domingo, 24 de dezembro de 2017

Hoje, na Cidade de Davi, nasceu-vos um Salvador...


"As nações verão a tua justiça, todos os reis verão a tua glória; serás chamada com um nome novo, que a boca do Senhor há de designar. E serás uma coroa de glória na mão do Senhor, um diadema real nas mãos do teu Deus! Não mais te chamarão Abandonada, e tua terra não mais será chamada Deserta; teu nome será Minha-Predileta e tua terra será a Bem-Casada, pois o Senhor agradou-Se de ti e tua terra será desposada" (Missa da Vigília do Natal, primeira leitura).

Promessas sempre antigas e sempre novas do Esposo Jesus que vem à Sua sofrida Esposa, a Igreja! Na Liturgia, elas se tornam atuais e atuantes, e o nosso coração se enche de esperança! Não estamos sozinhos; o Emanuel é o Esposo e o Pastor! Que neste Natal, nós vejamos as promessas cada vez mais realizadas...

Palavras do Cristo-Emanuel à Sua Igreja: seus filhos ainda sentirão orgulho dela; e ela será a alegria do seu Deus...

Promessa sempre esperada, sempre respeitada, sempre atual, sempre atuante e atuada na Liturgia!

"Assim como o jovem desposa a donzela, assim teus filhos te desposam; e como a noiva é a alegria do noivo, assim tu és a alegria do teu Deus" (Liturgia do Natal, Missas da Vigília - primeira leitura).

"Agora é a Solenidade da Teofania (manifestação de Deus) ou também da Natividade, porque ela é designada de uma maneira e de outra, sendo os dois nomes atribuídos à mesma realidade.

Com efeito, ao nascer, Deus apareceu aos homens...

O nome de Teofania vem do fato de Ele ter aparecido e o nome de Natividade, do fato de ter nascido. Essa é, para nós, a Solenidade, essa é a Festa que celebramos hoje: a Vinda de Deus aos homens! É por isso que nós celebramos a Festa não como uma solenidade profana, mas de maneira divina; não à maneira do mundo, mas de maneira acima do mundo; não como festa nossa, mas como Festa Daquele que é nosso!" (São Gregório Nazianzeno, Bispo do século IV).

Mas, que consolo: na Liturgia, na Eucaristia celebrada, no Sacrifício eucarístico, Banquete eterno do Divino Cordeiro, a graça do Natal faz-se realmente presente e a plenitude da salvação, que acontecerá no Fim, já nos é realmente dada como penhor, como presgustação verdadeira e efetiva da Parusia que virá!

Deus nascido da Virgem, salvai-nos! 

Quando Deus promete, não trai jamais...
Ainda que demore, ainda que seja de modos que desconhecemos...
Ainda que pareça distante e esquecido de nós...
O Seu Nome é Eternidade, o Seu Nome é Fidelidade, o Seu Nome é Amor!

"Tudo isso aconteceu para cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 'Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco!' Quando acordou, José fez conforme o anho do Senhor havia mandado: aceitou sua esposa. E sem conhecê-la, Maria deu à luz um filho. E José deu ao Menino o nome de Jesus" (Missa da Vigília do Natal do Senhor - Evangelho).

Virgem concebeu, Virgem deu à luz!
Tudo é novo!
Tudo recomeça!
Hoje, o Espírito que pairava sobre as águas pairou sobre a Virgem,
Hoje, o Espírito, Nuvem gloriosa que enchia a Tenda no deserto,
fecundou a Virgem em Nazaré da Galileia,
Hoje, é o início da nossa salvação,
Hoje, o mundo começa a ser recriado,
Hoje, aparece a Cabeça da Igreja, que é o Seu Corpo,
Hoje, ouvimos,
Hoje, vimos,
Hoje, tocamos,
Hoje, comungamos:
Deus está conosco!

Ei-Lo:

feito Mistério de fé, feito alimento de salvação, feito energia de Vida divina, eterna,

ei-Lo:

Deus-conosco, para sempre, no Altar eucarístico da Divina Liturgia!
No Altar, é Natal!
No Altar, é Páscoa!
No Altar, é Deus presente!
No Atar, é Parusia, é Vinda do Senhor, é o Reino já em sua misteriosa eficácia e plenitude!

E, para que isto fosse realidade, José, humilde e pobre carpinteiro, despertou, obedeceu: tomou sua Maria como esposa, respeitou sua virgindade misteriosa e fecunda, acolheu o Fruto do seu ventre e lhe deu o nome que o próprio Deus escolhera: Jesus, Deus salva!

Dom Henrique Soares da Costa,

Bispo de Palmares, PE