Adsense Teste

domingo, 26 de março de 2017

México: Bispo de Cuernavaca responde a “difamações e perseguição” de governador


O Bispo de Cuernavaca (México), Dom Ramón Castro Castro, respondeu a várias acusações feitas pelo governador do estado de Morelos, Graco Ramírez, consideradas por muitos bispos mexicanos como "difamações e perseguição".

Em declarações ao Grupo ACI, Dom Castro Castro lamentou que “aqui quem tem uma opinião diferente do governo do Estado, quem diz a verdade, é perseguido, caluniado e, sobretudo processado”. Ele assegurou: “Eu não sou o único”, pois algo parecido aconteceu com outros críticos da autoridade estatal.

Graco Ramírez, membro do Partido da Revolução Democrática (PRD), fez várias acusações contra o Bispo de Cuernavaca. Entre elas, destacam a conspiração contra o seu governo, enriquecer com dinheiro de uma feira religiosa na região e intervir na política.

Para o Bispo de Cuernavaca, o conflito com o governador de Morelos “é uma longa história” que começou quando chegou à diocese em 2013.

“Desde que cheguei (houvera) algumas divergências sobre os temas do casamento igualitário e acerca do aborto”, indicou.

Outros eventos que incomodaram a autoridade civil, assinalou, foram as marchas pela paz e pela família, depois das quais “houve certa preocupação por parte do governo do Estado, porque mobilizou muitas pessoas”.

O Prelado assinalou também: “Fui acusado de ser o culpado pela violência de um santuário chamado Tepalcingo”, depois dos enfrentamentos motivados pelos administradores da região.

O Bispo recordou em um acordo entre os administradores, autoridades do governo do Estado e do representante legal da diocese “chegaram à determinação de que regressasse ao trabalho pastoral dos sacerdotes” e uma repartição equitativa entre a Igreja e os administradores dos recursos econômicos da feira.

“Mas há exatamente um ano, os administradores levaram 30 pessoas, dançarinos mascarados, ficaram bêbados e destruíram a porta da casa do peregrino e do sacerdote, destruíram a casa do sacerdote e queriam linchar o pároco, profanaram o Santíssimo Sacramento, roubaram 120 mil pesos (6.341 dólares) que eram para comprar material religioso que o pároco havia pedido emprestado, destruíram tudo o que estava na cozinha e roubaram os objetos pessoais do pároco”, assinalou.

“Depois disso, nós, pro bono pacis – para o bem da paz –, seguimos trabalhando sem perceber absolutamente nenhum outro benefício que não fosse pastoral”, acrescentou.

Dom Castro lamentou que “todo o ano passado foi assim. Eles continuaram administrando, eles se sentem donos do santuário, não nos deixaram trabalhar pastoralmente e este ano voltou a acontecer a mesma coisa e então decidimos, ao não cumprir o acordo, da nosso parte retirar a celebração dos sacramentos”.

“Eles levaram dois sacerdotes idosos enganados e, finalmente, um falso sacerdote que foi processado em três dioceses e um celebrante da palavra que não está em comunhão com a Igreja Católica, e continuaram fazendo a feira”.

Outra acusação se deve a uma reunião do Dom Castro com alguns líderes políticos e representantes da sociedade civil na qual os incentivou a trabalhar pelo bem comum frente à difícil situação do Estado.

Dom Castro assinalou: “Agora, estou ameaçado”, pois “o governo do Estado disse que, por me meter em política, vai me acusar ante a Conferência Episcopal, ante a Nunciatura e ante o Governo”.

“Eu, como pastor, quero a paz, a harmonia, mas não se pode ter paz e harmonia, sem verdade”, disse e sublinhou que “a verdade deve ser consolidada, deve ser trabalhada e a verdade, como disse Jesus, nos fará livres”. 

Província Eclesiástica do México manifesta o seu apoio

A Província Eclesiástica do México, liderada pelo Arcebispo Primaz do México, Cardeal Norberto Rivera, expressou sua “comunhão solidaria” a Dom Castro Castro, ante “ataques, calúnias, difamação e perseguição da qual foi vítima desde a sua chegada à diocese de Cuernavaca”.

“Conhecemos a sua probidade e a constatamos na responsabilidade que a própria Conferência Episcopal Mexicana o confiou ao nomear um membro do conselho da Presidência, como administrador dos recursos da igreja mexicana”.

O documento também tem a assinatura do Bispo de Toluca, Dom Francisco Chavolla; do Bispo de Tenancingo, Dom Raul Gomez; do Bispo de Atlacomulco, Dom Juan Martinez; e dos sete Bispos Auxiliares da Arquidiocese do México.

Os bispos mexicanos expressaram a Dom Castro Castro: “Também sabemos do seu entusiasmo, caridade e entrega pastoral como promotor incansável a favor da justiça e da paz, assim como o pastor com cheiro de ovelha, como o Papa Francisco nos pediu com insistência”.

Não perde a paz

Apesar da perseguição, o Bispo de Cuernavaca assegurou: “Eu não perco a paz, o Senhor nos deixou a paz, tento construí-la e tê-la muito firme e forte”.

“Certamente não deixo de ter preocupação, mas isso faz eu me ocupar, enquanto é necessário, mas sigo cumprindo com todos os meus outros deveres como deve ser”, disse.
______________________

ACI Digital