Adsense Teste

domingo, 26 de março de 2017

Para seguir Jesus é preciso abandonar as “falsas luzes” e confiar nele, diz Papa


Papa Francisco
ANGELUS
Praça de São Pedro
IV Domingo da Quaresma (Laetare),
26 de março de 2017



Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

No coração do Evangelho deste quarto domingo da Quaresma se encontram Jesus e um homem cego de nascença (cf. Jo 9,1-41). Cristo lhe restaura a visão e opera esse milagre com uma espécie de ritual simbólico: em primeiro lugar mistura a terra com a saliva e esfregou nos olhos do cego; em seguida, ordena que ele vá se lavar no tanque de Siloé. O homem vai, se lava, e recupera a visão. Ele era um homem cego de nascença. Com este milagre Jesus se revela e se manifesta a nós como luz do mundo ; e o cego de nascença é cada um de nós, que fomos criados para conhecer a Deus, mas por causa do pecado somos como os cegos, precisamos de uma nova luz; todos nós precisamos de uma nova luz: a da  que Jesus nos deu. Fato é que o cego do evangelho recupera a vista e se abre para o mistério de Cristo. Jesus pergunta: "Você crê no Filho do Homem?" (V. 35). "Quem é ele, Senhor, para que eu creia nele?", Responde o cego curado (v. 36). "Você viu isso: é ele quem fala contigo" (v 37).. "Eu creio, Senhor!" E prostra-se diante de Jesus.

Este episódio nos leva a refletir sobre a nossa fé, a nossa fé em Cristo, o Filho de Deus, e ao mesmo tempo também se refere ao batismo, que é o primeiro sacramento da fé, o sacramento que nos faz "vir à luz" através do renascimento na água e do Espírito Santo; como aconteceu com o cego de nascença, que abriu os olhos depois de ser lavado no tanque de Siloé. O cego de nascimento curado nos representa, quando não nos damos conta de que Jesus é a luz, é "a luz do mundo", quando olhamos para outro lugar quando preferimos confiar em pequenas luzes quando apalpamos no escuro. O fato de que o cego não tem um nome ajuda-nos a ver a nós mesmos com o nosso rosto e o nosso nome em sua história. Nós também fomos "iluminados" por Cristo no batismo, e depois fomos chamados a comportar-se como filhos da luz. E para se comportar como filhos da luz é necessário uma mudança radical de mentalidade, uma capacidade para julgar os homens e as coisas de acordo com uma outra escala de valores, a que vem de Deus. O sacramento do Batismo, de fato, exige a escolha de viver como filhos da luz e andar na luz. Agora, se eu fosse perguntar: "Você crê que Jesus é o Filho de Deus? Você acredita que só ele pode mudar seu coração? Você acredita que ele pode mostrar a realidade como ele a vê, não como nós vemos? Você acredita que Ele é a luz, que nos dá a verdadeira luz? "O que você responderia? Cada um responde em seu coração.

O que significa ter a verdadeira luz, andar na luz ? Isso significa, antes de tudo abandonar as falsas luzes: a luz fria e as feridas estúpidas contra os outros, porque o preconceito distorce a realidade e não há cargas de ódio contra aqueles que julgam sem piedade e condenam sem apelação. Este é o pão todos os dias! Quando você fala dos outros, você não anda na luz, você anda nas sombras. Outra luz falsa, tão sedutora e ambígua, é o interesse próprio: se avaliar as pessoas e as coisas com base no critério do nosso lucro, nosso prazer e nosso prestígio, não fazemos a verdade nos relacionamentos e situações. Se formos por este caminho de apenas buscar o ganho pessoal, nós caminhamos nas sombras.

Ó Virgem Santa, que primeiro acolheu Jesus, luz do mundo, dai-nos a graça de acolher novamente esta Quaresma à luz da fé e redescobrir o dom inestimável do batismo todos nós recebemos. E esta nova iluminação transforme nossas atitudes e ações, para sermos, a partir de nossa pobreza, da nossa pequenez, portadores de um raio de luz de Cristo. 

Depois do Angelus

Queridos irmãos e irmãs,

ontem em Almería (Espanha) foram beatificados José Álvarez-Benavides y de la Torre, e cento e quatorze companheiros mártires. Estes sacerdotes, religiosos e leigos foram heróicas testemunhas de Cristo e do seu Evangelho de paz e reconciliação fraterna. O seu exemplo e a sua intercessão apoiam o compromisso da Igreja na construção da civilização do amor.

Saúdo todos vocês que vieram de Roma, Itália e outros países, em particular os peregrinos de Córdoba (Espanha), os jovens do Colégio Saint-Jean de Passy Paris, os fiéis de Loreto, os fiéis de St. Helens, Rende, Maiori, Poggiomarino e adolescentes da reitoria "Roman-Vittoria" em Milão. E por falar em Milão, gostaria de agradecer ao Cardeal Arcebispo de Milão e todas as pessoas pela calorosa recepção de ontem. Eu realmente me senti em casa, e isso com todos, crentes e não-crentes. Muito obrigado, querido Milão, e eu vou te dizer uma coisa: eu descobri que é verdade o que eles dizem: "Em Milão recebe com o coração o homem".

Desejo a todos um bom domingo. Por favor, não se esqueçam de orar por mim. Bom almoço e adeus!
_______________________________
Santa Sé (tradução nossa).