sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

O desejo de contemplar a Deus


Deixa um momento as tuas ocupações habituais, ó homem, entra um instante em ti mesmo, longe do tumulto dos teus pensamentos. Põe de parte os cuidados que te apoquentam e liberta-te agora das inquietações que te absorvem. Entrega- te uns momentos a Deus; descansa por algum tempo em sua presença.

Entra no íntimo da tua alma; remove tudo, exceto Deus e o que te possa ajudar a procurá-l’O. Encerra as portas da tua habitação e procura-O no silêncio. Diz a Deus, de todo o coração: Procuro o vosso rosto; o vosso rosto, Senhor, eu procuro.

E agora, Senhor meu Deus, ensinai ao meu coração aonde e como hei-de buscar-Vos, aonde e como poderei encontrar-Vos.

Senhor, se não estais aqui, se estais ausente, onde Vos procurarei? Mas se estais em toda a parte, porque não Vos encontro aqui presente? É certo que habitais numa luz inacessível. Mas onde está essa luz inacessível? Como terei acesso a ela, se é inacessível? Quem me conduzirá e introduzirá nessa luz, para que nela Vos possa contemplar? Com que sinais, com que aspecto Vos devo procurar? Nunca Vos vi, Senhor meu Deus; não conheço o vosso rosto.

Que fará, altíssimo Senhor, que fará este desterrado, tão longe de Vós? Que fará este vosso servo, sedento do vosso amor, mas tão longe da vossa presença? Anela contemplar-Vos, mas o vosso rosto está tão longe dele. Deseja aproximar-se de Vós, mas a vossa morada é inacessível. Deseja encontrar-Vos e ignora onde habitais. Suspira por encontrar-Vos, mas desconhece o vosso rosto.

Senhor, sois o meu Deus, sois o meu Senhor e nunca Vos vi. Vós me criastes e redimistes, concedestes-me todos os bens que possuo e ainda não Vos conheço. Fui criado para Vos ver e não atingi ainda o fim para que fui criado.

Então, Senhor, até quando? Até quando, Senhor, Vos esquecereis de nós? Até quando escondereis de nós o vosso rosto? Quando voltareis para nós o vosso olhar e nos escutareis? Quando iluminareis os nossos olhos e nos mostrareis o vosso rosto? Quando Vos comunicareis a nós?

Olhai, Senhor, para nós; ouvi-nos, iluminai-nos, manifestai-Vos a nós. Vinde morar conosco e seremos felizes; sem isso, passaremos muito mal. Tende compaixão dos nossos trabalhos e esforços para Vos alcançar, porque sem Vós nada podemos.

Ensinai-me a procurar-Vos e mostrai-me o vosso rosto; porque não posso procurar-Vos, se não mo ensinais. Não posso encontrar-Vos, se não Vos mostrais. Desejando Vos procurarei, e procurando Vos desejarei; amando Vos encontrarei, e encontrando Vos amarei.


Do «Proslógion» de Santo Anselmo, bispo

(Cap. 1: Opera omnia, Ed. Schmitt, Seccovii, 1938, 1, 97-100) (Sec. XI-XII)