Adsense Teste

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

A Igreja no Japão recorda os 70 anos de Hiroshima e Nagasaki


Amanhã, 06 de agosto de 2015, ocorre o 70º aniversário do desastre de Hiroshima, no Japão. Pela primeira vez na história foi lançada uma bomba atômica e as consequências foram terríveis: 80 mil mortos e quase 40 mil feridos, mais de 13 mil desaparecidos e, nos anos seguintes, inúmeras vítimas por causa da radiação. No total, cerca de 250 mil mortos. Somadas a estas estão as vítimas de outra bomba que os Estados Unidos lançaram sobre o Japão, em 9 de agosto de 1945, em Nagasaki, três dias depois de Hiroshima: 70 mil vítimas até o final do ano e mais de 70 mil nos anos seguintes.

Para recordar, Dom Tarcísio Isao Kikuchi, bispo de Niigata e presidente da Caritas Ásia, emitiu uma mensagem ressaltando que o Japão pode contribuir para a paz "não com novas armas, mas com suas atividades de nobre e longa história no crescimento mundial, especialmente nos chamados países em desenvolvimento". "Eu acredito - escreveu o arcebispo, citado pela agência AsiaNews - que esta contribuição para o desenvolvimento, que leva ao pleno respeito e realização da dignidade humana, seria muito apreciada e respeitada pela comunidade internacional".

Dom Kikuchi recorda o apelo pronunciado em Hiroshima por João Paulo II em 25 de fevereiro de 1981, quando a Igreja Católica no Japão decidiu realizar um período de 10 dias, de 06 a 15 de agosto, dedicado à oração pela paz. "Este ano - disse o prelado – comemora-se o 70º aniversário do fim da guerra: todos os bispos católicos e anglicanos se reunirão para rezar, dia 5 de agosto, na Catedral Católica de Hiroshima".

Oração sim, mas também solicitação aos governadores. O Bispo de Niigata fala da escolha do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, de introduzir alterações ao art. 9.º da Constituição, que ‘imprime’ o papel pacifista do país. "O direito de beligerância do estado não é reconhecido", o novo artigo 9º permitiria as forças armadas japonesas tomar medidas, mesmo na ausência de uma ameaça direta contra as próprias fronteiras nacionais e em defesa dos aliados sob ataque. O que implicaria a presença de forças de autodefesa como instrumento para uma segurança mínima.


Em março, em mensagem por ocasião do 70º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial, a Conferência Episcopal Japonesa criticou a decisão do governo de Tokyo. Os bispos reiteraram que "têm, como pastores, uma vocação especial em favor da paz. Tal vocação não é baseada em ideologia política. Continuamos a rezar pela paz não como uma questão política, mas como um fato humano”.
_____________________________
ZENIT