sexta-feira, 8 de julho de 2016

Felizes de nós se cumprirmos os mandamentos do Senhor na concórdia da caridade




Vede, irmãos caríssimos, como é grande e admirável a caridade e como é inefável a sua perfeição. Quem é capaz de viver na caridade, senão aqueles que Deus tornou dignos? Oremos e supliquemos-Lhe que pela sua misericórdia nos permita viver na caridade, irrepreensíveis e livres de toda a discórdia humana. Desde Adão até ao dia de hoje, todas as gerações passaram; mas aqueles que, pela graça de Deus, foram perfeitos na caridade, têm a sua morada entre os santos e manifestar-se-ão na vinda gloriosa do reino de Cristo. Assim está escrito: Entrai por um momento nas vossas moradas até que passe a minha ira e o meu furor; e recordar-Me-ei do dia favorável e vos farei ressurgir dos vossos sepulcros.

Felizes de nós, irmãos caríssimos, se cumprirmos os mandamentos do Senhor na concórdia da caridade, porque pela caridade nos são perdoados os nossos pecados. Assim está escrito: Feliz daquele a quem foi perdoada a culpa e absolvido o pecado. Feliz o homem a quem o Senhor não acusa de iniquidade e em cuja boca não há mentira. Esta felicidade foi concedida àqueles que Deus escolheu por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo. A Ele a glória pelos séculos dos séculos. Amém.

Peçamos perdão de todo o mal que praticámos, seduzidos pelas insídias do Adversário; e aqueles que foram os chefes da sedição e da discórdia devem considerar bem o que nos é comum na esperança. Com efeito, os que vivem no temor de Deus e na caridade preferem sofrer eles mesmos para que não sofram os outros; e preferem suportar a humilhação, para que não seja desacreditada aquela harmonia e concórdia que justa e honrosamente nos vem da tradição. É melhor para o homem confessar os seus pecados do que endurecer o seu coração.

Havendo, portanto, alguém entre vós que seja generoso, misericordioso e cheio de caridade, esse diga: «Se por minha causa surgiu a sedição, a discórdia e o cisma, então afasto-me, vou para onde quiserdes e faço o que a comunidade me ordenar, contanto que o rebanho de Cristo viva em paz com os presbíteros legitimamente constituídos». Quem proceder assim atrairá sobre si uma grande glória em Cristo e será bem recebido em toda a parte, porque do Senhor é a terra e tudo o que nela existe. Assim procedem e procederão os que vivem a vida divina, e disso nunca terão de se arrepender.


Da Epístola de São Clemente I, papa, aos Coríntios
(Nn. 50, 1 – 51, 3; 55, 1-4; Funk 1, 125-127.129) (Sec. I)