

Iniciamos um novo ano! Novo significa inusitado, desconhecido, não experimentado; algo a respeito do qual não se pode oferecer resposta segundo esquemas preordenados.  Por isso, a partir da compreensão da fé, nos abrimos à possibilidade nova de um tempo que irrompe diante de nós com sentimentos de prosperidade, com votos de felicidade, confiantes de que o Senhor haverá de nos sustentar e inspirar, acompanhar e conservar. 

Temos consciência de sermos únicos. Por isso nos empenhamos em tornar cada instante que o tempo nos concede em algo precioso, com sabor de eternidade.  

Desejamos um feliz Ano Novo a quem encontramos, porque já trazemos em nós, como promessa, a felicidade do novo. O que é verdadeiramente novo acontece desde quando o buscamos intensamente. Assim, cada ano não consiste em uma repetição monótona, mas é compreendido como uma espiral ou uma escada situada entre a terra e o céu, que nos permite avançar!

No limiar de mais um “Novo Ano” podemos crer e desejar que nossa vida, durante todo o ano vindouro, seja sustentada pela audácia e pela alegria de poder avançar, convocada a percorrer sendas e vias ainda não plenamente conhecidas, buscando novos horizontes, alimentando sonhos de dias melhores para todos. Tudo isso, sem desconsiderar a própria condição de fragilidade. 

Urge cultivar atitudes novas, evitando a agressividade e o desejo de dominação. O novo do ano que começa será verdadeiramente novo se formos capazes de: descobrir e aprender meios para auxiliar quem verdadeiramente necessita de auxílio, a fim de que a vida, em suas diversas expressões, seja cuidada e promovida; ajudar a compreender que um índice maior de civilidade depende do grau de engajamento e disposição gratuita para favorecer o bem comum; perceber que precisamos de mais poesia nas relações interpessoais e com o meio ambiente; resgatar a originária força (dynamis) que permite a poetas, artistas, pensadores, místicos contemplarem tudo a partir do êxtase. 

Ousamos dizer que o modo melhor de sermos mais humanos consiste em adorar mais profundamente, em venerar com maior intensidade, em sermos mais sensíveis, gratos e devotos. Somos assim provocados a, durante o “Novo Ano”, cultivar com mais determinação nossa condição humana, marcada por sensibilidade, gratidão e devoção. 



Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre