domingo, 11 de novembro de 2018

Papa Francisco: "não à lista de preços dos sacramentos".


Durante a missa celebrada na Casa Santa Marta, o pontífice comentou o episódio evangélico da “purificação do templo” e convidou a todos a refletir sobre o zelo e o respeito que reservamos hoje às nossas Igrejas.

As Igrejas são “casa de Deus” e não “mercados” ou salões sociais dominados pelo “mundanismo”. Foi a reflexão que o Papa Francisco ofereceu durante a missa celebrada na capela da Casa Santa Marta nessa quinta-feira, 9.

Partindo da passagem do Evangelho segundo João (Jo 2, 13-22), o pontífice explicou as motivações por trás da impetuosidade de Jesus, que expulsou os mercadores do templo. O Filho de Deus é movido pelo amor, pelo “zelo” pela casa do Senhor “convertida em mercado”.

Os ídolos escravizam

Entrando no templo, onde se vendiam “bois, ovelhas e pombos”, na presença dos “cambistas”, Jesus reconhece que aquele lugar estava povoado por idólatras, homens prontos para servir “ao dinheiro” em vez de a “Deus”. “Por trás do dinheiro está o ídolo – reiterou o papa Bergoglio na homilia –, e os ídolos são sempre de ouro. E os ídolos escravizam”.

“Isso chama a nossa atenção e nos faz pensar em como nós tratamos os nossos templos, as nossas igrejas. Se realmente são casa de Deus, casa de oração, de encontro com o Senhor. Se os sacerdotes favorecem isso. Ou se elas se assemelham aos mercados. Eu sei... algumas vezes eu vi – não aqui em Roma, mas em outra parte –, eu vi uma lista de preços. ‘Mas como? Os sacramentos são pagos?’ ‘Não, é uma oferta.’ Mas se querem dar uma oferta – que devem dar – que a coloquem na caixinha das ofertas, às escondidas, que ninguém veja quanto você dá. Ainda hoje existe esse perigo: ‘Mas devemos manter a Igreja. Sim, sim, sim, é verdade.’ Que os fiéis a mantenham, mas na caixinha das ofertas, não com uma lista de preços.”
Que as Igrejas não se tornem mercado

O pontífice também advertiu contra a tentação do mundanismo.

“Pensemos em algumas celebrações de alguns sacramentos, talvez, ou comemorativas, às quais você vai e vê: você não sabe se a casa de Deus é um lugar de culto ou um salão social. Algumas celebrações que deslizam para o mundanismo... É verdade que as celebrações devem ser bonitas – bonitas –, mas não mundanas, porque o mundanismo depende do deus dinheiro. É uma idolatria também. Isso nos faz pensar: como é o nosso zelo pelas nossas igrejas, o respeito que temos lá quando entramos?”

O templo do coração


O Papa Francisco refletiu depois sobre a primeira carta de São Paulo aos Coríntios, esclarecendo que o coração de cada um de nós também representa “um templo: o templo de Deus”. Mesmo na consciência de sermos todos pecadores, portanto, cada um deveria interrogar o próprio coração para verificar se é “mundano e idólatra”.

“Eu não pergunto qual é o seu pecado, o meu pecado. Pergunto se há um ídolo dentro de você, se há o senhor dinheiro. Porque, quando há pecado, existe o Senhor Deus misericordioso que perdoa se você for ao Seu encontro. Mas se houver outro senhor – o deus dinheiro – você é um idólatra, isto é, um corrupto: não já um pecador, mas um corrupto. O núcleo da corrupção é precisamente uma idolatria: é o fato de ter vendido a alma ao deus dinheiro, ao deus poder. É um idólatra.”
_________________________
Por: Barbara Castelli
Fonte: Vatican News
Disponível em: IHU Unisinos
Tradução: Moisés Sbardelotto